Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




15869312675e96a6431adbc_1586931267_3x2_md.jpg

Embora não haja quaisquer certezas sobre a incerteza, julga-se inevitável que, vencida a sinistra pandemia, que tem espalhado a tragédia e a morte por todo o planeta (sim, temos que vencê-la!) o nosso mundo deixará de ser o mesmo. Os seres humanos tornar-se-ão, no seu comportamento social e nas suas decisões, mais inseguros e receosos, mais hesitantes e cautelosos. Prevê-se, enfim, que tudo mudará – para o bem ou para o mal.

Mas, o que dispensa quaisquer previsões é, garantidamente, a transformação radical do mundo delirante do futebol, especificamente a sua obscura, desregrada e descontrolada indústria profissional, profundamente minada pela corrupção, a ganância, a desonestidade e a falta de transparência, assentes basicamente na actividade suspeitosamente criminosa das incógnitas máfias internacionais do dinheiro sujo, oculto e não tributado. Lucrativa prática delituosa em que se envolveram a FIFA, a UEFA, federações, associações, agentes, empresários, clubes, dirigentes, banqueiros, advogados e, até, futebolistas.

Terá chegado, finalmente, o momento em que os patrões e responsáveis da bola no mundo inteiro serão forçados a reflectir realisticamente sobre a sobrevivência e o futuro do futebol como indústria-espectáculo. Sobre o ansiado regresso do fascinante jogo às suas pureza e integridade. Sobre como eliminar ou limitar a poderosa e maléfica influência dos agentes e empresários no suculento negócio do futebol (de que são os grandes predadores). E ainda sobre como reduzir ou travar o domínio do prestigioso futebol europeu pela crescente e infecciosa infiltração de interesses e capitais russos, árabes, asiáticos ou norte-americanos.

Como exemplo da loucura extrema que se apoderou do opaco futebol do presente, realça-se alguns montantes pornográficos e insultuosos pagos pelos clubes mais poderosos por sonantes contratações de jogadores – como foi, além de outros, o recém-badalado e muito intrigante contratação, pelo Atlético de Madrid, de um menor fisicamente frágil, imaturo e ainda inexperiente por anunciados 126 milhões de euros... (que dariam para construir dois hospitais ou comprar cerca de uma centena de apartamentos.

E já posteriormente constou a notícia que o Barcelona planearia contratar um outro jovem jogador português, algo desconhecido, sobre o qual o Sporting de Braga teria fixado uma cláusula de rescisão no valor de 500 milhões de euros!... Se não existe um manicómio para os loucos e gananciosos exploradores da bola, crie-se!

Na realidade, o dinheiro está progressivamente a matar o futebol, como igualmente nos comprova a frequente realização fora da Europa de jogos oficiais entre equipas de ligas e taças de países europeus – como, por exemplo, a final da Taça de Itália no Japão, as finais das Super-Taças de Itália e de Espanha (esta até em três anos consecutivos) na Arábia Saudita, etc. – revelando chocante desprezo pelo público adepto e associado dos clubes respectivos. Tendência esta que, face à reacção popular, acabou por motivar um tribunal espanhol a rejeitar a efectivação na cidade de Miami (EUA) de uma final Villareal-Atlético de Madrid. Evidentemente que o objectivo destes jogos nada tem a ver com competição desportiva, mas unicamente com interesses financeiros.

O certo é que, uma vez ultrapassada a terrível calamidade que enfrentamos, tornar-se-ão imperiosas a reformulação, a reabilitação e a dignificação do futebol como indústria e espectáculo atractivo, honesto, isento e qualificado aos olhos do público que o ama e sustenta. Sem dúvida, uma tarefa árdua e imensa que implicará a queda do negro manto de execrável mercantilismo de que gradualmente se revestiu.

E o que acontecerá, em particular, ao reconhecidamente debilitado futebol profissional português? Eis uma grande incógnita de imprevisível resolução, considerando que a quase totalidade dos clubes integrados nas primeira e segunda ligas se encontra fatalmente endividada (grande número dos quais com jogadores que estão meses sem receber o seu salário) não dispondo da mínima capacidade de manter equipas profissionais. Daí o perigo de caírem súbita e imprudentemente nas mãos de suspeitos investidores estrangeiros, cujo oportunismo é justificado pela urgência de lavagem de dinheiro clandestino.

Para agravar a frágil e muito dramática situação em que encontra, o nosso popular futebol é ainda vítima crescentemente gravosa da corrupção, da troca de favores, do câmbio de influências e do jogo de obscuros interesses que – para além da desacreditada Justiça, tanto civil como desportiva – têm florescido em imparável ritmo no seio dos organismos estatais, governamentais e federativos, cujo dever é, pelo contrário, garantir, fomentar e proteger a integridade, a isenção, a transparência e a verdadeira honestidade competitiva. Enfim, um muito poderoso cancro que carece ser prontamente desvendado e radicalmente destruído – a fim de eventualmente possibilitar e assegurar a sobrevivência honrada, sustentável e progressiva do futebol nacional.

Texto da autoria de Leão da Guia

publicado às 04:34

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


21 comentários

Sem imagem de perfil

De FF a 29.04.2020 às 10:04

Bom-dia,

Excelente artigo.

Não me parece, no entanto, que, pelo menos a curto prazo algo possa ser feito para inverter a situação.Eventualmente a justiça espanhola, como pràticamente em todos os casos em que intervém, é capaz de vir a obter algum sucesso.É a altura ideal para que Portugal lhe siga o exemplo.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 10:29

Terá razão... Portugal, neste sentido, anda sempre muito atrasado. No entanto, não nos impede de apontar o caminho e desejar.
Sem imagem de perfil

De que estendeu os tentáculos a 29.04.2020 às 12:24

Boa-tarde,
Ao indicar que esta seria a altura ideal para Portugal, é apenas o desejo, que poderá parecer ingénuo, de que o pântano em que o país, não apenas no futebol, se encontra atolado,
Mas com o polvo que estendeu os tentáculos para benefício próprio pouco há a fazer.
Esquece esse patife que "quem mais alto sobe, de mais alto cai".É apenas uma questão de tempo e, depois, que o diabo o carregue.
"E quelli ei son tra l'anime più nere" (Dante: A Divina Comédia - o Inferno)
FF
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 13:04

Caro FF,

Pelos vistos, sabe introduzir nome no cabeçalho de identificação da caixa de comentários.

Porque razão não o faz com "FF" ?
Sem imagem de perfil

De que estendeu os tentáculos a 29.04.2020 às 13:33

Eu peço desculpa pelo lapso.
Espero estar perdoado.
FF
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 15:29

Use o FF em cima. Obrigado.
Sem imagem de perfil

De ChakraIndigo a 29.04.2020 às 10:36

Uma boa reflexão, mas como de costume, tem de haver uma alfinetada ao Benfica.

Quando comecei a ler "como foi, além de outros, o recém-badalado e muito intrigante contratação, pelo..., de um menor fisicamente frágil, imaturo e ainda inexperiente por anunciados ... milhões de euros... (que dariam para construir dois hospitais ou comprar cerca de uma centena de apartamentos).

Pensei assim, olha, vai escrever sobre a contratação do Mbappé, com 18 verdes primaveras por 180M, mas afinal não, os problemas do futebol envolvem sempre o sinistro emblema encarnado.Toda a gente sabe que as transferências do futebol envolvem uma grande nebulosa, especialmente quando tem a intervenção de um grupo hermético de empresários, como Jorge Mendes, Mino Raiola e outros, esses sim, parasitas do futebol.

Os clubes limitam-se a transferir os seus jogadores pela maior oferta.

Estas contratações são consequência da desregulação e da especulação no futebol.
Para além da corrupção, como se vê com o caso Plattini, e de muitos responsáveis de federações por todo o Mundo, que compram Mundiais para o deserto, como o Qatar, ou para países que se querem promover.

Dizia um filósofo, "quando se trata de dinheiro todos têm a mesma religião", e por isso só uma forte regulamentação da actividade pode contribuir para, pelo menos, haver mais transparência.

Eu não acredito nada no regresso ao passado, isso é impossível nos tempos em que correm milhões vindos de várias origens.
Um pouco como acontece com vários países, como Portugal, "comprados" por chineses e franceses.

É a ditadura do capitalismo selvagem, que se impõe onde quer que existam avultadas somas de dinheiro.

Perfil Facebook

De Indiana Julio a 29.04.2020 às 11:25

Mas é possivel comparar a qualidade de Mbappé com a de putos maravilha que andam por aí?

So mesmo numa tentativa bem forçada de quererem igualar-se para se sentirem melhor.

De todas as formas nao existe pontapés numa bola que possam valer 180M ,é um atentado, mas do futebol ja se espera sempre tudo.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 18:22

Creio que esta crise vai obrigar os clubes a reflectir no futuro sobre estas ridículas contratações.
Sem imagem de perfil

De RCL a 29.04.2020 às 11:38

Chakra
Cheguei aqui ao blog e deparo com a comparação que faz entre Mbappé e João Félix. Esfrego os olhos, estarei ainda a dormir.... Você, de longe o Benfiquista mais esclarecido, dizer uma coisa destas, é uma blasfémia. Os madrilhenos, conscientes do barrete, já andam , tal como o Bayern com Renato Sanches, a empandeirar o menino. Até já fazem montagens do Félix ao lado de Bruno Fernandes.
Sinceramente, desejo-lhe as melhoras.
SL
Sem imagem de perfil

De ChakraIndigo a 29.04.2020 às 11:48

Meu caro RCL
eu não comparei jogadores, não sei onde tirou essa conclusão.

outra coisa é o valor que os clubes pagaram por eles, e a minha opinião está expressa.
no entanto, o valor de qualquer "mercadoria", leia-se, valor do passe do jogador, é aquele que o comprador paga.

Não sei se sabe, mas em França, o "barrete" Renato Sanches, faz parte do onze ideal da competição, para o LÉquipe, ao lado de Neymar, Mbappe e outros.

O "barrete" Félix ainda está por mostrar o que vale. Não é por 7 ou 8 meses que um jogador mostra valor.
Sem imagem de perfil

De ChakraIndigo a 29.04.2020 às 11:51

Já agora, o Renato e o Félix não são jogadores do Benfica.
Não vale a pena andar a martelar nos rapazes.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 18:27

Não me parece que seja uma questão de "martelar". No sentido que o texto pretende sublinhar, é perfeitamente lógico que os negócios envolventes dos dois, entre outros, claro, sejam referidos como exemplos que não se podem repetir no futuro se o futebol pretende sobreviver. Sobrevivência essa que, de momento, está extremamente frágil e ameaça ir ainda para pior.
Perfil Facebook

De Indiana Julio a 29.04.2020 às 11:39

O que vamos assistir é a toda bandidagem do futebol fazerem agora o papel de bonzinhos com os escrupulos a aborrotar para salvarem o seu El Dorado e o mais rápido possivel.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 12:48

Esperava outra coisa?
Perfil Facebook

De Indiana Julio a 29.04.2020 às 17:43

Nao, nao surpreende em nada .
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 18:29

E ainda está muito mais para vir, porque o futuro do futebol navega águas muito turbulentas neste momento.

É esta a grande luta de momento da FIFA e da UEFA, mas serão estes organismos que terão de tomar medidas para possibilitar a sobrevivência da indústria futebol.
Perfil Facebook

De Indiana Julio a 30.04.2020 às 01:22

O problema coloca-se tambem pela incapacidade desses organismos em tomar posiçoes de fundo quisá ainda vivendo a turbulencia interna pelos escándalos de corrupçâo que envolveu varias das suas principais personalidades .
Sinceramente sinto uma fraca liderança tanto na UEFA como na FIFA que procuram ainda reencontrar o seu caminho e tudo isso depois leva a que se mantenha um estado de desconfiança em tudo o que decidem.

Ainda vivemos o assunto da batata a escaldar do mundial do Qatar, uma tremenda historia de escándalos que só envergonha e colocam em causa a sua capacidade como autoridade do futebol Mundial.

Apartir da hora que as policías chegaram á FIFA e UEFA o mundo do futebol ruiu por muito que assobiemos para o lado.

Infantino tem tentado retomar esse caminho perdido, mas os alicerces a volta dele ainda nao estao reconstruidos com a gente seria que se exige.
Sem imagem de perfil

De Jose Coelho a 29.04.2020 às 22:55

Quando não se tem dinheiro por má gestão vir dizer que a solução é os outros não poderem gastar não me parece que seja para levar a sério
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 23:09

Já se informou bem sobre a actual realidade do futebol mundial?

Parece-me que não...
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 29.04.2020 às 23:12

P.S.: Há muitos clubes em Portugal e no Mundo com mínimos recursos financeiros. Acha que este estado de coisas é tudo por má gestão?

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo