Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Homero é do Sporting.

Drake Wilson, em 21.06.18

 

21073057_ztIUb.jpeg

 

Peca quem apressa o Hóspede que não quer partir,

como quem o detém quando este já está a partir.

O Hóspede deverá ser bem tratado se ficar,

e não deverá ser impedido de partir se assim o desejar.

 

por Homero, o culpado.

 

Por vezes, questiono-me que entidade sobrenatural terá o Sporting perturbado ao longo da sua centenária odisseia, que tão reiteradamente condene este Clube a crises, convulsões e outras metafóricas maldições tão frequentes. Na nossa elementar sinceridade, é inquestionavelmente um grande Clube, mas persistentemente condenado a um palco institucional patético. Por vezes, o Sporting consegue ser uma corporação demasiado complexa para o talento humano… seja qual for o talento. Essa complexidade, prende-se não com as diferenças entre a “eleita” e a “putativa”, mas com a própria natureza do Clube.

 

O Sporting é o quê?

 

Comecemos pelos tais 3,5 Milhões de Adeptos que o Sporting tem. Podiam ser 6 Milhões, mas na origem procurou-se um caminho distinto, que invariavelmente fez do Sporting o que o Sporting é. A formação Social e Desportiva, o Ecletismo, as conquistas nas Modalidades, Moniz Pereira, Aurélio Pereira, 5 Violinos, são alguns símbolos da génese do Sporting que não sucederiam, pela doutrina, se o Sporting seguisse o caminho popular dos 6 Milhões. Este Sporting, envolto numa concepção de elite, (e não de elites), perdeu porém, a partir da década de 70 o comboio competitivo na sua principal modalidade, o Futebol. Nada de novo, portanto.

 

Dentro deste universo de 3,5 Milhões de Adeptos do Sporting, existem partidários de uma espécie de doutrina reformista, embrionada num emergente burguesismo sem conteúdo, que surgiu na Lisboa pós-revolução. Essencialmente novos-ricos, filhos de famílias influentes ou até operários órfãos de representatividade social, estes multiplicaram-se com ideologias revolucionarias sem substância ou aplicabilidade na vida social ou profissional. Introduziram-se no Sporting como puderam, ou conforme o grau académico ou influência lhes permitiu, e difundiram dentro do Clube as suas frustrações, a sua instabilidade pessoal, em formato de militância. Começou com os negócios de Jorge Gonçalves e com a problemática empregabilidade dos filhos de João Rocha, fundadores de uma claque – os primeiros a tentarem convergir o Sporting em ideais pessoais. Aqui, encontramos o ponto onde o Sporting começa a mudar, para pior.

 

Supõem-se tratarem-se de sportinguistas, pois muitos são Sócios e acompanham frequentemente o Clube. Mas involuntariamente odeiam o Sporting e a sua genética leonina. Foram os primeiros a confundir o Sporting que existia – que não lhes servia – com o Sporting que desejariam ter, mas não tinham. Para disfarçarem a falta de intelectualidade, lançaram a primeira golpada no Sporting – confundir os princípios de elite (e não elitista) de um Clube, como causa ao seu insucesso. O Sporting "não ganhava no Futebol pela ala financeira”, foi um termo usado por demasia já na década de 80. Estes actores, Gonçalves e referidos refractários, trouxeram problemas de contabilidade, e pior, abriram o Sporting a aproximações políticas. Gonçalves com o PSD na ocasião, Juventude Leonina com a extrema-direita. Fiquemos por aqui em relação a este tema, por ora.

 

Quem tomou realmente o Clube de assalto?

 

Estes, e aqueles que descendem dos seus exemplos revolucionários sem causa, valorizam o Sporting como “Clube diferente”, mas odeiam o Clube por não ter 6 Milhões de Adeptos. Vangloriam-se da importância das nossas Modalidades, apenas como contrapeso à cólera que lhes desperta a ausência de títulos na principal, o Futebol. Estes Adeptos, como representação do clientelismo que tomou progressivamente o Clube de assalto desde os referidos exemplos, utilizam o Sporting como ascendente a particulares interesses sociais, profissionais, e até mesmo políticos. O Sporting, como o próprio é, não lhes interessa. O que lhes interessa, é ter uma fórmula para ganhar no Futebol e, por conseguinte, obterem representatividade para futuras aventuras.

 

Como referi, alguns alcançaram as claques, como as conhecidas militâncias de extrema-direita que posteriormente provocaram cisões dentro da Juventude Leonina e geraram novos grupos de apoio… ao Sporting / interesses políticos? Outros, como Presidentes, alcançaram o voto popular com a premissa de romper com o passado, mas curiosamente nenhum deles constituiu melhores bases para o futuro. Do Sporting servem-se, lá está, como clientes, onde desejam viver uma série de experiências que lhes permitam descobrir e usar os seus talentos, aprender, e posteriormente engajarem-se na vida. O que procurou Sousa Cintra? O que procurou Luís Duque? O que procurou Santana Lopes? O que procura Mário Machado? E finalmente, o que procura Bruno de Carvalho? Estes vivem somente, de recrutamento alheio, como trampolim. Um antagonismo ao circo institucional do Sporting? Naturalmente que não, porque o Circo só não o vê quem não quer.

 

A emulação de um falhado

 

Bruno de Carvalho é, no meu entender, uma das maiores fraudes que surgiu no Sporting. Num artigo publicado a 30 de Abril deste ano no Diário de Notícias, intitulado “A verdade sobre a situação financeira do Sporting”, porventura redigido em parceria com Nuno Saraiva e que só recentemente o li, são abordadas questões de natureza financeira, uma espécie de Magnum Opus sofista. Numa linguagem intangível e abstrata, confunde matérias nunca relacionáveis – renegociação da dívida bancária com aumentos de posição accionista (desculpe??) –, responsabilizando o reequilibro da situação financeira pelo crescendo do sucesso desportivo (nas Modalidades, suponho?), não esquecendo a pérola “crescimento sustentado de todas as linhas de receitas comerciais…” – “crescimento sustentado de receitas” é algo que nunca calculei existir. Trata-se possivelmente do “grito do ipiranga” da Economia de Marx, uma mudança total de “paradigma”, ou simplesmente pavor em morrer afogado em dinheiro. Deu-me, por alguns segundos, vontade de rir.

 

Se o referido artigo teve Bruno de Carvalho como autor, Carlos Vieira é um péssimo professor. A demissão automática do segundo seria tão óbvia como a falta de cultura do primeiro.

 

Depois, as aparições televisivas. A benevolência que Bruno de Carvalho crê como serviço público, através de um discurso somente estéril e incorpóreo, revela-se, perante toda a sociedade como um degradante préstimo intelectual. Quando acordamos, percebemos que já não nos lembramos da pergunta nem percebemos a resposta, qual retórica golpada de quem não tem solução para os problemas criados por si. Bruno de Carvalho destruiu o seu próprio projecto desportivo, desmembrou a equipa de Futebol, transformou o Sporting num conflito à sua imagem – no fundo, a maior face do clientelismo onde os interesses particulares são sempre superiores aos interesses do Clube. O Sporting pós 25 de Abril quase sempre existiu como veículo de interesses de Presidentes, sendo a presidência de Bruno de Carvalho a que mais suspeitas levanta. Que currículo tinham Gonçalves, Sintra, Santana e Carvalho (alguns exemplos) para ocuparem a Cadeira no Sporting? Eram todos clientes profissionais! Por vezes, os Adeptos mereciam uma providência cautelar.

 

Mas por um lado, agradeço a Bruno de Carvalho a lição que nos deu a todos. Demonstrou que no Sporting existem dois Clubes, duas facções, duas vertentes de pensamento, que como em quaisquer nações ideologicamente distintas, dia algum se conciliarão. Ele simplesmente escolheu o seu lado, como qualquer cliente escolhe o fruto do seu prazer. Muda de Treinador como quem muda de telemóvel. Cria grupos privados de Whatsup para se unir aos Atletas e publicações públicas de Facebook para os destruir. Permite a convivência de grupos de destabilizadores com Jogadores da qual resulta o maior êxodo desportivo alguma vez visto em Portugal. Promove um sucesso económico encoberto até a CMVM proibir um simples empréstimo obrigacionista que põe a descoberto a falta de liquidez, levando a PWC a assumir perante o órgão regulador a ameaça da continuidade da operacionalidade do nosso Clube. Tudo isto é criminoso. Para mim é o resultado óbvio do que sucede quando o Cliente... se torna Presidente. 

 

Mais do que nojo, tenho pena daquilo no qual o Sporting se tornou.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Nunca mais chega a hora...

Rui Gomes, em 21.06.18

 

correio-da-manha-2018-06-20-6b86b2.jpg

 

 ... Para nos vermos livres deste desprezível aldrabão que se apoderou do Sporting. Esta situação de que ele é protagonista, com o intuito único de salvaguardar os seus interesses pessoais, mesmo em detrimento do Clube, há muito que ultrapassou os limites do que é minimamente aceitável, mesmo numa sociedade democrática.

 

Num dos seus mais recentes indecorosos actos - no Facebook, como não podia deixar de ser - publicou as faces de Jaime Marta Soares, Artur Torres Pereira, Frederico Varandas, Álvaro Sobrinho, Henrique Monteiro e José Maria Ricciardi, acusando-os de serem perpetradores de "um ataque de torrismo" no Sporting:

 

"O que esta gente, que se diz sportinguista, está a fazer ao Sporting CP e à SAD é um acto de terrorismo, similar ao que aconteceu na Academia. Mas com uma diferença: é que estes promovem um ataque terrorista contra 3.5 milhões de sportinguistas, com a cara destapada e com a conivência de alguma comunicação social!".
 
Isto, de quem até já foi acusado por um juiz de ser, pelo menos, responsável moral do real ataque de terrorismo que ocorreu na Academia Sporting.
 
Por muito reprovável que seja, até dá para compreender a perversa motivação do lunático figurante. O que eu acho incrível é verificar que conta com o apoio daqueles que se dizem sportinguistas. Uma mancha verdadeiramente negra e imperdoável, na honrosa história desta Instituição centenária. 
 
Nunca mais chega a hora... a nossa sanidade não tem capacidade para muito mais.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:23

Rumores do mercado: Adem Ljajic

Rui Gomes, em 21.06.18

 

 

Adem Ljajic, médio-ofensivo sérvio de 26 anos que alinha pelo Torino, clube onde chegou em Julho 2016, proveniente da Roma, a um custo de 9,2 milhões de euros.

 

Tem contrato com o emblema italiano até Junho 2020 e o seu passe está actualmente avaliado em 13,3 milhões de euros.

 

Aparentemente, é um pedido no novo treinador.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:22

 

futsal-cardinal_6.jpg

 

Depois de vencer o primeiro jogo do playoff da final do campeonato de futsal (5-4), o Sporting visitou o rival no Pavilhão da Luz e saiu derrotado, por 3-2.

 

Esta foi a primeira derrota no campeonato esta época do bicampeão em título. O Benfica inaugurou o marcador por intermédio de Robinho (3'), mas o Sporting deu a volta no espaço de um minuto, com golos de Fortino (6') e Merlim (7'), antes de Bruno Coelho restabelecer a igualdade na segunda parte (29').

 

No penúltimo minuto, Raúl Campos marcou e deu a vitória aos encarnados e igualou a final, disputada à melhor de cinco e cujo terceiro jogo está marcado para domingo, 24 de Junho, no Pavilhão João Rocha. O quarto jogo disputa-se na Luz, no dia 27, e um eventual quinto encontro está agendado para 30, novamente na casa dos leões.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:21

As beldades do Mundial 2018

Rui Gomes, em 21.06.18

 

img_FanaticaBig$2018_06_19_20_09_46_1412408.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:20

Gosta de carros ?

Rui Gomes, em 20.06.18

 

32_Marmon-Sixteen-LeBaron-DV-10-PBC_c02.jpg

Um dos carros mais caros do Mundo

 1932 Marmon Sixteen Convertible Coupe - Leilão 2017 - 962 mil dólares

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:59

Salvemos o Sporting !

Ricardo Leão, em 20.06.18

 

21064210_rkWD9.jpeg

 

SPORTINGUISTAS

 

Temos de sair deste longo e doloroso ciclo das trevas, para o qual o nosso querido Clube foi forçada e vilmente arrastado pela tirania insana de um charlatão psicopata que se convenceu ser (e agindo como) dono único, absoluto e perpétuo do Sporting Clube de Portugal.

 

Está, finalmente, na hora de nos libertarmos do catastrófico inferno que se abateu sobre a nossa muito respeitada e prestigiosa Instituição centenária – participando, urgente e activamente, na recuperação das suas estabilidade, decência e dignidade.

 

Cumpre-nos restabelecer os ideais, princípios e valores que determinaram e sempre distinguiram a existência do Sporting – mas que tão ignobilmente têm sido desprezados e espezinhados nos últimos anos.

 

É imperioso exterminar radicalmente o vírus infeccioso que tem vindo, gradualmente, a destruir o Clube. Abolir o instalado culto do totalitarismo, do despotismo, do divisionismo, do conflito, do confronto, da perseguição odiosa, da difamação, do incitamento à violência, da intimidação chantagista, da ordinarice verbal, da mentira sistemática.

 

Devemos, obviamente, exigir que os autores ou responsáveis pelos incomensuráveis danos materiais, desportivos e morais, infligidos no decorrer desta fase mais calamitosa, sejam judicialmente processados e, se acusados, compulsivamente forçados a indemnizar o Clube.

 

Chegou a grande oportunidade de fazer ouvir a nossa voz. De, através da força do voto, expressar a nossa vontade de pôr um fim definitivo à louca escalada ruinosa e de retornar ao caminho da esperança, da nobreza moral e da dignidade. Em liberdade democrática. Sem receio da intimidação gratuita das milícias ao serviço do abominável personagem que, por interesses pessoais, é, consciente ou inconscientemente, o principal responsável pela desgraça que feriu dramaticamente a nossa gloriosa Instituição.

 

Há que diligenciar esclarecer a grande maioria dos sócios da vital importância da próxima Assembleia Geral para a sobrevivência do Sporting Clube de Portugal – incitando-os à sua participação. Temos de fazê-lo por todos os meios possíveis, até porque os órgãos oficiais do Clube (site oficial, redes sociais, jornal e canal televisivo) – numa clara prova da infame ditadura reinante e de desprezo pelos direitos dos associados – omitem ou boicotem intencionalmente toda a informação que não seja aquela que sirva ou enalteça o líder populista.

 

Até sábado, no Altice Arena!

 

Leão da Guia

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

 

21071390_NHPpN.jpeg

 

Os antigos costumavam utilizar uma expressão... “e ele há lá coisas do arco-da-velha”, sempre que se queriam referir a algo inusitado, extraordinário ou que lhes causasse perplexidade. Pois bem, eu nestes dias trouxe de volta essa expressão ao meu vocábulo e tenho-a repetido frequentemente, tal o número de vezes que tenho ficado perplexo, quase sem palavras.

 

Neste momento perguntarão os leitores; o que raio causará tal perplexidade?

 

Pois bem, é ver um homem feito, no auge dos seus 46 e perto dos 100kgs, dar cambalhotas atrás de cambalhotas, dias e dias seguidos, numa actuação constante e sem pausas. Um autêntico artista de circo que actua no centro do palco, e à sua volta, um conjunto de macaquinhos amestrados, ora aplaudindo, ora imitando os brilhantes exercícios de ginástica. Extraordinário!

 

Bruno de Carvalho passou um mês a gritar para quem o quisesse ouvir, a escrever para quem o quisesse ler, que a MAG (demissionária ou não) não existia. Insistiu e bracejou, convocou inúmeras vezes a comunicação social a Alvalade, para repetir o mesmo de sempre, que a AG do dia 23 era ilegal, que não ia existir, que era uma fantochada, um encontro de sócios sem significado, enfim, algo a que os verdadeiros Sportinguistas não deveriam dar importância.

 

Disse-o ele alto e a bom som, do centro da sua arena. E os macaquinhos… imitaram-no.

 

Confrontado com a justiça, não vergou. A acreditar nas suas pérfidas palavras, fez sim foi o favor de permitir que o encontro ilegal de sócios do dia 23 se realizasse. Daria todos os meios para satisfazer os caprichos de um único sócio, mas os verdadeiros Sportinguistas que não se preocupassem, pois a agora já chamada AG do dia 23 era ilegal, sem valor, desprovida de significado, tanto mais que no dia 18 iriam cair tantas e tantas providências cautelares que terminariam de uma vez por todas com esta brincadeira.

 

Disse-o ele alto e a bom som, do centro da sua arena. E os macaquinhos… imitaram-no.

 

Dia 18 chegou e com ele o auge do espectáculo… as cambalhotas intermináveis do Bruno e seus macaquinhos.

 

De um momento para o outro, a Assembleia Ilegal que não ia existir, que não passava de uma fantochada e de um encontro de sócios sem valor, passou a ser tema central… importância fulcral que levou mesmo à necessidade de iniciar uma campanha como se de eleições se tratassem, e há falta de melhor, reciclam-se expressões de campanha brasileira para dar mote à palhaçada.

 

Os macaquinhos aplaudem, excitam-se perante tão extraordinária cambalhota.

 

Os dias passam… e apesar da certeza que a AG do dia 23 não se vai realizar, graças às providências cautelares interpostas pela extraordinária Mestre Catedrática de Direito (não foi nenhum taberneiro porque isto do Direito não é para todos) a campanha continua e até se tem tempo de convocar um debate para discutir assuntos acerca de uma AG ilegal, que não se vai realizar. Um frente a frente, tendo como convidados uns sócios que assumem putativas funções.

 

E os macaquinhos aplaudem, excitam-se e alguns até ejaculam… felicidade… perante tão extraordinária cambalhota.

 

E eu, sentado no meu camarote, perplexo porque afinal o Artista e seus macaquinhos levam a sério algo que não se vai realizar, algo que é ilegal e desprovido de valor, e repito vezes sem conta “e ele há lá coisas do arco-da-velha”!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:15

Parabéns pela vitória Portugal !

Rui Gomes, em 20.06.18

 

mw-680.jpg

 

Uma exibição portuguesa frente a Marrocos que deixou muito a desejar. Valeu o golo de Cristiano Ronaldo aos 4', e uma defesa espectacular de Rui Patrício, aos 56', para Portugal garantir a vitória.

 

Inexplicavelmente, faltou muita intensidade à 'equipa das quinas', em que a partir dos 15 minutos iniciais não conseguiu controlo e recuperação de bola no meio-campo, alarmante ineficácia de passe e quase nula construção de jogo.

 

Fernando Santos terá de mexer na equipa e/ou alterar o sistema de jogo frente ao Irão de Carlos Queiroz, na partida decisiva do Grupo, agendada para segunda-feira às 19h00.

 

O aspecto mais positivo recai sobre a diferença do que acontecia nos "velhos" tempos, em que jogávamos bem e ficávamos atrás no marcador.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00

Uma deriva insensata e penosa

Leão Zargo, em 20.06.18

Bruno de Carvalho.jpeg

 

Para Bruno de Carvalho, em comunicação o que importa é a versão e não o facto. Por isso, ele próprio, ou através de agências especializadas como a YoungNetwork Group e a WL Partners, apregoa massivamente a sua versão ficcional dos acontecimentos, confundindo a veracidade do que se passou, sempre com a finalidade de fazer duvidar dos factos, mesmo verificáveis, que lhe são inconvenientes.

 

Depois, a divulgação e amplificação propagandista através das redes sociais possibilitam que as suas “fake news” façam o seu caminho. Como diria Sun-Tzu, “toda a guerra é baseada no engano”.

 

Agora, o seu discurso casuístico, propagandístico e autocentrado perdeu eficácia, pois em Bruno de Carvalho tudo é táctico e a prazo, e o caos que gerou no Sporting trouxe-lhe grande descrédito.

 

Quando ele se queixa e recorre a expressões como “golpada” e “putativa comissão de gestão”, chama “ratos e cobardes” e “vendilhões do templo” a antigos membros do Conselho Directivo ou garante que “se eu quiser não há Assembleia Geral nenhuma” já não é amplificado como anteriormente se verificava. Se afirma que “vivem todos à nossa custa, até na Áustria”, a propósito de uma contratação falhada, o melhor que ele consegue é um olhar de comiseração. A sua linguagem básica e ordinária tornou-se cansativa e intolerável.

 

No sábado, 23 de Junho, realiza-se a Assembleia Geral de destituição e é essencial que os sportinguistas acorram em elevado número. Na verdade, ele fará tudo e mais alguma coisa que lhe permitirem, sem qualquer outra finalidade que não seja a sua preservação pessoal.

 

Numa carta entregue à Comissão Fiscalizadora nomeada por Jaime Marta Soares, o Conselho Directivo declarou que “não reconhece a V. Exas. nenhuma legitimidade para o exercício das funções de que se arrogam estar investidos (…)”. Há palavras que possuem um significado antigo para que sejam entendidas por todos: Bruno de Carvalho fechou-se num “bunker” e só sai de lá quando for expulso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

 

img_770x433$2018_06_20_12_07_28_1412578.jpg

 

A Comissão de Gestão, liderada por Artur Torres Pereira, deslocou-se na manhã desta quarta-feira a Alvalade mas não conseguiu aceder às instalações. Segundo explicou o presidente do organismo criado por Jaime Marta Soares para liderar os destinos do Sporting após a suspensão do Conselho Directivo, o acesso às instalações foi "vedado".

 

"Apenas queremos informar que o Conselho de Gestão do Sporting, no cumprimento do seu mandato e da sua missão, deslocou-se às instalações do Estádio José Alvalade para poder iniciar as suas funções. O nosso acesso às instalações foi vedado, foi-nos negado, numa manifestação de hostilidade para com a Comissão de Gestão e de desprezo para com as decisões judiciais que legitimam a nossa presença aqui. Hoje à tarde a comissão de gestão vai emitir um comunicado", disse Torres Pereira, aos microfones da CMTV.

 

Este acto de desrespeito do desprezível Bruno de Carvalho não é mais do que uma clara indicação do desespero que o assola cada vez mais com a aproximação da sua expulsão do Sporting. Dias muito amargos o esperam, depois de não se poder escudar no nome e no emblema desta nobre Instituição.

 

Entretanto, o seu indecoro é apenas mais do usual mesmo que já há anos nos habituou.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:33

Ponte de ligação aos leitores

Rui Gomes, em 20.06.18

 

img_580_380_center_articles-455758.jpg

 

"Por alguma razão o aldrabão já começou a dizer que não vai aceitar os resultados da AG. Que é o que ele faz sempre quando os resultados não lhe agradam.

Entretanto ouve-se falar muito da gravidade da violação dos estatutos e bem. Ouve-se falar muito pouco e cada vez menos de vários actos de gestão danosa só nos últimos tempos. E mal. Sobretudo para o messias do proletariado leonino a aldrabar os sócios desde 2011.

 

E pasme-se, já não se ouve falar nada do cashball?! E muito mal. Até parece que que não há braço direito nenhum em casa com uma caução de 60 mil euros…Conclui-se portanto que é do cashball que virá a maior surpresa para muitos sportinguistas. Fruto do actual ADN leonino de querer ganhar a qualquer custo. Que faz com que o SCP dos últimos anos se diferencie cada vez menos dos principais rivais. Diferenças substanciais só mesmo nas camisolas. E ganhar menos claro.

 

Depois e a seu tempo também se dissecará a fantástica 'champions' de gestão que, pela primeira vez na história do futebol português, vai acabar sem capacidade para reembolsar obrigacionistas.

Todos os membros do CD que renunciaram o cargo estavam a par de vários actos de gestão danosa. De Índole criminal. Que como não podia deixar de ser foram devidamente relatados às autoridades. E será o Estado de Direito que o Bruninho tão bem trata que ainda o vai pôr no seu devido lugar. E o mesmo no que diz respeito ao cashball. Com várias detenções iminentes.

 

Só o medo e a chantagem pura e dura faz com que não tenham ocorrido mais renúncias entretanto. O Quintela, só para citar um exemplo outrora tão "amado" no Camarote, já nem ousa sair de casa. Vamos ver se, agora com o principal homem de mão detido, arrisca uma saída para votar sábado. 

De qualquer forma, mal do Sporting se tivesse chegado até aqui só à custa de um aldrabão. E a destituição per si infelizmente não vem resolver nada de muito estrutural. Ou pelo menos eu já não acredito".

 

Leitor: L

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:33

 

wm.jpg

 

 Breves considerações de Jaime Marta Soares em entrevista à SIC, esta terça-feira:

 

"Bruno de Carvalho tem-se movimentado dentro de uma grande confusão. Não tenho de debater nada, mas sim fazer cumprir os estatutos e respeitar a decisão de 800 sócios com 3500 votos. Está tudo como manda a lei e os estatutos. Debater com ele o quê? Claro que não vou a debate, pois isso parecia que iria concorrer a qualquer coisa. Os sócios já estão intoxicados com o que se tem dito".

 

 "Mas os sócios do Sporting não são pessoas de bem, pessoas serenas? Apelei e pedi a Bruno que vá à AG. Não o vou deixar estar a falar duas ou três horas, como é seu hábito, mas vou deixá-lo falar. Eu peço-lhe que vá. Eu sou o principal responsável de reunir todas as condições e não admito a ninguém, de um lado ou de outro, que limitem os seus direitos".

 

"Está tudo garantido, as pessoas podem ir perfeitamente à vontade. A votação vai ser feita em urnas transparentes à frente de toda a gente. Todos fiscalizam tudo. Vai ser uma AG que vai dignificar e honrar a nação sportinguista".

 

"Se na Assembleia Geral os sócios disserem que querem que ele continue, eu só tenho uma coisa a fazer naquele mesmo momento: é marcar eleições para o Conselho Fiscal e para a Mesa da Assembleia Geral. Candidato? Eu não serei candidato a nada. A única coisa que quero fazer é o exercício da minha função cumprindo os estatutos e regulamentos".

 

Nota: Em assunto separado, os três membros demissionários do Conselho Directivo - Jorge Sanches, Luís Lourenço e Rita Matos - que escreveram esta terça-feira o artigo que transcrevemos aqui no Camarote Leonino, deram indicações a advogados para avançar com uma queixa crime contra Bruno de Carvalho, pelas acusações deste em reacção ao dito artigo.

 

Ainda, a Holdimo negou esta terça-feira que o tribunal já se tenha pronunciado sobre a acção interposta para a destituição do Conselho Executivo da SAD do Sporting. A empresa esclareceu que "ainda não existe qualquer decisão judicial" e que "é completamente falso que a providencia cautelar tenha sido indeferida", como veículado nalguns meios de comunicação social.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:32

Parecer claro e inequívoco

Rui Gomes, em 20.06.18

 

logo_contactos.jpg

 

A Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra emitiu um parecer sobre a nomeação de uma Comissão de Gestão por parte da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, a pedido desta, atestando a legitimidade da acção.

Num comunicado da MAG divulgado esta terça-feira, Jaime Marta Soares afirma que o pedido do parecer visou o "total e cabal esclarecimento dos sócios" sobre a legalidade da Comissão de Gestão e que a conclusão dos seis professores que fizeram parte do processo é "inequívoca":


Leia o comunicado na íntegra:

"Comunicado do Presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal

Na sequência de mais uma das diversas acusações que o Presidente do Conselho Directivo, suspenso preventivamente das suas funções, tem vindo constantemente a proferir acerca dos actos praticados pelo ora signatário, numa evidente tentativa de confundir todo o universo Sportinguista, o mesmo informa:
 
Para total e cabal esclarecimento dos Sócios do Sporting Clube de Portugal, solicitou um Parecer Jurídico aos Professores Doutores Cardoso da Costa, Cassiano da Costa, Santos Justo, Costa Gonçalves, Pinto Monteiro e Pedro Maia sobre a legalidade e a sua legitimidade para nomear a Comissão de Gestão, em substituição do Conselho Directivo suspenso preventivamente pela Comissão de Fiscalização desde o dia 13 de Junho de 2018.

O Parecer emitido em conjunto pelos seis Professores Doutores acima identificados da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, datado de 17 de Junho de 2018, é claro e inequívoco acerca da legalidade e legitimidade do Presidente da Mesa da Assembleia Geral para nomear a Comissão de Gestão do Sporting Clube de Portugal, nos moldes em que o fez, no dia 16 de Junho de 2018.
 
Pode ler-se na conclusão do mencionado Parecer:

"Em suma: Os Estatutos do SCP atribuem ao presidente da Mesa da Assembleia Geral, competência para designar uma Comissão de Gestão, ao abrigo do disposto no artigo 41º, se os membros do Conselho Directivo não se encontrarem em funções, designadamente em caso de suspensão preventiva decretada pela Comissão de Fiscalização no exercício das respectivas competências"".
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:31

As beldades do Mundial 2018

Rui Gomes, em 20.06.18

 

FPF_DP_2461.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:30

Gosta de carros ?

Rui Gomes, em 19.06.18

 

1103434-10241.jpg

Um dos carros mais caros do Mundo

 1958 Mercedes-Benz 300SL Roadster - Leilão 2017 - 1,4 milhões de dólares

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:30

 

img_818x455$2017_08_11_14_57_08_657955.jpg

 

Jaime Marta Soares anunciou esta terça-feira que os equipamentos informáticos que deveriam estar disponíveis para a Assembleia Geral de dia 23 não foram disponibilizados pelo Conselho Directivo:

 

"Os equipamentos foram comprados no último acto eleitoral para que houvesse sempre voto electrónico mas o Conselho Directivo entendeu distribuí-los pelas várias secções (do clube). O voto eletrónico não será possível por este facto. A recusa, se existiu, não foi à MAG porque o convite não é da competência da MAG. Se o fez em relação ao Clube, isso é da responsabilidade de quem tinha de cumprir as normas e as regras. É porque o Sporting não deu as condições para que o voto fosse eletrónico.

 

Os equipamentos foram comprados por minha ordem para que se ficasse com uma estrutura de computadores e tudo o que é necessário, para ser utilizada a qualquer momento e quando houvesse actos eleitorais. Quando disse que queria o voto eletrónico, responderam-me que o equipamento já não existia. Só as urnas transparentes. O sistema informático e os equipamentos para sustentarem o voto electrónico foram distribuídos pelos serviços. Não devia ter acontecido. Aconteceu. É mais uma atitude que não cumpre com aquilo que foram as solicitações da mesa".

 

Absolutamente incrível os extremos obscuros a que estes desprezíveis estão dispostos a ir para dificultar os sócios de manifestar a sua vontade sobre o futuro do Clube.

 

Já não há palavras para verdadeiramente expressar a indignação e a revolta que se sente por tudo do mais vergonhoso que está a acontecer no Sporting.

 

Basta !!!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:29

 

img_770x433$2018_06_19_11_40_19_1412148.jpg

 

Ler esta patética missiva de Luís Gestas - um dos sete pigmeus amestrados que sustentam o lunático presidente na cadeira da presidência - fez-me lembrar uma frase que li algures, que me parece pertinente a este momento e á pessoa:

 

"A vergonha não é mais que a preciosíssima capacidade do homem de relacionar os seus comportamentos com as exigências daquela suprema consciência, que nos foi deixada de herança pela história da humanidade".

 

Consideração que passa a léguas da consciência de Luís Gestas, não sendo, por isso, menos adequada. Eis o seu texto de Facebook, numa aparente tentativa de retaliação pelo recém-texto dos três elementos demissionários do Conselho Directivo de Bruno de Carvalho, já aqui transcrito no Camarote Leonino:

 

"Sofri no último mês pressões para abdicar daquilo que os sócios me conferiram, a honra de servir o Sporting Clube de Portugal.


Não sei o que ofereceram aos meus colegas demissionários mas eu não estou à venda.

 

Basta!

Basta de dirigentes partidários tentarem-me com empregos. Basta dos meus melhores amigos servirem de intermediários.


Basta de ofertas de dinheiro. 


Basta de ameaças físicas.


Estou farto!


Estou cansado!


Mas sei o que se passa e porquê querem isso. Se alguém se subjugou a outros partidos eu não me vergo. Não utilizem triplos abraços para me sensibilizar, o templo, esse é para combater a tirania e não para se compactuar com ela.


Já deu para ver que têm medo dos sócios, mas são eles os únicos donos do clube e nunca os irei trair. Nenhum dinheiro nem nenhum emprego me fará passar a responsabilidade de ter entregue o clube a quem só o quer para proveito financeiro.


Nestes 5 anos não ganhei um euro no Sporting, mas ganhei, ganhei o orgulho de servir este clube e construir aquilo que todos diziam impossível. 


Por isso, se o Álvaro quer apropriar-se do clube, que seja por vontade dos sócios, nunca será com a minha demissão. 


"Para fazerem mal ao Sporting primeiro vão ter de me matar".

 

Confesso que fiquei na dúvida sobre o real autor deste texto, tão em consonância com as usuais verbosidades do suspenso presidente. Em qualquer caso, vai parar ao mesmo, já que há muito que é evidente que ninguém à volta de Bruno de Carvalho está autorizado a pensar por sua própria cabeça, partindo do princípio que haverá, entre eles, um cérebro merecedor de aproveitamento.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:37

Ser presidente de um clube "é chato"

Rui Gomes, em 19.06.18

 

img_270x159$2018_06_19_10_21_42_1412096.jpg

 

Jorge Sanches, Luís Loureiro, Rita Matos

 

Sócios do SCP com um total de 133 anos de quotas pagas, dois deles cinquentenários

Membros demissionários do Conselho Directivo

 

1. Um presidente que, de um momento para o outro, atraiçoe todos à sua volta que tanto lutaram por um projecto digno para o clube e contribuíram para essa missão sem qualquer benefício pessoal, não deve ser presidente.

 

2. Um presidente que se revele inesperadamente um déspota, que seja incapaz de admitir uma opinião divergente da sua e que corra o risco de ser percepcionado publicamente como alguém que procura apropriar-se do clube para garantir um projecto pessoal de poder, não deve ser presidente.

 

3. Um presidente que deixe de considerar limites éticos, civilizacionais, de respeito pelas pessoas - valores fundamentais de qualquer instituição prestigiada - não deve ser presidente.

 

4. Um presidente que se lembre de destruir a base de um modelo de negócio assente no futebol profissional apenas para afirmar a sua personalidade autoritária e vingativa, não deve ser presidente.

 

5. Um presidente que passe a recorrer a um discurso beligerante para desagregar em vez de agregar, dividir antes de unir, afastar ao invés de atrair e que desrespeite todas as instituições de uma sociedade democrática, não deve ser presidente.

 

6. Um presidente que só encontre mérito em si próprio não deve ser presidente.

 

7. Um presidente que julgue que ofender associados, atletas, dirigentes, funcionários e adeptos , pelo simples facto de dele discordarem, é a melhor maneira de criar ondas de violência e ostracização na opinião pública para silenciar certas ‘vozes’, não deve ser presidente.

 

8. Um presidente que perde o apoio e a confiança de 85% dos dirigentes que integrarem as suas listas aos órgãos sociais e não retire daí nenhuma ilação não deve ser presidente.

 

9. Um presidente que num momento de crise, sabendo que a sua permanência em funções possa implicar pedidos de rescisões financeiramente gravosos para a instituição, não coloque os interesses do clube em primeiro lugar, não deve ser presidente.

 

10. Um presidente que esteja convencido de que no desporto não há perdão para atletas que não ganhem todos os jogos devendo ser escorraçados via mensagem ou Facebook como metodologia infalível para assegurar futuras vitórias, não deve ser presidente.

 

11. Um presidente que no início do seu mandato se arrogue como um defensor acérrimo da verdade e, progressivamente, se transforme numa pessoa que a ignora, manipulando factos e acontecimentos, não deve ser presidente.

 

12. Um presidente que recorra aos mecanismos de contra-informação operados nas redes sociais não para defender o clube da propaganda dos rivais mas para atacar associados do próprio clube que pensam de maneira diferente, não deve ser presidente.

 

13. Um presidente que tenha a soberba de considerar que um exército de fazedores de opinião nas redes sociais é suficiente para criar a ilusão de que os sócios possam estar divididos quanto à sua aceitação quando, na realidade, estão esmagadoramente contra ele, não deve ser presidente.

 

14. Um presidente que passe a afrontar, desconsiderar e ofender profissionais de órgãos de comunicação social num país livre não deve ser presidente.

 

15. Um presidente que transforme cada intervenção pública num espectáculo degradante que possa contribuir para continuar a denegrir a reputação de uma instituição a nível nacional e internacional e a ser motivo de escárnio para os rivais, não deve ser presidente.

 

Ser presidente de um clube "é chato".

 

Jorge Sanches, Luís Loureiro, Rita Matos

 

Bruno de Carvalho reagiu prontamente, acusando os seus três ex-colegas da Direcção de serem "ratos e cobardes", o que até é verdade, contudo, não mais do que ele, o cobarde-mor ainda em Alvalade.

 

Uma questão me intriga, veemente: será que o suspenso presidente apenas sofreu uma transformação radical de há um ano a esta parte?... Onde estavam eles há 3 ou 4 anos atrás?... Ninguém melhor para dar testemunho do muito que ocorreu no íntimo do Conselho Directivo, e até da administração da SAD, das atitudes, acções e tomadas de decisão do figurante.

 

O ataque de consciência só agora deu sinais de vida ?... A culpabilidade, neste caso concreto, não morre solteira.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

 

img_770x433$2018_06_18_22_53_20_1412007.jpg

 

Considerações de Artur Torres Pereira, presidente da Comissão de Gestão do Sporting, esta segunda-feira, à CMVM:

 

"Não sou uma espécie de 'rainha de Inglaterra'. Não, de todo. Até sou republicano e não monárquico. Não me considero nada decorativo, como o futuro se encarregará de provar. Por duas razões: a primeira é que acredito e confio nos sócios do Sporting. O que quero é que votem massivamente dia 23.

 

A segunda razão é o facto de acreditar profundamente no estado de direito democrático. Uma das coisas que lamentamos é o desprezo do Conselho Directivo suspenso pelas decisões judiciais e pelos tribunais. Os dirigentes dos clubes têm de dar o exemplo ao país e aos mais jovens. Esse desprezo não é aceitável.


Estou muito confortável nas minhas funções e não tenho medo de ir a Alvalade: Quem serve o Sporting não tem medo de nada. Vamos a Alvalade quando entendermos que é chegado o momento. Quando chegar esse momento, vamos mesmo a Alvalade, haja o que houver e custe o que custar.

 

Sinisa Mihajlovic é o treinador do Sporting. Não seria a minha opção, mas é indiscutível que Bruno de Carvalho tem os poderes necessários como líder da SAD para o fazer. O futuro a Deus pertence e o que está em causa transcende um jogador ou treinador que o Conselho Directivo suspenso contrate. O presidente devia abster-se de tomar decisões do Clube e da SAD por estar sob processo disciplinar e suspenso das suas funções.


A SAD é composta por vários membros, a maioria dos quais indicada pelo Sporting, accionista maioritário. Aproximam-se eleições para a SAD, o mandato termina a 30 de Junho. Nessa altura, o Sporting não deixará, no âmbito da lei e Estatutos, de indicar os seus representantes na SAD.
 
Não gostei de ver os jogadores rescindirem os seus contratos. Muitos foram formados no Sporting, o Sporting foi a vida deles, para muitos representou um período essencial da sua vida, independentemente dos factores que fundamentam essa rescisão. Faremos o que estiver ao nosso alcance para que o prejuízo do ponto de vista financeiro seja minorado. Temos de acautelar acima de tudo os interesses do Sporting.
 
A Comissão de Gestão tentará evitar o prejuízo enorme para o Sporting e tentar reverter o prejuízo – financeiro, desde logo, e desportivo, se possível. Os jogadores rescindiram na sequência de situações que foram geradas pelo CD suspenso. O Sporting não deve ser prejudicado por situações que não desejou, não quer e nem gosta.

Sejamos realistas: a situação de Rui Patrício, a partir do momento em que formaliza um contrato com um clube, é irreversível, mas há jogadores que não estão nessa situação e a obrigação da Comissão de Gestão é evitar o prejuízo para o Sporting.
 
Se na República Portuguesa o presidente tem o poder de usar a chamada bomba atómica para demitir o governo se entender que não está a cumprir o programa ou o interesse nacional, no Sporting tem que passar a haver uma disposição idêntica, que não há.
 
Os Estatutos actuais não prevêem a demissão do Conselho Directivo em caso de má gestão ou de não respeitar os interesses no entendimento de quem representa os sócios: a Mesa da Assembleia Geral. No futuro esta situação nunca mais se deve passar, termos de recorrer aos tribunais e à Justiça para fazer cumprir a lei dentro do Sporting".
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:18

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds