Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tanto por tão pouco

Rui Gomes, em 05.08.17

 

img_770x433$2017_04_22_00_21_17_1254454.jpg

 

"A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD vem por este meio informar que foi tomada a decisão, pelo Presidente do Conselho de Administração, de este não estar presente nos jogos fora e no banco de suplentes, assistindo na Tribuna aos jogos disputados no Estádio José Alvalade.

Esta decisão prende-se com a morosidade dos processos na justiça desportiva, que se entende terem contribuído para o denegrir do seu bom nome e o da instituição a que preside, e de decisões, ou falta delas, em processos graves como os vouchers, os e-mails, os SMS, a ausência de decisões em processos em que o próprio é visado sem razão e sem qualquer justificação, a deplorável demora na apreciação do recurso que foi interposto relativamente ao castigo de 180 dias que, entretanto, já foi cumprido, bem como as constantes alterações normativas que vão sendo produzidas e que surgem no panorama nacional sempre que uma certa entidade necessita".

 

Que seja necessário um comunicado para este fim, é nada menos do que espectacular, mas, como sempre, sublinha a importância que Bruno de Carvalho atribui à sua pessoa.

 

De igual modo, escapa a lógica, pelo menos a minha, a relação entre a morosidade do processamento da justiça desportiva e a presença/ausência do presidente dos estádios e/ou do banco de suplentes.

 

Caso haja interesse, o resto do comunicado desta sexta-feira pode ser lido aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:37

 

COMUNICADO.png

 

FC Porto reagiu, em comunicado, às recém-declarações de Luís Filipe Vieira sobre as claques do Benfica, que ele contende, ridícula e indecorosamente, que desconhece.

 

Comunicado do FC Porto


No futebol português há umas regras para todos os clubes e uma bolha de excepção para o Benfica, que permite ao clube viver em permanente regime alternativo, submetendo-se às regras e aos regulamentos da forma que lhe apetece e mais convém. Isto acontece devido à cumplicidade de várias entidades, desportivas e não desportivas, mas agora atingimos um nível de sublimação com o presidente do clube a afirmar sem se rir que desconhece a existência de claques no clube.

Mais do que uma forma ardilosa de procurar eximir-se às responsabilidades de apoiar duas claques ilegais, como são os No Name e os Diabos Vermelhos, Luís Filipe Vieira goza com todos os adeptos de futebol, com as autoridades desportivas e com a polícia, que ainda na última época levantou dezenas de autos devido a incidentes protagonizados pelas duas claques. Aliás, esta situação é conhecida ao mais alto nível, designadamente pelo primeiro-ministro e outros membros do governo, que nos últimos anos assistem a jogos no Estádio da Luz.

E não, não se trata de uma questão semântica, entre grupo organizado de adeptos ou de sócios, as claques do Benfica existem, Luís Filipe Vieira sabe disso perfeitamente, sabe-o tão bem que o Benfica até paga o aluguer de carrinhas para transportar esses adeptos, sabe-o tão bem que o treinador da equipa principal dá os parabéns em conferência de imprensa quando as claques fazem anos. Sabe-o tão bem que cede instalações no estádio às claques, sabe-o tão bem que as claques beneficiam de bilhetes a preços reduzidos…Pior, muito pior, sabe-o muito bem, pois certamente não se esqueceu de que em Abril deste ano a claque No Name foi mais uma vez responsável por uma morte de um adepto. Infelizmente, nem este género de tragédias faz esta gente ter um pouco mais de decoro e responsabilidade. E que só acontecem devido à cumplicidade dos sucessivos governos, incapazes de fazer cumprir as leis.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35

 

NoticiaNoImage.jpg

 

Comunicado do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol

 

 

1. O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, pela natureza das suas competências, tem por regra a não intervenção pública.

 

O exercício da função disciplinar, qualquer função disciplinar, quer-se serena e reservada.

 

Situações há, todavia, em que o órgão disciplinar do futebol português não só pode como deve pronunciar-se publicamente mediante a emissão de comunicado.

 

O Conselho de Disciplina, na época desportiva que se encontra a quinze dias do seu final, já o fez, embora, naturalmente, em casos contados.

 

2. A emissão de um comunicado como a que agora se efectiva sendo excepcional deve fundar-se em razões ponderosas e objectivas, que reclamem a tomada de uma posição pública junto de todos os operadores do futebol e, acima de tudo, perante aqueles que vêem nessa modalidade desportiva uma referência quase diária, isto é, os adeptos, os amantes do desporto e o público em geral.

 

3. Hoje toda a imprensa confere assinalável destaque a um conjunto de declarações e factos, de diversa natureza e origem.

 

Refere-se ainda a investigação do Ministério Público e do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol.

 

Assim sendo, perante este retrato público, não pode o Conselho de Disciplina deixar de se exprimir, em nome da confiança que devem merecer as instituições desportivas que exercem o poder disciplinar junto de um, como vimos, vastíssimo universo de entidades e pessoas.

 

4. Na sequência das primeiras declarações e notícias sobre o mesmo objecto, que tiveram lugar a 6 e 7 do corrente mês, o Conselho de Disciplina determinou no dia 8, a abertura de um processo de inquérito para apurar a possibilidade de, a partir delas, se configurar ou não a prática de alguma infracção disciplinar.

 

Tal despacho foi, de imediato, remetido à entidade com poder instrutório disciplinar exclusivo, a Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

 

Ontem, perante novas declarações e notícias, foi determinado anexar esses elementos ao processo de inquérito.

 

O mesmo sucederá amanhã perante as notícias de hoje e sempre assim será quando o Conselho de Disciplina tomar conhecimento de elementos relativos ao objecto do inquérito.

 

Esclareça-se, aliás, que ao Conselho de Disciplina não chegou, até a este momento, qualquer denúncia, participação, queixa, seja de quem quer que seja ou mesmo anónima.

 

O Conselho de Disciplina agiu de imediato, perante as declarações e notícias públicas, como lhe impõe a lei e os regulamentos, não se demitindo das suas funções a coberto da necessidade do impulso de outros.

 

5. No momento em que nos encontramos a cerca de duas semanas do início de uma nova época desportiva, seria bom que os procedimentos disciplinares, relativos ao passado, se encontrassem a findar.

 

Não é assim e por diversas razões, muitas delas de natureza processual e erigidas em nome da garantia de defesa dos próprios agentes arguidos.

 

6. Tal, contudo, não deve ser um entrave a que o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol e todos os operadores do futebol, desde logo, também, a Comissão de Instrutores da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, façam todos os esforços que são reclamados por todos aqueles que verdadeiramente amam o futebol como modalidade desportiva que se desenrola em conformidade com os valores desportivos.

 

Todos, no espaço das suas competências, devem isso ao futebol e, nesse sentido, apela-se a que todos tenham um empenhamento redobrado de molde a afastar de forma célere, não só o manto de suspeitas que escurece o universo das competições profissionais,  mas ainda para que todos os procedimentos disciplinares, independentemente da sua natureza ou objecto, venham a alcançar a mais rápida resposta final possível, de modo a que tais competições se disputem, desde o dealbar da época desportiva 2017/2018, num ambiente de regularidade e estabilidade.

 

O Conselho de Disciplina reafirma, uma vez mais, esse propósito de sempre.

 

Cidade do Futebol, 15 de Junho de 2017

 

José Manuel Meirim

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:28

Todos em defesa da "dama" !

Rui Gomes, em 24.02.17

 

AlvaroSobrinho.jpg

 Actualmente, a percentagem da Holdimo na Sporting SAD é 29,85%

 

 

Interessante o surgimento das diversas partes interessadas na continuação de Bruno de Carvalho na presidência do Sporting. Entre os mais notáveis e antigo "demónio", José Maria Ricciardi, e agora o angolano Álvaro Sobrinho.

 

A Holdimo, do empresário angolano Álvaro Sobrinho, detentora de cerca de 30 por cento do capital da Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Sporting, manifestou esta sexta-feira confiança no "actual projecto" liderado por Bruno de Carvalho. Já pedi vezes sem conta para me ser explicado esse projecto, nomeadamente no que diz respeito ao futebol, mas em vão. Fala-se em "projecto", como sendo o todo de um termo que, só por si, explica tudo, detalhes dispensáveis, evidentemente.

 

De qualquer modo, em comunicado, a impresa informa que num "encontro de trabalho" entre Bruno de Carvalho, presidente da Sporting SAD, e Álvaro Sobrinho "foram analisadas e discutidas as linhas essenciais" do projecto "iniciado há quatro anos". Aqui está, novamente, a referência a "projecto".

 

A Holdimo adianta ainda que a participação da empresa no capital da Sporting SAD constitui um investimento "de médio e longo prazo", assente na parte assumida na reestruturação financeira, garantindo que integrará a "construção de uma sociedade financeiramente mais sólida e desportivamente vencedora".

 

Nota de relevo no que diz respeito à Newshold, também empresa de Álvaro Sobrinho, que, não por mera coincidência, é accionista do Grupo Cofina, proprietário do jornal Record. Talvez ajude a explicar certas "coisas e loisas", a recém-exemplo daquela capa de Bas Dost na madrugada de quinta-feira.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:55

 

15284821_10153946410951555_6458133870058698802_n.p

 

Esclarecimento dos órgãos sociais do Clube e da SAD

 

Em virtude de afirmações falsas e caluniosas sobre o pagamento de um prémio superior a 250 mil euros ao Presidente do Sporting Clube de Portugal, entendem os órgãos sociais do Clube e da SAD prestar o seguinte esclarecimento:

 

1 – É uma falsidade intolerável e um acto inaceitável, contra a honra e dignidade do Sporting Clube de Portugal e do seu Presidente, fazer passar de forma reiterada para a opinião pública a mentira de que houve lugar ao pagamento de qualquer remuneração fora das regras e em montantes absurdos e despropositados, causando de forma dolosa forma um ambiente de alarme social.

 

2 – Conforme compromisso assumido e como foi sempre afirmado, o Presidente do Sporting Clube de Portugal e os restantes membros do Conselho Directivo do Clube não auferem qualquer remuneração por qualquer actividade desenvolvida no mesmo.

 

3 – Enquanto Presidente do Conselho de Administração da Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD, a única remuneração extra recebida a título de prémio ao longo do actual mandato foi de 14.051 euros, conforme pode ser verificado e comprovado na página 80 do Relatório de Gestão da SAD, relativa ao exercício concluído a 30 de Junho de 2016, não existindo quaisquer outras remunerações pagas por qualquer outra sociedade do Grupo Sporting.

 

4 – Em defesa da reputação, da honra e do bom nome do Sporting Clube de Portugal e do seu Presidente, da Sporting SAD e dos seus accionistas, reservam-se o Clube e a Sociedade o direito de agir civil e criminalmente contra todos aqueles que, de forma consciente, produzam este tipo de afirmações que consideramos difamatórias.

 

Deixamos a interpretação ao critério de cada um. Para já, parece-me evidente que não era a honra, dignidade e o bom nome do Sporting Clube de Portugal que estavam em causa, mas sim do ainda presidente do Conselho Directivo.

 

Partindo do princípio que o alvo principal desta missiva é André Ventura, do programa da CMTV, este comunicado em forma de esclarecimento levou algum tempo a ser bem ponderado e preparado, considerando que o programa teve lugar na segunda-feira, salvo erro.

 

Continuo deveras intrigado por Nuno Saraiva não ter declarado abertamente quando telefonou para o programa que o presidente nunca recebeu um prémio no referido valor. Na ausência de provas concludentes, há que aceitar esta explicação de hoje e o assunto "morre" aqui, salvo surgirem novidades imprevistas.

 

Será que há tanta malícia e iniquidade no futebol português para alguém levantar esta aparente falsa informação, só porque sim ?... Não vejo que seja com o intuito único de denegrir Bruno de Carvalho. É certo que ele tem feito muito barulho nestes quase quatro anos do seu mandato e criado inimigos pela sua forma de ser e estar, dentro e fora do Sporting, mas, na realidade, não passa disso, muito barulho que ao fim e ao cabo não faz real mal a uma mosca.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58

Comunicado de Luiz Godinho Lopes

Rui Gomes, em 15.01.17

 

godinhobruno1.jpg

O antigo presidente do Sporting Clube de Portugal, Luiz Godinho Lopes, emitiu um comunicado este sábado, intitulado Contra o branqueamento da História, através do qual visa a actual Direcção de forma crítica, considerando que «a “mão salvadora”, uma vez mais, da actual Direcção, agora no início de 2017, cerca de 4 anos depois de eu ter saído (Março de 2013), não engana ninguém a não ser evidenciar a desorganização interna do Clube, pelo que, assim, não tem outro propósito senão o de confundir os mais incautos ou distraídos».

 

Eis o comunicado na integra:

Contra o branqueamento da História

Como desde a primeira hora, e sempre que sobre mim ou a equipa que liderei no Sporting Clube de Portugal saem referências falsas e ou deturpadas, venho esclarecer:

i). desde o primeiro momento fui sensível aos superiores interesses do Sporting Clube de Portugal e, por isso, apesar de desafiado a descer à praça pública para esclarecer, considero o Clube e a sua estabilidade o bem mais precioso pelo que tantas vezes me tenho inibido de responder a quem sobre mim lança tantas e infundadas acusações e suspeitas;

ii) nos últimos meses de 2016, a pedido do PMAG, desloquei-me ao Clube, onde, durante mais de sete horas, respondi de forma voluntária e colaborante a uma Comissão de Inquérito unilateralmente constituída pelo Conselho Directivo, tendo-me, no final, limitado a produzir considerações positivas. Isto mesmo sabendo antecipadamente qual seria o desfecho sobre os processos em curso;

iii). na manhã de ontem foi publicada no Correio da Manhã uma notícia que reincide em informações falsas (pois aludem a contas escondidas) enganadoras mas que, ainda assim, terão da minha parte resposta só em comunicado dado o momento importante da vida do Clube: a decorrer a época desportiva e: com eleições a 4 de Março;

iv). se, todavia, esta campanha contra mim se mantiver, reservar-me-ei o direito de alterar o silêncio que devo por respeito aos atletas e equipas técnicas, que nas mais diversas frentes trabalham diariamente para o sucesso do Sporting Clube de Portugal. Não serei eu, pois, quem continuará a desestabilizar!

v). faço este comunicado pois o Correio da Manhã de ontem faz duas referências ao meu mandato: contas da SGPS e pagamento a Pedro Baltazar.

Ora, como é do conhecimento de todos, saí em Março de 2013; as contas da SGPS naturalmente são todos os anos aprovadas e fechadas como o foram na época de 2011/2012. Havia, como para todas as empresas do Grupo Sporting, um auditor, BDO e foram entregues nas Finanças. Só não foram registadas na Conservatória, como acabo de apurar, pela instabilidade que se vivia no Clube; o que pelos vistos também ocorreu no final das épocas, 12/13, 13/14, 14/15 e 15/16 por responsabilidade exclusiva da actual direcção. Falar em eventual dissolução da SGPS e “mão salvadora”, uma vez mais, da actual Direcção, agora no início de 2017, cerca de 4 anos depois de eu ter saído (Março de 2013), não engana ninguém a não ser evidenciar a desorganização interna do Clube, pelo que, assim, não tem outro propósito senão o de confundir os mais incautos ou distraídos. Não merece mais comentários.

.vi) Sobre o “pagamento a Pedro Baltazar” e exclusivamente também para esclarecer:

o valor mencionado, na medida em que o seu pagamento não está em causa, resulta este de um acordo feito entre a anterior Direcção de José Eduardo Bettencourt e o representante do accionista de então e membro do CA da SAD, Pedro Baltasar; li que o pagamento tem vindo, pelos vistos, a ser feito através de acordo com a actual Direcção - congratulo-me com esse facto, pois a minha direcção estava a negociar pagar cinco não seis milhões de euros quando o mandato foi, como se sabe, interrompido;

vii) afinal virá um sucedâneo a esta Direcção a pagar os acordos que esta fizer em nome do Sporting e por termino do seu mandato, e que ainda sejam vindouros. Sempre sucedeu e sucederá em qualquer sociedade.

viii) Esperei e desejei que a nossa equipa vencesse, em Chaves, de modo a assumir um lugar na classificação de acordo com o seu valor e que afinal os sócios e adeptos do Sporting merecem e desejo também e que nos concentremos no acto eleitoral que se avizinha, deixando para os Tribunais aquilo que a Direcção actual entendeu ser lá discutido;

ix) basta de “bodes expiatórios” e atitudes de auto-flagelação para, destruindo o Clube por dentro e dividindo o mesmo, e desviando as atenções do essencial: unir os Sportinguistas e engrandecer o nosso Clube.

Viva o Sporting

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:48

 

6D4QQ4BE.png

 

Ou é de facto um qualquer complexo de vitimização ou tudo - muito do que pode ser considerado invulgar - acontece a este Sporting. O Dr. Frederico Varandas, director clínico, emitiu um comunicado esta terça-feira, no qual questiona o procedimento levado a cabo pela ADoP (Autoridade Antidopagem de Portugal), que esteve presente na Academia a controlar os jogadores leoninos pela terceira vez no espaço de cinco dias e quatro em sete dias.

 

Em especial, o Dr. Varandas lamenta o que ele considera a "falta de senso clínico e de respeito" por a equipa ter sido controlada na noite que antecede uma competição, dado que o Sporting joga esta quarta-feira para a Taça de Portugal.

 

Eis o comunicado, na íntegra:

«Hoje, às 22h30, o controle antidoping abandonou as instalações da Academia do Sporting Clube de Portugal. Em 10 anos como médico de uma equipa profissional da I Divisão nunca assisti a tal procedimento: um controlo antidoping a todo o plantel na noite de véspera de uma competição.

O Sporting Clube de Portugal, só nos últimos sete dias, foi controlado quatro vezes. Dia 7 (UEFA), 8, 11 e 13 (ADOP) de Dezembro. Nesses quatro controles foram submetidos a análises de sangue e urina:

- Por duas vezes: Adrien, Gelson, Coates, João Pereira, Zeegelaar, Schellotto, Douglas, André, Paulo Oliveira e Meli;

- Por uma vez: Rui Patrício, Beto, Jug, Esgaio, Semedo, Jefferson, Petrovic, William, Bruno César, Alan Ruiz, Bryan Ruiz, Bruno Paulista, Elias, Matheus e Bas Dost.

Quem não deve não teme. Como tal, o Sporting Clube de Portugal apoia todas as medidas que visem a verdade desportiva e o erradicar de práticas ilícitas que põem em causa a saúde dos atletas. Somos totalmente a favor que exista um controlo rigoroso e permanente dos atletas profissionais de futebol. Contudo, é lamentável a falta de senso clínico e de respeito por um grupo de trabalho ao fazer um controle antidoping na noite que antecede uma competição. Tal procedimento interferiu não só com o treino da tarde, como com o jantar mas sobretudo com a recuperação e descanso dos atletas numa semana em que fizeram três jogos e mais de oito horas de viagem de avião. Pergunto se este quarto controlo (em sete dias) não poderia ter sido feito depois do jogo ou no dia seguinte.

A escolha deste timing para efectuar um controlo antidoping é manifestamente infeliz, com a agravante de mais nenhum outro clube com competição agendada para amanhã ter sido controlado durante a noite.

Frederico Varandas

(Director Clínico S.C.P.)»

 

Confesso que não sou perito nesta matéria, mas parece-me muito estranho esta operação da ADoP na noite de véspera de um jogo. Fica por esclarecer se este procedimento é comum, e se não é, quais a razões que levaram os responsáveis do referido organismo a tomar esta decisão e a efectuar o controlo antidoping. Acho que o Sporting está no seu direito em pedir explicações.

 

Um cínico até teria o atrevimento de sugerir que há aqui uma qualquer agenda ainda não esclarecida.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:22

 

sporting-sad.jpg

 

Esclarecimento sobre Adrien Silva

 

Em virtude de todas as notícias que temos tido ao longo do dia sobre as sucessivas intervenções dos representantes do jogador Adrien Silva na Comunicação Social, a Sporting SAD vê-se na obrigação de esclarecer o seguinte:

 

1 – Desde que o jogador renovou o seu contrato em Fevereiro de 2016 envolvendo avultadas somas de dinheiro, que ficou absolutamente claro que esta extensão da vinculação ao Sporting CP significava que Adrien Silva iria ficar no Clube até ao final da sua carreira. Isto mesmo foi dito expressa e claramente pelo Presidente do Sporting CP ao jogador, ao pai do atleta e aos seus representantes antes de se consumar a renovação do contrato.

 

2 – Para além disso o jogador Adrien Silva concedeu uma entrevista a 23 de maio em que dizia que não sairia do Sporting sem ser Campeão.

 

3 – Nunca, ao longo destes meses, foi transmitida ao Presidente do Sporting CP qualquer intenção ou proposta concreta para a saída de Adrien Silva do Clube nem o Presidente se encontrou com o pai do atleta ou seus representantes para o efeito, pelo que se alguém andou a enganar o jogador foram os seus representantes e não o Sporting CP.

 

4 – Adrien Silva é um jogador do Sporting CP, com contrato, profissional, que saberá sempre respeitar o Clube que o formou como homem e como atleta, bem como a todos os Sportinguistas que vêem nele um exemplo a seguir.

 

5 – O Sporting CP, e nomeadamente o seu Presidente, terá sempre a defesa dos interesses do Clube mas também a defesa dos seus activos como nota máxima da sua actuação.

 

6 – É compreensível que, nesta fase, os agentes e representantes dos atletas sejam factor de desestabilização e de pressão enorme sobre os jogadores, nunca devendo o Clube e os seus associados deixar de ter o carinho pelos mesmos por acções que apenas acontecem por influência de terceiros.

 

Depreende-se, portanto, que se nunca chegou ao Sporting nenhuma "proposta concreta" para a saída de Adrien Silva, ele não pode ter afirmado o que foi publicado, sobre, precisamente, uma suposta proposta pelos seus serviços.

 

Não sei se é apenas a minha interpretação, mas parece-me que existe neste comunicado uma clara inferência a uma qualquer intervenção pelos representantes do jogador, deixando dúvidas se a "novela" desta segunda-feira se fica a dever a estes agentes.

 

Gostaria de ouvir o próprio jogador esclarecer esta situação, mas, de qualquer modo, esperamos que seja o fim do assunto.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:09

Sr. Bruno, quantos anos tem ?

Drake Wilson, em 06.07.16

 

19753762_o121G.jpg

 

"Miles Chambers quis ter a sua hora de fama através do presidente do Sporting Clube de Portugal. Irá tê-la em vários locais que acreditamos o farão arrepender de ter achado que esta era a forma de se mostrar "amigo" de alguém."

 

Não acredito que esta linguagem à reputação de uma qualquer realização de Francis Ford Coppola seja a adequada a utilizar oficialmente pelo Sporting, perante a exposição de um caso que ameaça prejudicar seriamente a nossa imagem. Basta alguém "lançar" a ideia que o levantamento de questões etárias por parte de Bruno de Carvalho em relação ao jogador em questão assenta numa premissa de racismo, para que esta "Caixa de Pandora" traga dissabores ao Clube, daqueles que não se resolvem em barras de tribunais.

 

Sinceramente, não está na altura de acabar com esta "Intifada" ?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

 

bakic_fiorentina_foto_dr1613d213.jpg

 

A imprensa portuguesa adiantou este domingo que o Benfica havia passado o Sporting na corrida por Marko Bakic, futebolista que esteve cedido pela Fiorentina ao Belenenses na temporada passada.

 

O Director de Comunicação do Sporting Clube de Portugal, Nuno Saraiva, reagiu em comunicado:

 

«Quando não se tem um caminho absolutamente definido, recorre-se à mentira para insinuar possíveis desvios. O Sporting CP tem um rumo claro e inequívoco. Por isso, não houve nenhum jogador desviado. Nem Bakic da Fiorentina, que esteve emprestado ao Belenenses na época passada, nem Pedro Nuno, da Académica, que muito provavelmente vai ser objecto do mesmo tipo de abordagem, nem outro qualquer.

 

O Sporting CP não teve nenhum jogador desviado por nenhum outro clube porque já contratou os que queria com a paz, o sossego e a antecipação que caracterizam um Clube da nossa dimensão. As supostas fontes dos jornais deviam pagar comissões aos jornalistas que enganam e ao Sporting, pois muitos jogadores são vendidos à custa da mentira que o Sporting CP os quer.

 

O único desvio real que existe entre o Sporting CP e o Benfica é no Campo Grande e temos um grande orgulho em que assim seja».

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:45

 

12662613_10153256471856555_1773362916477469784_n (

 

«Face a uma notícia publicada hoje (segunda-feira) em Portugal e na Argentina, sobre o alegado interesse do Boca Juniors no jogador Jonathan Silva, vem o Sporting Clube de Portugal esclarecer o seguinte:

 

1. É falso que o Boca Juniors tenha, alguma vez, manifestado interesse na compra de Jonathan Silva;

 

2. Esta notícia enquadra-se numa estratégia de tentativa de enfraquecimento da posição do Sporting Clube de Portugal no actual período de transferências e que tem como antecedentes outras notícias falsas, publicadas em Portugal e no estrangeiro, sobre ofertas que não existiram, nomeadamente do PSG por João Mário e do Leicester por Slimani;

 

3. O Sporting Clube de Portugal vive hoje uma situação económica e financeira que está estabilizada e que lhe permite sustentar um projecto desportivo de curto, médio e longo prazo e, por isso, não está em saldos;

 

4. O Sporting Clube de Portugal não está vendedor das suas pérolas, mas não descura oportunidades de negócio que se manifestem irrecusáveis. Nesse sentido, quando – e caso existam! – propostas concretas por jogadores do plantel principal, o Sporting Clube de Portugal cá estará para as analisar, mas sempre tendo em conta os superiores interesses do Clube;

 

5. O Sporting Clube de Portugal reafirma que tem um projecto desportivo ambicioso que resulta, como já se disse, de uma situação económica e financeira sólida e estabilizada e que passa pela conquista de todos os títulos nacionais nas competições em que está envolvido e pela luta por títulos a nível europeu».

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:08

 

bdc.PNG

 

Comunicado de Bruno de Carvalho, esta segunda-feira, na página oficial de Facebook do presidente do Sporting. Eis o que ele teve para dizer:

 

«Muitos sportinguistas falam do "cartão amarelo" de Adrien e se pode o Sporting Clube de Portugal pedir a sua despenalização.

 

Resposta: Não pode.

 

Vou dar aqui algumas informações para percebemos como nestes casos se faz num dos melhores campeonatos do Mundo e no nosso.

 

As decisões tomadas pela equipa de Arbitragem durante um jogo não são, segundo o Regulamento Disciplinar Português, passíveis de sindicância.

 

O artigo 13 do Regulamento Disciplinar da LPFP estabelece, inclusive, como princípio fundamental a "proibição de afastamento das decisões de facto proferidas pelos árbitros e relativas a situações ou condutas observadas e sancionadas pela equipa de arbitragem com a exibição de cartão amarelo ou ordem de expulsão(...)" .

 

Todavia, o mesmo não sucede em Espanha onde os erros materiais manifestos do arbitro permitem a despenalização dos amarelos, veja-se o caso, p.ex, do jogador Illarramendi da Real Sociedade que viu despenalizado o cartão amarelo no jogo contra o Sporting de Gijon.

 

E este é apenas um dos muitos exemplos como, quer em termos de regulamentos da Liga quer da FPF, temos de ter a coragem de nos modernizar para não ficarmos cada vez mais para trás.

 

Alguns exemplos mais:

 

- suspensão provisória;
- critérios de observação, classificação e nomeação;
- "fugas" constantes de informação sobre arbitragem: notas e nomeações;
- confundir vouchers com camisolas miniatura, merchandising dos clubes e lembranças regionais, fingindo que as poucas coisas, em que o regulamente é coerente e claro, não existem;
- Intenção sem dolo;
- e tanto mais...

 

Devido a tudo isto, ainda a semana mal começou, já se iniciou a a "pressão" para a não nomeação de Hugo Miguel para o Benfica-Nacional...

 

Tanto para fazer e alguma comunicação social continua a preferir esconder o que realmente interessa para dar palco a pessoas que nem um T1 no meio de um pântano do Amazonas valem...».

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:25

 

VCCL3L25.jpg

  

A Doyen Sports, através de seu CEO, Nélio Lucas, emitiu esta terça-feira um comunicado, através do qual esclarece parcialmente o seu diferendo com o Sporting Clube de Portugal, em geral, e com Bruno de Carvalho, em particular.

 

Alerto, desde já, que não pretendo debater novamente este caso, uma vez que já fiz saber a minha opinião e posição através de um bom número de posts desde que este diferendo teve o seu início, e sobre o qual sempre insisti que o caso do Sporting perante o TAS não tinha mérito e estava condenado à derrota, a partir do momento que o contrato entre as partes não foi cumprido pelo Clube.

 

Ainda mais, não me interessa, minimamente, se o CEO da Doyen é bom ou mau "rapaz", se é mais ou menos honesto e se agiu ou não indevidamente na transferência de Marcos Rojo. Nesta última circunstância, existem mecanismos nas regras da FIFA para punir pessoas e acções infractoras, e, aqui também, o Sporting ficou condenado à derrota, quando os ignorou, ou porque não existia fundamento algum quanto às suas alegações e/ou não dispunha dos indispensáveis comprovativos, muito além das "epístolas" mediáticas.

 

Eis o comunicado da Doyen Sports:

 

«Sem surpresa, mas com total falta de verdade, o presidente do Sporting Clube de Portugal voltou referir-se à Doyen Sports. No entanto, dada a postura do presidente do Sporting, que sem fundamento coloca sistematicamente em causa o nome da Doyen Sports e do seu CEO, e independentemente das demais acções legais em Portugal por injúrias e atentado ao bom nome, aclaramos que, em tempo oportuno, prestaremos todos os esclarecimentos para que em especial os associados do Sporting e os accionistas da sua Sociedade Anónima, percebam até onde vai a falsidade e constantes contradições entre o que diz, faz e manda fazer.

 

A Doyen Sports aproveita para felicitar o Sporting Clube de Portugal, em especial treinadores e jogadores, pela qualificação para a próxima edição da Liga dos Campeões. Facto, que só por si, nos dá uma almofada de conforto.

 

Contrariamente ao exposto perante o Tribunal Federal Suíço para sustentar o recurso, o clube afirma agora que tem inclusive excesso de recursos para pagar à Doyen Sports o que foi condenado a pagar pelo TAS. A título de esclarecimento, o valor em dívida, na data de hoje, é de aproximadamente 13.000.000€, havendo ainda a somar o valor devido em relação ao contrato de Zakaria Labyad, cerca de 2.000.00€ incluindo juros até ao dia de hoje. A estes valores acrescem outros custos, nomeadamente juros até ao dia do pagamento».

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:25

Contas do último semestre de 2015

Rui Gomes, em 01.03.16

 

12662613_10153256471856555_1773362916477469784_n (

 

COMUNICADO SOBRE AS CONTAS DO ÚLTIMO SEMESTRE DE 2015

 

 

«A Sporting Clube de Portugal, Futebol, SAD, acaba de comunicar à CMVM, como é sua obrigação legal, as suas contas referentes ao último semestre de 2015, e que apresentam um resultado negativo de 18  Milhões de Euros.


Para evitar quaisquer especulações que podem ser geradas por falta de informação que enquadre os presentes resultados comunicamos aos interessados que eles são, desde logo, condicionados por dois factores de conhecimento público: por um lado a sentença desfavorável no caso Doyen vs SCP e, por outro, a eliminação no play-off de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões, nas condições e circunstâncias por demais conhecidas e comentadas.

 

Relembramos que o impacto da sentença do caso Doyen constitui neste momento uma provisão uma vez que ainda decorre a fase de recurso, em relação à decisão proferida, e sublinhamos que as receitas resultantes da boa prestação da equipa na Primeira Liga e dos novos contratos comerciais negociados pela Administração auguram o regresso aos resultados financeiros positivos nas próximas prestações de contas.»

 

O Relatório e Contas completo está disponível aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:01

Oficial: Carrillo no Benfica

Rui Gomes, em 03.02.16

 

12662613_10153256471856555_1773362916477469784_n (

 

«Vem a Sporting Clube de Portugal, Futebol, SAD comunicar que foi formalmente informada pelo Benfica da assinatura de um contrato de trabalho desportivo com o atleta André Carrillo de 1/7/2016 a 30/6/2021.

 

Todo este desfecho apenas reforça o transmitido no nosso Comunicado de 3 de Outubro de 2015 que reproduzimos, na íntegra, aqui.»

 

Este desfecho da "novela" Carrillo não é surpresa alguma, face às informações que vieram à luz nos últimos dias, e a partir desta data é mesmo oficial. Em princípio, André Carrillo passará a representar o clube do outro lado da Segunda Circular a partir do dia 1 de Julho de 2016.

 

Um assunto já muito debatido neste espaço, que pouco mais merece comentar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:08

Comunicado de Rui Barreiro

Rui Gomes, em 16.01.16

 

img_472x263$2015_11_18_18_10_36_144319 (2).jpg

Em dia de Assembleia Geral, Rui Barreiro, antigo autarca de Santarém e actual membro do Conselho Leonino, veio através de comunicado responder às recém-críticas de Bruno de Carvalho e desafiar o presidente do Sporting para um debate: 

«Tendo sido, há escassos dias, alvo e destinatário exclusivo de um comunicado por parte do Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal, venho por este meio tornar público que sempre tive a exacta noção do que me move em relação ao Clube, da lealdade que me merece e da defesa intransigente que impõe. Por essa razão, e só por essa razão, levei as minhas posições ao Conselho Leonino.

De facto, entendo ser possível um tipo de intervenção mais tranquilo e substantivo no Conselho Leonino do que na Assembleia Geral, órgão por norma caracterizado por uma dinâmica nem sempre adequada ao entendimento das ideias expostas. Aliás, à luz do clima em que decorreu este último Conselho Leonino, por responsabilidade directa dos presidente do Conselho Directivo, Bruno de Carvalho, e da Mesa da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares, torna-se previsível como acabaria por não ser esclarecedora qualquer intervenção minha em sede da próxima AG.

A este propósito estou, ainda assim, disponível para participar num debate com Bruno de Carvalho. Estou certo de que seria essa uma iniciativa de grande utilidade para os sócios e os adeptos do Clube de todo o País.

Como já disse nada tenho a ver com os cartazes contestatários (leia-se outdoors) relativos a Bruno de Carvalho, insinuação torpe e que refuto com todas as minhas forças.

Entendo que as falsas acusações sobre mim lançadas e as ameaças verbais poderão pretender alimentar polémicas estéreis, provocar eventualmente um clima favorável à extinção do Conselho Leonino ou esconder erros de gestão no futebol profissional.

Mas eu, que sou um homem livre, não deixarei, sempre que for visado e ofendido, de recorrer à verdade e ao fair-play para criticar o que, a meu ver, enquanto sócio do Clube e conselheiro leonino eleito na lista de Bruno de Carvalho, não estiver conforme o exemplo de ambição, ética e excelência que deverão sempre constituir as linhas orientadoras da vida do Sporting Clube de Portugal.»

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:36

 

brand.gif

 

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL – FUTEBOL, S.A.D.

 

Sociedade Aberta Capital Social: € 67.000.000 Capital Próprio aprovado em Assembleia Geral de 30 de Setembro de 2015: € 7.043.000

Sede Social: Estádio José de Alvalade – Rua Professor Fernando da Fonseca, Lisboa

Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa com o número único de matrícula e de identificação fiscal 503.994.499

 

 

COMUNICADO

 

A SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, Futebol SAD informa, nos termos do art. 248.º, n.º 1 do Código de Valores Mobiliários, que chegou hoje aos seguintes acordos:

 

1) com NOS LUSOMUNDO AUDIOVISUAIS, S.A. um contrato para a cessão dos seguintes direitos:

 

(i) direito de transmissão televisiva e multimédia dos jogos em casa da Equipa A de Futebol Sénior da Sporting SAD e direito de exploração da publicidade estática e virtual do estádio José Alvalade pelo período de 10 épocas desportivas com início em 1 de Julho de 2018;

 

(ii) direito de transmissão e distribuição do Canal Sporting TV, pelo período de 12 Épocas desportivas, com início em 1 de Julho de 2017;

 

(iii) direito a ser o seu Principal Patrocinador, pelo período de 12 épocas e meia, com início a 1 de Janeiro de 2016.

 

2) com a PPTV – Publicidade de Portugal e televisão, S.A. um aditamento ao contrato actual pelo qual foram revistos os valores a pagar pelos direitos de transmissão televisiva e multimédia dos jogos em casa da Equipa A de Futebol Sénior da Sporting SAD e direito de exploração da publicidade estática e virtual do estádio José Alvalade para as épocas 2015-2016, 2016-2017 e 2017-2018.

 

As contrapartidas financeiras globais resultantes do valor dos contratos, incluindo as épocas 2015-2016, 2016-2017 e 2017-2018, o referido no ponto 1 e o aditamento referido no ponto 2 ascendem ao montante de € 515.000.000.

 

Lisboa, 29 de Dezembro de 2015

 

 

O comunicado da NOS permite fazer contas mais detalhadas

 

 

logotipo-pt-nos.jpg

 

Comunicado

 

A NOS SGPS, S.A. informa que foi hoje celebrado entre a SPORTING CLUBE DE PORTUGAL -FUTEBOL SAD, a SPORTING COMUNICAÇÃO E PLATAFORMAS, S.A. e a NOS LUSOMUNDO AUDIOVISUAIS, S.A. um contrato para a cessão dos seguintes direitos:

 

(i) direito de transmissão televisiva e multimédia dos jogos em casa da Equipa A de Futebol Sénior da Sporting SAD;

(ii) direito de exploração da publicidade estática e virtual do estádio José Alvalade;

(iii) direito de transmissão e distribuição do Canal Sporting TV;

(iv) direito a ser o seu Principal Patrocinador.

 

O contrato terá uma duração de (a) 10 épocas no que se refere aos direitos indicados em (i) e (ii) supra, com início em 1 de Julho de 2018, de (b) 12 épocas no caso dos direitos mencionados em (iii) com inicio em 1 de Julho de 2017 e (c) 12 épocas e meia no caso dos direitos mencionados em (iv) com início no dia 1 de Janeiro de 2016, ascendendo a contrapartida financeira global ao montante de 446.000.000, repartida em montantes anuais progressivos.

 

Esta informação está também disponível no site de Apoio ao Investidor da "NOS" em www.nos.pt/ir.

 

Lisboa, 29 de Dezembro de 2015

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:03

 

Mania-de-explicação.jpg

 

Em primeiro lugar, permitam-me esclarecer o que é mais óbvio: não sou advogado de defesa do conselheiro leonino Rui Barreiro e discordo veemente do rumo que o presidente do Sporting pretende seguir, nomeadamente a realização de uma Assembleia Geral, apenas e tão só para poder confrontar num fórum do seu inteiro conforto e confiança, um solitário sócio que discorda de algumas das suas tomadas de decisão. Na realidade, acho isto ridículo e até um abuso do seu poder como líder do Conselho Directivo.

 

Tenho vindo a ler os comentários dos leitores, a maioria dos quais manifestam apoio à decisão de Bruno de Carvalho e sublinham que foi Rui Barreiro que exigiu a convocação de uma Assembleia Geral. Inclusive, também foi aqui referido que ele teria iniciado uma recolha de assinaturas para esse fim. Assente na informação que chegou à praça pública, pelas declarações do conselheiro leonino - mais recente no dia 22 de Dezembro - isso não corresponde à verdade.

 

Rui Barreiro fez apenas uma chamada de atenção para a necessidade de os sócios serem clarificados quanto à decisão do TAS no caso Doyen, entre outras considerações. Sugeriu, neste contexto - e repito, sugeriu - que essa clarificação podia ser dada numa Assembleia Geral, numa reunião do Conselho Leonino ou numa reunião do Conselho Directivo.

 

Já li duas versões desta falsa premissa e não tenho dúvidas algumas que a alegada exigência sobre a realização de uma reunião magna não é mais do que a interpretação dos respectivos autores.

 

Mas mesmo admitindo que essa AG venha a realizar-se, há uma outra importante consideração que Bruno de Carvalho deixou omissa, por razões que só ele poderá explicar. O TAS limitou-se a divulgar uma ideia geral da sua decisão e deixou claro que o teor do acórdão é preservado no segredo de Tribunal, uma vez que as partes não consentiram à sua divulgação. Não sabemos se o Sporting gostaria ou não de ver o acórdão completo publicado, mas consta que a Doyen não consente. Até nem dá para compreender a razão desta sua opção, uma vez que a decisão do Tribunal lhe é favorável e nada de consequente pode adiantar sem ser confrontada pelo Sporting.

 

Reitero o que já aqui deixei claro em comentário: acho tudo isto um autêntico desperdício de dinheiro, tempo e de recursos humanos, pela discórdia de uma única pessoa, mesmo que essa pessoa tenha o apoio não revelado de outros. É sem dúvida alguma importante que este caso da Doyen seja clarificado, mas, na minha opinião, o que preocupa Rui Barreiro não é a decisão em si, uma vez que o principal já é do domínio público, mas sim as suas consequências para o Sporting e, sobretudo, o plano de acção do presidente para satisfazer a obrigação imposta pelo Tribunal.

 

Seja através de uma reunião do Conselho Leonino ou, como até já sugeri, via um debate livre na Sporting TV, é possível encontrar uma solução sem a realização de uma Assembleia Geral. Esta, a acontecer, poderá contar com a participação de poucas centenas de sócios, a maioria dos quais afecta a Bruno de Carvalho. Os restantes milhares de sportinguistas, milhões até, ficam no escuro à espera de informações em segunda e terceira mão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:27

 

11987163_10153000988631555_2900371255220464587_n.p

 

Comunicado do Presidente do Conselho Directivo

do Sporting Clube de Portugal

 

 

No momento em que os mais variados responsáveis do Sporting Clube de Portugal vieram a público realçar a importância da unidade de todos os Sportinguistas em torno do projeto comum para se atingirem os principais objetivos definidos para esta época, e em vésperas de mais um jogo de enorme relevância, o associado Rui Barreiro volta a aparecer, em público, a procurar desestabilizar o nosso Clube com críticas, tornando clara a sobreposição dos seus interesses pessoais aos superiores interesses do Sporting Clube de Portugal.

É, de facto, um período de grande unidade aquele em que vivemos mas foi sempre claro que, por poucos que sejam, nunca deixarão de existir um conjunto de "sportinguistas" que recordam, aparentemente com saudade, um Sporting Clube de Portugal falido, conformado, apático, derrotado e abatido que, ainda assim, era o seu garante financeiro e social e de muitas outras famílias.

Nunca, com esta Direção, no Sporting Clube de Portugal se esconderá ou procurará calar o som de uma voz díspar, mesmo que muito isolada, pois prezamos o direito à opinião e a que a mesma seja ouvida.

E assim o será, novamente, apesar do lamento de que sejam sempre escolhidos, com rigor calculista, os momentos de suposta dificuldade do Clube que, aparentemente, dão alento a estes detractores.

O mesmo já havia acontecido em vésperas do ultimo Sporting Clube de Portugal-Benfica para a Taça de Portugal, em que aquele dirigente, assumindo a posição dos nossos rivais e um papel claro de "testa de ferro" de críticos que não se conformam com o rumo de credibilidade, confiança e espírito ganhador da nossa equipa, surgiu a dar voz a questões que nunca colocou nos órgãos próprios do nosso Clube, onde até hoje, assim como os que o acompanham na sombra, quase sempre estiveram ausentes.

Mas, nesta altura, em que se deveria celebrar uma das características mais marcantes do ADN Sportinguista que é a coesão para enfrentar as adversidades, o dito associado volta a não encontrar melhor programa para servir a sua agenda que não seja dar um passo para o lado e chamar sobre si as atenções sugerindo que o Clube deveria convocar uma Assembleia Geral.

Uma Assembleia Geral como a de 17 de Janeiro de 2015 a que o associado em causa não estando ou não expressando a sua posição, assim como quem o acompanha sem dar a cara, como são seus hábitos e costumes e na qual, por iniciativa da actual Direção, foram debatidos com os Sócios assuntos com a maior  relevância , relacionados com os fundos, o "caso" Doyen, as relações com os empresários, a empreitada do Pavilhão etc, numa reunião marcada pela enorme afluência de Sócios e pelo apoio esmagador às decisões da Direção em todos estes temas. Relembramos que na referida Assembleia Geral todos estes temas foram detalhadamente apresentados explicando a razão de cada decisão, as suas virtudes e eventuais consequências.

 

É tradição cultural do Sporting Clube de Portugal, retomada por esta Direção, promover a livre discussão e exposição das mais diversas opiniões: é delas, da honestidade com que são apresentadas e da deliberação que sobre as mesmas os Sócios tomem que se faz o caminho da Maior Potência Desportiva Nacional.

 

Foi nesse sentido, que todas as principais decisões que têm estado em destaque sobre a vida do Clube, desde as diferentes medidas que possibilitaram a reconhecida recuperação financeira e desportiva realizada ao longo destes últimos dois anos, todas estas matérias, foram amplamente discutidas, analisadas e aprovadas pelos órgãos próprios do Clube, sendo curioso que na altura e perante os Associados não fossem postas em causa essas decisões.

 

Só que nunca esta Direcção se furtou ao diálogo ou se esquivou ao confronto saudável de opiniões. Se o associado Rui Barreiro frequentasse as Assembleias Gerais do Clube ou se fizesse ouvir a sua voz no Conselho Leonino talvez muitas das questões que coloca com tão ousada galhardia na comunicação social já tivessem tido resposta no local certo. Mas apesar, e repete-se, de todas as questões levantadas já terem sido objeto de discussão e análise em anteriores reuniões, entende mesmo assim a Direção do Sporting Clube de Portugal, optando por não fugir dos assuntos, nem obrigar os associados a recolher assinaturas e dinheiro para se fazerem ouvir, decidir:

 

1 - Solicitar de imediato ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, que convoque para o próximo mês de Janeiro uma Assembleia Geral para abordar todos estes temas e outros de interesse para o Clube, convidando expressamente o associado Rui Barreiro a estar presente, para, de acordo com os estatutos, poder apresentar e discutir as questões que até ao momento só tem lamentavelmente levantado junto dos Órgãos de Comunicação Social;

 

2 - Solicitar ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral que nessa Assembleia Geral seja devidamente acautelada a reserva de tempo tida como necessária pelo associado Rui Barreiro, para que apresente detalhadamente as suas críticas, análises, ideias e propostas concretas, libertando o mesmo associado do constrangimento inerente às habituais intervenções de apenas três minutos por Sócio, concedendo-lhe o tempo que este julgue conveniente.

 

Por último, e fazendo novamente um convite que tem sido habitual antes de todas as Assembleias Gerais mas infelizmente nunca acedido pelos seus destinatários, esperamos que seja esta Assembleia Geral aproveitada por aqueles que comunguem dos propósitos do associado Rui Barreiro para estarem presentes, darem a cara e fazerem ouvir a sua voz no local próprio. É altura de passar de reuniões em cafés/restaurantes, de comícios privados e de páginas de Facebook ou blogues, para darem a cara perante os Associados, deixando de utilizar meros "testas de ferro", podendo os mesmos finalmente conhecer as pessoas e as suas ideias.

 

Lisboa, 28 de Dezembro de 2015

Bruno de Carvalho, Presidente do Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal

 

 

Com tanto de tão enorme importância que Bruno de Carvalho tem entre mãos, a sua preocupação recai sobre a voz solitária de um conselheiro leonino que o critica ?

 

Muito além do há longo reconhecimento que o presidente do Sporting não lida bem com críticas à sua pessoa, um cínico diria - contrário ao que ele próprio afirmou há poucos dias - que já está preocupado com o próximo acto eleitoral. Daí, o já tradicional e estéril convite para uma Assembleia Geral, fórum inteiramente sob o controlo do PMAG e onde ele se sente perfeitamente à vontade para manipular e intimidar eventuais vozes de discórdia. 

 

O mesmo cínico também diria que este extenso Comunicado, além de visar silenciar o conselheiro leonino em questão, tem o duplo objectivo de desviar atenções do mais importante, especialmente se considerarmos os vários eventos de dias recentes.

 

Uma vez que ele faz referência específica a blogues, entre outros, e até já não é a primeira vez que o Camarote Leonino é citado por nome, que fique aqui claro, de uma vez por todas, que ninguém nos vai silenciar e que continuaremos a criticar sempre que entendermos que há justa causa para o efeito.

 

Até parece que Bruno de Carvalho pretende silenciar tudo e todos !!!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26

  

19130548_RwA6L.png

Uma situação que já era muito complicada, para o Sporting, parece ser ainda mais do que se esperava, se se vier a confirmar o que a Doyen Sports fez saber, este sábado, através de um comunicado enviado para a Agência Lusa.

 

Nomeadamente que quando as contas finais forem feitas, o Sporting acabará por pagar em excesso de 17 milhões de euros, uma verba significativamente superior ao que a Doyen alega que propôs em Agosto de 2014, para resolver o diferendo entre as partes. Isto, como resultado da soma dos cerca de 12 milhões de euros por instrução da decisão do TAS, a que se juntam os 4,5 milhões de euros que o Clube pagou pela transferência de Marcos Rojo, mais juros e custas.

 

No comunicado, a agência desportiva lamenta a postura do Sporting e anuncia que "irá avançar com acções contra aqueles que atentaram contra o bom nome da empresa e do seu CEO (Nélio Lucas)", porque "pretende ser compensada por danos ao seu bom nome e aos prejuízos associados às repetidas difamações de que foi alvo".

 

Para o CEO da empresa, "a decisão do TAS confirma a validade e a integridade da actividade da Doyen Sports na indústria do futebol e mostra que em cada operação está contratualmente garantido que os clubes têm controlo sobre a sua política de transferências, e que o jogador tem a última palavra a dizer sobre onde pretende jogar, tendo em conta que nem sequer é parte do contrato".

 

Como já referimos num outro recém-post, o TAS condenou o Sporting a pagar à Doyen cerca de 12 milhões de euros, acrescidos de juros, e a liquidar, no prazo de três dias, 75% de qualquer montante que possa advir para o Clube, como consequência do seu direito de 20% de mais-valias em qualquer transferência futura superior a 23 milhões de euros.

 

Bruno de Carvalho, na sua primeira reacção ao anúncio da decisão do TAS, afirmou que o Sporting iria recorrer dessa decisão e que, contrário a aparências, o processo está no seu início e não no seu fim. Não é claro, no entanto, que vias de recurso estão disponíveis para o Sporting.

 

Face à decisão do Tribunal Arbitral do Desporto e à complexidade da situação, parece-me que este caso da Doyen pode vir a ser o "Tendão de Aquiles" de Bruno de Carvalho, com o Sporting eventual e inevitavelmente a sofrer os danos da nefasta "incisão".

 

Por fim, será justo esclarecer que, tal como o leitor, eu não conheço todos os detalhes da decisão do TAS, por conseguinte, fico na dúvida quanto à veracidade da informação revelada. Isto dito, não deixa de ser algo estranho que Bruno de Carvalho e/ou a Sporting SAD nada divulgaram sobre a decisão. O presidente reagiu logo após o seu anúncio, mas nada esclareceu sobre o seu conteúdo. Inclusive nada se sabe sobre a disposição de Labyad no contexto do mesmo processo e que valores, se alguns, terão sido contabilizados.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:53

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo