Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bruno e... o seu Facebook

Rui Gomes, em 14.12.15

 

bruno11.jpg

 

«(...) Mais uma vez, graças a regulamentos medievais, e um sistema organizativo e decisório que teima em querer impor um futebol que mais ninguém quer, a Artur Soares Dias e sobretudo a Jorge Ferreira e ao CD da Federação, não poderei estar onde gosto, junto da equipa. Mas, se da forma vergonhosa que já todos sabem, conseguiram afastar-nos em termos físicos, nunca o conseguirão em termos de grupo e de força.

Nesse aspecto estamos sempre unidos, pois nos bons e maus momentos somos apenas um, somos apenas uma equipa e estamos sempre perto uns dos outros. Este tipo de atitudes e de sanções apenas nos dão uma força adicional porque nos lembram todos os obstáculos que temos de ultrapassar, dentro e fora das 4 linhas. Que hoje Alvalade saiba mostrar que nunca nos irão afastar do nosso caminho.»
 
 
Este, o discurso/comunicado de Bruno de Carvalho no Facebook, umas horas antes do início do jogo entre o Sporting e o Moreirense.
 
Além de achar a oratória completamente desnecessária e sobretudo redundante, dado que a decisão da Comissão de Inquéritos e Instrução da Liga já foi extensivamente abordada durante a semana, reconheço que não há nada nas suas palavras particularmente incorrecto. Dito isto, no entanto, confesso que o homem tem o "condão" de me irritar, por vezes exasperar, quase sempre que discursa - e não é pouco - muito em especial quando pretende chamar atenção a si próprio, o que sucede quase diariamente.
 
Irrita-me imenso quando ele recorre a termos como "conseguiram afastar-nos em termos físicos". Mas quem somos "nós", os afastados? A única pessoa afastada foi ele e, que eu saiba, ninguém está particularmente preocupado com a sua ausência daquele lugar. Aliás, há quem entenda, e bem, que essa ausência até devia ser permanente mas, como presidente, é uma opção que lhe assiste, indiscutivelmente.
 
Parece-me que Bruno de Carvalho deixou esquecido, à conveniência, que se ele não insistisse em ocupar lugar no banco durante os jogos e, por vezes, precipitar protestos e reclamações com elementos da arbitragem, não teria havido qualquer incidente a dar causa à sua suspensão.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:36

Faltava a explicação...

Rui Gomes, em 14.08.15

 

ngF4E511B0-8868-4CCE-A635-2BF2211AA89F.jpg

É uma decisão muito pessoal. Creio que a irei manter. É o local onde me sinto melhor, onde posso estar mais à vontade. Ainda estou a pensar como será nos jogos em casa. Fora, garantidamente, estarei no banco.

 

 

Não deixa de haver muito ego e vaidade à mistura, mas Bruno de Carvalho até foi ironicamente honesto com a sua consideração sobre ocupar lugar no banco. Especialmente fora de Alvalade, não se quer sujeitar a algumas ondas audíveis menos agradáveis e, sobretudo, alguma timidez/incómodo em se sentar na bancada próximo de alguns outros presidentes. No banco tem protecção absoluta.

 

Está tudo explicado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:39

Más notícias !??

Rui Gomes, em 23.03.15

 

ngCFABF5D5-FD25-458B-8142-10EC4430D64B.jpg

 

Bruno de Carvalho acaba esta semana de cumprir o castigo de 30 dias que lhe foi imposto pelo Conselho de Disciplina da FPF e regressa ao banco já na próxima jornada, pela visita ao Paços de Ferreira.

 

Lamenta-se... porque a bancada até lhe fica tão bem e a equipa conseguiu ultrapassar esta adversidade e venceu sem ele presente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:07

Banco de ouro

Rui Gomes, em 24.02.14
 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:39

Uma temática que não é subjectiva

Rui Gomes, em 02.04.13

 

Não presumo saber a real intenção de Bruno de Carvalho ao sentar-se no banco dos suplentes em Braga; se apenas satisfazer o seu desde sempre sonho ou emular as acções daquele que, em contexto, tem sido o mehor director de futebol em Portugal nas últimas duas ou três décadas, ou, até, se o seu pensamento incluiu as duas disposições. Identifico-me perfeitamente com a situação, pelas centenas de jogos ao longo dos anos em que ocupei esse lugar, raramente como presidente de clubes, que fui, durante algum tempo, sempre, pelos muitos mais anos em que chefiei equipas de futebol amador, não-amador e profissional.

O impacto da presença de qualquer um é muito relativo à pessoa, à sua reputação, à sua personalidade, aos seus conhecimentos futebolísticos e ao respeito que é sentido por treinadores e jogadores por ter sido merecido e conquistado pelas suas acções ao longo dos anos. Claramente, poucas se algumas destas considerações podem ser atribuídas a Bruno de Carvalho por nunca ter tido qualquer tipo de associação ao futebol na sua vida. Qualquer influência poderá surgir pela novidade, pelo fazer sentir que há um novo «patrão na loja», pouco mais. Pelos verdadeiros homens do futebol, que não assumam uma postura subserviente, será inevitavelmente olhado como um intruso porque não o respeitam nesse singular contexto. Por outros, é tolerado por não se atreverem a manifestar o seu desacordo. Atrevo-me a garantir que a situação não é do agrado de Jesualdo Ferreira, sem ser necessário ele verbalizar uma única palavra.

Um dos homens que mais admirei no futebol, como jogador e posteriormente como treinador, chama-se Johan Cruyff. Foi ele, como técnico, que recuperou o Barcelona do abismo e que o conduziu pelo percurso em que ainda hoje se encontra. Recordo-me, como se fosse hoje, uma das suas mais famosas frases quando assumiu a liderança do Barça: «o sr. presidente não entra no balneário sem a minha permissão.»

Para ser sincero, não estou muito preocupado com acções desta natureza por Bruno de Carvalho, embora não considere que o presidente de uma Instituição da dimensão do Sporting deva entrar pelo relvado dentro a celebrar uma vitória como um adepto de 18 anos. O relvado pertence a quem nele faz a sua vida e todos os outros devem-se manter na sua periferia. Já a sua presença no balneário no início e no final de jogos é totalmente inaceitável e, como já indiquei num outro escrito, é uma situação tolerada por muito poucos treinadores. Pode entrar, desejar boa sorte à equipa e então ocupar o seu lugar na bancada. O mesmo no final dos jogos, mediante os resultados. Já o vi ser comparado a José Sousa Sintra, pelos métodos interventivos deste, no mesmo sentido. Não resultou com ele e não vai resultar com Bruno e Carvalho. Daqui a uns anos, talvez, se ele ainda lá se encontrar, não agora.

Esta é uma daquelas temáticas que só é subjectiva nas mentes dos teóricos que nunca exerceram funções do género e que nunca mantiveram qualquer tipo de associação ao futebol, à raiz. É uma realidade incontornável, indiferente das paixões populistas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:48

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds