Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

ng7520304.jpg

 

Há muito que eu referi que o Sporting já devia ter adquirido - ou pelo menos tentado adquirir - os 20% dos direitos económicos de Slimani que se encontram nas mãos de uma terceira parte, e não apenas pelas razões mais óbvias.

 

Neste momento, partindo do princípio que o jogador será mesmo transferido, essa percentagem representará nunca menos de 6 milhões de euros, mediante o acordo final entre o Sporting e o Leicester City.

 

Mas a questão até não é esta. Na Inglaterra a partilha de passes é proibida. Ou seja, existe a obrigatoriedade do clube inglês adquirir cem por cento de um qualquer jogador, para a transferência poder dar entrada nos respectivos organismos. Como o Sporting apenas detém 80%, apresentam-se duas opções:

 

a) O Sporting compra os 20% na posse da terceira parte e, então, negoceia os 100% com o Leicester City; ou

 

b) O Sporting negoceia apenas os 80% em seu poder e deixa o emblema inglês adquirir os restantes 20% em uma negociação paralela.

 

Creio que a primeira opção é a mais viável, porque não será do agrado do Leicester negociar salvo com o Sporting. Claro, reconhecendo os valores sobre a mesa, é duvidoso que a terceira parte (que consta ser uma empresa de investimento saudita associada ao clube argelino que transferiu Slimani para o Sporting) aceite menos do que calcula ser o montante correspondente ao valor do negócio sobre a mesa.

 

Talvez por isto, existam rumores que Bruno de Carvalho subiu a parada nas negociações com o Leicester City, a fim de cobrir a verba que terá de ser paga à terceira parte.

 

Em análise final, o emblema inglês terá sempre a palavra final, no que diz respeito ao valor que está disposto a pagar pelo ainda avançado do Sporting, mas não surpreenderá vir a saber que esta questão está a colocar entraves na transferência.

 

Adenda: Após reflexão e troca de informações com leitores, parece-me correcto esclarecer que se os 20% em questão são apenas aplicáveis a uma mais-valia futura (isto, no negócio original), o cenário que descrevo no texto não será aplicável. Neste outro enquadramento, admite-se que o Sporting poderá deter, então, 100% do passe do jogador e não 80%.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


8 comentários

Sem imagem de perfil

De Diogo Martins a 29.08.2016 às 16:24

Caro, Rui, será mesmo assim?

Isto porque o que o Sporting sempre referiu foi que acordou que 20% da mais-valia da venda do Slimani iam para o seu antigo clube e que detinha 100% do passe do jogador.

É curioso que o único meio de comunicação que atira a notícia de que 20% do jogador pertence a uma empresa, publicou notícias em contrário recentemente.

http://www.dn.pt/desporto/sporting/interior/percentagem-do-passe-atrasa-negocio-slimani-5361748.html

http://www.dn.pt/desporto/sporting/interior/cbr-a-espera-de-um-jackpot-com-venda-de-slimani-5001763.html
Sem imagem de perfil

De PRB a 29.08.2016 às 17:01

Quem escreveu esta notícia do DN não deve perceber muito deste tema.

Os Regulamentos da FIFA sobre transferência de jogadores impedem que um “fundo” tenha um “direito de veto” na venda de um jogador por parte de um clube. O mais que podem é ter um direito a ser pagos sobre um valor mínimo (que acaba por funcionar como uma espécie de mini-cláusula de rescisão, que o clube vendedor tem de pagar ao tal “fundo”). Estes valores são sempre fixados abaixo da cláusula de rescisão – se assim não fosse, isso seria igual a ceder ao “fundo” uma percentagem maior do que a efetivamente cedida (porque estamos a falar de um valor mínimo a que o “fundo” tem direito em caso de transferência – de qualquer transferência). A regra é até que fiquem bem abaixo (entre 10% e 60%), para que o clube não fique muito limitado se quiser vender abaixo da cláusula.

Neste caso, o preço que se anda a discutir para o Slimani é pelo menos igual ao valor da cláusula de rescisão. Tudo o que o Sporting tem de fazer é decidir se vende e, vendendo, passar 20% do valor da venda (ou da mais-valia, consoante o que tiver de passar – mas são €60,000 de diferença) para o tal “fundo”. Não me parece que seja esta situação que está a atrasar a transferência, até porque o BdC sabe desde o início qual é o valor total por que tem de vender para ficar com €20M, €25M ou €30M. Sinceramente, acredito que o atraso tenha mais a ver com uma tentativa de última hora de incluir o Adrien no negócio.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.08.2016 às 17:06

Meus caros,

Raramente visito o DN e não o fiz para escrever este meu texto. Também admito, no entanto, que não fiz pesquisa alguma.

Tinha em mente que o Sporting detinha 80% e não 100% do passe. Se de facto tem a sua totalidade e os 20% são apenas aplicáveis a uma mais-valia, o cenário que descrevi no texto não é aplicável.

Recordo que na altura havia litígio entre o jogador e o clube CR Belouizdad, salvo erro é este o nome, e que o Sporting compensou o clube para resolver a contenda.
Sem imagem de perfil

De J.Pinto a 29.08.2016 às 17:36

Eu acho que o Rui tem razão e ontem creio que ouvi na radio referirem que o Sporting estava em negociação com essa terceira parte para a compra desses 20%

mais nao sei..
Sem imagem de perfil

De Implacável a 29.08.2016 às 18:15

O SCP detinha apenas 25% do passe de Marcos Rojo e não houve qualquer problema na transferência - apenas no incumprimento das obrigações com o fundo.
Normalmente, nestas situações, quem detém os direitos desportivos do atleta é quem negocia a transferência e o clube comprador paga a totalidade da transacção ao clube com quem negociou. A este cabe, depois, endossar aos demais detentores de percentagens do passe do jogador a respectiva fatia no negócio.
Imagem de perfil

De Profeta a 29.08.2016 às 19:34

Para um jogador que custou 300 mil euros, teria sido difícil recuperar os 20% ao "poderoso" clube de onde veio o Slimani??? Hum...
Sem imagem de perfil

De Petinga a 29.08.2016 às 23:15

Tipicamente Profeta - nem sequer se informou sobre a questão mas aproveita para vir logo mandar uma crítica a BdC.
De facto, deve ser deprimente viver o Sporting desta maneira...
Sem imagem de perfil

De Pedro Miguel a 30.08.2016 às 09:38

Bom dia,

O Sporting detém a totalidade dos direitos desportivos e económicos, tendo que pagar 20% de mais valias numa futura transferência. Fonte: relatório&contas

O Sporting consta que está a negociar o valor desses mesmos 20%

Sl

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo