Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Classe e dignidade até ao fim

Rui Gomes, em 20.05.13

 

A há muito esperada saída de Jesualdo Ferreira foi ontem oficializada e o professor leu a seguinte declaração, curiosamente, sem direito a perguntas:

 

"Foi uma decisão tomada com tristeza, mas um acto de honestidade para com o Sporting e para comigo. Não poderia aceitar ser treinador para o próximo ano se não sentisse que houvesse condições para, no futuro, não me sentir a mais. Ao contrário do que disseram, não foram questões financeiras ou de poder que me afastaram, mas antes aquilo que fui percebendo ao longo de duas conversas com o presidente, e uma terceira, a 9 de Maio. Precisava de saber os caminhos para poder chegar ao sucesso, porque não queria ficar com mais medalhas no meu peito: ficar e, no ano seguinte, olharem para mim e verem-me como um indivíduo a mais. Também aprendi a gostar do Sporting e não é difícil. Senti um carinho especial a aumentar à medida que aumentavam as dificuldades. Quero deixar um muito obrigado e dizer que foi um prazer, uma bênção, ter treinado o Sporting e poder conhecer por dentro o único grande que não conhecia. Foi um prazer trabalhar com jogadores de grande qualidade e empenhamento. A instituição Sporting, por mais que viva, nunca a vou esquecer."

 

Com a classe e dignidade que lhe são reconhecidas, evitou a especificidade das condições que lhe foram apresentadas e que ele entendeu não satisfazerem a sua visão do futebol do Sporting e o que seria necessário para poder continuar a liderar a equipa leonina. Não é preciso ser um sábio para determinar que Jesualdo Ferreira foi percebendo ao longo das conversas com o presidente-adepto - que ontem deu uma volta ao estádio Municipal de Aveiro como um "César" vitorioso - que não era desejado em Alvalade pela nova liderança e que a proposta que lhe foi apresentada intentava a sua recusa.

 

Por fim, recorro à eloquente narrativa do nosso leitor António - escrita antes da decisão anunciada - que descreve objectivamente e com precisão o estado das coisas:

 

«"O treinador será mais uma peça de uma máquina que tem de funcionar em pleno, uma peça importante evidentemente, mas nunca um ser genial e providencial a quem se pede que resolva todos os problemas da equipa e, por vezes, até do próprio clube."

Nesta afirmação de Bruno de Carvalho há uma revelação subliminar: é ele próprio que se considera salvador do Sporting, constituindo a sua pessoa a genialidade, o saber, a competência, em suma, a iluminação que irá resgatar o nosso clube de todos os seus males. Por essa razão, não resistiu a cortar com o passado recente, mesmo nos seus aspectos positivos, e recomeçar tudo de acordo com o seu plano e convicção. Quando exalta o presidencialismo é isso mesmo: o poder concentrado na sua pessoa iluminada. Imagina-se um "Pinto da Costa" mas não conhece nem a milionésima parte da missa. Uma pessoa assim não será capaz de trabalhar em equipa, ao contrário do que quer fazer crer.

Dir-se-á que foi eleito. Verdade. O problema é que ele não tem um "saber de experiência feito". E isso é fatal para o seu presidencionalismo. Pior, será terrível para o Sporting, que é o que verdadeiramente interessa.»

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:07

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Lionheart a 20.05.2013 às 09:46

Só desejo que o próximo treinador consiga ter o mesmo respeito do plantel que teve Jesualdo Ferreira, ao contrário de todos os treinadores que o antecederam esta época e na anterior. E teve-o porque o conquistou, pela sua personalidade, saber e pela confiança que soube fazer crescer nos jogadores. Quando assim é, é meio caminho andado para que haja um bom ambiente de trabalho e vontade de ganhar. Sem isso, e acrescendo o desnível de competitividade para com os rivais que não se consegue esbater de um ano para o outro, o Sporting não tem hipóteses, por muito "apoio" que tenha no banco.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 20.05.2013 às 10:38

Leonardo Jardim é um bom treinador e penso que saberá trabalhar com o plantel. A dúvida é precisamente sobre esse plantel, se os jogadores nucleares forem vendidos e, claro, a estrutura em si que ainda não se compreende.

Penso que além de BdC querer ser um pequeno ditador, que Inácio tem muita influência sobre ele e veremos o efeito disso.
Sem imagem de perfil

De sloct a 20.05.2013 às 15:31

E é precisamente por causa dessa influência que eu continuo a achar que o Inácio rapidamente vai ser o treinador.

Volto a dizer, oxalá engula estas palavras.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 20.05.2013 às 16:42

Veremos o que o futuro nos traz. Eu reconheço o Leonardo Jardim como um bom treinador, mas o que ainda está por esclarecer é a matéria que lhe vão dar para trabalhar.

Quanto à estrutura, a inexperiência de todos, desde o presidente ao Virgílio, só não levanta, no mínimo, algumas dúvidas, para aqueles que seguem o novo "César" cegamente.
Sem imagem de perfil

De haja luz a 20.05.2013 às 13:18

Sem mais.
Foi isso que quis dizer ontem, e que o Rui explicou, como bem sabe, na primeira parte do post.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo