Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

19140093_7yBH9.jpg

 

Numa primeira apreciação, o acordo estabelecido entre o Sporting e a NOS parece constituir um bom negócio para o Sporting, sendo revelador da relevância do Clube no contexto do futebol nacional. No entanto, a blogosfera leonina foi invadida por acalorados debates por persistirem dúvidas relativamente à verdadeira dimensão das contrapartidas estabelecidas de parte a parte. O presidente do Sporting caiu na armadilha de mostrar irritação e impaciência por algumas questões que foram levantadas. A própria diatribe ao associado Sérgio Abrantes Mendes revela grande incómodo.

 

Na verdade, sem uma análise atenta e segura dos termos do contrato estabelecido entre o Clube e a NOS corremos o risco de mandar para o ar morteiros de pólvora seca. Bruno de Carvalho ajuda à festa ao encher a boca com 515M€ quando todos sabemos que o que se contratou agora com a NOS e a PPTV não corresponde em rigor a esse montante. Mas, o presidente do Sporting habituou-se a lançar cortinas de fumo para melhor baralhar as cartas e distribui-las de novo.

 

Da leitura dos comunicados do Sporting e da NOS à CMVM mantenho determinadas dúvidas que, por enquanto, não vejo esclarecidas:

 

- a concessão dos “direitos de transmissão dos jogos em casa por 10 anos” da equipa A de futebol refere-se apenas à Primeira Liga ou é mais abrangente?

 

- a concessão dos “direitos de exploração da publicidade estática e virtual no Estádio José Alvalade” implica em concreto os painéis publicitários e écrans ou alarga-se, por exemplo, ao naming das bancadas nascente e poente?

 

- a concessão do “estatuto de patrocinador principal do Sporting por 12 épocas e meia” inclui apenas a camisola da equipa principal ou estende-se às outras equipas (B e Formação) de futebol do Clube?

 

- a “revisão dos valores do contrato com a PPTV” em quanto é que de facto beneficia financeiramente o Sporting considerando que se acrescentou agora a concessão de três anos de publicidade estática e virtual do Estádio e que havia valores já contratualizados?

 

- desconhecendo-se os termos da evolução do mercado audiovisual e do impacto financeiro dos novos formatos como o streaming estão previstas fórmulas para reavaliar e renegociar no futuro o acordo com a NOS?

 

- verificando-se uma significativa valorização da “marca” Sporting estão estabelecidos processos que permitam a devida adequação dos termos financeiros do acordo?

 

- confirmando-se uma revisão em alta do contrato entre o Benfica e a NOS está previsto algum mecanismo compensatório para o Sporting?

 

- havendo desinteligências contratuais em que termos está prevista a cessação do contrato por uma ou pelas duas partes?

 

Quando Bruno de Carvalho se candidatou em 2013 à presidência do Sporting sublinhou com frequência o valor da “transparência” nos actos de gestão do Clube. Por essa razão, muitos sportinguistas esperam que o presidente do Clube seja coerente com aquilo que apregoou no passado em determinado momento.

 

 

/Fotografia de Yves Lecoq/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:14

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Posts mais comentados



Cristiano Ronaldo