Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



William deixou Jorge Mendes

Rui Gomes, em 03.02.17

 

image.jpg

William ladeado pelo pai e Pere Guardiola

 

 

William Carvalho deixou de ser representado por Jorge Mendes. O médio leonino, que tem contrato até 2020 e uma cláusula de rescisão no valor de 45 milhões de euros, assinou contrato com a Media Base Sport, empresa de Pere Guardiola, no dia 1 de Fevereiro. Foi o irmão do treinador do Manchester City que anunciou o seu novo cliente no portal da empresa.

 

O médio defensivo é apontado aos melhores clubes da Europa (incluindo o City de Pep Guardiola), desde a grande época de estreia com Leonardo Jardim (2013/14), no Sporting, mas nunca chegou a sair de Alvalade. Agora liga-se a Pere Guardiola, que além de agenciar o irmão representa Luís Suarez do Barcelona.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48

Treinadores querem sempre tudo

Rui Gomes, em 16.12.16

 

untitled.png

 

Pep Guardiola entende que a FIFA deveria permitir "quatro, cinco ou seis" substituições para combater o esgotamento físico dos jogadores. A entidade do futebol mundial pretende expandir o Mundial para um total de 48 equipas e o treinador do Manchester City acha que semelhante alargamento "matará os jogadores". "Os jogadores passam a vida em concentrações e isso afecta a qualidade. Eles precisam de respirar, ter um intervalo, desfrutar a vida".

 

Se os jogos de futebol passassem a ter mais substituições, haveria, segundo Guardiola, "menos lesões e mais jogos abertos". "E os treinadores poderiam usar tácticas diferentes, tudo seria melhor", resumiu o técnico espanhol.

 

Na realidade, isto não é um novo tema, até porque a FIFA fez a experiência nos Jogos Olímpicos do Rio e agora no Mundial de Clubes em curso, permitindo uma quarta substituição em jogos que vão a prolongamento.

 

Já competi numa Liga onde cinco substituições eram permitidas. Pelas circunstâncias dessa Liga - era "não-amadora", ou seja, integrava jogadores *não-amadores e amadores -  até fazia algum sentido, mas mesmo assim verificava-se muito do que eu antecipo que aconteceria em Portugal. Contrário ao que Guardiola argumenta, não melhoraria a qualidade de futebol e as tácticas dos técnicos teriam como foco quase exclusivo "queimar" o relógio. Se mesmo com três substituições já se verifica isso, dá para imaginar se 4/5/6 fossem permitidas.

 

Não discordo da ideia da FIFA, ou seja, permitir uma quarta substituição em competições em que prolongamento é uma possibilidade. Devido ao cansaço e maior vulnerabilidade a lesões, faz sentido.

 

A FIFA, ou melhor, o "International Board" é extremamente conservador e alterações ao jogo neste contexto vão ser muito moderadas e com implementação de longo prazo.

 

*Pela própria definição da FIFA, um jogador "não-amador" está ligado ao clube em regime de part-time e muito embora seja remunerado, pode exercer outra profissão em simultâneo. Creio ser este o caso da terceira divisão em Portugal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:39

O que dizem eles

Rui Gomes, em 15.01.14
 

 

«O legado de Pep Guardiola é já enorme. Ele é bastante valorizado por todos os treinadores a nível mundial. É uma honra para mim olhar por cima do ombro dele. Ele mudou o futebol, a forma como deve ser jogado. Abriu os olhos ao Mundo. Se repararem no estilo de jogo das principais equipas europeias, constatam a inspiração do Barcelona de Guardiola.»

 

-    André Villas-Boas    -

 

Observação: A bem dizer, as opiniões do antigo treinador portista não me afectam minimamente. Comento estas suas declarações somente pelo tema que optou por abordar - a "grandiosidade" do futebol de Pep Guardiola - e, especialmente, a sua ridícula afirmação que o actual treinador do Bayern Munique "abriu os olhos ao Mundo".

 

É verdade que cada um de nós tem a sua preferência pessoal pelo estilo de futebol que gosta de ver.  Para mim, o modelo mais horroroso que apareceu no Mundo foi precisamente o "tiki-taka" de Pep Guardiola. Não posso estar mais em desacordo com Villas-Boas, pela sua afirmação que é assim que o futebol deve ser jogado. Ele não deve ser ingénuo ao ponto de não saber interpretar o futebol de posse de bola. mas ao mesmo tempo espectacular, a exemplo do que as selecções brasileiras praticaram em tempos de outrora, com o modelo que Guardiola apresentou. E, mesmo assim, que só foi possível com um plantel durante o seu consulado de quatro anos que incluía Lionel Messi, Xavi e Iniesta, entre outros da "cantera" do Barça, e mais de 200 milhões de euros investidos em jogadores externos. Este futebol produziu conquistas por falta de argumentos adequados pelos adversários, um lote supremo de jogadores e beneficências não em pouca dose, tanto na liga espanhola como na UEFA, do género que lhe permitiram - escandalosamente - conquistar duas Ligas dos Campeões.

 

Pep Guardiola abandonou o Barcelona sem se perceber bem porquê - um mistério que tem provocado muita especulação, nem toda positiva - e um ano mais tarde aceita outro desafio de menor escala: treinar o Bayern Munique, o clube alemão que historicamente tem dominado a "Bundesliga" - 22 títulos - salvo pelo recém-ressurgimento do Borussia Dortmund. O outro clube que mais se aproxima em títulos (5) - o Borussia Monchengladbach - já não vence desde 1976/77. Por conseguinte, qualquer sucesso que venha a ter no clube de Munique não será grande proeza, especialmente considerando que este emblema despende milhões ao kilo na aquisição de talentos. Com a grandiosidade que Villas-Boas lhe atribui, gostaria de ver Guardiola a liderar um clube de mais modesto poderio e, aí, "abrir os olhos ao Mundo".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:24

Investigações futebolísticas

Rui Gomes, em 25.02.13

 

Segundo o jornal espanhol«El Confidencial», Pep Guardiola tinha uma agência de detectives privados ao seu serviço para investigar as actividades dos seus jogadores e que o técnico até lhes telefonava durante a noite para saber se estavam em casa. Alguns dos seus alvo mais referenciados eram Gerard Piqué, Ronaldinho, Deco e Samuel Eto'o.

 

Não deixei de dar um sorriso quando li isto, porque fez-me lembrar que quando foi noticiado que o Sporting fez ou tentou fazer algo semelhante, os incautos da praça ficaram todos escandalizados. Não há clube nenhum de alta competição - e não só - que não pratique qualquer acto de vigilância relativamente aos seus jogadores. Esta prática é «mais velha que a minha avó», como diz o povo, e só quem nunca andou no futebol e desconhece o seu quotidiano é que estranha actividades desta natureza. Nos meus «velhos» tempos, eu, ou alguém mandado por mim, não só telefonava como aparecia a bater à porta de casa, e não foi somente uma ou duas vezes que os apanhei a transgredir os regulamentos do clube, já para não evocar o bom senso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:35

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo