Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A relatividade do futebol

Rui Gomes, em 07.01.13

Pelos meus anos no futebol, semprei acreditei na filosofia de que a equipa mais desejada e eventualmente mais vitoriosa, é a que se apresenta com o maior equilíbrio entre sectores e consistência de jogo, designadamente ao que concerne defender e atacar bem, em partes iguais. Este será, porventura, o cenário ideal, mas tudo é relativo, porque as equipas mais ganhadoras nem sempre apresentam esta condição. O Bayern Munique justifica a minha tese, em que lidera a «Bundesliga» com 42 pontos em 17 jogos, 44 golos marcados e só sete sofridos. No extremo oposto apresenta-se o Manchester United, com uma época muito irregular, em termos da sua consistência de jogo, com um meio campo muito ambíguo e uma defesa vincadamente permeável, no entanto, lidera a «Premier League» com 7 pontos de avanço sobre o 2.º classificado Manchester City. A principal razão para este seu estado competitivo, é um ataque que até à 21.ª jornada produziu 54 golos - uma média de 2.6 golos por jogo - terceiro na Europa, apenas atrás dos 61 do Barcelona e dos 60 do PSV Eindhoven. A sua defesa surge, então, a desafiar a lógica do equilíbrio: com 28 golos sofridos, os «Red Devils» têm um défice defensivo superior ao 11.º classificado da Liga, o West Ham United. No quotidiano do futebol costuma-se dizer que marcar golos «tapa muitos buracos» e com Robin van Persie, Hernandez e Wayne Rooney na frente do ataque, com 32 golos entre eles, a margem de erro é enorme, embora com muitos sobressaltos, evidenciados pelo número de jogos que o Manchester recuperou mesmo ao fechar do pano.

Em Portugal, a equipa que mais acentua o desiquilíbrio é precisamente o Sporting. Classificado, como bem sabemos, em 12.º lugar, é reconhecida pela sua vulnerabilidade defensiva, no entanto, só tem mais um golo sofrido (16) que o terceiro classificado Braga. No extremo oposto, a falta de produção ofensiva explica, esclarecidamente, a realidade do momento: 11 golos marcados em 13 jogos - uma média de 0.8 golos por jogo - menos até do que o último classificado Moreirense, com 14, e a razão de ser dos seus 6 empates e cinco derrotas, estas pela margem mínima, excepto os 2-0 frente ao FC Porto. Curiosamente, o Barcelona acentua toda a sua potência ofensiva, com 61 golos em 18 jogos - uma média de 3.4 golos por joga - mas com mais 23 golos marcados e 11 pontos que o segundo classificado Atlético de Madrid, tem mais um golo sofrido, e com mais 16 golos marcados e 16 pontos que o rival Real Madrid, só tem menos 1 golo sofrido. Tudo isto vem a provar que não há um constante absoluto no futebol. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:36

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


2 comentários

Sem imagem de perfil

De A. Santos a 07.01.2013 às 16:49

São interessantes estes dados!... Mostram como a lógica do futebol é uma batata...

Cumprimentos
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 07.01.2013 às 17:58

No caso do Sporting caro A. Santos, acaba por ser concludente: com mais nem que fosse só meia dúzia de golos, não estaríamos na posição em que nos encontramos.

Cumprimentos

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo