Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Alteração às Leis do Jogo da FIFA

Rui Gomes, em 29.03.13

 

O «International Football Association Board» submeteu a aprovação da FIFA uma alteração às leis do jogo relacionada com um caso que ocorreu o ano passado em que um jogador marcou golo directamente de uma bola ao solo numa situação de «fair-play». Esta alteração estipula que nas bolas ao solo, o jogador que tocar na bola, se obtiver um golo na baliza adversária, o golo não pode ser validado, recomeçando o jogo com um pontapé de baliza e se obtiver um golo na própria baliza, o jogo recomeça, com um pontapé de canto.

 

Esta parte da lei é clara e justa, já o mesmo não poderei dizer com a segunda parte da mesma lei, que indica que para que seja validado um golo nestas circunstâncias, é preciso que a bola, depois de pontapeada, toque, antes de entrar na baliza, num colega ou num adversário.

 

O que impede o jogador que primeiro toca na bola, de passá-la a um colega bem posicionado e este marcar então golo ?... A lei diz que se a bola tocar num colega, depois de pontapeada, o golo será validado. Não faz sentido, inclusive a parte que refere «tocar num adversário». Na minha opinião, o que a lei deveria estipular é que a bola só está em jogo, depois do primeiro jogador tocar nela (pontapear), quando um adversário assumir controlo da bola. É espantoso como algumas das alterações em anos mais recentes só contribuiram para uma maior amibiguidade na interpretação das Leis do Jogo e consequente polémica pelas decisões dos árbitros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:42

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Mike Portugal a 29.03.2013 às 08:25

Não concordo contigo quanto a esta última parte. Tem que ser como eles dizem e facilmente te explico porquê.

Imagina que eu sou a equipa do Barça e tenho uma bola ao solo a meu favor. O Xavi passa ao Messi, que passa ao Iniesta, que passa ao Messi, que volta a passar ao Xavi, que passa ao Pedro, que desmarca o Messi, que por sua vez faz golo. Isto num espaço de 2 minutos. Pela tua opinião, como nenhum adversário tomou controlo da bola isto não poderia ser golo, o que como podes ver, não faz sentido.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.03.2013 às 09:05

Caro Mike,

Não está a compreender a situação. Isto é uma situação em que por fair-play se é suposto dar a bola ao adversário. A exemplo do quando uma equipa atira a bola para fora poe lesão de um jogador. Isto não é um caso de bola ao solo disputado entre dois jogadores.
Sem imagem de perfil

De Mike Portugal a 29.03.2013 às 12:31

Rui,

Nas regras não há distinção entre lançamento de bola ao solo normal e lançamento de bola ao solo fair-play, pelo que as regras têm que ser feitas para suportar as 2 situações ao mesmo tempo. E sendo assim, a tua ideia não poderia ser aplicada na situação que descrevi.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.03.2013 às 12:57

Outra vez na mesma tecla. Esta NOVA lei refere-se especificamente a situações de bola ao solo em que uma equipa é suposta dar a bola ao adversário no sentido de fair-play e não passar a bola a meia dúzia de colegas.

Ainda não compreendi o que é tão complicado de compreender. O árbitro dá a bola ao solo a um único jogador com a intenção de este a dar ao adversário e não de passar a colegas ou marcar golo.

O caso do ano passado foi precisamente esse. O árbitro fez bola ao solo com um único jogador e este, em de a dar ao adversário, marcou golo, com os adversários parados à espera da bola.
Sem imagem de perfil

De Mike Portugal a 29.03.2013 às 14:00

Não me fiz entender na minha explicação.
Eu não acredito que a FIFA faça uma regra que diga "Esta regra é especifica para quando uma equipa QUER dar a bola à outra equipa".

O que eles estão a fazer é tentar alterar a regra que já existe para impedir que se façam golos directos.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.03.2013 às 15:29

Exactamente, por isso mesmo eu digo que esta nova regra nega o espírito de fair-play quando diz que o jogador não pode marcar um golo directo, salvo se a bola tocar num adversário ou num colega. Daí, o meu comentário: ele é suposto entregar a bola ao adversário no tal gesto de fair-play, mas vez de fazer isso passa a bola a um colega e este marca o golo. Onde está o sentido fair-play que a FIFA pretende. Ele não deu a bola ao adversário como é suposto, dá a um colega seu e a exemplo do que já acontecia, o árbitro terá de validar o golo porque a lei não nega essa eventualidade. O que eu diria a uma equipa minha é: não esperem receberem a bola em fair-play, ignorem isso e façam a cobertura defensiva como se fosse um livre.

A única teórica intenção da FIFA, e o International Board explica isso, não é para situações normais de bola ao solo,usualmente entre dois jogadores, mas únicamente para evitar golos directos em casos onde no espírito de fair-play a bola é suposta ser dada ao adversário. Como em muitas leis, há a letra da lei e o esoírito da lei. A única razão da modificação é para situações de fair-play e não qualquer preocupação com a tradicional bola ao solo.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo