Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A realidade do presente

Rui Gomes, em 07.05.13

 

Mesmo admitindo as suas boas intenções - contenda ao critério de cada um - lamento que o presidente Bruno de Carvalho insista no discurso eleitoralista quando o acto eleitoral já faz parte do passado, e se durante essa campanha não falou a verdade e toda a verdade, agora é a altura de o fazer, sem contornos nem vacilações. O querer «moralizar as tropas» é louvável, mas é recomendável que abandone o tipo de expressões que levam os ouvintes e os leitores a pensar que se dirige a uma plateia infantil.

 

A frase cuidadosamente mensurada: "Temos de trabalhar mais e melhor" é perfeitamente aceitável; "temos de trabalhar 24 horas por dia, sempre com a cultura da exigência que sempre dissemos que íamos impor" já peca pelo extremo eleitoralista e "A mim pouco interessa quem aperece nas primeiras páginas dos jornais. Interessa-me sim que fiquem no Sporting os que entenderem o que é o Sporting e quem perceba que estar no Sporting é um orgulho e não uma fonte de riqueza no final do ano", em referência aos atletas profissionais, penetra a esfera demagógica ao ponto de fantasia total.

 

Sejamos claros e realistas de uma vez por todas; hoje, mais do que nunca, o futebol indústria reina supremo sobre o futebol desporto e quem não entender essa disposição não se deve envolver na gestão profissional da modalidade. O máximo que se pode esperar do atleta da actualidade é o reconhecimento que lhe foi viabilizada uma enorme oportunidade num clube histórico de dimensão mundial, carácter e disciplina como homem e incondicional profissionalismo como jogador de futebol. É completamente ingénuo pensar que o jovens da formação não aspiram a patamares superiores, especialmente ao que concerne contratos milionários nos emblemas mais potentes do mundo. O objectivo - assente na realidade do Sporting - é extrair o máximo de retorno desportivo e financeiro dos mais talentosos a fim de justificar o investimento monetário e de recursos humanos com a sua formação e, pela mesma via, melhorar as condições de existência do Clube. O "amor à camisola" é uma consideração do passado que não tem lugar hoje. Por isso, vamos exigir empenho, dedicação e profissionalismo e tomar as medidas necessárias para salvaguardar os interesses do Sporting. Tão simples, e complicado, como isso.

    

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:35

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


1 comentário

Sem imagem de perfil

De haja luz a 08.05.2013 às 09:00

Bom dia

\" por falta de alternativas.\"

Tínhamos uma direcção, e um presidente, democraticamente eleito, que o único \"erro\" que cometeram foi não ter influência nos centros de poder.
Que se esforçaram MUITO, para nos dar um plantel de acordo com a grandeza do clube.

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds