Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

7WCD7SL9.jpg

 

 

Portugal venceu a Hungria por 1-0 em Budapeste, em jogo do Grupo B da qualificação Europeia ao Mundial 2018.

 

Apesar de ter jogado cerca de uma hora com mais um jogador, a 'equipa das quinas' só marcou um golo, por André Silva, no início do segundo tempo. A vitória garante, para já, um lugar no play-off e deixa Portugal a depender de si para chegar ao primeiro lugar e conseguir o apuramento direto. Para tal só tem de vencer os dois jogos que lhe resta e ficar à frente da Suíça, líder do Grupo que ontem venceu a Letónia.

 

Não obstante o cartoon, não sei se será inteiramente justo afirmar que Portugal jogou mal. Entrou bem no jogo, mas acusou muitas dificuldades em lidar com o poderio físico e a agressividade (muitas vezes excessiva) dos húngaros. A superioridade numérica não foi muito benéfica, dado que o adversário remeteu-se à sua defesa e passou a apostar em passes longos a tentar explorar as costas da defensiva lusa.

 

Pior foi a saída de Fábio Coentrão por lesão muscular, sensivelmente aos 29 minutos. Eliseu é um jogador limitado tecnicamente e não conseguiu dar a fluidez de jogo que Portugal necessitava na ala esquerda.

 

Com dois jogos em tão poucos dias, já era de esperar que Fernando Santos viesse a efectuar algumas alterações, ficando a dúvida, contudo,  se terão sido as melhores opções, nomeadamente no meio-campo.

 

Tudo bem que acaba bem, e resta agora esperar pelos últimos dois jogos. Não há nada garantido no futebol hoje em dia - o Luxemburgo não empatou com a França ? - mas, havendo lógica, a decisão final terá lugar no dia 10 de Outubro, diante da Suíça, em Portugal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:05

 

Portugal-v-Hungría.jpg

 

Muito boa exibição de Portugal para vencer a Hungria, por 3-0, e garantir os três importantes pontos para se manter a três da Suíça, que lidera o Grupo B de apuramento para o Mundial 2018, e agora com cinco pontos de vantagem sobre a Hungria. Recorde-se que apenas o primeiro lugar dá acesso directo à fase final.

 

O onze inicial: Rui Patrício, Cédric, Pepe, José Fonte, Raphael Guerreiro, William, André Gomes, João Mário, Quaresma, André Silva e Cristiano Ronaldo.

 

Suplentes: Bruno Varela, Marafona, Nélson Semedo, Bruno Alves, Eliseu, Danilo, Renato Sanches, João Moutinho, Pizzi, Bernardo Silva, Gelson Martins e Éder.

 

Nos 13 remates que fez à baliza, a selecção lusa facturou em três ocasiões: André Silva (32') e um bis do «capitão» Cristiano Ronaldo aos 36' e 45'.

 

O onze inicial foi particularmente competente, não permitindo grandes hipóteses à Hungria que praticamente nunca ameaçou a baliza de Rui Patrício.

 

Estiveram presentes 57.816 espectadores no Estádio da Luz.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:15

Foto do Dia

Rui Gomes, em 26.03.17

 

OriginalSize$2017_03_25_22_49_46_1242422.jpg

Cristiano Ronaldo bisou na vitória de Portugal sobre a Hungria e chegou aos 70 golos pela Seleção Nacional, fugindo a Gerd Müller (68) e ficando a um tento do último lugar do pódio, ocupado pelo também alemão Miroslav Klose (71).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:14

 

29_06-Fernando-Santos.jpg

 

Já são conhecidos os convocados para os dois jogos que a Selecção Nacional vai realizar nos próximos dias 25 e 28 de Março, com Hungria (apuramento para o Mundial 2018) e Suécia (particular).

 

Numa lista com 25 jogadores, Fernando Santos não anunciou nenhuma surpresa em especial, voltando a chamar Pepe, Eliseu, Cédric e João Moutinho. De fora, em relação à última convocatória, ficaram Adrien e Nani, por lesão, e Antunes, por opção.

 

Lista de convocados:

 

Guarda-redes: Rui Patrício, Anthony Lopes e Marafona;

Defesas: Nélson Semedo, João Cancelo, Cédric, Pepe, Bruno Alves, José Fonte, Neto, Raphael Guerreiro e Eliseu;

Médios: João Moutinho, André Gomes, Danilo, William Carvalho, Bernardo Silva, João Mário, Pizzi e Renato Sanches;

Avançados: Cristiano Ronaldo, André Silva, Ricardo Quaresma, Gelson Martins e Éder

 

Ao anúncio dos eleitos, seguiram-se as perguntas dos jornalistas a Fernando Santos. Primeiro que tudo, sobre o facto de ter elaborado uma lista com 25 jogadores, o que foi justificado pelo seleccionador devido à existência de um ou outro problema físico:

 

"Não podemos deixar de pensar que temos dois jogos e controlar esse tipo de situações e depois temos um ou outro caso de indicações que não sejam impeditivas mas que têm um problema", realçou, sem referir qual ou quais os jogadores que podem estar com limitações. Nélson Semedo, por exemplo, falhou o último jogo do Benfica devido a um corte num joelho, mas estará disponível".

 

Fernando Santos encara o jogo com a Hungria como fundamental no caminho para a fase final do Campeonato do Mundo 2018. Portugal está em segundo lugar no Grupo B, a três pontos da Suíça e com mais do que o próximo adversário, e depende de vitórias:

 

"Todos os jogos são finais. Dependemos exclusivamente de nós, mas essa dependência tem a ver com vitórias. Este é também um jogo de enorme importância para a Hungria. Não virá só para jogar para um ponto. Portugal terá que ter a capacidade para obrigar a Hungria a defender mais do que a atacar":

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:11

Momentos do Ano

Rui Gomes, em 28.12.16

 

ng8026949.jpg

(Foto: Max Rossi/Livepic/Reuters)

 

 

Cristiano Ronaldo , Nani e João Mário celebram o segundo golo contra a Hungria, no Euro 2016.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16

 

Hungary-vs-Portugal-terebet-696x380.jpg

 

Será injusto apontar o dedo a Fernando Santos ?... É o que eu sinto neste momento, depois de assistir mais uma vez a uma equipa portuguesa que verdadeiramente não se encontra, muito, quase inteiramente, pela teimosia do seleccionador em não lançar o meio-campo que a lógica, o bom senso e a evidência à vista indicam que devia ser.

 

Reconhece-se que se assistiu a um jogo louco com os golos de tabela da Hungria, mas a equipa das quinas só começou a dar sinais de si própria pela saída de João Moutinho e a entrada de Renato Sanches - o miúdo esteve bem, mas mais uma vez questiona-se onde está Adrien Silva - e, muito em especial, pela deslocação de João Mário para o interior do terreno, praticamente a assumir a posição 10, face à entrada de Ricardo Quaresma para ala.

 

Cristiano Ronaldo, significativamente frustrado no primeiro período, evidenciou o seu génio mais uma vez, com um golo deveras fenomenal, ao alcance de apenas jogadores extraordinários como ele. O seu segundo tento, não tão espectacular, mas nem por isso menos importante.

 

Com este resultado, Portugal classifica-se em 3.º lugar no Grupo F, atrás da Hungria e da Islândia, esta com uma vitória sobre a Áustria já nos descontos. Sendo assim, Portugal vai agora defrontar a Croácia, vencedora do Grupo D, no sábado, dia 25 de Junho, às 20h00, em Lens.

 

Com Fernando Santos ao leme é difícil ser optimista. Ou ele abre os olhos e escolhe a equipa certa, ou vamos ter uma missão quase impossível para chegar aos quartos-de-final.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:59

 

wdiag.jpgimg_467x599$2016_06_22_02_04_25_1118835.jpg

 

A Selecção Nacional ficou esta terça-feira, sem jogar, a um empate de garantir um lugar nos oitavos de final do Europeu de 2016, face ao desaire da República Checa com a Turquia, por 2-0.

 

Com este resultado, os turcos ascenderam ao terceiro posto do Grupo D, com três pontos (2-4 em golos), os mesmos da Albânia, terceira no Grupo A (1-3), pelo que uma igualdade quarta-feira com a já apurada Hungria serve a Portugal.

 

Se somar o terceiro empate consecutivo no Euro2016, depois dos averbados face a Islândia (1-1) e Áustria (0-0), Portugal será, na pior das hipóteses, terceiro do Grupo F, com os mesmos três pontos, mas um saldo ‘nulo’ nos golos.

 

Desta forma, a formação comandada por Fernando Santos será, no pior dos cenários, o quarto melhor terceiro colocado dos seis grupos, qualificando-se para os ‘oitavos’.

 

O empate também pode valer o segundo posto a Portugal, se a Islândia empatar com a Áustria e a formação lusa marcar, no mínimo, mais um tento do que os islandeses.

 

Em caso de triunfo, a formação das ‘quinas’ garante a vitória no Grupo F, se a Islândia não vencer a Áustria ou se os nórdicos vencerem, mas Portugal acabar com melhor diferença de golos.

 

O primeiro critério de desempate é o confronto directo, seguindo-se a maior diferença de golos em todos os jogos do grupo, o maior números de golos marcados, a conduta ‘fair-play’ e o ‘ranking’ de selecções da UEFA.

 

 

Nota: Quem sabe explicar o que o Record pretende dizer com "Está na hora do ketchup" ?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:20

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds