Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Danos colaterais

Rui Gomes, em 23.08.17

 

A pressão sobre os grandes está a fazer vítimas. Em 84 anos, é a quarta vez que Benfica, FC Porto e Sporting estão imaculados à terceira jornada.

 

19538816_7lthq.jpg

Os grandes entraram na época a fazer jus ao estatuto que os suporta e foi com toda a naturalidade que o FC Porto conseguiu ontem uma vitória robusta e tranquila, dando a resposta esperada às goleadas de Benfica e Sporting, conseguidas na véspera. A superioridade exibida por este trio deixou Manuel Machado a clamar contra as assimetrias do futebol português, esta época ainda mais evidentes no arranque da temporada.

 

O problema do desequilíbrio de forças havia sido aflorado por Abel Ferreira logo à primeira jornada, após a derrota do Braga na Luz (3-1). Defendeu-se com a diferença de orçamentos, referindo a desproporção de 15 milhões contra 150. A situação deste ano não é diferente das anteriores, existe é sobre os grandes uma pressão incomum.

 

O Benfica procura um penta inédito, o FC Porto nunca antes esteve quatro épocas seguidas sem ganhar na era Pinto da Costa, o Sporting está em jejum há uma década e meia e o investimento feito por Bruno de Carvalho num projecto comandado por Jorge Jesus, após dois anos a passar ao lado, está no limite da validade. A pressão sobre os grandes é perceptível, audível, quase palpável. E as primeiras respostas estão a ser positivas como poucas vezes o foram. Apesar das assimetrias de sempre, atente-se na estatística: em 84 anos de I Divisão/I Liga esta é apenas a quarta (!) ocasião em que o percurso dos três grandes é imaculado à terceira jornada. É inevitável uma luta tão aguerrida provocar danos colaterais, mas os dos outros campeonatos não têm de se sentir dispensáveis. Bater o pé, fintar o destino é um caminho percorrido há mais de oito décadas.

 

 

Carlos Machado, jornal O Jogo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:38

William ou Danilo... talvez os dois ?

Rui Gomes, em 29.04.16

 

carlos_machado.jpg

«É importante especializar médios-defensivos, homens de grande leitura de jogo e capacidade física, capazes de tapar os buracos e de fazer compensações. Por isso são tão importantes no futebol de alto rendimento jogadores como Danilo ou William Carvalho, os dois monstros do meio-campo que concorrem por um lugar no miolo da Seleção Nacional, para felicidade de Fernando Santos. Eles são os verdadeiros chefes da segurança, como o foram no passado Costinha e Petit. Danilo ou William? Talvez os dois? Claramente apenas um de início e o outro como alternativa ou complemento, mas apenas se o jogo o pedir. Se conseguirem chegar ao Europeu sem limitações físicas, vão valorizar-se de uma forma extraordinária, porque são espécimes raros e valiosos».

 

 

                                                                                   Carlos Machado - Jornal O Jogo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:23

A renovação das jovens promessas

Rui Gomes, em 02.08.13

O título do post é o mesmo do artigo da autoria de Carlos Machado do diário desportivo "O Jogo", em que o autor aborda a questão da formação do Sporting e, em especial, a renovação de contratos dos jovens mais promissores.

 

O artigo completo pode ser lido aqui, mas transcrevo somente o último parágrafo por me parece ser mais pertinente ao debate que tem surgido aqui no Camarote Leonino:

 

«Rendibilizar a formação é mais do que uma boa ideia, terá de ser uma das vias para o desenvolvimento futuro, a par de um "scouting" atento e perspicaz, mantendo viva a arte de vender produto caro mas de qualidade garantida. Mas se tudo é assim tão fácil, porque razão o sucesso não está previamente garantido ? Porque aparece um Eusébio, um Baía, um Figo ou um Cristiano Ronaldo de longe a longe e pelo meio vão sendo assinados atrás uns dos outros esperançosos contratos com os craques do futuro, na maior parte deles feitos antes de se saber se no momento do clique a promessa dará mesmo craque ou será mais uma perna de pau para ter de se colocar a custo no início de cada época enquanto durar o malfadado contrato. Nessas alturas, quando já se apostou muito e ganhou pouco ou quase nada, baixa-se um pouco a guarda, percebe-se que é mais seguro deixá-los p provar primeiro se valem para renovar depois. E alguns fogem. A propaganda é bem mais fácil do que a gestão efectiva.»

 

Precisamente o nosso eterno argumento, por outras palavras. Não significa que a renovação dos jovens da Academia seja um mau acto de gestão, em contrário, mas é um acto que vem inevitavelmente associado a risco. No Barcelona, por exemplo, com a sua enorme riqueza, não será problema algum, mas no Sporting é e sempre será significativo. Evidentemente que visto da bancada pelos adeptos e a lidar com dinheiro que não sai do nosso bolso, tudo é de fácil realização. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:41

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo