Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A banha da cobra

Rui Gomes, em 23.01.13

 

Quanto mais penso na questão mais pasmado fico; como na sociedade portuguesa se dá tanta importância a quem tão insignificante é. Deve estar relacionado com os valores que hoje em dia prevalecem, com certeza, e ajuda a explicar como um País com uma história tão rica se tem vindo a reduzir ao quase nada e, de uma forma ou outra, anda sempre em constante estado de crise. 

É precisamente este o caso do notório candidato derrotado, em que sem nada de construtivo fazer, sem referências e sem provas dadas seja do que for, é considerado por muitos sonhadores como o próximo «salvador da pátria», o milagreiro que sem ter créditos próprios vai arranjar os muitos milhões de investimento que o Sporting necessita e, sem nada de futebol perceber, vai apresentar uma equipa a conquistar títulos após títulos. Isto, em nada se relaciona com uma pretensa defesa de Luiz Godinho Lopes. São casos separados e discussões distintas, até porque quem é verdadeiramente sportinguista tem a obrigação de zelar pelos interesses do Clube e não de personagens que se afiguram em um qualquer momento da sua história.

Dizem os seus apoiantes que o candidato derrotado deu ontem a cara para não se dizer que o faz apenas quando a equipa sofre resultados desagradáveis. Uma pura fantasia, ou melhor, uma pura inverdade, porque ele não deu a cara após a última vitória da equipa, mas sim após o tão desejado discurso do vice-presidente da Mesa da Assembleia Geral relativamente à convocação da tão por si esperada reunião magna para revogar os mandatos dos titulares do Conselho Directivo e do Conselho Fiscal e Disciplina. Aliás, até  aproveitou o ensejo para dirigir uma crítica ao director e treinador do futebol do Sporting. Com o seu usual paleio de caixeiro viajante a vender a banha da cobra, entusiasmou a plateia com o seu grito de revolta: «o Sporting nunca cairá num vazio», com se isso dependesse da sua mais-valia, ou melhor, menos-valia. Com mais do mesmo, grita também que quer fazer parte da solução e não do problema, ficando por explicar do que é que ele tem vindo a fazer parte, se não do problema. Clama que Godinho Lopes receia enfrentar os sócios e até terá razão. Eu também recearia se o encontro com os sócios fosse conduzido sob um clima de guerra civil liderado por dois elementos da Mesa da Assembleia Geral que são tudo menos isentos e imparciais. Neste contexto, torno a evocar o exemplo da revolução francesa e o uso da guilhotina. Mostra-se preocupadíssimo com o agendar da reunião, como se a sobrevivência do Clube dependesse desta se realizar uma semana mais cedo ou mais tarde. Por fim, um total vazio de ideias e soluções, mas a exemplo do caixeiro viajante, lá vai vendendo a banha da cobra aos mais incautos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:02

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


2 comentários

Sem imagem de perfil

De A. Santos a 23.01.2013 às 20:38

Caro Rui Gomes

A cada dia que passa, o clube está cada vez mais fracturado, mais desunido, e completamente vulnerável ao aparecimento dos salvadores da pátria. Tudo vai valer a partir de agora!!! Banha da cobra, gato por lebre, tudo o que se possa imaginar por parte dos crânios que sempre souberam qual a solução para o Sporting. Acho sinceramente que Godinho Lopes deveria já acabar com a ansiedade destes Srs., entregando já as chaves do clube ao Dr. Eduardo Barroso, evitando a A.G. da discórdia, deixando à consciência dos sócios todas as consequências que daqui advierem. Há limites para tudo, e acho que já basta de tanta revolução no clube...

Cumprimentos
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 23.01.2013 às 21:28

Caro A. Santos,

Compreendo o seu raciocínio, mas por outro lado, isso seria render-se aos incautos. Além do mais, penso eu, existirão responsabilidades que não podem ser abandonadas sem mais nem menos. Demitindo-se, acaba por dar razão a todos sobre tudo, porque só irão interpretar esse acto como uma fraqueza.
O lema futuro, caso estes incautos venham a assumir o poder, vai ser: «a culpa não é nossa, encontrámos o clube num estado lastimoso». Irão passar a vida a apontar culpabilidade a outros.

Cumprimentos

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo