Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Acabou a erva daninha?

Naçao Valente, em 08.07.19

Quando-e-como-deve-tirar-as-ervas-daninhas.jpg

Admite-se que Godinho Lopes pode ter sido um mau presidente. Pode ter gerido mal, financeira e desportivamente, o nosso Clube. Não foi o primeiro nem o único responsável. Quando chegou este já estava como se sabe. Mas de uma coisa não o podem acusar: de ter cometido ilícitos relacionados com o cumprimento dos Estatutos. Antes pelo contrário, quando estava para ser marcada uma Assembleia destitutiva, decidiu demitir-se, para dar voz aos sócios na escolha de outra direcção, sem perda de tempo.

Godinho Lopes não foi expulso de sócio, pela sua incompetência governativa. Aliás, com base nesse critério, muitos presidentes deveriam ter sido expulsos. Godinho Lopes foi expulso por revanchismo, por uma Direcção que logo aí deu os primeiros sinais de fumo da sua natureza, mostrando ao que vinha. Quem vivia num mundo de ilusão paralelo é que não percebeu. É curioso constatar que essa expulsão fosse aceite como uma coisa natural sem significado, sem protesto, sem indignação

Godinho Lopes que até tinha  dinheiro seu  no Sporting, aceitou a decisão e retirou-se para a sua vida privada, porque a tinha, sem qualquer alarido. Deixou de ser sócio, mas não deixou de ser sportinguista, nem andou pela comunicação social a fazer-se de vítima, que na minha perspectiva e em certo sentido, até foi.

O presidente que agora foi expulso e os seus fanáticos apoiantes, são (serão)  um caso de estudo na história do Sporting. Com ilusionismo mascarou a realidade e pintou-a com as cores do arco-íris. Após um processo de destituição, durante o qual violou os Estatutos, procurou inviabilizar uma AG legalmente marcada, e criou órgãos paralelos. Já depois de destituído, recusou sair de Alvalade, boicotou contas e procurou impedir a entrada da Comissão de Gestão. Quando saiu não deixou um Clube mais sólido, antes pelo contrário.

O presidente que agora foi expulso, continuou e continua a assombrar a vida do Clube. Depois de ter  decidido de tarde que já não era sportinguista e de manhã que voltava a ser, depois de  querer ser candidato à presidência quando já não podia, depois de  insultar os associados que votaram a sua destituição, depois de continuar a insultar os que o iam expulsar, ainda tem o apoio de uma minoria ruidosa.

Esta gente que demonstra estar refém do culto a uma pessoa como um salvador, não pode ser verdadeiramente sportinguista. E se o for, tem de optar entre a adoração fanática a uma personalidade, ou o apoio incondicional a uma Instituição com 113 anos de história e dezenas de presidentes. Esta Instituição continuará, e a actual Direcção e as que vierem a seguir, cumpridos os seus mandatos, não passarão de meras notas de rodapé. Porque o que continuará a persistir é o Sporting Clube de Portugal, obra de milhões de anónimos, passados e vindouros.

Este Clube urge estabilidade e união. Sem elas nunca se conseguirão grandes vitórias. Mas a estabilidade e a união não podem ser construidas em constante confronto. E para isso há momentos em que é imprescindível fazer rupturas. Nenhuma planta cresce no meio de ervas daninhas. Receio que este corte, necessário,  ainda não tenha eliminado a raiz.

Entretanto, a nova época está à porta. O Sporting, que em condições difíceis, conquistou mais títulos na campanha que terminou, que nas cinco anteriores, vê a sua Direcção vaiada por uma minoria deveras fanatizada. Os nossos dirigentes e atletas merecem respeito. Se a cegueira não deixa alguns ver isso, os que põem o Sporting acima de líderes transitórios, devem mobilizar-se no apoio ao Clube.

publicado às 03:35

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds