Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

maxresdefault.jpg

 

O título do post era para ser outro, mas a segunda parte da partida estragou-me os planos. De qualquer modo, um primeiro período de sonho, nada menos do que espectacular, a ser necessário um guia para acompanhar os acontecimentos. Ora vejamos:

 

Tudo começou com o golo bastante madrugador de Doumbia (2') que deu uma injecção de confiança aos "leões" e deixou a equipa grega muito intranquila.

 

Segue-se Gelson Martins, aos 13', com o segundo golo e ainda Bruno Fernandes com o terceiro, aos 43'.

 

Entretanto, aos 18 minutos, Bruno Fernandes manda um remate ao poste, Doumbia, aos 20', isolou-se e perdeu uma enorme oportunidade e, ainda, Sebastián Coates, aos 22', também isolado, que falhou o golo. Para culminar o que foi um período digno de um filme de Steven Spielberg, Gelson Martins, perante uma baliza totalmente descoberta, manda o esférico à trave, aos 40 minutos.

 

O Sporting alinhou de início com o seguinte onze: Rui Patrício, Cristiano Piccini, Sebastián Coates, Jérémy Mathieu, Jonathan Silva, William Carvalho, Rodrigo Battaglia, Gelson Martins, Marcus Acuña, Bruno Fernades, Seydou Doumbia.

 

Suplentes: Romain Salin, Stefan Ristovski, Tobias Figueirdo, Petrovic, Alan Ruiz, Bruno César e Bas Dost.

 

21752011_10154711937531555_6739643181846324249_n.j

 

Uma segunda parte distinta, que perto dos instantes finais ainda chegou a assustar. O Sporting mudou o seu plano de jogo, reduziu a intensidade, procurou mais posse de bola, excessivamente calculada, diga-se, baixou a pressão ofensiva e começaram a surgir os erros. Nenhum foi fatal nessa fase do jogo, mas permitiu ao Olympiacos entrar num jogo em que até esse ponto tinha sido completamente avassalado.

 

A equipa grega conseguiu reduzir o marcador para 3-2, perto do cair do pano, mas não sem Bas Dost ter mandado outra bola aos ferros.

 

Acho que as opções de Jorge Jesus no segundo tempo são discutíveis, pelo óbvio desgaste de alguns jogadores. Bruno Fernandes devia ter saído muito mais cedo e dar entrada a Petrovic para reforçar o meio-campo. Tanto William como Battaglia também davam sinais bam visíveis de cansaço.

 

Apesar da primeira parte fenomenal, acabou por não ser um resultado histórico, mas esteve muito perto de ser precisamente isso. Parabéns aos jogadores do Sporting pelo espectáculo com que nos brindaram, enquanto lhes foi possível.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:38

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


37 comentários

Imagem de perfil

De Rui Gomes a 12.09.2017 às 23:06

Todos nós reconhecemos que o Jonathan não esteve bem em alguns lances, mas também é ilusório focar apenas nele para justificar o rendimento da equipa na segunda parte.
Imagem de perfil

De PSousa a 12.09.2017 às 23:09

Rui,
Não estou a dizer que o Jonathan é culpado da 2ª parte, mas sim a dizer que nos dois lances dos golos do Pardo podia e devia ter feito muito mais. Já na primeira parte ele falhou "N" vezes que o JJ lhe gritava "olha as costas" e nem assim ele corrigia.
Será que COSTAS em Argentino (espanhol) quer dizer outra coisa? AH AH AH
Sem imagem de perfil

De Pastor a 12.09.2017 às 23:41

Nisso concordo. O homem não tem posicionamento nenhum. Não foram raras as situações em que o vi ir cobrir ao centro. Ou demasiado perto da linha final em lugar de estar mais atras para impedir que o extremo va para o centro do terreno.

No fundo para mim este final deve-se bastante a JJ. As substituições foram algo lentas. E já no benfica tinha notado, e no SCP começa-se a ver muito bem nesta época, que as equipas dele não sabem, por norma, controlar bem o jogo. Pelo menos é esta a sensação que tenho faz algum tempo e que agora está a intensificar-se com este inicio de época.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 12.09.2017 às 23:49

Esse é um assunto para ser debatido em pormenor, mas digo-lhe desde já que parte do dilema deve-se à sua eterna teimosia em ir com os mesmos jogadores da sua confiança, até além dos limites. E quando vai ao banco, quem normalmente sai também é algum "menino" seu.

Equipou Alan Ruiz, por exemplo, para ficar sem extremos como alternativa, uma vez que o Iuri foi para a bancada.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D




Cristiano Ronaldo