Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Pedro Madeira Rodrigues hoje em Alvalade

Ricardo Leão, em 19.01.17

 

20195605_B04FQ.png

 

APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA E LISTA

 

A apresentação decorre hoje, 19 de janeiro, a partir das 19h30, no Auditório Artur Agostinho, Estádio José Alvalade, com entrada pela Porta 1.


Se entrar pelo Parque -1, deve aceder pela Porta B, Piso 0.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

 

 

Cresce o número dos sportinguistas que consideram que a candidatura de Pedro Madeira Rodrigues à presidência do Sporting constitui uma alternativa sólida e credível. Ao atrever-se a afrontar o situacionismo instalado, o candidato disse bem alto que o tacticismo eleitoral não serve o Clube no momento actual. Mesmo sabendo que o tempo é curto e que corre contra ele, não caiu na armadilha de queimar etapas através de uma apresentação apressada do seu programa e da sua equipa. Por agora, dá-se a conhecer a todos os adeptos, revelando sempre genuinidade pessoal e espírito leonino, confiança nas suas capacidades e nos que o rodeiam e conhecimento da realidade sportinguista e do futebol português.

 

Pedro Madeira Rodrigues assumiu um compromisso público com os sportinguistas ao anunciar que como presidente cativará quatro milhões de euros por ano para fazer face ao pagamento das VMOC’s. Com este anúncio, denuncia o “laissez faire, laissez passer” de Bruno de Carvalho nesta matéria. Na verdade, agora há quem assuma sem ambiguidades algo que considera ser central na vida do Sporting no curto prazo temporal. Isto é, quem considera essencial que o Sporting-Clube mantenha a maioria na Sporting-SAD. Que neste aspecto crucial o Sporting Clube de Portugal tem de permanecer aquilo que sempre conhecemos. E continuar a ser o senhor do seu destino.

 

Pedro Madeira Rodrigues é uma alternativa porque não aceita o “laissez faire, laissez passer” que o actual presidente propõe aos sportinguistas no que refere às VMOC’s.

 

O Sporting é uma instituição centenária e co-fundadora do futebol português. Por essa razão, deve cuidar daquilo que também é seu e não omitir-se, devendo assumir de forma permanente uma função participativa e construtiva, para além da inequívoca capacidade negocial institucional. Compete aos órgãos sociais do Clube levarem a cabo as acções conducentes à reforma do futebol português, estabelecendo negociações e promovendo decisões que, paulatinamente, tornem o futebol português mais higiénico e mais saudável. Um “meridiano de Tordesilhas” instalou-se há longos anos no nosso futebol e no seu combate exige-se aos dirigentes sportinguistas inteligência e audácia, firmeza e coragem, pragmatismo e calculismo.

 

Pedro Madeira Rodrigues é uma alternativa porque contesta o actual “meridiano de Tordesilhas” que o presidente em exercício não consegue ou não sabe combater.

 

Na realidade, quem se apresenta aos sportinguistas revelando ‘coragem para construir’ com conhecimento, coerência e competência constitui uma alternativa séria nas próximas eleições para os órgãos sociais do Sporting Clube de Portugal!

 

 

Nota: Pedro Madeira Rodrigues caracteriza-se pela frontalidade e franqueza na forma como se dirige aos sportinguistas. Na entrevista à TSF (consultar aqui, no Camarote Leonino) o candidato prometeu uma “liderança altruísta e motivadora” e denunciou um clima de “medo e coação” no Sporting:

 

“Não vou promover guerras entre sportinguistas, o presidente é que faz isso. Garanto que vou reerguer o clube e fazer com que este clima de guerrilha acabe. Pretendo ter uma cultura de vitória, que orgulhe os sportinguistas. Já disse que Jorge Jesus é o treinador do Sporting, mas as apostas na formação são impostas por quem administra o Clube e é isso que vai acontecer.

 

Existe um clima de medo e coação em Alvalade, sente-se um grande desespero da actual liderança, esta vontade de manter o poder pelo poder mesmo sem ideias e projectos. O que estão a fazer é tentar mostrar que têm muito apoio.

 

Se houve pessoas pressionadas? Sim, sim várias pessoas, com situações caricatas, pessoas que vão votar em mim. O que podem os colaboradores do clube dizer? 'Assina, tens de pôr aqui na lista'. É inaceitável que se faça isto”.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:01

Hoje é dia de Pedro Madeira Rodrigues

Leão Zargo, em 27.12.16

 

15578742_1841811996030481_2576394793859196219_n.jp

 

Pedro Madeira Rodrigues apresenta hoje a sua candidatura à presidência do Sporting. Aguardo com muito interesse o que ele tem para dizer aos sportinguistas.

 

No Sporting a realidade das coisas é, normalmente, mais complexa do que parece a quem observa de fora, como é o meu caso. Sei que essa realidade não é bipolar, do género ou sim ou sopas, quem não está connosco é contra nós, como se tornou usual ler na comunicação oficial do Clube. Mas, acredito que Pedro Madeira Rodrigues possui as qualidades, os conhecimentos e as competências que lhe permitirão governar o Clube

 

Espero que o candidato tenha posições firmes e transparentes relativamente a questões que os sportinguistas consideram essenciais. A política financeira, o ecletismo leonino, a Academia de Alcochete, a estrutura para o futebol, a filosofia para o plantel principal e a equipa B, estratégias para os núcleos e clubes filiais e a democraticidade e unidade do Clube. Sabe-se que há outros aspectos igualmente importantes, mas destaco estes.

 

Desde há muito tempo que considero que a perfeição humana não existe, embora cada um de nós se motive com essa finalidade. E não procuro um presidente que me agrade integralmente. Mas, desejo nos órgãos sociais quem se reveja no percurso centenário leonino e se disponha a trabalhar para a honra e a glória do Sporting.

 

O Clube está numa encruzilhada e precisa com urgência de uma definição clara e rigorosa das suas prioridades estratégicas. A propósito disso, recordo-me do fabuloso “Apocalipse Now”, de Francis Ford Coppola, e de um diálogo entre  Benjamin L. Willard (Martin Sheen) e o Coronel Kurtz (Marlon Brando), em que o primeiro afirma: “Não vejo aqui qualquer estratégia, ela não existe.” (cito de memória)

 

É o que se está passar no Sporting. Há uma intervenção casuística sem planeamento, isto é, muita táctica e nenhuma estratégia. Muita parra e pouca uva.

 

Fico a aguardar pelas palavras do candidato Pedro Madeira Rodrigues. E aconselho-o que se apresente com nervos de aço e uma carapaça à prova de balas. Vai ser bem necessário muito em breve. Isso é certo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:01

As eleições presidenciais

Leão Zargo, em 23.12.16

 

20139228_4qqUj.jpg

 Alberto Giacometti, “Praça”, 1948

 

 

O Sporting está em campanha eleitoral para os seus órgãos sociais. Para muitos sportinguistas Bruno de Carvalho iniciou a campanha logo no dia seguinte à sua eleição em Março de 2013. Para outros, começou quando o presidente do Sporting anunciou que se recandidatava ao cargo numa entrevista ao jornal Record em 27 de Março de 2015. Em qualquer dos dois casos, a recandidatura já se verifica há muito tempo e nunca chegou a ser um grande segredo.

 

Bruno de Carvalho chega a parecer o maior inimigo de si próprio. Quando venceu as eleições teve condições excepcionais para unir os sportinguistas. Fez o contrário. Catalogou os adeptos, processou judicialmente sócios, ameaçou antigos dirigentes com auditorias. Dividiu em vez de unir, caminhou sempre no fio da navalha. Em várias ocasiões o presidente do Clube fez lembrar Calisto Elói de “A Queda dum Anjo”, de Camilo Castelo Branco. A farsa e a comédia de braço dado.

 

Por estes dias, os jornais anunciaram os nomes de candidatos à presidência do Sporting. Há muita expectativa em Alvalade. Por um lado, parece ser cedo. O final do mês de Janeiro seria o momento adequado para isso. Mas, Bruno de Carvalho desgastou-se e esgotou-se no seu próprio labirinto de incoerências incapaz de perceber as prioridades estratégicas do Clube. E muitos sportinguistas defendem uma candidatura de apaziguamento que os una da cisão provocada pelo actual presidente.

 

Se alguém aparecer antes de Janeiro consegue grande visibilidade e o apoio de muitos adeptos que desejam a mudança. Mas, ficará sujeito a um elevadíssimo desgaste físico e emocional, terá a vida escrutinada e será ameaçado nas redes sociais. Não é para qualquer um. No final de Janeiro ainda há tempo para construir uma alternativa. Mas, esta será a altura para um peso pesado, isto é, alguém que os sportinguistas já imaginam como presidente.

 

Uma coisa é certa: quem tiver a coragem de avançar agora poderá ser o denominador comum que tantos e tantos desejam!

 

A “coragem de construir” decorre de uma coerência atitudinal, de uma acção dinâmica, de uma persistência interactiva e de uma utopia inspiradora. Os sportinguistas estão atentos e exigem aos candidatos propostas realistas e audazes, ambiciosas e transparentes. Estão cansados de uma lógica primária dos “bons" e dos "maus" de um e do outro lado, com pouco ou nada pelo meio e de cartilhas de ocasião sobre verdades absolutas. Quem for coerente com a história, a identidade e a matriz leonina e explicar ao que vem de modo cristalino, directo, convicto e fiável terá o voto da maioria dos sócios.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:38

 

BdeC.jpg

 

Não há volta a dar. O Sporting entrou em ‘modo’ campanha eleitoral e Bruno de Carvalho pica todos os dias os diferentes sectores da oposição na tentativa de que saltem os candidatos. Ele precisa de citar nomes na praça pública como do pão para a boca. Entretanto, uma consulta ao Facebook presidencial permite conhecer o último contributo para o enriquecimento do seu vocabulário: “cães de fila do Benfica”, “falsos messias”, “mitos de pau carunchoso”, “híbridos cobardes da toca”, “manipuladores de serviço”, “ratos do porão”… Nem os talheres de plástico se livraram de uma reprimenda pública em Leiria.

 

Na verdade, um acto eleitoral deveria ser tão normal como o ar que se respira. Num Clube democrático seria saudado como um momento necessário de confronto de propostas e de projectos. Mas, para Bruno de Carvalho é uma arma de arremesso que coloca a conversa no nível mais rasteiro que se pode imaginar. Anunciou a sua recandidatura em Março de 2015 e está obcecado com a possibilidade do contexto leonino lhe ser desfavorável. Fala de forma colérica porque procura intimidar algum candidato que pondere aparecer. Promete um título europeu nas calendas gregas porque receia falhar agora o título nacional. Acusa os outros de serem interesseiros para que não se recorde que ele próprio é assalariado do Clube. Foge de justificar as contratações falhadas de jogadores porque nunca assume as responsabilidades. Vitimiza-se com frequência porque sabe-se incapaz de liderar. Participa em manobras de diversão com dirigentes de outros clubes para que não se fale dos problemas internos do Sporting. Contratou um louva-a-deus para a comunicação porque viciou-se em propaganda.

 

Bruno de Carvalho fez uma leitura apressada de Maquiavel e aplicou a si próprio o princípio de que “todos vêem o que o príncipe aparenta ser. Poucos percebem aquilo que és.” Ainda não há convocatória para a Assembleia Geral Eleitoral, nem a fixação de prazos para apresentação de listas, e onde deveria haver ponderação ouvem-se injúrias. O actual presidente receia que os sportinguistas percebam o que é que ele realmente vale e que façam a sério uma rebelião dos talheres. Nesse caso, nenhuma reprimenda pública o salvaria.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:30

O tempo e o modo de Bruno de Carvalho

Leão Zargo, em 10.11.16

 

thumbnail_BrunodeCarvalho.jpg

A recandidatura de Bruno de Carvalho à presidência do Sporting é um pouco como aquela história da pescadinha de rabo na boca: antes de o ser, já o era. Com o tempo ele tornou-se previsível e o último episódio em Alvalade com dirigentes do Arouca nem sequer espantou os sportinguistas. Até parece que já estava escrito nas estrelas que um dia não daria a volta olímpica ao Estádio para ir passear-se para os lados do balneário da equipa visitante.

 

O presidente do Sporting possui uma faceta de jogador que o leva a procurar antecipar sempre o movimento do seu antagonista. Mas, ultimamente tem revelado fraca capacidade intuitiva para perceber o que está para acontecer. Isso enerva-o e faz com que evidencie grande dificuldade na gestão do seu tempo de intervenção pública.

 

Ouvir-pensar-falar-calar-ouvir-pensar-falar não é com ele. Por essa razão, Bruno de Carvalho necessita de contendas como do pão para a boca. E cada contenda permite-lhe fazer tiro ao alvo e desviar a atenção dos adeptos daquilo que ele é incapaz de resolver e do custo dos problemas que vai adiando. Entretanto, vai-se aproximando o dia das eleições.

 

Agora, dava imenso jeito à estratégia comunicacional de Bruno de Carvalho que alguém personificasse a oposição à sua presidência. Isto é, alguém que se assumisse como candidato às eleições em 2017. Mas, na verdade, isso seria um pau de dois bicos para o actual presidente do Sporting. Quem aparecer convém que possua nervos de aço pois terá a vida escrutinada, mas vai ganhar visibilidade e conseguir o apoio, ou pelo menos o interesse, dos que pretendem uma alternativa. E, quem sabe, ser o denominador comum que tantos sportinguistas desejam.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:48




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo