Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fotografia com história dentro (53)

Leão Zargo, em 02.07.17

 

 António Oliveira Sporting CP.jpg

 

António Oliveira e o Sporting

  

O presidente João Rocha contratou os serviços de António Oliveira no Verão de 1981, quando ele exercia as funções de treinador-jogador no Penafiel. Chegou a Alvalade como jogador, juntando-se a Manuel Fernandes, Jordão, Eurico, Carlos Xavier, Meszaros, Bastos, Inácio e Mário Jorge, entre outros. Uma grande equipa. Permaneceu no Sporting durante quatro épocas.

 

Os sportinguistas recordam-se bem de Oliveira, até porque formou com Manuel Fernandes e Jordão um triângulo ofensivo inesquecível. Houve sempre uma história de conflitos de egos entre eles, mas o treinador Malcolm Allison tirou o capitão dessa equação, garantindo que “Manuel Fernandes era o mais envergonhado, altruísta”. Os problemas terão surgido depois da saída de 'Big Mal'.

 

No início da temporada de 1982-83, João Rocha entregou-lhe a orientação técnica da equipa na sequência de uma pré-época polémica na Bulgária com Malcolm Allison. Assim, Oliveira passou a treinador-jogador, conquistou a Supertaça e conduziu o Sporting até aos quartos-de-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus, a melhor prestação do Clube nesta competição.

 

No dia 29 de Setembro de 1982 o Sporting recebeu o Dínamo de Zagreb, campeão da Jugoslávia, na primeira eliminatória da Taça dos Campeões Europeus. Na primeira mão os jugoslavos tinham vencido por 1-0. O jogo de Alvalade disputou-se num contexto de grande conflito emocional para Oliveira pois o seu pai tinha sido hospitalizado e estava entre a vida e a morte.

 

No entanto, ele quis jogar para “vingar aquele momento trágico”. Nas bancadas foi-se conhecendo a terrível situação do camisola dez. No relvado o jogador realizou uma exibição magistral culminada com três golos fabulosos. Ciro Blatzevic, o treinador do Zagreb, exclamou que “Oliveira é um fora-de-série”. Poucas horas depois, o jogador teve conhecimento da morte do pai.

 

A época de 1982-83 não correu bem aos leões. Se calhar, já estava escrito nas estrelas. Num derby na Luz que o Sporting perdeu por 3-0, Oliveira não compareceu alegando motivos de saúde. João Rocha percebeu o erro que tinha cometido e contratou Josef Venglos. Depois, muita coisa aconteceu no Sporting, mas desde aquele jogo com o Zagreb tenho uma dívida de gratidão para com António Oliveira!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33

 

oliveira.jpg

«Na altura (Dezembro 1982) já havia uma grande movimentação para que fosse eu o capitão do Sporting. O próprio Malcom Allison queria tirar a braçadeira ao Manuel Fernandes. Quando o treinador foi afastado, o Manuel Fernandes deu uma entrevista onde, por acaso, elogiou muito o trabalho dele. Por esta altura eu já tinha sido promovido a jogador-treinador. O presidente João Rocha não gostou nada da entrevista do Manuel Fernandes e quis afastá-lo da equipa retirando-lhe a braçadeira e instaurando-lhe um processo disciplinar. Eu é que intercedi junto de João Rocha e disse-lhe que não podia fazer aquilo. O Manel tinha que jogar e tinha que ser ele o capitão naquele jogo frente ao Sporting de Braga. Afinal não me enganei ! A coisa correu tão bem que o Manel jogou, foi capitão, marcou três golos e o Sporting venceu a Supertaça.»

 

Do Livro Estórias d'Alvalade de Luís Miguel Pereira

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:31

Teatro de Operações Eleitorais (7)

Rui Gomes, em 08.02.13

 

E os rumores continuam a circular nos espaços noticiosos, um dos mais recentes, relativamente a António Oliveira, não para presidente mas como o homem forte do futebol num grupo, não identificado, que está a equacionar avançar com uma candidatura. Não tenho dúvidas que ele aceitaria um cargo bem remunerado no futebol, mas muito também depende da qualidade do referido grupo, especialmente a pessoa indigitada para a presidência. Sem ter uma única razão significativa contra a ideia, não o vejo no Sporting em qualquer função.

 

Entretanto, mantem-se alguma expectativa em torno de Tomás Aires, vice-presidente do tempo de Sousa Cintra. Pelas sua declarações há uns tempos atrás, deixou a ideia de que estava receptivo a candidatar-se, mas nada de novo surgiu desde essa data. Se tem algo em mente, ainda tem algum tempo, uma vez que o prazo para a apresentação oficial das candidaturas é 21 de Fevereiro. O ex-dirigente tem o perfil, experiência e a competência, mas é desconhecido se terá uma base de apoio suficientemente forte e uma equipa de qualidade. Além do mais, como outros, a situação financeira do clube deve ser um factor preponderante na equação, já que soluções fáceis não estão à vista, salvo para aqueles com promessas sem fim na ponta da língua.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:41

O que dizem eles

Rui Gomes, em 12.12.12

 

 

« Godinho Lopes diz estar no futebol pelo fair play, para lutar contra o sistema e elevar o nível de conversa e não diz que é para ganhar? Acho que há alguma incongruência no discurso, falta de conhecimento, não está rodeado das pessoas que sabem. O projecto desapareceu com a saída das duas pedras fundamentais e do treinador sem qualquer tipo de explicação ou de substituíção. Converso com muita gente do Sporting há bastante tempo. Às vezes pedem-me opinião, um contributo, não os que estão no momento a dirigir o Sporting, mas o que no futuro vão dirigir o Sporting inevitavelmente. Se equaciono regressar? Pelas minhas competências e qualidades podia dizer que sou um gestor que está no terreno, está no mercado».

 

-    António Oliveira    -

 

Observação: Devo admitir que era a última pessoa que eu esperava ouvir opinar sobre o Sporting e, sobretudo, admitir que está receptivo a regressar ao Clube como gestor. A maior curiosidade sobre o estado actual do Sporting, por incrível que pareça, é que não há falta de interessados em participar na sua vida, em uma ou outra função. Pela ambiguidade do seu discurso, António Oliveira deixa a ideia de que tem andado distraído sobre muito do que tem ocorrido ao longo dos últimos meses. Muito à sua maneira, também atirou para o ar uma outra noção; que tem um pé dentro da porta com quem «no futuro vão dirigir o Sporting inevitalmente.»  O universo sportinguista deverá ficar grato ao saber que este fervoroso portista está «preocupado» com a sobrevivência do Clube. Tempos indescritíveis que vivemos. Quando se pensa que já se ouviu tudo e todos, aparece sempre mais um iluminado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:48

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo