Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Debate entre candidatos: brechas na muralha

Naçao Valente, em 25.02.17

 

muralhas.jpg

  

A análise de qualquer aspecto da realidade é subjectiva. Está condicionada pela selecção dos factos, pela sua interpretação e pela subjectividade do analista, em função do seu posicionamento político e ideológico. Este caso concreto, o debate entre Pedro Madeira Rodrigues (lista A) e Bruno de Carvalho (lista B) insere-se na formulação enunciada. Por isso, as apreciações sobre o debate, estão subordinadas pelo juízo pré-determinado, que cada qual tem dos intervenientes. Não escondendo a minha predilecção por Madeira Rodrigues, procurarei, no entanto, usar a imparcialidade na avaliação da prestação dos candidatos, com a certeza que não conseguirei ser neutro.

 

Em sentido lato, a primeira leitura que faço do debate, é que os opositores eram portadores de um guião que pretendiam cumprir. Madeira Rodrigues, partindo de uma posição de desvantagem, pelo facto de ser menos conhecido no universo sportinguista, e por estar do lado de fora da fortaleza, ocupada pelo seu adversário, teve de utilizar uma estratégia de ataque constante, procurando centrar a sua investida nas zonas mais fracas da muralha. Daí que se concentrasse na questão do futebol profissional, o tema mais apetitoso para o adepto, e dele procurasse tirar vantagens, para enfraquecer Bruno de Carvalho. Focou os maus resultados desportivos, as contratações erradas, a equipa técnica tremendamente cara. Esta estratégia, colocou Bruno de Carvalho à defesa, procurando limitar os danos. Além disso, usou algumas armas inovadores, como a coordenação para o futebol. Espera-se agora a apresentação do seu treinador.


No guião de Bruno de Carvalho estava, à partida,  a defesa de uma posição privilegiada, sem arriscar, sem pôr um pé em falso. A ideia foi fazer-se de peixe morto para se poder manter à tona. Contrariando a sua própria natureza belicista, conteve a agressividade, escudou-se atrás da sua muralha, que o intruso queria ocupar. Refugiou-se na obra feita, na solidez do edifício, na construção de novas ameias. Acentuou o recurso a apoios mediáticos, muitos deles com ligações ao repudiado passado, com especial enfoque para Ricciardi, uma espécie de Rasputine do Sporting, cuja presença perpassou pelo debate. Salientou o pavilhão, a salvação da bancarrota, números e mais números, gráficos e mais gráficos, na minha opinião de reduzida eficácia.


Para cumprir o seu guião, o ainda presidente foi instruído para se focar nos aspectos positivos, para manter uma imagem de urbanidade, chegando a afirmar, que num próximo mandato se irá resguardar mais, leia-se ter uma actuação mais discreta, sem voltas olímpicas por exemplo. Nesta área, Madeira Rodrigues, porque não tem as mesmas armas, e porque é candidato fora da muralha, limitou-se a questionar os dados apresentados, não podendo, em concreto ir muito mais além. Apesar disso, ainda conseguiu causar algum embaraço com o assunto pavilhão, alegando que estará pago com o dinheiro da Doyen. Quanto aos investidores, Madeira Rodrigues, não pode concretizar, enquanto candidato, o que só a um presidente compete. Pode-se discordar do seu projecto ou da concretização de algumas propostas, porque elas existem.Para bom entendedor..


Em conclusão, os dois contendores foram cumprindo os guiões previamente estabelecidos. Pelo facto, foi um debate morno, com algumas picardias, pouco significativas. Pedro Madeira Rodrigues fez o que tinha que fazer e penso que conseguiu alguns ganhos. Manteve o adversário à defesa e abriu algumas brechas. Para aqueles que consideram a fortaleza inexpugnável, é talvez altura de começarem a ter alguma modéstia. Foi o único que teve a coragem de desafiar o poder instalado, depois de constatar que mais ninguém avançava, surpreendeu-me e surpreendeu os observadores. O seu principal problema é a escassez de tempo, mas creio que está a mostrar que tem uma nova visão para o clube,  fibra, competência e condições para assumir a sua presidência. Assim queiram os associados.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:30

Debate Eleitoral

Rui Gomes, em 24.02.17

 

 

Assisti ao debate desta noite entre Bruno de Carvalho e Pedro Madeira Rodrigues e, como não pode deixar de ser, tenho uma opinião muito própria sobre a "performance" dos dois candidatos à presidência do Sporting.

 

Creio que só com o passar de mais algum tempo é que será possível verdadeiramente avaliar o impacte - se algum - deste evento e das posições assumidas pelos acima referidos. Não me surpreenderá vir a verificar que a maioria daqueles que têm vindo vindo a apoiar fervorosamente o ainda presidente do Sporting não mudaram de opinião, nomeadamente porque não estão e nunca estiveram receptivos a ouvir e a reflectir sobre proposições salvo as de Bruno de Carvalho.

 

Com isto dito, vamos deixar este espaço para debate livre entre leitores sobre o evento desta quinta-feira. Não é nossa intenção activar a moderação do blogue, condicionado a intervenções impróprias que possam surgir.

 

Em  consideração da hora tardia, continuaremos o debate esta sexta-feira, se possível, com mais algumas informações que sejam entretanto disponibilizadas.

 

20273471_EMNtJ.jpg

 

Carlos Severino - "Madeira Rodrigues estava em desvantagem perante um homem que quis assumir-se como presidente e não como candidato. Acabou por ser desigual e ainda por cima com um moderador que só o interrompeu, não fazendo o mesmo com Bruno de Carvalho. Mesmo assim ganhou, bateu-se bem, com linguagem de líder contra um egocêntrico, um ilusionista sempre a querer mostrar ter feito um trabalho fantástico quando nem sequer foi campeão".

 

Aguiar de Matos - "Falaram muito, mas disseram muito pouco. Madeira Rodrigues surpreendeu-me pela forma como estava preparado para atacar Bruno de Carvalho. Foi muito acutilante e Bruno de Carvalho estava com um ar absolutamente preocupado. Não foi um debate esclarecedor. Não pormenorizaram situações que esperava que fossem mais bem definidas quanto a objectivos futuros. Madeira Rodrigues pode ter captado mais uns votos e Bruno de Carvalho atrasou-se".

 

Subtil de Sousa - ""Para mim, nem sequer era necessário que este debate tivesse existido, porque a minha opinião iria sempre manter-se. Pedro Madeira Rodrigues não apresentou nenhuma proposta concreta e fala de Bölöni para coordenar o futebol jovem. Seria lindo um estrangeiro a fazer esse trabalho!... Não me disse nada e do Oriente virá de camelo com certeza, porque os petrodólares não se vêem. Bruno de Carvalho ganhou claramente, porque foi sempre mais concreto".

 

Gonçalo Nascimento Rodrigues - "Aprofundou-se muito pouco o clube. Deveria ter havido mais cuidado a abordar os temas. Os assuntos que realmente importam deviam ter sido debatidos com mais profundidade. Isso era importante para o esclarecimento cabal dos sócios. É importante discutir-se ecletismo e o que se pretende de futuro para o Sporting. Falou-se muito pouco de futuro. Este clube tem 110 anos de história, vai ter outros 110 e temos de falar de forma sustentável".

 

Bruno de Carvalho - "Fui provocado o debate todo mas acho que consegui passar o nosso programa. Temos uma situação sustentável e em crescendo financeiramente e desportivamente temos um projecto sólido. Os resultados não estão a aparecer mas não se analisam as coisas dessa forma. As pessoas sabem que o trabalho está a ser bem realizado. Foi um debate em que [Pedro Madeira Rodrigues] levantou muitas suspeitas, poucas ideias, muitas perguntas, muitas dúvidas. Um candidato à presidência do Sporting, mais do que dúvidas, deve ter ideias e projectos".

 

Pedro Madeira Rodrigues - "Acho que foi completamente esclarecedor. Um projecto passado, que não tem futuro, contra um projecto futuro e ganhador. Tive a confirmação de que estamos muito perto da vitória. (...) Tive sensação, ao longo do debate, que ia dizendo coisas novas, ideias, propostas. Eu ia dizendo coisas e ele ia-se repetindo, naquele estilo de auto-elogio. Pegando em papéis para disfarçar a sua incapacidade de falar por si só. Esteve em perda durante o tempo todo. Quando o fui cumprimentar estava triste e abatido. Disse-lhe para ter força e ele disse algo de mal sobre o meu projecto. Tem todo o direito de acreditar. Mas eu saí muito confiante e revigorado".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:22

Desafio ao leitor

Rui Gomes, em 23.02.17

 

11223263435_587090eb47_b.jpg

 

No café que eu frequento, onde se reune diariamente um grupo de amigos para tomar o pequeno-almoço e discutir as últimas do mundo da bola, foi hoje criado um "pool" relativamente ao debate desta noite, em que o desafio é o seguinte:

 

Quantas vezes vai Bruno de Carvalho referir-se a si próprio na terceira pessoa ?

 

O vencedor não levará fortuna alguma, mas será mais do que suficiente para convidar a "patroa" a ir jantar a um bom restaurante. Se não tiver "patroa", pode convidar a vizinha do lado.

 

Deixo o mesmo desafio ao leitor...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:25

Hoje temos "Debate" !

Rui Gomes, em 23.02.17

 

img_infografias$2017_02_22_08_43_48_1227918.jpg

 

Grande expectativa em torno deste debate entre os dois candidatos à presidência do Sporting. De Bruno de Carvalho já sabemos o que esperar, não surgirão novidades sobre a sua postura e habilidade para vender a banha da cobra, as muito propagandeadas e pouco ou nada explicadas 111 medidas. Em linha com o seu carácter, o foco da noite será desvalorizar Pedro Madeira Rodrigues e enaltecer a sua pessoa, como aliás é seu hábito.

 

A grande dúvida recai sobre o candidato de oposição e a sua capacidade para transmitir as suas ideias de forma convincente. Já tivemos ocasião de verificar que não é um orador exímio e este enquadramento é sem dúvida alguma uma novidade para ele.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:14

Candidatos vão a debate no dia 23

Rui Gomes, em 16.02.17

 

Debate.jpg

 

O primeiro e... último debate entre Bruno de Carvalho e Pedro Madeira Rodrigues está marcado para 23 de Fevereiro e será transmitido em directo na Sporting TV. A data foi proposta pela mesa da Assembleia Geral e reuniu consenso nas duas candidaturas, isto depois de ter falhado uma primeira tentativa de acordo. Faltam apenas acertar questões de detalhe, nomeadamente a duração do debate e a possibilidade de serem convidados jornalistas dos três canais generalistas para participarem na moderação.

 

Do que já não há dúvidas é de que o frente-a-frente terá lugar no próximo dia 23, acontecerá na estação do Clube e será o único desta campanha eleitoral a opor os dois candidatos ao Conselho Directivo, a despeito do natural interesse e dos pedidos de outros órgãos de comunicação social, entretanto recusados. A multiplicação de debates, verificada em eleições anteriores, principalmente em 2011, foi tida como contraproducente e prejudicial à eficiência da mensagem. Um duelo é, agora, considerado suficiente para esclarecer os sportinguistas, numa etapa decisiva da corrida à presidência.

 

Sinto curiosidade em saber qual dos dois candidatos, caso a decisão não tenha sido de mútuo acordo, recusou a realização de mais debates por ser "prejudicial à eficiência da mensagem". Parece-me um argumento à lá Bruno...

 

Não sei se Pedro Madeira Rodrigues fez bem ao aceitar que o debate tenha lugar na Sporting TV e, ainda pior, se os moderadores vão ser actuais funcionários do Clube, ou seja, vassalos de Bruno de Carvalho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:24

  

Se ainda existiam dúvidas sobre a qualidade de liderança de José Couceiro, o debate desta noite serviu de esclarecimento, de uma vez por todas. É o único dos três candidatos - se é que se pode levar a sério Carlos Severino como candidato - que demonstra saber do que fala e, porventura de maior importância, falar do que sabe, realistíca e honestamente. Surgiram diversas tentativas de o calar durante o debate, em concerto, tanto por Carlos Severino como por Bruno de Carvalho, deixando a ideia que não convem, especialmente ao último, que as diversas matérias problemáticas do momento sejam abordadas de forma clarividente. 

Na área de superior importância, o futebol, desde o conceito e estrutura da formação ao profissional, é por de mais transparente que Bruno de Carvalho não tem mais do que uma vaga noção quanto ao tanto que será necessário levar a cabo para viabilizar a recuperação do Sporting. Atirou nomes de pessoas para o ar - caso de Freitas Lobo - que além de ter competência discutível para um cargo que até não foi definido, afirmou ontem que rejeitou o convite do candidato. Como já é conhecido, Bruno de Carvalho evocou Virgílio Lopes e Augusto Inácio sem o mínimo de indicação das funções que irão desempenhar. Acima de tudo, a sua mais irrisória apreciação - na tentativa de desculpabilizar a sua não existente ligação à modalidade, em qualquer enquadramento - foi, sem dúvida alguma, esta: «Experiência no futebol não é importante, porque nem todas as experiências são positivas.» Alguém deveria dizer isso a José Mourinho, porque é óbvio que ele não se deixou afectar por algumas das suas experiências menos positivas e ainda consegue ser considerado um dos melhores, se não o melhor treinador do mundo.

Entre outras questões, o debate serviu para confirmar - contrário a informações que têm vindo a circular, que Bruno de Carvalho, tal como José Couceiro admitiu logo a partir do primeiro dia, vai ser um presidente remunerado. Outra contenda em que há desacordo entre os principais candidatos, é que Bruno de Carvalho pretende passar o passivo de 120 milhões da SAD para o clube e José Couceiro, com lógica e razão do seu lado, opõe-se veemente a essa hábil manobra. Ainda ao que o futebol concerne, não é claro se em referência à sua pessoa ou ainda a outras da sua equipa, Bruno de Carvalho entende que «não há risco em envolver pessoas no futebol que não têm experiência de gestão de futebol.» Uma consideração que, de certo, terá deixado a audiência pasmada.

José Couceiro foi bastante explícito quanto à estrutura de futebol sob a sua liderança, como aliás sempre foi, e, esta noite, confirmou o antigo futebolista e dirigente sportinguista, Pedro Barbosa, como o elo de ligação entre a equipa profissional e a sua pessoa, como líder da SAD. Em resumo, repito, José Couceiro exibiu toda a serenidade, estabilidade e sentido de conhecimento e confiança pela forma como se apresenta como potencial presidente do Sporting Clube de Portugal. Entendo que não há margem para dúvidas quanto a isto, pese a demagogia, militância e outras «démarches» em curso, na tentativa  de vender ilusões aos sportinguistas.

 

Nota: Lamenta-se o tempo de antena que foi desperdiçado pela participação de Carlos Severino, com disparates em cadeia.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:21

As frases mais marcantes do debate

Rui Gomes, em 20.03.13

 

«Ao longo deste tempo o Sporting tem alterado constantemente a sua liderança. Por isso as lideranças são o que são. A chave dos sucessos ou insucessos está aqui, a meu ver. E enquanto os sportinguistas não entenderem isto e se auto responsabilizarem, sócios incluídos, os ciclos virtuosos convertir-se-ão sempre em ciclos viciosos.» 

 

«O Sporting precisa de uma estratégia. Não é só dizer que se vai apostar na formação. O Sporting precisa de apostar na Academia, de ter um recrutamento bom, o que implica um scouting bom. O que é fácil é chegar com dinheiro e comprar jogadores. Tem de haver identidade dentro da equipa.»

 

«Só deverá ter conversa com Jesualdo Ferreira quem for eleito, mas estamos satisfeitos com a evolução recente. Quando formos eleitos vamos ter uma conversa, mas há confiança nele. Ele também tem de mostrar vontade em ficar e fazer parte do projecto. Temos alterado constantemente as lideranças e é preciso estabilidade. Treinador tem de ter estabilidade.»

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:51

O debate eleitoral

Rui Gomes, em 20.03.13

Não presumo falar pelos sócios indecisos, mas penso que a serenidade de José Couceiro, a forma como encara o momento do Sporting com os pés bem assentes na realidade, lhe terá valido um parecer favorável daqueles que, porventura, ainda hesitavam entre a sua candidatura e a de Bruno de Carvalho. Foi um debate relativamente equilibrado com  Bruno de Carvalho menos interventivo do que se esperava, quase deixando a ideia de que terá decidido que quanto menos falar melhor. Carlos Severino não merece muito comentário, já que é um candidato totalmente fora da equação. Aqueles que já optavam por José Couceiro sentir-se-ão reforçados pela sua postura no diálogo que ocorreu em Alvalade e a falange de apoio a Bruno de Carvalho não vacilará, minimamente, da campanha que está em curso já há dois anos. 

Confirmou-se o que já se suspeitava quanto à dependência do Sporting na banca, indiferente de quem vier a ser presidente, muito embora seja evidente pelo seu conforto em encarar a contenda, que José Couceiro tem fortes garantias de apoio nesse sentido. Bruno de Carvalho recusou-se, por diversas vezes, a nomear a origem do seus recursos financeiros, inclusive de investidores, e, na realidade, nenhum dos candidatos adiantou dados concretos que possam ser profundamente avaliados neste contexto. 

Penso que pela complexa e espinhosa situação financeira e as limitadas soluções à mão, passou-se tempo de mais a discutir essa temática e muito pouco na estrutura do futebol. Isto, assente na premissa que a recuperação global do Sporting terá forçosamente de ter o seu ínício nessa área. 

Estes debates já deviam ter sido realizados há muito mais tempo porque servem para obrigar os candidatos a explanar aspectos dos seus planos ainda não devidamente clarificados. É discutível se este primeiro encontro alcançou esses objectivos, mas terá servido de plataforma para um debate muito mais emotivo na próxima quinta-feira. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:29

Teatro de Operações Eleitorais (53)

Rui Gomes, em 14.03.13

 

Os candidatos Carlos Severino e José Couceiro participaram ontem num debate a dois em Mafra, organizado pelo Núcleo Sportinguista local, onde foram convidados a esclarecer as suas posições relativamente às suas principais ideias para o futuro do Clube. Segundo as informações, a audiência não era numerosa, mas muito interessada e participante, apresentando diversas perguntas aos candidatos.

 

A sessão encontrou um ponto comum nas críticas a Bruno de Carvalho por andar a esconder-se da participação em debates televisivos. Isto vem ao encontro das informações - com conhecimento de causa - que me foram dadas já há uns dias e reiteradas mais recentemente. Contrário ao que tem propagado por outros meios, Bruno de Carvalho tem vindo a impedir a realização deste fórum de diálogo entre candidatos por recear que «in loco» e com confrontação directa, a sua imagem de vendedor da «banha da cobra» venha a ser confirmada perante uma audiência nacional. Atrevo-me a sugerir que a sua viagem a Moçambique esta semana, a (simulado) pretexto de «estabelecer contactos com possíveis parceiros económicos» serve uma estratégia cuidadosamente elaborada em que um dos objectivos é impossibilitar a realização de debates. A sua zona de maior conforto é enunciar a sua demagogia através da comunicação social e perante pequenos aglomerados de sócios e adeptos sportinguistas, onde nunca lhe será exigido respostas difíceis para a resolução dos problemas do Sporting. 

 

A exemplo da entrevista hoje publicada no Jornal do Sporting - ao qual facultámos o acesso aos leitores no prévio post - as mesmas 30 perguntas foram apresentadas aos três candidatos:

 

P: Sendo todos defensores da aposta na formação, como será possível conciliar essa aposta com a ambição de conquistar títulos ?

 

BdC: Sim, sem dúvida. É necessário incutir uma nova mentalidade vencedora, rigor e ambição, muito querer, organização e uma liderança competente e forte.

 

P: Haverá alterações à estrutura do nosso futebol de formação e qual o papel da Academia no seu projecto ?

 

BdC: A Academia terá um papel reforçado, bem como a aposta na formação e as alterações decorrem do modelo enunciado em pergunta anterior.

 

Duas perguntas directas e claras com respostas demagogicamente bem adornadas mas sem explicação concreta alguma. E, em resposta à segunda, refere o entrevistador - e o leitor - à primeira, ficando todos a saber o mesmo, absolutamente nada.

 

Se estou a ser excessivamente crítico com esta minha análise, agradeço que me apontem onde estou equivocado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:47

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds