Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

pensive-man-with-question-marks-background_1134-62

 

"O Sporting Clube de Portugal já efectuou o pagamento completo da dívida à Doyen Sports. De acordo com o jornal Record, o montante, de 13.3 milhões de euros, remonta à transferência de Marcos Rojo do Clube de Alvalade para o Manchester United.

 

Na altura do negócio, os leões rescindiram unilateralmente os contractos com o fundo de investimento e, depois de o mesmo apresentar queixa, o Supremo Tribunal da Suíça ditou o pagamento do valor que agora se encontra completo. Segundo o mesmo órgão de comunicação social, o Sporting CP recebe assim 6.1 milhões de euros, valor que estava retido pela UEFA enquanto a dívida não fosse saldada e referente a prémios nas competições europeias."

 

Este, o apontamento noticioso que se encontra no site do Sporting Clube de Portugal. Serei eu, ou há aqui algo não muito bem esclarecido. Não dá para perceber como é que a notícia de um pagamento supostamente efectuado pelo Clube, é referido pelo próprio Clube, "de acordo com o jornal Record".

 

Mesmo que o pagamento tenha sido feito recorrendo à verba (prémios da Champions) retida pela UEFA, o Sporting não seria previamente notificado ? A confirmar-se, o pagamento total ao fundo terá sido cerca de 17 milhões de euros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:05

 

VentesEncheresHeadIllustration.jpg

 

Parte da dívida à Doyen, relativo ao diferendo pela transferência de Rojo, já foi paga. No Relatório e Contas ontem enviado à CMVM pode ler-se que o Tribunal suíço que mantém retidas as receitas do Sporting nas competições europeias (‘Office des Poursuites de Nyon’) entregou em Abril à empresa de Nélio Lucas 2,292 milhões de euros.

"A UEFA reteve a verba de € 19.400.435,00 à ordem do tribunal suíço, dos quais foram libertados pelo tribunal à Doyen o montante de €2.292.435 em Abril de 2017", informa a SAD, esclarecendo que "as receitas da Liga dos Campeões, com referência à edição 2017/18 não se encontram penhoradas". O valor retido pela UEFA actualmente é de 17,1 milhões de euros.

 

*** Dá para questionar a razão da dívida não ser paga na sua totalidade e o caso encerrado de uma vez por todas. Não vejo benefícios para o Sporting com esta demora de pagamento, pelo contrário, contabilizando os juros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:03

 

Pavilhão João Rocha.jpg

 

A Sporting SAD ainda não procedeu ao pagamento voluntário da dívida à Doyen Sports relativa à transferência de Marcos Rojo para o Manchester United e da rescisão do contrato com Zakaria Labyad. Inicialmente tratava-se de 14,2 milhões de euros (Rojo) e de 1,5 milhões de euros (Labyad), acrescidos de uma determinada quantia referente a juros (0,5% por cada mês de atraso). A decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), depois confirmada pelo Supremo Tribunal da Suíça, foi tomada em Dezembro de 2016 e considerada irrevogável.

 

O acórdão do TAS foi particularmente duro ao declarar que “o painel determina que o Sporting não pode, em boa-fé, alegar que tinha justa-causa para terminar unilateralmente a relação contratual com a Doyen”. Os juízes consideraram que Carlos Vieira, administrador financeiro da Sporting SAD, “não foi capaz de responder à questão lançada pelo painel sobre quais os danos materiais causados pela Doyen ao Sporting”. Foi rejeitado, assim, o pedido de indemnização apresentado pelos leões.

 

Em Maio de 2017, o TAS executou 2,5 milhões de euros que entregou à Doyen. A verba para essa execução foi retirada de um montante de 18 milhões de euros referentes aos prémios de participação do Sporting na Liga dos Campeões em 2016-17 e que se encontram retidos no ‘Office des Poursuites’, na Suíça. Nessa data a dívida era de cerca de 17 milhões de euros, embora a empresa de fundos reivindique um valor superior a 20 milhões de euros.

 

Por enquanto, a Doyen optou por não acionar a penhora das verbas retidas na UEFA, através de um tribunal de Nyon, pois, oficialmente, aguarda pelo pagamento voluntário da dívida. Entretanto, os juros vão aumentando a cada mês que passa, agravando a factura. Carlos Vieira defende-se afirmando que o Sporting aguarda uma decisão de uma instância portuguesa (Tribunal da Relação de Lisboa) e que o valor devido está provisionado no último Relatório e Contas semestral.

 

Na inauguração do Pavilhão João Rocha, no passado mês de Junho, Bruno de Carvalho recordou que tinha garantido “que iríamos ter pavilhão 'Doyen a quem doer' e aqui está”. Sublinhou dessa maneira que a construção da obra, em grande parte, verificou-se com dinheiro da dívida à empresa de fundos. Mas, oxalá que ele saiba o que está a fazer e que o pavilhão desportivo não se torne num dos mais caros do mundo!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:27

 

img_818x455$2016_12_07_02_47_27_581253_im_63617528

 

Os juros do caso que opõe o Sporting à Doyen já ultrapassaram os três milhões de euros, embora haja uma diferença entre as partes de 300 mil euros, no que diz respeito ao total da dívida.

 

Segundo Carlos Vieira, vice-presidente para a área financeira da Sporting SAD, o valor em dívida, no total, já com juros, situa-se nos 15,3 milhões de euros, ainda assim um montante inferior aos prémios que o Sporting tem de receber da UEFA - 18,2 milhões de euros. A verba não vai de encontro aos cálculos da Doyen, cuja fonte oficial clama que o valor em dívida com juros incluídos está nos 15,6 milhões de euros.

 

Os prémios conquistados pelo Sporting nas provas europeias estão retidos, como refere Carlos Vieira, no Office des Poursuites, uma espécie de tribunal de execuções suíço e cujo equivalente aproximado em Portugal é o Tribunal do Comércio. Esse dinheiro está sob a tutela daquele organismo helvético enquanto se aguarda por uma decisão final, pois a Doyen intentou em território nacional, como sustenta o Sporting no seu mais recente relatório e contas, uma acção no Tribunal da Relação de Lisboa que visa o reconhecimento da sentença decretada pelo Tribubal Arbitral do Desporto (TAS). O Sporting, após ser intimado pelo Tribunal da Relação de Lisboa, deduziu uma oposição que tem como intenção "obter uma declaração de ilegalidade no pedido de reconhecimento de sentença estrangeira efectuado nos tribunais portugueses".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:55

Falta de transparência exasperante !

Rui Gomes, em 23.01.17

 

mw-860.jpg

 

Segundo o jornal Record, uma fonte não identificada do Sporting prestou declarações em reacção à notícia que a Doyen tem a intenção de avançar com penhora de bens, pelo não pagamento da já bem conhecida dívida.

 

Terá afirmado esta "fonte", que a Sporting SAD está tranquila quanto a este assunto, uma vez que enquanto o caso estiver nos tribunais, não pode haver penhora. Além disso, a verba em questão está cativa na UEFA e o organismo que tutela o futebol europeu pode proceder ao seu desbloqueamento a partir do momento em que haja uma decisão nesse sentido. Por fim, que o único objectivo da Doyen é o de causar pânico entre os sportinguistas.

 

Exasperante, para ser simpático, esta falta de transparência de Bruno de Carvalho e da Direcção do Sporting. Primeiro e sobretudo, se há algo a esclarecer, e pelos vistos ainda há muito, deve ser participado aos sportinguistas por vias oficiais e não através de dirigentes não identificados.

 

Segundo, após a decisão do Supremo Tribunal Federal da Suíça, que ordenou o Sporting a efectuar o pagamento, em que outro tribunal está agora o caso ?

 

Terceiro, a verba que está retida pela UEFA, proveniente dos prémios do Sporting na Champions, não é suficiente para liquidar a dívida em questão, partindo do princípio que eventualmente será desbloqueada para esse fim.

 

Já aqui escrevi e reitero que me parece óbvio que o intuito único de Bruno de Carvalho é de continuar a fazer a "vida cara" à Doyen Sports, atrasando o pagamento por todos e quaisquer meios ao alcance, permitindo-lhe, em simultâneo, ganhar tempo para obter a disponibilidade líquida para satisfazer a dívida, disposição que não existirá nesta altura.

 

Adenda: Segundo o que foi revelado - e não refutado pelo Sporting - após o juízo do Supremo Tribunal Federal da Suíça, a dívida por liquidar é no valor de 15,6 milhões de euros, que contarão com o devido acréscimo de custas e dos juros (0.5% por cada mês de atraso).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:40

Doyen vai avançar com penhoras ?

Rui Gomes, em 21.01.17

 

i284852689436774959__szw480h1280_.jpg

 

Vi aqui recentemente um leitor perguntar 'Quantas vezes é necessário pagar à Doyen?', inferindo, creio eu, que o pagamento ordenado pelo Supremo Tribunal Federal da Suíça já tinha sido efectuado.

 

A resposta lógica à pergunta desse leitor é 'Só uma', mas a acreditar no que está a ser noticiado, essa 'uma' ainda não aconteceu, prolongando a já notória novela entre a Doyen Sports e o Sporting Clube de Portugal.

 

Com isso em mente, Alfredo Garzon, advogado da Doyen, terá indicado que a empresa irá avançar com um processo de penhoras em Alvalade, envolvendo contas bancárias e imóveis, com o único objectivo de receber o valor determinado pelo Tribunal Federal Suíço:

«Estamos em processo de homologação do laudo da sentença em Portugal para avançar com penhoras também em Portugal, no sentido de executar também o clube e forçar o pagamento por via judicial, já que o mesmo não acontece voluntariamente».

 

Já Nélio Lucas, CEO da Doyen, atirou: "Para Bruno de Carvalho é igual que sejam 15, 20 ou 25 milhões de euros… Quem paga é o Sporting".

 

Também consta que a UEFA tem determinados valores retidos, provenientes dos prémios do Sporting das provas europeias, mas ainda não é claro se o montante em questão é suficiente para pagar à Doyen - não será, porventura - e se já houve alguma acção nesse sentido.

 

A pergunta óbvia que fica no ar é a razão que leva o Sporting - leia-se Bruno de Carvalho - a não efectuar o pagamento que devia ter sido feito há muito e que mesmo agora perante o juízo do acima referido Tribunal continua a não cumprir.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:37

 

capa_dividas.jpg

 

A confirmar-se o que está a ser noticiado e não contrariado pelo Sporting, a SAD ainda não avançou com o pagamento da dívida à Doyen Sports relativamente ao caso da saída de Marcos Rojo para o Manchester United.

 

O Sporting ainda não terá disponibilizado os 15,6 milhões de euros, que contarão com o devido acréscimo dos juros (0,5% por cada mês de atraso), depois da condenação ratificada pelo Supremo Tribunal Federal da Suíça. 

 

A decisão, de cariz irrevogável, foi anunciada no dia 15 de Dezembro mas a Doyen Sports, ainda não recebeu o pagamento e, no caso de a situação se prolongar, pode accionar a penhora das verbas retidas na UEFA, uma vez que o organismo congelou uma verba referente à participação do Sporting na Liga dos Campeões, na decorrente temporada.

 

A Doyen deverá aguardar o pagamento voluntário da Sporting SAD, mas não coloca de parte a possibilidade de agir judicialmente para ver a questão resolvida.

 

Será que este caso nunca tem fim ?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:12

 

brunodecarvalho9.jpg

 

«Valeu a pena o caso Doyen. Numa Assembleia Geral disse aos sportinguistas qual era a estratégia, os riscos, o que poderia acontecer. Se cada dia dissesse a mesma frase, havia sportinguistas que se espantariam. Somos um clube de gente pouco atenta. Entendíamos que o contrato era anulável no seu todo. Não foi assim que foi decidido. Perdemos com a total noção que tínhamos razão, com a total noção que tínhamos do nosso lado a UEFA e a FIFA.

 

O Sporting é o único que se queixa. Parecemos de facto paranóicos. Tenho de reflectir, olhar para mim e ver se é isto que eu quero para o Sporting. Às vezes sinto-me um bocadinho como aqueles doidos que estão à janela e até têm razão no que têm a dizer, mas como estão sempre a falar já ninguém os ouve».

 

                                                                                                           Bruno de Carvalho

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:02

 

15284821_10153946410951555_6458133870058698802_n.p

 

Em virtude da decisão tomada pelo Supremo Tribunal da Suíça e de que hoje tomámos conhecimento, entende a Sporting Clube de Portugal – Futebol SAD fazer o seguinte esclarecimento:

 

1 – O Supremo Tribunal da Suíça decidiu não dar provimento ao recurso interposto pela Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD sobre o chamado “caso Doyen”. Nesse sentido, foi confirmada a sentença proferida pelo Tribunal Arbitral do Desporto de... Lausanne (TAS) que condena a Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD ao pagamento de 12 milhões de euros à Doyen acrescidos de juros.

 

2 – A manutenção de situações como esta é uma das muitas razões que têm levado o Presidente do Sporting CP a manifestar publicamente, em inúmeras entrevistas, “vergonha” pelo estado em que se encontra o mundo do Futebol.

 

3 – Apesar de estarmos absolutamente convictos de que a razão nos assiste e está do nosso lado – e a prova de que é assim foi, não só o apoio manifestado pela FIFA e pela UEFA em diversas ocasiões à posição do Sporting CP sobre este tema em concreto e sobre a questão dos fundos em geral, mas também o facto de terem tido intervenção directa no processo – foi também afirmado em diversas Assembleias Gerais da SAD e do Clube e noutros fóruns que este era um processo que poderíamos perder tendo em conta o carácter cego da Justiça.

 

4 – A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD reitera que os impactos financeiros decorrentes desta decisão já tinham sido integralmente provisionados nas contas da Sporting SAD, não apresentando qualquer risco para as mesmas, não sendo necessária a venda de activos como por exemplo a alienação de direitos desportivos de atletas, cumprindo as regras do Fair Play financeiro e a reestruturação financeira aprovada em 2013».

 

Torna-se redundante aprofundar novamente os prós e contras do caso "Doyen". Esta decisão do Supremo Tribunal da Suíça não podia ter sido outra, face à evidência disponível do nosso conhecimento. Creio que a própria Direcção do Sporting não esperava outro desfecho e o recurso interposto serviu apenas para adiar o inevitável. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:14

A insistência na bazófia

Rui Gomes, em 10.11.16

 

img_770x433$2016_11_09_16_59_45_1181791.jpg

 

Convidado a participar num dos vários colóquios da Web Summit que está a decorrer em Lisboa, Bruno de Carvalho foi instado a comentar o caso Doyen:

"Já pagou à Doyen?", perguntou o jornalista. "Não creio que lhes tenha de pagar, ainda está em tribunal", respondeu.

 

A pergunta que devia ter sido feita é quanto a mais vai custar ao Sporting pelo atraso do inevitável pagamento. Mas isso, para Bruno de Carvalho, é "bola".

 

E, em pleno estilo de campanha eleitoral... "Estou no clube há quase quatro anos, vamos ter eleições em Março e logo vemos o que acontece. Se ganhar essas eleições, se tiver um segundo mandato, o nosso grande objectivo será conquistar uma prova europeia".

 

Por outras palavras, Bruno de Carvalho necessita de mais uns anos no "trono" para poder chegar às conquistas europeias. Até talvez não fosse má ideia conquistar primeiro o título nacional, antes de "viajar" além fronteiras.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:39

 

UTY6EJPA.jpg

 

Recorrendo ao seu "brinquedo" de comunicação favorito - o Facebook - Bruno de Carvalho publicou a sua 4.ª reflexão do dia e, para não variar, o alvo da sua publicação é... o Benfica.

 

Fazendo-se suportar por documentos revelados no Football Leaks, o presidente do Sporting fez saber que o Benfica tem parte das suas receitas da UEFA dadas como garantia à Doyen Sports, depois da transferência de Ola John para o clube da Luz, e, para agravar as coisas, não cumpriu o que estava estipulado. Eis o texto da página de Facebook:

 

«Reflexão 4 do dia:

 

Tesouraria para aqui, tesouraria para acolá e afinal o "telhado é de vidro"

 

Conforme documentos em baixo:

 

1) Desde 2012 (até agora) que o Benfica tem receitas da UEFA dadas como garantia à Doyen.

 

2) O Benfica não cumpriu o que estava estipulado com a Doyen que era pagar cerca de 6 milhões até ao final de Agosto de 2015.

 

(Informação apenas por ser coincidência - Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica testemunhou (em nome de Luís Filipe Vieira) contra o SCP, no caso Doyen, em Junho de 2015)

 

3) A Doyen alargou o prazo de pagamento até final de Agosto de 2016 mantendo as garantias».

 

Além de pretender revelar que o clube do outro lado da Segunda Circular também tem receitas da UEFA dadas como garantia com a Doyen, creio que o ponto principal de Bruno de Carvalho centra-se no alegado não cumprimento de pagamento e o alargamento do prazo até Agosto de 2016.

 

Tenho pouco conhecimento sobre o que se passa com o clube da Luz e, para ser sincero, interessa-me ainda menos, mas após reflexão (minha) surgiu-me esta ideia: será que os "encarnados" negociaram a questão com a Doyen, em vez de declarar "guerra" ?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:14

Quem semeia ventos colhe tempestades

Leão Zargo, em 27.04.16

 

19522492_f7Gs9.jpg

A recente decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) sobre o litígio entre o Sporting e a Doyen revela que algo de profundamente insensato domina a vida do Clube. O temperamento primário e a pulsão instintiva de Bruno de Carvalho, aliados à presunção que ele sempre revelou de que acredita que passou a ser o que de facto nunca foi, provocam grande apreensão nos sportinguistas. Receia-se o pior quando alguém confunde a percepção da realidade e as decisões que toma são em geral reactivas, raramente prospectivas.

 

A direcção do Sporting recorreu da decisão do TAD, apresentando no Tribunal Federal Suíço um “requerimento para efeito suspensivo” do pagamento por conta do caso Doyen. Segundo os jornais, o Clube terá argumentado com a necessidade de “salvaguardar interesses de compromisso, quando se trata de evitar que o pagamento exponha o devedor a dificuldades financeiras”, alegando mesmo não ter o dinheiro suficiente, no caso da execução do acórdão, para manter o treinador e determinados jogadores do plantel.

 

Ainda segundo os jornais, o Sporting solicitou a um revisor oficial de contas uma análise da situação financeira do Clube e um parecer sobre o “dano que causaria a execução imediata da sentença” que determina o pagamento de cerca de 14 milhões de euros à Doyen. As conclusões do relatório são extremamente preocupantes, no que refere ao passivo corrente, défice de tesouraria e crédito disponível.

 

Rogério Alves afirmou de forma sibilina que o Sporting “é um clube devedor”. Mas, a situação pode ainda ficar agravada pelas afirmações de Bruno de Carvalho na última Assembleia Geral do Sporting quando sugeriu que o TAD terá “inventado” um valor para o salário de Nani. O pior ainda está por vir.

 

É inaceitável que o presidente do Sporting não tome decisões sustentadas juridicamente. É inimaginável que o presidente do Sporting não cumpra com o estabelecido em contratos assinados livremente, não obstante determinados juízos sobre os mesmos. É impensável que o presidente do Sporting considere que pode governar uma instituição relevante arrastando mais e mais processos nos tribunais.

 

O Sporting recorreu para o Tribunal Federal da Suíça, o que significará mais despesas sobre custas judiciais e aumento dos juros, para além de se adiar um pagamento inevitável, continuando a reputação do Clube a ser enlameada. Não se conseguiu a renegociação ou um acordo adequado na devida altura, não é por uma pendência desesperada que vamos ganhar o que quer que seja. A contestação de um contrato faz-se em tribunais criados para o efeito, agora já é tarde. E pode interferir com o Fair-Play Financeiro imposto pela UEFA.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:02

 

VCCL3L25.jpg

  

A Doyen Sports, através de seu CEO, Nélio Lucas, emitiu esta terça-feira um comunicado, através do qual esclarece parcialmente o seu diferendo com o Sporting Clube de Portugal, em geral, e com Bruno de Carvalho, em particular.

 

Alerto, desde já, que não pretendo debater novamente este caso, uma vez que já fiz saber a minha opinião e posição através de um bom número de posts desde que este diferendo teve o seu início, e sobre o qual sempre insisti que o caso do Sporting perante o TAS não tinha mérito e estava condenado à derrota, a partir do momento que o contrato entre as partes não foi cumprido pelo Clube.

 

Ainda mais, não me interessa, minimamente, se o CEO da Doyen é bom ou mau "rapaz", se é mais ou menos honesto e se agiu ou não indevidamente na transferência de Marcos Rojo. Nesta última circunstância, existem mecanismos nas regras da FIFA para punir pessoas e acções infractoras, e, aqui também, o Sporting ficou condenado à derrota, quando os ignorou, ou porque não existia fundamento algum quanto às suas alegações e/ou não dispunha dos indispensáveis comprovativos, muito além das "epístolas" mediáticas.

 

Eis o comunicado da Doyen Sports:

 

«Sem surpresa, mas com total falta de verdade, o presidente do Sporting Clube de Portugal voltou referir-se à Doyen Sports. No entanto, dada a postura do presidente do Sporting, que sem fundamento coloca sistematicamente em causa o nome da Doyen Sports e do seu CEO, e independentemente das demais acções legais em Portugal por injúrias e atentado ao bom nome, aclaramos que, em tempo oportuno, prestaremos todos os esclarecimentos para que em especial os associados do Sporting e os accionistas da sua Sociedade Anónima, percebam até onde vai a falsidade e constantes contradições entre o que diz, faz e manda fazer.

 

A Doyen Sports aproveita para felicitar o Sporting Clube de Portugal, em especial treinadores e jogadores, pela qualificação para a próxima edição da Liga dos Campeões. Facto, que só por si, nos dá uma almofada de conforto.

 

Contrariamente ao exposto perante o Tribunal Federal Suíço para sustentar o recurso, o clube afirma agora que tem inclusive excesso de recursos para pagar à Doyen Sports o que foi condenado a pagar pelo TAS. A título de esclarecimento, o valor em dívida, na data de hoje, é de aproximadamente 13.000.000€, havendo ainda a somar o valor devido em relação ao contrato de Zakaria Labyad, cerca de 2.000.00€ incluindo juros até ao dia de hoje. A estes valores acrescem outros custos, nomeadamente juros até ao dia do pagamento».

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:25

Duas almofadas cheias de nada...

Ricardo Leão, em 26.04.16

 

19516527_3IRVi.jpg

 

Sporting a perder 10 milhões/ano. "Desde 30 de setembro de 2015, as finanças deterioraram-se e o Sporting prevê que o défice total de tesouraria ascenda a 10,1 M€ por ano até 30 de junho de 2016".
...
Défice vezes oito. "Se à obrigação de pagar (à Doyen, nota nossa) forem adicionadas a obrigações correntes do Sporting, o défice cresce oito vezes, para 13,3 M€. O Sporting não será capaz de pagar a execução através dos ativos disponíveis"
...
Sem dinheiro em caixa. "A tesouraria e o crédito disponível a 20 de janeiro ascende a cerca de 9,3 M€. Este montante é insuficiente para pagar o valor sentenciado, mesmo sem considerar outras obrigações financeiras atuais"

 

 

Do Relatório do ROC do próprio Sporting que arrasa a gestão financeira de Bruno de Carvalho, documento usado no recurso da decisão do TAS, no caso Doyen, para o Tribunal Federal Suíço (TFS), citado hoje, no Record.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:39

Onde vai tudo isto parar ?

Rui Gomes, em 25.04.16

 

4138_b9e3b71037330185ae008f824981e775 (2).jpg

 

Não satisfeito com as inúmeras frentes de guerra que já criou, Bruno de Carvalho virou agora as suas atenções para o Tribunal Arbitral do Desporto, ainda sobre o caso Doyen. Eis o que ele teve para dizer na Assembleia Geral, este domingo:

 

«Dizem que o presidente mentiu porque o Nani era de borla e afinal pagou 1,8 milhões. No TAS perguntaram ao Sporting se o Nani fazia parte do negócio do Rojo, dissemos que não. Depois foram perguntar ao Manchester United e respondeu que não. A decisão lógica do júri foi: sim, fazia parte. Sabe mais que os dois intervenientes... Decidiram calcular, inventaram um valor porque o Sporting não sabe o valor do ordenado e o Manchester United negou-se a dizer, então extrapolaram e decidiram. É surreal».

 

A conclusão, portanto, segundo Bruno de Carvalho, é que o Tribunal Arbitral do Desporto "inventou" o salário de Nani. Espero que ele possa provar esta muito grave acusação, de modo a evitar mais danos a tudo quanto é Sporting.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:53

 

8G6A22F8.jpg

 

«Toda a agente sabe que perdemos o caso. Ao perdermos, pagamos ou recorremos. No entanto, já tínhamos aprovisionado as contas nesse valor e temos um dupla almofada. Estou muito tranquilo, à espera».

 

                                                                                                          Bruno de Carvalho

 

 

P.S.: Ficamos a saber o mesmo, mas... já estamos habituados !

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:39

 

depsicologia_com_wp-content_uploads_manipulacion_t

 

Esta quarta-feira de manhã surgiu esta notícia no jornal O Jogo: 

 

A UEFA aceitou o pedido da Doyen Sports de penhora de créditos futuros referentes aos prémios de participação do Sporting nas competições europeias, no caso, ao que tudo indica, provenientes da presença na próxima edição da Liga dos Campeões - falta-lhe uma vitória no campeonato para selar o apuramento -, até ao integral pagamento dos valores em dívida - cerca de 14 milhões de euros, acrescidos de juros -, no âmbito do caso Marcos Rojo.

 
Segundo O JOGO apurou, o fundo de investimento liderado por Nélio Lucas efectuou o pedido de penhora de créditos junto do organismo que tutela o futebol europeu, sustentando-o com o acórdão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) que condenou o emblema de Alvalade a pagar 12 milhões de euros mais os correspondentes juros, além de 75% da mais-valia da venda de Marcos Rojo, do Manchester United, se a transferência acontecer por um valor acima de 23 milhões de euros, e de 1,8 milhões de euros referentes ao salário de Nani.
 
 
Da parte da tarde surgiu esta:
 
 
Fonte oficial do clube de Alvalade desmente a notícia avançada esta quarta-feira pelo jornal O Jogo, através da qual é divulgado que a UEFA teria aceite um pedido de crédito da Doyen Sports equivalente ao valor que o Clube teria de pagar no âmbito da decisão do TAS sobre o caso de Marcos Rojo.

 

Em causa estaria um valor de cerca de 14 milhões de euros, mais juros, custas e afins, que seria retirado dos prémios da Liga dos Campeões e entregue à agência desportiva liderada por Nélio Lucas.

 

«Se já incluímos esse valor no último Relatório e Contas é porque estamos preparados para o pagar, seja com dinheiro que já está em caixa, com venda de jogadores, de camisolas, ou com o que quer que seja. Não interessa de onde vem o dinheiro. Se tivéssemos de pagar já tínhamos o dinheiro ao dia de hoje.

 

O Sporting ainda não dá o processo Doyen como concluído e irá continuar a lutar pela sua razão».

 

À noite surgiu esta:

 

Bruno de Carvalho confirmou esta quarta-feira que o Sporting tem penhorados créditos futuros relativos a prémios de participação nas competições europeias a pedido da Doyen Sports junto da UEFA, conforme O Jogo escreveu na edição desta quarta-feira.

 
"Temos de estar atentos às diferenças entre parcialidade, imparcialidade e manipulação. Esta quarta-feira surgiu uma notícia num jornal que falava da penhora de prémios da UEFA na sequência do caso Doyen. Confirmo que essa notícia é verdadeira, mas já tem três meses e estava disponível para consulta pública no 'Football Leaks'. Guardaram essa informação durante esse período e escolheram publicá-la no mesmo dia em que eu levantei um tema sobre o rival".
 
Afirmação de Bruno de Carvalho durante o congresso "Future of Football", referindo-se ao facto de ter acusado o Benfica de estar "falido", na sua conta de Facebook.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:21

 

anonimo.png

 

Segundo o que está a ser noticiado esta tarde, "fonte oficial", mas anónima, do Sporting, surgiu a desmentir a notícia avançada esta quarta-feira pelo jornal O Jogo, através da qual é divulgado que a UEFA teria aceite um pedido de crédito da Doyen Sports equivalente ao valor que o Clube tem/terá de pagar no âmbito da decisão do TAS sobre o caso de Marcos Rojo.

 

Em causa estaria um valor de cerca de 14 milhões de euros, mais juros, custas e afins, que seria retirado dos prémios da Liga dos Campeões e entregue à agência desportiva liderada por Nélio Lucas.

 

«Se já incluímos esse valor no último Relatório e Contas é porque estamos preparados para o pagar, seja com dinheiro que já está em caixa, com venda de jogadores, de camisolas, ou com o que quer que seja. Não interessa de onde vem o dinheiro. Se tivéssemos de pagar já tínhamos o dinheiro ao dia de hoje.

 

O Sporting ainda não dá o processo Doyen como concluído e irá continuar a lutar pela sua razão».

 

Aceitamos perfeitamente - até provas em contrário - que esta informação corresponda à verdade, no entanto, ficamos algo perplexos pelo facto da declaração vir a público via fonte anónima, mesmo que apelidada como "oficial". Não vem a dar a mesma credibilidade à informação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

Ponte de ligação aos leitores

Rui Gomes, em 20.04.16

 

18547267_Zq5hz.jpg

 

Para me poupar o trabalho de escrever mais uma longa explicação - e já escrevi várias sobre esta temática- aproveito o recém- comentário do leitor MG, que apresenta um enquadramento genericamente correcto sobre o estado do processo Doyen após a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

 

É deveras exasperante como alguns adeptos continuam a insistir em teses ilusórias recorrendo a argumentos laterais que são irrelevantes ao processo, numa tentativa fútil de justificar o injustificável.

 

Ainda não se conhece o teor do eventual recurso do Sporting - se é que recorreu ou vai recorrer - mas, como já sublinhámos, esse recurso, que, em princípio, será perante o Supremo Tribunal Federal da Suíça, na minha opinião, bem sustentada, nem sequer dará entrada, ou seja, nem sequer atingirá a fase de deliberação, pela inexistência de causa de Direito.

 

De qualquer modo, eis o que o leitor MG teve para dizer:

«As hipóteses de ganhar o recurso são nulas (ou praticamente nulas). No entanto seja qual for a decisão, este recurso não tem efeitos suspensivos, pelo que, a Doyen pode exigir o cumprimento da decisão do TAS (o que já fez, pedindo a penhora das receitas da UEFA).


Contrariamente ao que se afirma, esta decisão não é só válida na Suíça. O TAS é um tribunal arbitral que apenas "julga" a pedido das partes, ou seja, só quando ambas as partes concordam que o TAS é o foro adequado para dirimir questões é que há a sua intervenção. Deste modo, não pode o Sporting aceitar que o TAS intervenha (como aceitou e até está escrito nos contratos com os jogadores e com a Doyen, que o TAS será o local onde serão dirimidas quaisquer questões) e depois venha dizer que não cumpre a "sentença" por esta só ser válida na Suíça.

 

Como o TAS está sediado na Suíça e rege-se pelas leis Suíças (também aqui as partes concordaram que fosse aplicada a legislação Suíça) apenas poderá haver recurso para o Supremo Tribunal Federal Suíço, como o Sporting recorreu. Mas atenção, o caso não vai voltar a ser julgado. O que vai ser analisado é se houve algum vício de forma e/ou processual, pelo que, não vejo nenhuma hipótese de o Sporting sair vencedor.

 

Já agora, sabe qual foi o principal argumento que o Sporting usou no recurso apresentado? No recurso é referido que o cumprimento desta sentença pode levar o Sporting à falência !!! Eu nem queria acreditar, então anda a dizer-se aos 4 ventos que o Benfica está falido (o que é um absurdo e uma parvoíce de alto quilate) e depois é o próprio Sporting que afirma perante um tribunal que está próximo da falência ?


Olhe nem sei o que diga....»

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51

Acórdão do TAS no caso Doyen

Rui Gomes, em 20.04.16

 

4138_069c1cd84bc90536ab7a376bfa48e9ab (2).jpg

 

O site Football Leaks revelou esta terça-feira o acórdão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) sobre o caso que opôs a Doyen ao Sporting e no qual se declara que os argumentos da empresa de investimento "venceram quase na totalidade" a posição defendida pelos leões.

 

Este assunto foi ontem abordado aqui em comentários, mas não houve oportunidade de publicar um post para o efeito. Gostaria de ver um debate ENTRE SPORTINGUISTAS e, muito em especial, pelos eternos defensores de que o Sporting não devia pagar à Doyen e/ou não devia pagar atempadamente, como nós insistimos, então, através de um bom número de posts nesse sentido.

 

De acordo com o acórdão de 83 páginas, o Sporting foi condenado a pagar 12 milhões de euros à Doyen (já tinham pago antes 4,5 ME), acrescidos de 75 por cento do salário anual de Nani, cuja cedência pelo United foi incluída no negócio; 90 por cento do valor das custas judiciais e cerca de 36 mil euros para saldar as despesas da Doyen com os advogados.

 

O Sporting reclamava neste processo uma indemnização de 13 milhões de euros à Doyen, repartidos em 10 milhões por quebra de acordo de partilhas de passes e outros três milhões por danos de imagem do clube, algo que o TAS descartou por completo. "O Sr. Carlos Vieira, CFO do Sporting, não foi capaz de responder à questão feita pelo painel sobre quais foram os danos materiais causados pela Doyen ao Sporting e como chegou aos valores de 10 milhões e 3 milhões de euros. Além disso, o Sporting não provou nenhuma quebra de contrato ou relação de causa-efeito em relação aos danos invocados", refere o acórdão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:18

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds