Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

18917214_ywUdQ.jpg

O grande dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues garantiu, um dia, que o Fla-Flu começou “40 minutos antes do Nada”, num tempo tão antigo que já desaparecera da memória do comum dos mortais e que só os entendidos nas coisas do futebol teriam conhecimento disso. Acredito nele, pois claro, mas acrescento que à mesma hora também teve início o derby original entre o Sporting e o Benfica, ao que parece no Sítio das Mouras ali para os lados do Lumiar.

 

Pelos golos marcados em derbys muitos jogadores leoninos ocupam um lugar de destaque no imaginário dos sportinguistas. Talvez por ser o primeiro de que me recordo com absoluta nitidez ocorre-me quase sempre aquela tarde prodigiosa de João Lourenço na Luz em 17 de Outubro de 1965, quando marcou todos os golos da vitória por 4-2 dos leões sobre as águias. Hoje faz precisamente meio século e nesse dia infernizou Melo que substituiu o lesionado Costa Pereira. Os sportinguistas, consolados até dizer basta, chamaram-lhe a “tarde de S. Lourenço”.

 

18917210_8ZvmZ.jpg

Lourenço, contratado à Académica, ia na segunda época no Sporting e jogava a avançado ao lado de Figueiredo, o Altafini de Cernache. Foi um jogador deveras tecnicista e elegante, oportuno e inteligente na movimentação na área, marcando golos espectaculares, nomeadamente em chapéu. Nesse jogo na Luz marcou por duas vezes em chapéu com todas as medidas bem tiradas. O Altafini de Cernache era muito prático e voluntarioso, talvez mais eficaz. A verdade é que nessa época de 1965-66 o Sporting foi campeão e Lourenço teve um papel importante com os 19 golos marcados nos 18 jogos do Campeonato Nacional em que participou. A revista Ídolos do Desporto (nº 1, 4ª série) chamou-lhe “O ‘Homem-Golo’ do Sporting”.

 

Aqueles anos da década de 1960 parecem um tanto distantes, mas recordo que o meu coração volúvel nunca se decidiu entre ele e o Figueiredo. Talvez dependesse dos golos que cada um marcava, quem sabe. Por isso, e pela tarde chuvosa em que o Lourenço lançou um póquer de ases sobre o relvado da Luz, saio para a rua com ironia no olhar enquanto vou entoando uma canção do Sérgio Godinho já muito batida: “Andas a partir corações como quem parte um baralho de cartas…”

 

 

P.S.: Para além de Lourenço, mais dois jogadores leoninos conseguiram o póquer frente aos benfiquistas: Peyroteo (1-4 em 25 de Abril de 1948, no Campo Grande, que garantiu o célebre “Campeonato do Pirolito”) e Manuel Fernandes no inesquecível 7-1 (14 de Dezembro de 1986, em Alvalade).

 

 

Recordar é viver...

 

publicado às 11:43

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


25 comentários

Imagem de perfil

De Rui Gomes a 17.10.2015 às 12:34

Excelente artigo, caro Leão Zaro. Recordar é mesmo viver !
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 17.10.2015 às 12:37

Caro Rui,
e este é daqueles derbys que vale mesmo a pena recordar!
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 17.10.2015 às 12:44

Não se pode dizer o mesmo de todos.
Imagem de perfil

De Profeta a 17.10.2015 às 12:50

Este tipo de posts são sempre bem-vindos ;-)

Creio que depois dessa vitória por 2-4 em 1965, só vencemos na Luz em 1986, entregando o titulo ao Porto.

Depois ganhamos na Luz em 1995 para a Liga, 2000 para a Taça, 2004 e 2006 também para a Liga.

Como não recorri a cabulas, corrijam-me se estiver enganado.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 17.10.2015 às 15:25

Profeta,
Tem razão, o Sporting só voltaria a ganhar na Luz em 1986 (golos do Manuel Fernandes e do Morato). Fiquei surpreendido e consultei a Wiki Sporting (excelente Wiki!!!) e verifiquei que nesses 20 anos apenas conseguimos 7 empates. E o FC Porto foi campeão à nossa boleia!
Sem imagem de perfil

De LEÃO DA GUIA a 17.10.2015 às 12:59

A propósito das proezas de João Lourenço, a recente evocação do grande Fernando Peyroteo – o maior goleador de sempre do futebol português e um dos maiores do futebol mundial – num excelente texto também de Leão Zargo, fez perpassar pela minha memória o filme de momentos fabulosos e gratificantes proporcionados por um atleta, que sendo uma autêntica força da natureza, era, igualmente, uma personalidade de excepção, homem de exemplares integridade e lealdade, um verdadeiro gentleman dentro e fora dos terrenos de jogo – detectando-se nele algo de aristocracia, derivado talvez do facto de ser sobrinho-bisneto do Conde de Torres Novas, que foi um antigo Governador da Índia Portuguesa.

Eu era apenas um miúdo quando, levado por amigos sportinguistas dos meus pais ao Estádio do Lumiar, me deslumbrava perante aquela fenomenal “máquina” de fabricar golos, comungando do êxtase da multidão que gritava “golo!” ainda a bola não tinha sido disparada dos seus pés…

Relembro-me que, tendo eu 14 anos, me atrevi a escrever uma carta pessoal a Fernando Peyroteo, endereçada à sede do Sporting, pedindo-lhe um bilhete para um jogo entre a selecção militar portuguesa (que ele integrava) e uma selecção da britânica Royal Air Force, realizado em 17 de Fevereiro de 1946. Dois dias antes do confronto, ao regressar do colégio, a minha mãe, de ar severo, interpelou-me: “Ouve lá, mandaste alguma carta ao Senhor Peyroteo? É que ele telefonou para cá, para tu estares no domingo, à uma hora da tarde, no Quartel da Graça (de onde o autocarro da selecção militar partiria para o Estádio Nacional)”. Impressionada pela minha explosão de contentamento, ela acedeu a interceder pela autorização junto do meu pai e ambos, perdoando a minha ousadia, acabariam por me levar à Graça.

Acolhendo-me calorosamente, Peyroteo foi de uma afabilidade extrema. Chegados ao mítico Estádio – onde, em 1944, ele marcara o histórico primeiro golo da inauguração – pediu a um membro da comitiva para me conduzir até ao meu lugar. E após o jogo (que terminou 1-1, com mais um golo da sua autoria) concedeu-me o imenso prazer de me sentar a seu lado na viagem de retorno ao quartel, durante a qual mantivemos uma animada conversa.

Até ao final da sua prodigiosa carreira futebolística, Fernando Peyroteo – o melhor (o verdadeiro) avançado-centro que teve até hoje o futebol nacional – continuou a oferecer incontáveis alegrias aos sportinguistas e numerosos títulos ao Sporting – que, tal como no caso de João Azevedo (o maior guarda-redes de sempre e ainda recordista do número de títulos e troféus conquistados pelo nosso Clube) ainda não prestou à sua memória a consagração que inteiramente merece e lhe deve.

Estive presente na inauguração da loja de artigos desportivos que Peyroteo abriu na Rua Nova do Almada, em Lisboa, e reencontrei-o em Luanda, quando de uma missão jornalística a Angola, em 1961, tinha ele 43 anos – tendo-me chocado profundamente a sua expressão abatida e o seu sentir amargurado e deprimido, não apenas consequente do seu débil estado de saúde, mas também pela ignóbil ingratidão do esquecimento de que se considerava (e com toda a razão) injusta vítima. Faleceria em Novembro de 1978, com apenas 60 anos.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 17.10.2015 às 15:27


Leão da Guia,
agradeço-lhe o belíssimo e invulgar testemunho. Hoje em dia num tempo em que tudo é documentado através da imagem é difícil imaginar esses anos da década de 1940 de que, praticamente, temos apenas a fotografia e a palavra escrita de quem teve o privilégio de assistir às façanhas de grandes atletas, sendo o nosso Peyroteo a figura de absoluto destaque.

A ausência de registo da imagem, principalmente em filme, não tem permitido que ao fantástico avançado-centro do Sporting seja reconhecida e valorizada a invulgar craveira futebolística que iguala ou ultrapassa as maiores figuras do futebol mundial.

O Leão da Guia sublinha com justiça a dimensão humana e ética de Peyroteo. Há algum tempo, pesquisando sobre figuras excepcionais do nosso Clube, fixei-me em algumas que aliaram à capacidade atlética igual dimensão pessoal. De todas, foi o Peyroteo que se destacou pelo seu carácter marcado por elevadíssimo sentido da dignidade e da honra. Um cavalheiro!
Sem imagem de perfil

De juliuscoelho a 17.10.2015 às 20:41

Espectacular testemunho que eu (desculpe) ....invejo!! O que eu daría ou faría para ter conhecido Peyroteo assim dessa forma , saiu-lhe uma rifa de joker amigo Leão.
Foram esses tempos que fizeram de nós sportinguistas com o verdadeiro conhecimento e sentimento da mística do Leão.

- E concordo consigo quando descreve aquela figura com asas invísiveis que tinha como seu nome no planeta Terra, de João Azevedo, asas que depois deixou guardadas e bem escondidas mas que por golpe do destino Victor Damas as encontrou.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 17.10.2015 às 21:11

Muito bem, julius, muito bem.
Sem imagem de perfil

De juliuscoelho a 17.10.2015 às 21:36

Leão uma notícia muito triste , já que falamos dos nossos goleadores , faleceu o nosso MANOOOEL,
aqueles 3 golos ao Benfica , EU ESTAVA LÁ.(razão dos 3 Os , como passei a escrever o seu nome apartir desse jogo)
Estou triste , muito triste!!!
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 17.10.2015 às 21:54

julius,
é muito triste a notícia, embora fosse conhecida a situação de saúde desde o acidente cardiovascular que ele sofreu há alguns anos.

Fez bem em escrever ManOOOel. Recorda-nos o dia em que marcou três golos ao Benfica num jogo para a Taça de Portugal.
Que repouse em paz!
Sem imagem de perfil

De juliuscoelho a 17.10.2015 às 21:57

faça-lhe quando fõr oportuno uma homenagem com um Post e escreva o seu nome ManOOOel .
Abraço
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 17.10.2015 às 22:08

julius,
de acordo, não me esquecerei. Para além do mais, o Manoel merece, ele que chegou a Alvalade com a recordação do Yazalde muito fresca na memória dos sportinguistas e que fez grandes jogos na companhia do Manel, Jordão e Keita.
Recordo-me bem dele, nesse tempo assistia aos jogos no peão de Alvalade bem na linha do círculo central. Bons tempos!
Sem imagem de perfil

De juliuscoelho a 17.10.2015 às 22:12

Vimos então, juntos, muitas vezes , nao me viu? :):)
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 17.10.2015 às 22:39

julius,

é quase certo. Ali no peão onde era possível ouvir o Damas a gritar com a sua voz de trovão para o José Carlos que marcasse o Eusébio bem em cima e que não lhe desse nem dois palmos de relva!
Sem imagem de perfil

De juliuscoelho a 17.10.2015 às 23:20

E os calduços que o Damas dava nos defesas? Um dia vi-o a correr sair da grande aerea para dar tamanho calduço no Bastos que tentava "escapar" á reprimenda do mestre.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 18.10.2015 às 17:34

O Damas era bravo e tinha voz de comando. Saudades!
Sem imagem de perfil

De juliuscoelho a 17.10.2015 às 20:52

O sentimento no futebol , após o arrumar das botas é gelado como o glacial Perito Moreno. O exemplo do Eusébio quizá a excepção a uma regra injusta e cruel para quem foi o responsável de imensos momentos de glória durante anos a fio.
A unica verdadeira homenagem que fica na história de alguns , é terem os seus nomes imortais nas lembranças dos adeptos passando para a gerações seguintes.
Peyroteo , quando o Leao o reviu em Luanda,ainda nao o sabia, por isso estava triste com sentimento de desilusão.
Não sabia, que tinha conseguido a .....imortalidade!!
Sem imagem de perfil

De sloct a 17.10.2015 às 22:28

Extraordinário testemunho!
Sem imagem de perfil

De LEÃO DA GUIA a 18.10.2015 às 13:34

Muitíssimo obrigado, caros Leão Zargo, juliuscoelho e sloct, pelas vossas generosas palavras.

Recordar aqueles que fizeram o Sporting grande e especial é uma missão de consciência contra o ostracismo, a ignorância e a ingratidão que, deploravelmente, tem vindo a grassar no nosso Clube.

Estamos a evocar tempos em que se construíam fortes ligações anímicas com quem nos representava nobre e dignamente no terreno das competições, conquistando o nosso apreço pelo seu exemplo moral, ético e desportivo – algo absolutamente inconcebível nestes tempos actuais do futebol industrial e mercenário, dos jogadores saltimbancos, em que o mais ténue sentimento de afecto espiritual por qualquer dos nossos representantes corre sério risco de resultar numa chocante desilusão…

Sem imagem de perfil

De HY a 18.10.2015 às 19:06

Nunca esquecerei a elegância do Lourenço, sobretudo os seus golos de cabeça, um simples desvio e lá estava. Ouvi o 4-2 pela rádio, pois ainda não tinha autonomia para is sozinho à Luz e o meu pai gostava mais de Alvalade(só lá pôs os pés muitos anos depois). Mas o elegante Lourenço foi o meu primeiro ídolo vivo do Sporting. Que dia. Lembro-me também de um jogo contra o Valência, 4-0, em que ele marcou 3 se não me engano. Fazia uma excelente dupla com o Figueiredo. Infelizmente, como era do Sporting, nunca teve a glória na selecção que merecia (há uma entrevista muito interessante em que ele conta como o seleccionador Manuel da Luz Afonso o impediu de jogar com a camisola das quinas aí lado do Eusébio.

Também o dia dos 3-0 do Manoel ficará para sempre gravado, podíamos quase ter feito nesse dia o que fizémos dez anos depois, mas a sorte protegeu os lampiões de uma tarosa maior. Descansa em paz grande leão.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 18.10.2015 às 19:40

Hy,
o Manuel da Luz Afonso foi muito injusto com o Lourenço e o Figueiredo quando do Mundial de 1966. O Figueiredo terminou o campeonato em grande forma e marcou no Campeonato Nacional o mesmo número de golos do Eusébio.
O Lourenço teve uma época de 65-66 um pouco irregular, falhou jogos entre Dezembro e Fevereiro, mas terminou em muito bom plano. Voltaria fazer grandes épocas em 1967-68 e 68-69, mas não foi internacional A. Injustamente.
Sem imagem de perfil

De HY a 18.10.2015 às 20:13

Já agora, o mesmo se passou com o Manel. Houve 4 grandes avançados portugueses no seu tempo: ele, o Jordão, o Gomes e o Nené. Comparem as internacionalizações. Lembrem-se de que não o levaram ao México (ainda bem). Lembrem-se quando iam buscar o moinhos à ultima da hora e para substituir alguém que se lesionara e acabava ele por jogar e o Manel ficar no banco. Foi sempre assim, desde os anos 60...até com o Moutinho, que o prof Pardal Queirós não o tenha levado à África do Sul só se pode explicar por incompetência grosseira, anti-sportinguismo primário ou compadrio...
Sem imagem de perfil

De Pedro51 a 08.01.2016 às 10:59

Lembro-me bem. Tive a felicidade de presenciar esse jogo no galinheiro, juntamente com o meu pai. 4 batatas ao Melo, que como era um guarda redes baixo, encontraram aí a justificação para os golos sofridos!
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 09.01.2016 às 15:12

Pedro51
Foi um jogo inesquecível. Tinha doze anos e ouvi o relato num rádio, no entanto recordo-me das peripécias daquele jogo. E do Melo andar às aranhas!

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo