Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Assim não, Jesus !

Leão Zargo, em 22.10.16

 

Jorge Jesus.jpg

 

Quando se avalia o desempenho de Jorge Jesus no Sporting é inevitável que se recorde o seu salário. É um dos dez ou quinze treinadores melhor pagos no Mundo. Foi contratado com um vencimento assim porque consideraram-no (e ele considera-se) um técnico muito especial com elevadíssimo grau de sucesso competitivo. E porque com ele os jogadores rendem muito mais. Afinal, Jesus é o Mestre da Táctica.

 

Esta é uma ideia que pode corresponder à realidade, mas não se está a verificar no Sporting nesta época. As saídas de João Mário e de Slimani e a lesão de Adrien revelam um treinador com dificuldades para acertar as agulhas no campo. Entretanto, o tempo vai passando e os jogadores que entraram neste defeso parecem corpos estranhos na equipa. Quando se observa Campbel, Markovic, André, Alan Ruiz e Elias fica-se com a ideia de que não percebem o que Jesus pretende deles. O problema de Petrovic é de outra dimensão, Castaignos e Meli continuam desaparecidos e apenas Douglas terá entrada certa nos próximos tempos. Dos restantes, Bas Dost parece integrado, Spalvis está lesionado e Beto constitui um caso à parte.

 

Sempre que o nome de Jorge Jesus surge associado a jogadores da Academia há muitos sportinguistas que receiam pela visão e opções do técnico. Com ele apenas Gelson Martins e Rúben Semedo, por razões naturalmente diferentes, conseguiram furar a malha. Carlos Mané foi para a Alemanha e Matheus Pereira continua na equipa B. Palhinha, Francisco e André Geraldes, Iuri, Podence e Wallyson continuam a ganhar tempo de jogo emprestados a outros clubes porque nunca teriam em Alvalade. Por um lado, isso é bom pois voltarão mais fortes. Mas, por outro lado, como alguns deles são jogadores de grande cultura táctica e de conhecimento dos processos de jogo, questiona-se se não seriam muito úteis no Sporting, nomeadamente quando as estrelas que foram contratadas não se integram nas ideias e nos propósitos do treinador.

 

Começa a tornar-se cansativo ouvir Jorge Jesus a justificar os maus resultados. No caso do Sporting-Borussia Dortmund foi deprimente. Creio que nem ele acredita quando se justificou com a fraca experiência europeia dos jogadores do Sporting, em comparação com os alemães. Foi um sinal de desnorte, pois há muito tempo que não tínhamos uma equipa com um percurso competitivo como o desta. As expulsões do banco que ele tem sofrido também são um mau indicador.

 

A capacidade de trabalho e a exigência profissional de Jorge Jesus são sobejamente conhecidas. É urgente que ele as aplique com proveito ao futebol do Sporting.

 

publicado às 12:27

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


42 comentários

Sem imagem de perfil

De Adverso a 22.10.2016 às 22:09

Há várias falhas, a meu ver, a apontar no Sporting, que envolve toda a estrutura. O planeamento efectuado pelo treinador, parece-me exceder ao que neste momento o que o Sporting pode suportar, não pelas questões financeiras, pois isso afecta todos os clubes nacionais, mas, por um panorama geral.
Não esqueçamos que apesar da brilhante época que o SCP fez a nível nacional, não foi uma lufada de ar fresco para a equipa técnica e para o plantel. Não perderam o campeonato indignamente, mas, estou certo que afectou psicologicamente toda a equipa, tecnicos e jogadores. Agora, reflecte-se nesta época o desgaste emocional e a pressão pelos resultados que deveriam ter surgido e não surgiram.
Sei que Jorge Jesus é um grande técnico, mas, acho que é uma contratação descaracterizada para o que o SCP precisa neste momento. Também não há que deitar culpa na presidência, pois, qualquer presidente, tendo a possibilidade de contratar um treinador campeão, contrataria. talvez o grande pecado foi ter se olhado mais para o passado de vitórias do SPC do que para a realidade do clube.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 22.10.2016 às 22:13

Aborda uma temática que dá pano para mangas e hoje talvez não seja a melhor altura para o fazer.

Há muito que sou crítico desta Direcção e nunca concordei com a contratação de Jorge Jesus. Mais do que o custo, preocupa-me, desde o primeiro dia, o escopo de autoridade que lhe foi concedido.

Ainda voltaremos a debater esta questão.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D




Cristiano Ronaldo