Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A luta pelo poder no futebol europeu

Rui Gomes, em 10.11.20

img_192x192$2018_08_07_11_45_16_1432934.pngNo discurso de Outubro em que anunciou a sua demissão da presidência do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, entre palavras de despedida e justificações pelos seus actos, deixou uma afirmação que causou surpresa: assinou uma proposta para que "a maior marca desportiva do mundo", como gosta de se referir ao clube, venha a fazer parte da superliga europeia que um conjunto de emblemas de topo pretende lançar.

A ideia até já tem vários anos e até aqui não se conseguiu impor. Mas o lóbi que a anima tem agora novo ânimo para a levar em diante. A pandemia fez desaparecer cerca de 4 mil milhões de euros de receitas nas 20 principais ligas, segundo contas da Associação Europeia de Clubes, e procuram-se alternativas para reequilibrar as contas, recuperar capacidade para investir nos plantéis e ganhar provas, que é o que segura os presidentes nos cargos. Para alguns, a vacina chama-se "European Premier League".

Bartomeu demitiu-se a 27 de Outubro. Sete dias antes a Sky News noticiara que cerca de meia dúzia de clubes dos campeonatos inglês, espanhol, francês, alemão e italiano estavam em negociações para o lançamento da nova prova, com o apoio da FIFA, que seria disputada por um grupo fechado de 18 equipas a partir de 2022. O projecto tinha já um banco financiador: o gigante norte-americano JP Morgan estaria disponível para entrar com um financiamento de 6 mil milhões de dólares, reembolsados com parte das receitas dos direitos televisivos.

A criação da superliga europeia pode ser um óptimo negócio para o clube VIP que o quer criar, mas tem um grave problema: viola de forma flagrante os valores de desportivismo, solidariedade e igualdade de oportunidades em que o futebol assenta. Na prática, trata-se realmente de os clubes mais ricos (galácticos) salvarem o couro e encherem os cofres à custa do empobrecimento dos restantes, alargando ainda mais o fosso competitivo que já existe dentro dos campeonatos e entre eles. Além de que promoveria uma desgraduação das provas internas.

Para já, não se tem visto os líderes dos clubes supostamente envolvidos a dar a cara pela ideia. O único caso excepcional tem sido Florentino Pérez, há muito um dos seus grandes impulsionadores. Numa demonstração de que o tema não é consensual, o presidente da La Liga, Javier Tebas, veio acusar Pérez de ser o cérebro por trás do anúncio do presidente cessante do Barcelona.

Uma coisa é certa: nos bastidores do futebol europeu corre uma guerra de poder entre grandes clubes, federações e UEFA, com interesses financeiros milionários pelo meio. A entidade liderada por Aleksander Ceferin tem o seu próprio projecto para uma liga dos campeões renovada, em formato aberto, com fases de qualificação para metade das vagas, a arrancar dentro de quatro ou cinco anos. Segundo algumas notícias estaria já a negociar um financiamento inicial de cinco mil milhões de euros com o Barclays.

Qualquer dos dois projectos terá um impacto significativo no futebol europeu. Resta saber se a ganância vai dar uma goleada ao futebol ou é este que sai vencedor do embate.

Artigo da autoria de André Veríssimo, Director do Negócios

publicado às 03:31

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Orlando Santos a 10.11.2020 às 08:58

Deixem-nos formar a tal "Super Liga". Podem ganhar muito dinheiro dos patrocínios mas não vão ter público nos estádios porque seria um coisa totalmente aborrecida e desinteressante. Até seria bom para alguns campeonatos ficarem livres dessas equipas glutonas que querem tudo só para elas.
Sem imagem de perfil

De António Vieira a 10.11.2020 às 21:10

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D




Cristiano Ronaldo