Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Nem um só dia passa sem ruídos

Rui Gomes, em 19.01.13

 

É, sem dúvida alguma, uma fase da história do Sporting totalmente inacreditável. Indiferente das medidas tomadas pelo Conselho Directivo, num sentido positivo, indiferente se a equipa principal de futebol joga ou não joga, vence ou não vence, nem um único dia passa sem os ruídos na praça pública pelos «notáveis» pantomineiros da oposição, e...sempre os mesmos. Passado tanto tempo e inúmeros discursos vazios de ideias, ainda não é possível compreender a postura de Abrantes Mendes, um dos candidatos derrotados que nunca teve nem a mínima hipótese de ser eleito. Esta consideração, pela evidência à vista, não o impede de ser «papagaio» repetida e frequentemente.

 

Esta sua última aparência esclarece que já formou qualquer tipo de aliança com os membros da Mesa da Assembleia Geral - inevitável, diga-se - e que até poderá vir a ser um dos elementos da comissão de gestão, caso esta venha a ser formada. Como todos, insiste que a Assembleia Geral deve ser realizada, mas que seria melhor o presidente Godinho Lopes «ponderar a leitura de todo o universo sportinguista e demitir-se, para evitar submeter-se a sufrágio e até para evitar um abiente dramático, de crispação, havendo o perigo de a assembleia poder não chegar ao fim.» 

Mais um com a presunção de chamar a si o direito de se pronunciar em nome de «todo o universo sportinguista» e que tem contribuído para o clima de «pré-guerra civil no Sporting» - nas suas palavras - mas que agora receia ser confrontado com o fruto dessa situação.

 

Como sempre, é contraditório, em que afirma que o Conselho Directivo tem feito coisas boas, mas que a gestão do futebol tem sido catostrófica, para, logo de seguida, adiantar que «embora o futebol tenha um peso muito grande na avaliação dos associados ao trabalho da direcção, a marcação da Assembleia Geral não se deve aos resultados do futebol.»

 

Concordo parcialmente com Abrantes Mendes, pela sua consideração de que «o próximo presidente tem de ter uma postura estadista. Ou seja, tem de pensar em primeiro lugar no clube e não nos interesses particulares. Tem de se rodear de gente competente e afirmativa. Enfim, uma nova mentalidade. Tem de ser, ainda, alguém com créditos firmados junto da sociedade, que saiba falar de igual para igual com os bancos e que aposte numa política realista. com forte aposta na formação, temperada com jogadores de créditos firmados.»

 

Bem, perante estas suas convicções, é evidente que Bruno de Carvalho e todos os outros candidatos ficam fora do «baralho» de alternativas credíveis, especialmente pela exigência de créditos firmados tanto perante a sociedade como perante a banca.

 

Abrantes Mendes, como era de esperar, argumenta, aliás, indica, que apenas uma assembleia geral será necessária para destituir os órgãos sociais, mas não explana o seu raciocínio. Afirma que Eduardo Barroso está no seu direito de agir como ele tem vindo a agir (ninguém tem dignidade ?), mas que as informações que tem não indicam que tenham existido quaisquer irregularidades no último acto eleitoral. Afirmou, ainda, que após as suas duas candidaturas à presidência do Sporting - 2006 e 2011 - «o meu tempo já passou.»

 

Por último, fez uma outra análise do estado das coisas que me deixou deveras confuso: «Há muito que o Sporting está nas mãos dos bancos. O que se passa no clube e na SAD é o resultado de uma estratégia que vem de há muitos anos e que visa obstar à entrada de aventureiros no clube. Foi uma estratégia que deu resultados, mas que originou a perda de identidade do Sporting. Foi, por isso, uma má prestação de serviços ao clube, não obstante considerar os bancos como um parceiro imprescendível.» Se alguém compreender esta parte, fico grato por uma explicação, porque me ultrapassa completamente. Foi uma boa medida para impedir a entrada de aventureiros mas, em simultâneo, foi uma mau serviço porque originou a perda de identidade, não obstante considerar a parceria com a banca imprescendível. Chama-se isto reduzir a nada o uso da razão !

 

Em última análise, esta entrevista concedida por Abrantes Mendes - entre tantas por tantos - visa primodialmente à estratégia de exercer pressão sobre Godinho Lopes e o Conselho Directivo, porque apesar de toda a fanfarrice da oposição quanto à convocação de uma Assembleia Geral extraordinária, todos receiam os resultados da mesma. Por isso, e só por isso, a demissão é o curso conveniente.

 

 

    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


2 comentários

Sem imagem de perfil

De A. Santos a 19.01.2013 às 20:51

Caro Rui Gomes

Estas cabeças não param... O actual presidente, quer se queira, quer não, não tomou o poder de assalto com nenhum exército, foi eleito democraticamente para exercer um mandato de 3 anos! Nenhum de nós, está satisfeito com o momento actual, porque se estivesse-mos, não éramos verdadeiros sportinguistas, mas entendo que este presidente deve ser julgado no final do seu mandato. Nessa altura, os sócios poderão fazer uma avaliação correcta e justa, sobre o seu desempenho à frente dos destinos do clube. Mais uma vez chamo à atenção dos sportinguistas, para a situação em que o clube se encontrava, aquando das ultimas eleições...

Cumprimentos
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 19.01.2013 às 21:31

Caro A. Santos,

Como é evidente, «eles» não querem saber dos aspectos positivos do actual mandato, apenas acentuar os negativos porque serve os seus interesses. Cada vez mais se verifica a dimensão desta conspiração. Não há outro nome que se lhe possa dar. Todos conspiram atrás de portas fechadas e depois surgem nas ruas com deliberadas acções a fim de destabilizar e passar o conceito que uma alternativa com soluções abstractas é melhor do que o presente, na esperança de que hajam suficentes cabeças a aceitar a proposição. Esta última análise de Abrantes Mendes é um exemplo, pela sua real nulidade. Chama-se «niistismo», a arte de reduzir tudo a nada.

Cumprimentos

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo