Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Bruno de Carvalho tirou mais um coelho da cartola e no decurso da Assembleia Geral de domingo informou a comunidade leonina que um “governo-sombra” constituído por seis conhecidos sportinguistas actua nos teclados de computadores com o intuito de defenestrar o presidente legitimamente eleito.

 

18863036_8ofPy.jpg

No entanto, uma breve apreciação dos nomes que o Record pôs a circular permite perceber que a conversa é estapafúrdia e sem pés nem cabeça. Sendo todos conhecidos pelos sportinguistas é do domínio público o percurso de cada um no Sporting. Basta esta constatação para tornar impossível o que foi propalado. Mais, bastaria a Bruno de Carvalho conhecer um pouco da História do Clube nos últimos vinte anos para não permitir aquela associação de nomes. Agora, como listas atraem listas e o ensandecimento não paga imposto já vamos noutra organizada por apóstolos e discípulos. Menção honrosa para uns, vergonha para outros !

 

No fundo, a estratégia de criar sucessivas “cortinas de fumo” com a finalidade de atrair a atenção, a energia e a emoção dos sportinguistas para determinados assuntos, que nem serão os prioritários neste momento, permite que a inexistência de patrocínio para as camisolas e de naming para a Academia, as dúvidas sobre a eficácia do trabalho de Jorge Jesus, a difícil renovação de Carrillo ou o receio de flop da generalidade das contratações de 2015 pareçam assuntos marginais e de menor importância. São aspectos centrais da “vida” actual do Sporting, mas enquanto se esmiuça o discurso presidencial remete-se para o sótão os assuntos verdadeiramente preocupantes. E perante a forma como se pretende iludir a realidade fica-se com receio que o pior ainda esteja para vir.

 

Para muitos, a estratégia de Bruno de Carvalho é suicida. Provocou um maior isolamento do presidente entre os sportinguistas, cavou ainda mais fundo a divisão entre os adeptos, alienou o apoio de muitos que privilegiam a estabilidade e lançou dúvidas sobre a sua capacidade para gerir o Sporting. Chega a parecer que o presidente não dá ouvidos às agências de comunicação que ele próprio contratou para o Clube.

 

Percebe-se cada vez melhor que o Sporting ziguezagueia ao sabor do vento e das marés, sem um rumo definido e a navegar "à vista". Bruno de Carvalho pensará, quem sabe, que consegue governar o Sporting assim neste frenesim constante com a sua voz rouca e uma pseudo linguagem libertadora e transformadora, ameaçando quase tudo e quase todos. Neste contexto, a prometida transparência no quotidiano da acção directiva do Sporting é letra morta, assim como a celebrada cultura de exigência que o presidente prometeu implantar no Clube. Quando se chega a este ponto torna-se evidente o ambiente de fim de ciclo e que se passou à fase de contar as espingardas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:37

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D


Posts mais comentados



Cristiano Ronaldo