Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Acreditar sem ver

Rui Gomes, em 11.05.21

mw-300.pngNão sou uma pessoa religiosa, e até aprendi muito recentemente que me qualifico como uma analfabeta emocional, mas creio que a transcendência de acreditar em algo que não vemos e que não sabemos bem explicar é das experiências mais fascinantes da vida humana, e essa é uma fé que perpassa toda a nossa existência, caso a saibamos cuidar, nos vários parâmetros da nossa vida.

Como, por exemplo, o desportivo. Invariavelmente, no final de cada época, as cores até podem mudar, mas a frase é sempre a mesma: "Para o ano é que é!"

A crença infindável do amor clubístico, ano após ano, não deixa de ser chocante, porque mesmo perante as maiores desgraças e tristezas infligidas, permanece mais ou menos intacta, também por nossa escolha. E é devido a esse amor invisível que os clubes são o que são, mesmo quando ficam, como é o caso atual do Sporting, 19 anos sem conquistar um campeonato nacional.

A última vez que o Sporting foi campeão eu tinha 14 anos, vivia na ilha e mal sabia ainda o que era o futebol, quanto mais o mundo. Rúben Amorim tinha 19 anos e estava a iniciar a carreira de jogador e Nuno Mendes e Tiago Tomás ainda nem tinham nascido, ou seja, nunca viram o seu clube ser campeão. O FC Porto (e o Benfica) que me perdoe, mas esta é uma história muito bonita e até merecida, depois daquele 5 de março de 2020 de muita fé de Rúben Amorim (e do baque que foi a eliminação da Liga Europa...):

"Eu pergunto: e se corre bem?"

E não é que correu mesmo?

Excerto do artigo de Mariana Cabral em Tribuna Expresso (disponível aqui)

publicado às 03:17

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


1 comentário

Imagem de perfil

De Julius Coelho a 11.05.2021 às 11:11

Ainda não Mariana, ainda não, não façamos agora como fez a lebre á tartaruga.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Cristiano Ronaldo