Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




As Notas de Julius 2023/24 (09)

Julius Coelho, em 06.10.23

Nesta rubrica, o leitor tem a oportunidade de apreciar - e se entender, criticar as notas (0-6) que eu atribuí aos jogadores do Sporting CP e a outros intervenientes do jogo com o Atalanta da 2ª jornada da Liga Europa (fase de grupos), que resultou numa derrota por 2-1. Golo de Viktor Gyokeres 76' (Pénalti)

OS LEÕES OFERECERAM A PRIMEIRA PARTE E 2 GOLOS, TIVERAM REACÇÃO E... QUASE QUE EMPATAM

Jogar toda uma primeira parte numa frequência de competitividade errada, contra uma equipa muito atlética e com elevada intensidade, teve consequências bem decisivas no resultado. Os italianos entraram fortes e abafaram por completo o meio campo leonino, empurrando-o para trás, sem surpresa marcaram por duas vezes e não permitiram que o ataque do Sporting chegasse sequer perto da sua área. Os leões mantiveram-se sempre muito recuados e sem espaço para impor o seu jogo, sem conseguirem adaptar-se às marcações cerradas dos jogadores italianos.

Ao intervalo Rúben Amorim rectificou o equívoco da estratégia inicial, fez entrar três elementos, entre eles Coates, para a 2ª parte, e viu-se um outro Sporting, totalmente transfigurado. Sob a batuta do capitão, a equipa ganhou confiança, passou finalmente a ganhar os duelos aos italianos e a provocar espaços na sua defesa, invertendo os papeis, passou a ser a equipa de Bergamo a ter que recuar, para defender de qualquer forma a vantagem do resultado. Marcou o golo que já se adivinhava, reduzindo a diferença no marcador e que voltou a empolgar o público de Alvalade e ainda teve ocasiões claras para empatar, com uma bola no poste com o guarda redes italiano batido, o que daria melhores perspectivas na luta pelo 1º lugar do grupo. 

jl4_2642.jpg

DESTAQUE - VIKTOR GYOKERES - 3.5 - Não fez um bom jogo, sempre com marcação em cima por 2/3 adversários e sem apoios perto em toda a primeira parte. Com a melhoria da equipa no segundo tempo, conseguiu fugir por várias vezes à marcação e aparecer em lances com perigo na área italiana. Foi agarrado pelo Toloi que devia ter sido expulso com segundo amarelo. Marcou bem o penálti, fazendo o golo que voltou a dar esperança à equipa.

ANTONIO ADÁN (Cap) - 3 -Sofreu 2 golos sem possibilidades de defesa, no primeiro foi fuzilado, no segundo ainda faz defesa  incompleta, mas a bola sobrou de novo para o avançado italiano que de baliza aberta colou-a nas suas redes. Impôs-se sempre nas alturas, nas bolas cruzadas para a sua área.

IVÁN FRESNEDA - 1 - Muito inadaptado nos movimentos quando na posse da bola. Excedeu-se várias vezes nos espaços largos que deu nas suas costas e que foram sempre explorados e aproveitados pelo veloz Ademola Lookman. Inexplicavelmente desistiu de acompanhar o seu opositor que entrou na área isolado e fez o 2º golo italiano. Teve dificuldades em ler o jogo, perceber que teria que ser mais posicional a fechar o espaço entre ele e o colega costamarfiense.

OUSMANE DIOMANDE - 2.5 - A inadaptação do Fresneda que abriu sempre demasiado espaço no corredor, pô-lo em toda a primeira parte à beira de um ataque de nervos, perdeu confiança e andou à deriva sempre atrás do avançado nigeriano do Atalanta que fez o que quis. Recompôs-se na segunda parte com as rectificações feitas pelo seu treinador e acabou em bom plano, fazendo o remate defendido com o braço e que resultou na grande penalidade.

GONÇALO INÁCIO - 3.5 - Não sabe ser comandante, ninguém ainda lhe passa cartão, quando assume o centro da defesa terá que assumir a autoridade e aprender a orientar os colegas nos movimentos, tudo isso lhe faltou em toda a primeira parte. Na outra missão, cortou tudo pelo chão e pelo ar, levou sempre a melhor numa luta dura e sem tréguas com os avançados italianos. Quase que faz golo em 2 golpes de cabeça, o primeiro em excelente posição, a um metro da baliza cabeceou ao lado.

MATHEUS REIS - 2.5 - Voltou a dar muita disponibilidade física, mas faltou-lhe mais futebol, mais tino nas decisões, sempre muito precipitadas e esforçadas. Onde andava no primeiro golo da Atalanta? Lance que foi construído e desenhado na sua zona. 

NUNO SANTOS - 2 - Exibição aquém do esperado na estreia do seu novo look do cabelo, nunca se adaptou ás marcações apertadas dos italianos, foi sempre presa fácil e foi engolido em toda a primeira parte. Sem surpresa já não voltou na 2ª parte.

MORTEN HJULMAND - 1 - No espaço de 4 dias completou 2 noites desesperantes, mostrando uma insegurança inédita numa posição no terreno que é decisiva na estratégia do seu treinador. Nunca entrou no jogo e foi atropelado pelo meio campo do Atalanta, nem a sua melhor arma, a exuberância física fez qualquer diferença, perdendo sempre nos duelos, foi elemento a menos na equipa e por tudo isso também ficou no balneário após intervalo.

HIDEMASA MORITA - 3 - O melhor elemento do meio campo durante o pesadelo da primeira parte, uma ilha pequenina no centro do vendaval italiano e que pouco ou nada se notou, mas nunca se afundou. Vingou-se na segunda parte, ajudando a carregar a equipa para a frente a que obrigou os italianos a provarem do seu próprio veneno. 

PEDRO GONÇALVES - 2.5 - Uma primeira parte em que fez o que pôde mas não o que sabe. Sentiu o orgulho ferido, não é normal vê-lo durante tanto tempo a cheirar a bola. No segundo tempo e já com as posições de toda a equipa rectificadas no terreno fez jus aos galões assumindo a guerra, ganhou a maioria dos duelos e ajudou a empurrar os colegas para a tomada do castelo de Bergamo.

PAULINHO - 1 - Foi desactivado na estratégia apresentada pelo treinador do Atalanta, muito isolado nas suas acções em toda a primeira parte, perdeu a maioria dos duelos sempre por antecipação, deixou-se empurrar para caminhos que não conhece, como ter que fechar perto da sua área. Não voltou para a segunda parte.

SEBASTIÁN COATES - 3.5 - Que diferença! Foi "El Comandante" que a equipa necessitava quando o barco parecia que estava irremediavelmente perdido, prestes a afundar-se. A importância que tem na orientação da defesa e nas saídas de bola, supera a sua já excelente qualidade técnica e física em que faz a diferença. Estancou de vez a hemorragia dos lances perigosos do adversário.

GENY CATAMO - 3 - Mexeu claramente com o jogo, foi a chave que ajudou a abrir as portas de ferro do castelo italiano, teve o empate nos pés, o guarda redes italiano já batido e com a bola a decidir bater no poste e voltar para trás, seria explosivo nas bancadas de Alvalade. Foi duramente alvejado com faltas bem duras pelos italianos que nunca encontraram a fórmula de o parar.

MARCUS EDWARDS - 3 - A par do colega moçambicano entrou bem no jogo, confundiu o adversário provocando-lhe inesperados desequilíbrios e que geraram surpresa no treinador italiano, que se viu obrigado a reagir, fazendo várias substituições, metendo mais médios e defesas para conseguir parar a dupla endiabrada.

RICARDO ESGAIO - 2.5 - Trouxe melhor equilíbrio nas acções defensivas pelo seu corredor, aliviando o colega Diamonde que pôde respirar finalmente do sufoco que o Fresneda lhe provocou na primeira parte. Obrigou o avançado nigeriano a emigrar para outras zonas mais recuadas do terreno. Leu bem o jogo e sabe de cor os movimentos básicos da equipa, soubesse ele também decidir melhor os lances e seria jogador para outro patamar.

DANIEL BRAGANÇA - 1 - Uma substituição que ninguém entendeu, aos 90'? Ía mudar o quê? Entrou, deu uma sarrafada num italiano (pisão), levou amarelo e consequente livre perto da sua área.

RÚBEN AMORIM - 2 - A versão estratégica da primeira parte foi um autêntico fiasco, com uma frequência competitiva muito errada comparada com a dos italianos, que foram sempre mais rápidos e intensos a ocupar os espaços em todas as zonas do terreno. Viu a sua equipa engolida e sem nunca conseguir adaptar-se ao jogo do adversário, que fez 2 golos sem surpresa perante a supremacia que apresentou. Com o Suicido à vista e em modos acelerado esperou impacientemente o intervalo para refazer tudo de novo, Leu o que falhou e rectificou posições no terreno, fez revolução com a entrada de 3 elementos e finalmente se viu a equipa que é líder do campeonato nacional a jogar futebol, a desenvolver o seu jogo e a obrigar os italianos a recuarem e a provarem do seu próprio veneno, pena que já não foi a tempo e o poste da baliza do Juan Musso também não deixou.

GIAN PIERO GASPERINI - 4 - Viu a sua equipa fazer uma primeira parte irrepreensível, surpreendendo o leão no seu covil. O Gasperini é um treinador ardiloso, montou bem a estratégia numa base muito atlética e exigente na velocidade e intensidade dos seus jogadores, com o bloco muito subido e marcando bem em cima as saídas de bola do Sporting, asfixiando-o. Os 2 golos apareceram com naturalidade numa primeira parte bem conseguida e tornaram-se decisivos no resultado final. Viu-se surpreendido na forte reacção do Sporting na segunda parte e que quase chega ao empate, assustou-se e viu-se  obrigado a reagir, a meter mais defesas e médios defensivos para salvar a vantagem e a vitória.

ALEJANDRO HERNÁNDEZ (Árbitro) - 3 - Uma arbitragem muito autoritária, com pulso forte e determinado nas decisões, manchada por um erro grave, quando não teve a coragem de expulsar o Toloi, num lance que agarrou ostensivamente o Gyokeres, depois deste ganhar-lhe a frente para sair no contra ataque, seria o 2º amarelo e expulsão aos 83'.

GUILLERMO QUADRA (VAR) - 5 - A coragem que faltou ao árbitro, teve-a o VAR, quando não teve dúvidas em assinalar a grande penalidade por mão clara na bola do Scalvini dentro da sua área a remate do Diomande.

publicado às 02:35

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


54 comentários

Imagem de perfil

De Julius Coelho a 06.10.2023 às 11:45

João Gil, algures nos meus comentários de hoje, abordo essa questão, até que ponto os jogadores tinham instruções para mudarem o chip, que lhes foi de facto transmitido ao nível das prioridades, ficou uma ideia que não levaram o jogo como prioridade máxima e jogar benzinho contra este tipo de adversários è muito insuficiente correndo riscos de alguma tragédia no resultado.

Perceberam que tinham que dar algo mais e na segunda parte fizeram-no, tarde mas mostraram que se quiseram acompanham qualquer ritmo. Imagino que ja será difícil acabar em primeiro no grupo e com isso "ganharam" mais 2 jogos na competição, vão ter que desgastar-se contra um futuro frustrado da champion League.

Acredito numa resposta de todo diferente no Domingo.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D




Cristiano Ronaldo