Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O todo é mais forte do que a parte

Rui Gomes, em 18.04.13

 

A liberdade de expressão como o veículo da transmissão de informações e ideias por quaisquer meios independentemente de fronteiras, é o alicerce fundamental em uma democracia. Os poderes democráticos, quer sejam governamentais ou institucionais, não controlam o conteúdo dos discursos escritos ou verbais, garantindo, por esses princípios, que as democracias tenham muitas vozes exprimindo ideias e opiniões diferentes e até contrárias, resultando num debate livre e aberto - deveras salutar - como a melhor opção a oferecer mais probabilidades do melhoramento da sua existência. A liberdade de expressão é um direito fundamental consagrado em democracia que depende de uma sociedade civil, educada e bem informada, cujo acesso à informação lhe permite participar tão plenamente quanto possível no seu enquadramento público.

A censura é tão antiga quanto a sociedade humana, sendo a Grécia antiga a primeira sociedade a elaborar uma justificativa para a censura, com base no princípio de que o governo da Pólis (cidade - estado) constituía a expressão dos desejos dos cidadãos e que, portanto, podia reprimir todo aquele que tentasse contestá-lo. Na sociedade moderna, censura é usada por qualquer grupo de poder ou até fracções individuais da sociedade, no sentido de controlar e suprimir informação, certos pontos de vista e opiniões divergentes, constrangindo-os pelo impedimento da sua divulgação ou através de comentário ameaçador à opinião contrária, de forma punitiva ou repressiva.

Conheço a História do Sporting e tenho muito orgulho em ser sportinguista. Os métodos de pressão e censura à opinião contrária que se verificam hoje em dia nas redes sociais, na blogosfera e em outros espaços da Internet - assentes na estéril premissa do «nós» e «eles» - contrastam com os preceitos morais e educacionais da sociedade livre, em que prepondera o sentimento de comunidade, em geral, e o espírito de ser Sporting, em particular. Pelo rejuvenado sentido de reestruturar e recuperar o nosso Clube, esta desadequada, quase pré-histórica noção, tende desunir, não unir, gera divergências, não consensos e, em geral, prescreve um clima de antagonismo imprudente, indesejável e improdutivo. O todo é sempre mais forte do que a parte e julgo ser essa a mensagem que foi enunciada pela nova liderança. O Sporting Clube de Portugal é um clube muito grande, tão grande quantos os seus cerca de três milhões de sócios, adeptos e simpatizantes desejam, e se não é da pertença exclusiva de um pequeno grupo de outrora, também não é de um pequeno grupo do presente. Parafraseando o Marquês de Sade: «Só me dirijo às pessoas capazes de me entender, e essas poderão ler-me sem perigo.»

 

Artigo da minha autoria publicado hoje no Jornal do Sporting.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:37

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


2 comentários

Imagem de perfil

De Pedro Quartin Graça a 19.04.2013 às 07:29

Muito bem!
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 19.04.2013 às 11:27

Obrigado caro Pedro. Terá havido reflexão editorial.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo