Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Aconteceu com José Mota, poderia ter acontecido com qualquer outro treinador - como aliás já aconteceu com muitos - mas para o caso até nem interessa. Há longo que me intriga - por falta de termo mais adequado - a mentalidade operacional e desportiva de clubes de menor capacidade estrutural e financeira, em geral, e do Vitória de Setúbal em particular.

 

José Mota é um técnico muito experiente e, na opinião de alguns, deveras competente. Curiosamente, um grande amigo meu - devoto adepto benfiquista - detesta Jorge Jesus e um dos treinadores que ele gostaria de ver orientar o seu clube é precisamente o técnico que foi ontem demitido do clube do Bonfim.

 

A contenda que me afronta, já há muito, é não compreender o que um clube como o Vitória de Setúbal pretende realizar e provar a mudar de treinador ao mais pequeno sinal de instabilidade de resultados, ignorando que simplesmente não tem condições, à raiz, para muito mais. Entre 2000 com Rui Águas até o momento actual, já passou por 20 treinadores e as únicas realizações de relevo nestas 13 épocas são a conquista da Taça de Portugal em 2005 e a Taça da Liga em 2008. De 2004/05 - pelo seu regresso à I Liga - até à época finda, alcançou uma vez o 6.º lugar com 45 pontos e em uma outra ocasião o 8.º lugar com 46 pontos. As restantes sete épocas registam todas classificações entre o 10.º e o 14.º lugares, contabilizando entre 24 a 30 pontos. Neste mesmo período apenas dois treinadores se mantiveram mais do que uma época e nenhum duas épocas completas consecutivas.

 

Neste momento o Vitória de Setúbal encontra-se empatado com o Olhanense e a Académica em 13,º lugar com 5 pontos, resultante de uma vitória, 2 empates e 4 derrotas. Vejamos os jogos: duas das derrotas foram com o Sporting em Alvalade e pela visita do FC Porto - nada de invulgar aqui; outra foi pela visita ao Rio Ave, equipa do seu campeonato onde qualquer resultado é possível; e a única que talvez seja discutível, embora também não espectacular, foi a recepção ao Marítimo por 2-4. Os dois empates foram repartidos, em casa frente ao Gil Vicente e fora frente ao Paços de Ferreira, também aqui nada bombástico. Não sem muita surpresa, a única vitória, e por 4-1, surgiu pela visita ao Vitória de Guimarães, este sim, um resultado espectacular.

 

Entra agora José Couceiro, que poderá ou não melhorar o estado das coisas, mas qualquer melhora, por inevitável natureza, nunca será mais do que temporária. E quando novos resultados desagradáveis surgirem - e vão surgir quer com Couceiro quer com outro - qual será a solução ? Mudar de treinador novamente... pelos vistos. Algo ilude a minha imaginação no todo deste processo recorrente, ano após ano, época insuficiente após época insuficiente. Todos os treinadores - à excepção de dois ou três notáveis no Mundo - desgastam-se passado algum tempo no mesmo clube, é inevitável. No entanto, no extremo oposto, temos o Vitória de Setúbal - entre outros - que muda de "Mister" com a mesma frequência que muitos mudam de camisa, ignorando que um só homem não conseguirá aquilo que o todo de uma instituição não consegue.

 

publicado às 03:21

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


15 comentários

Sem imagem de perfil

De Petinga a 09.10.2013 às 05:59

Aqui vou por partes.

1. José Mota é um treinador muito experiente, sem dúvida. Mas nao o considero particularmente competente, independentemente do registo de sucessos que tem.

2. A maior parte dos clubes da chamada "terceira linha" em Portugal navega claramente à vista. Sem plano definido, sem rumo, sem estratégia. O seu post toca nessa ferida de forma lapidar.

3. Neste caldeirao que é o futebol portugues, parece-me que é preciso muita coragem directiva e bastante sangue-frio para nao carregar no botao "ejectar treinador" quando as coisas comecam a correr mal. Temos bom exemplo recente no nosso querido clube...
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 09.10.2013 às 07:40

Não discuto os (de)méritos de José Mota, apenas porque ele é somente mais um numa longa linha de treinadores que andam no "circuito" português. Aconteceu com ele, aconteceria com qualquer outro, no caso em questão.

Sem rumo e sem estratégia, é verdade, sobretudo sem "knowhow", e substituir o treinador é o meio mais conveniente para tentar disfarçar estas insuficiências e agradar aos adeptos, que pensam da mesma maneira.
Sem imagem de perfil

De Sérgio Palhas a 09.10.2013 às 08:07

Acrescento um por"maior" o fato de José Mota ter confrontado o FCP.

O seu modus operandi não permite insubordinações ao status quo instalado, José Mota serviu de exemplo para quem ousar questionar as vitórias i-morais do FCP, esta politica de intimidação é feita a todos os niveis, jogadores, treinadores e dirigentes.

Vamos ver que jogadores do FCP serão emprestados ao Vitória em Janeiro ... provavelmente a nova "coqueluche" dos sub-21 o manco do Ricardo.

Termino com o orgulho que para mim é não termos qualquer tipo de ligação com aquela gente.

SL,
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 09.10.2013 às 08:29

Uma "conspiração" muito profunda... ?
Sem imagem de perfil

De Sérgio Palhas a 09.10.2013 às 08:30

Sempre gostei dos filmes do Mel Gibson :) !!!
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 09.10.2013 às 10:45

Parece mais um enredo do Alfred Hitchcock.
Sem imagem de perfil

De Sérgio Palhas a 09.10.2013 às 08:32

No nosso futebol raramente acredito em coincidências e todos nós sabemos e vemos semana a semana o que se passa, o que é sonegado (Josue e o video da cuspidela) e o que nos tentam vender.

SL,
Sem imagem de perfil

De Óengus mac Óc a 09.10.2013 às 08:53

bem visto
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.10.2013 às 09:48

Vitória, casa onde não há dinheiro… e o mesmo no SCP, onde não há razão nenhuma para metade do foguetório que já para aí vai, meia-dúzia de jornadas volvidas e onde ontem pela primeira vez outro senhor do futebol português, Manuel José, pôs o dedo na ferida, ninguém se deve recordar de um inicio de época em Alvalade com tanta estrelinha no marcador e em todos os jogos, a excepção foi mesmo o Rio-Ave. Chegar à 7ª jornada sem razões de queixa dos árbitros até deve ser inédito. Claro que estou encantado como todos com o trabalho de Jardim e sobretudo com a nova atitude da equipa, com os bons índices de agressividade, com a pressão alta e etc, nunca descurando o contributo do novo aprendiz de papa do futebol português também no banco, que tal como o original também este só chegou lá depois de muitos anos de futebol… Sobretudo ainda não se vêem outros sportinguistas a tentar minar… Na verdade e ao ponto a que o Sporting chegou, como disse aqui há dias outro comentador, ninguém pode sequer garantir que com o professor Jesualdo Ferreira não estávamos tão bem ou melhores e sem eleições. Ainda as consequências de interromper um mandato, que tal como as dívidas também se herdam, não são só os jogadores. O professor logo tinha que dizer que nem dava pelo Bruno no banco. Porque o Jardim dá, quando o vê aos saltos. Resta esperar pela 10ª jornada e pelo terço do campeonato para a besta que há no Dr. Barroso vir outra vez deitar os búzios. No início do mandato anterior também bastava ganhar na Luz e éramos campeões de certeza e depois bastou uma lesão até… à pior época de sempre e o Dr. está de certeza entre os que mais contribuíram para o feito. E quem diria que no ponto a que o país, a economia e as suas instituições bancárias também chegaram, bastariam 6 meses para o Sporting ultrapassar todas as dificuldades e o seu presidente poder enfim receber o seu primeiro ordenado, tal como o Bruno também prometeu. Só dizer que na minha opinião o mais importante ainda foi resgatar por completo o centro de decisões do SCP aos bancos, nomeadamente no BES desde a saída de Dias da Cunha. Sim porque agora é o Bruno que decide tudo e sem um tostão, formidável. Outra vez no ponto em que se costumava ouvir dizer que o orçamento era muito baixo para ser campeão e muito alto para ser 3º e eu olho para o plantel que só o Bruno é que decidiu e nem na Champions acredito, mas isso sou só eu.

Só agradecer ao Desert Lion a atenção mas sempre se percebeu à légua sportinguistas que só desdenhavam de Pinto da Costa por inveja. Também há um Sporting em que vale tudo, pelo menos enquanto durarem os bons resultados, do Sporting e dos rivais. Não é o meu mas sem grandes ondas e com muita paciência, até porque considero que tudo o que se irá suceder já era mais ou menos inevitável há muito tempo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.10.2013 às 10:25

* a besta leonina que há no Dr. Barroso.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 09.10.2013 às 10:47

Só não compreendo como tudo isto se relaciona com o post e o Vitória de Setúbal.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 09.10.2013 às 12:06

Apesar de admitir não estar tão familiarizado com a dinâmica dos blogues como poderia ser recomendável até estabeleci a relação através da forma como os clubes tentam fazer face às dificuldades, normalmente períodos mais susceptíveis a anormalidades que não vêm ajudar em nada, muito pelo contrário. Quando o caro Rui Gomes termina dizendo: "ignorando que um só homem não conseguirá aquilo que o todo de uma instituição não consegue." interpretei como algo que ultrapassa em muito o Vitória e se aplica a qualquer clube.

Já agora num outro dia não respondi a outra manifestação de incompreensão que tinha a ver com o tipo de afecto que muitos sportinguistas dedicam a selecção nacional também por razões que me parecem mais que óbvias, basta atentar nas várias designações que lhe conferem, logo a começar por a equipa da FPF. Mas sobre o tema selecção nacional talvez ainda seja mais importante tentar compreender o verdadeiro adiar de resultados quando dispomos e há muito tempo de excelentes jogadores e também aqui o problema extravasa em muito as dificuldades que originam a que por exemplo ainda não exista um verdadeiro centro de estágios, reclamado por vários seleccionadores. Claro que é muito mais e outra vez um problema cultural e como exemplo talvez fosse bom voltar a dois comentários ainda recentes, o desporto nacional favorito, que passaram mais ou menos despercebidos e no mesmo dia. Um de Scolari, treinador campeão do mundo, cidadão de um país habituado a ser campeão do mundo e o homem que mostrou a Portugal o que deve ser sempre uma selecção nacional, até pelos benefícios para todos e outro de Rui Moreira, opinon maker profissional, habituado a comentar qualquer coisa e recém eleito autarca no Porto. Para Scolari Portugal tem todas as condições para ser campeão do mundo, inclusive já no Brasil, porque dispõe de excelentes jogadores. Para Rui Moreira é um cenário completamente impossível porque só temos um jogador, Ronaldo. E depois ainda há o Toni que até tinha feito um desenho para ganhar à Grécia.
Sem imagem de perfil

De Anti-brunetes a 09.10.2013 às 10:59

Excelente post!A luta continua e mais tarde ou mais cedo esta direcção vai ter o que merece!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 10.10.2013 às 09:21

O maior problema do SCP nos últimos anos como da selecção nacional é um problema de mentalidades, cultural, infelizmente falta muito união nos dois lados. Num país pequeno e humilde onde o futebol pode efectivamente reclamar feitos extraordinários continua-se a pensar demais nos clubes e de menos no negócio mais global, quer na LPFP quer na FPF. No Sporting as quintinhas que defendem vários interesses e que vão muito para além da famosa “curva” destroem qualquer projecto. A imposição de Sá por duas vezes é só um exemplo. Como em qualquer área de actividade mais tarde ou mais cedo os adeptos também vão perceber que manda quem tem o dinheiro e não quem precisa de 5 000 euros/mês, aliás não há nada que faça mais sentido nesta altura da época que andar a discutir na praça pública se o Bruno devia ganhar mais ou menos. Melhor só a auditoria de gestão. Ainda ninguém se lembrou de contar com a colaboração de todos os presidentes envolvidos? Era capaz de ser mais célere e mais barato mas como o que se pretende é distrair as hostes… A generalidade dos sócios é tanto ou mais responsável pela perda de maioria na SAD como cada uma das direcções que mais criticam. Se a gestão de expectativas nunca foi boa, na actualidade e a precisar de receitas como de pão para a boca a gestão de expectativas nem se vê e cada um diz o que lhe apetece. Mais um enorme upgrade de competência para registar e juntar às outras grandes decisões do Bruno até aqui. Pena do treinador, o único que ainda mantém um discurso mais ou menos coerente.
Sem imagem de perfil

De Sérgio Palhas a 09.10.2013 às 11:07

??????????????

Isso é alguma apresentação de interesses !? ou aspira ao titulo de Zandinga do Camarote Leonino.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Cristiano Ronaldo