Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fotografia com história dentro (63)

Leão Zargo, em 03.09.17

 

Jaguaré.jpg

  

Jaguaré, o primeiro guarda-redes estrangeiro do Sporting

  

O Sporting contratou Jaguaré Bezerra ao Corinthians em 1935. Antigo estivador, era um jogador reputadíssimo, internacional brasileiro, e para além do “Timão”, também tinha jogado no Vasco da Gama, o primeiro clube no Brasil a reconhecer o profissionalismo, e no Barcelona, a troco de cerca de 30 mil pesetas. Felino entre os postes, bravo nas saídas aos pés dos avançados, provocador dos adversários, era muito aplaudido pelos adeptos e um dos seus ídolos preferidos. Influenciou no uso das luvas pelos ‘goleiros’ brasileiros. Foi o primeiro guarda-redes estrangeiro a vestir a camisola leonina.

 

Em 1935, o Sporting tinha Dyson para a baliza, normalmente o titular, mas a memória quase mítica dos guarda-redes da década de 1920, Amadeu Cruz e Cipriano dos Santos, nunca lhe deu descanso. Foi sempre um mal-amado. Ainda por cima, tinha jogado no rival Benfica. Por outro lado, o madeirense Jordão Jóia tinha saído e considerava-se que João Azevedo, contratado nesse ano ao Luso do Barreiro, ainda era muito jovem.

 

Os olhares sportinguistas concentraram-se em Jaguaré. Ele, o defesa Vianinha e o médio Fernando Giudicelli estavam comprometidos com equipas italianas, mas ficaram retidos em Lisboa por causa da guerra da Itália com a Abissínia, e o Sporting contratou-os.

 

No futebol, muitas vezes, um nome sonante e um grande currículo não são o suficiente para conquistar um lugar ao sol. Naturalmente, Dyson não cedeu a titularidade a Jaguaré, e este nunca chegou a mostrar o seu verdadeiro valor. Na realidade, fez sete jogos pela equipa principal do Sporting, contribuindo apenas para a conquista do Campeonato de Lisboa de 1935-36.

 

De súbito, a posse da baliza leonina ficou clarificada. É que num Belenenses-Sporting, nas Salésias em 12 de Abril de 1936, João Azevedo fez uma exibição de tal ordem que o treinador romeno Wilhelm Possak não voltou a ter dúvidas. Iniciou-se nesse dia a era do “Hércules do Barreiro” que durou longos anos até outro clássico nas Salésias em 1951.

 

Jaguaré no final da época deixou o Sporting e partiu para França, onde representou o Olympique de Marseille com proveito e glória durante três anos, foi campeão nacional e conquistou a Taça francesa. Ainda voltou a Portugal, em 1938, para jogar no Académico do Porto e no Leça. Tinha 37 anos de idade quando regressou ao Brasil no Verão de 1942.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:50

Fotografia com história dentro (60)

Leão Zargo, em 20.08.17

 

Manuel Caldeira Sporting.jpg

 

Caldeira e o nervoso da estreia

 

O Sporting contratou Manuel Caldeira ao Lusitano de Vila Real de Santo António no Verão de 1950. O jogador, com 23 anos de idade, já possuía bastante experiência como defesa direito, e os leões precisavam de reforçar o seu sector recuado que acusava alguma veterania. Constou que terá recebido 100 contos de “luvas”, uma quantia significativa para a época.

 

A estreia oficial verificou-se num Benfica - Sporting para o Campeonato Nacional, no Jamor, em 17 de Setembro de 1950. Caldeira era um jogador enérgico, destemido, que não virava a cara à luta, muito seguro de si, mas naquele derby as pernas tremiam-lhe como varas verdes e suava abundantemente. Como dava sinais de nervosismo e ansiedade, o capitão de equipa, o guarda-redes João Azevedo, perguntou-lhe se havia algum problema. “É medo, senhor João, é medo”, respondeu-lhe o algarvio. O Sporting venceu por 3-1 e o novo leão fez uma exibição muito positiva, ficando aprovado no exame.

 

O medo passou-lhe depressa. Manuel Caldeira vestiu a camisola leonina em 217 jogos oficiais durante nove temporadas e conquistou o título de Campeão Nacional por cinco vezes. Participou em 4 de Setembro de 1955 no Sporting - Partizan de Belgrado, o primeiro encontro para a Taça dos Clubes Campeões Europeus. Em 2003 foi distinguido com o Prémio Stromp na categoria Saudade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:51

Fotografia com história dentro (55)

Leão Zargo, em 16.07.17

 

Azevedo Sporting.jpg

  

O último jogo do “Hércules do Barreiro” no Sporting

 

O mítico João Azevedo já acusava alguma veterania em 1950 quando o jovem Carlos Gomes foi contratado pelo Sporting ao Barreirense. O “Hércules do Barreiro”, também conhecido por “Gato de Frankfurt”, era o dono da baliza leonina desde um longínquo jogo com o Belenenses nas Salésias em Dezembro de 1936, mas continuava ágil entre os postes, valente nas bolas pelo ar e corajoso nas saídas. Carlos Gomes teve de esperar pela sua oportunidade.

 

Na época seguinte, em 1951-52, na primeira jornada do Campeonato Nacional o Sporting foi às Salésias para defrontar o Belenenses. As mesmas Salésias onde Azevedo tinha conquistado a titularidade a Dyson e Jaguaré. Mas, nos azuis havia Matateu, e naquele dia o moçambicano estava com a pontaria muito afinada: marcou quatro golos e os de Belém venceram por 4-3. Os leões perderam o desafio e houve olhares desconfiados na direcção do guarda-redes.

 

O “Hércules do Barreiro” já não entrou em campo no domingo seguinte com a Académica, pois o treinador Randolph Galloway mandou avançar Carlos Gomes para a baliza. Azevedo que chegou a jogar com vértebras e costelas fracturadas, com um pé partido ou com doze pontos na cabeça, e que tinha de fumar um cigarrinho antes dos jogos para acalmar os nervos, não sobreviveu à tarde de génio de Matateu. Foi o seu último dia com a camisola leonina.

 

A fotografia refere-se a uma fase da juventude de João Azevedo. Quando ainda não era um ícone e estava a começar a construir a lenda.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:32

 

 CFB SCP Salésias 1936.jpg

 

Os jogos entre o Sporting e o Belenenses pertencem à história (e à memória) dos grandes clássicos do futebol português. Foram (e são) grandes e extraordinários despiques, como aconteceu num jogo disputado há quase 80 anos nas Salésias, em 12 de Abril de 1936.

 

Nesse dia as duas equipas apresentaram-se em 2-3-5, o esquema táctico dominante em Portugal naquele tempo. Era um sistema muito exigente para os jogadores mais recuados, em que os dois defesas jogavam muito perto da grande área e no meio do campo posicionavam-se três médios, com os dois laterais a marcarem dianteiros adversários e o central como o cérebro da equipa. À frente, dois extremos bem abertos, dois interiores e o avançado-centro, o artilheiro.

 

Foi nesse clássico nas Salésias que João Azevedo revelou definitivamente a sua excepcional capacidade como guarda-redes. O atleta tinha-se estreado em competições oficiais dois meses antes num Boavista-Sporting (16 de Fevereiro de 1936), mas nessa altura ainda era o terceiro na hierarquia da baliza leonina. No entanto, Dyson lesionou-se gravemente pouco tempo depois num fatídico jogo com o FC Porto no Campo do Ameal e o brasileiro Jaguaré nunca conseguiu confirmar a fama de que vinha precedido.

 

Naquele dia de Abril, Azevedo com uma exibição portentosa garantiu a vitória leonina e agarrou a “sua” oportunidade. Tornou-se o keeper titular até um longínquo jogo com a Académica mais de quinze anos depois e o jogador do Sporting com maior número de títulos conquistados. “Futebol é isto mesmo, a sorte premeia o génio de alguns”, garantiu Ottmar Hitzfiel no rescaldo da viragem conseguida pelo Manchester United na final da Liga dos Campeões, em 1999. Nem mais!

 

 

Ficha do jogo:

Campeonato da 1ª Liga (11ª jornada)

Estádio das Salésias, 12 de Abril de 1936

Belenenses 1 - Sporting 2

Árbitro - João dos Santos Júnior (Lisboa)

 

Belenenses - José Reis; José Simões e João Belo; Mariano Amaro, Jaime Viegas e Rodrigues Alves; Perfeito, Júlio de Sousa, Armelim Pinto, Bernardo Soares e José Luís

 

Treinador - Artur José Pereira

 

Marcador - Bernardo Soares (46m)

 

 

Sporting - João Azevedo; Joaquim Serrano e Vianinha; Abelhinha, Rui Araújo e Raul Silva; Costa, Pireza, Soeiro, Mourão e Francisco Lopes

 

Treinador - Wilhelm Possak

 

Marcadores - Soeiro (50m) e Pireza (87m)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:13

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds