Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A verdade inconveniente

Rui Gomes, em 26.02.13

 

Acho que a abordagem de José Couceiro aos problemas principais do Sporting, no seu discurso inaugural, foi honesta, realística e sensata. Não serve ninguém, muito menos o Sporting, elaborar adornos florais que não correspondem à realidade do momento. É de admitir que o fervor futebolístico entra em colusão com a contenção financeira, mas por esta não ser tão agradável e conveniente, não deixa de ser menos verdadeira.

 

Disse José Couceiro: «A má gestão desportiva levou ao desastre financeiro. Haverá uma redução significativa dos custos salariais e amortizações da equipa de futebol, o que implica apostar nos jogadores da formação e que a equipa tem de ser competitiva com menos.»

 

Sustentando o seu raciocínio e clarividência, temos de ter em consideração que o Sporting tem 375 milhões de passivo consolidado - anunciado há um ano - e 220 milhões de passivo na SAD, comunicados à CMVM em Setembro de 2012. O cenário financeiro piorou imenso com o investimento na equipa de futebol - 26 jogadores - a trazer um aumento de 43 por cento nos custos com pessoal, que dispararam de 29 milhões para 42,5 em apenas um ano. Daí, a maior causa do prejuízo de 46 milhões de euros, relativamente ao exercício de 2011/12 e a necessidade de baixar a folha salarial através da saída de oito jogadores durante o mercado de inverno.

 

O Sporting está ainda a lutar (matematicamente) por um lugar de acesso às provas europeias, circunstância que terá enorme impacto na nova administração. Mas, mesmo assim, e partindo do princípio que Jesualdo Ferreira se manterá na liderança técnica da equipa e no desenvolvimento de tantos jovens talentos - Couceiro e o professor já trabalharam juntos em Alverca - o novo líder terá, muito indica, um rumo traçado para a equipa principal que facilitará a sua missão.

 

Assente na premissa que o caminho para a recuperação financeira do Clube passa, forçosamente, pelo melhoramento da gestão desportiva, torna-se imprescendível, hoje mais do que nunca, ter pessoas na liderança com vastos conhecimentos de futebol e que se identificam perfeitamente com a modalidade, à raiz. Neste contexto, é indiscutível que José Couceiro supera significativamente os outros dois candidatos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:40

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo