Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

img_240x200$2015_10_26_19_11_45_1006496_im_6358148

Começa hoje (ontem) a época futebolística 2018/19, com realização da Supertaça correspondente aos vencedores do Campeonato Nacional e da Taça de Portugal de 2017/18. O FC Porto foi a melhor equipa da época passada e mereceu o título conquistado; o Aves soube explorar com mérito o 'hara kiri' histórico do Sporting, numa final que nunca se deveria ter disputado nas condições em que se realizou. Não houve coragem suficiente para se perceber que a integridade da competição não estava salvaguardada; não se pode promover uma final de uma prova tão marcante como a Taça de Portugal - a segunda prova mais importante do calendário futebolístico indígena - quando uma das equipas finalistas havia sido assaltada na sua dignidade, de um modo bárbaro e sem precedentes à escala universal. Mas quando toca a coragem - e a decisões difíceis -, sabemos o que acontece: normalmente, nada. E é nestes momentos que falha a liderança.


Chegamos a este ponto e nenhum dos candidatos ao título parece preparado para um arranque indiscutível de força e poderio.

É o Sp. Braga que parece mais sólido e compacto e mais perto de uma versão final, e não espanta que os seus responsáveis sejam portadores de uma mensagem optimista. O Sp. Braga cresceu o suficiente para poder aspirar ao título, com aposta em bons jogadores e treinadores e, através da proximidade entre Luís Filipe Vieira e António Salvador, acentuada com a permanente bílis lançada por Bruno de Carvalho, o ataque estratégico desferido ao Sporting, no sentido de começar por ocupar a 'terceira vaga', em que Abel Ferreira surge como uma 'peça' dessa estratégia, tem tudo para se desenvolver em 2018/19, principalmente num quadro de ainda maior fragilização do clube de Alvalade, imposta pela loucura do seu ex-presidente.

O FC Porto parte com duas indiscutíveis vantagens: a de ser o campeão e de ter a baliza melhor defendida.


Esta questão dos guarda-redes é muito curiosa. Na época passada, Sérgio Conceição começou por identificar um problema na baliza (com Casillas), e depois rectificou o tiro, porque José Sá não o deixou ficar bem na fotografia. O Benfica não soube, em momento algum, suprir a saída de Ederson e o mais incrível é que a questão ainda não está totalmente resolvida. O Benfica não tem um guarda-redes que lhe dê total confiança e, apesar dos ténues progressos, a desconfiança sobre Vlachodimos permanece; o Sporting ainda menos, Viviano parece ser uma carta fora do baralho antes de o jogo começar. Criar as condições para a fuga de Rui Patrício foi insensatez pura.

 

Nenhuma equipa pode aspirar a ser campeã nacional se tiver um problema na baliza. Parece indiscutível que piorou a qualidade entre os guarda-redes dos 'grandes' - e isso é um péssimo ponto de partida e algo inaceitável num candidato ao título.


Na hipótese de Marega ser vendido, o ataque perde peso e passa a ser… 'de franguinho'. Pairam muitas dúvidas sobre o campeão nacional e Sérgio Conceição deve estar à beira de um ataque de nervos.

No Benfica, a questão Jonas durou tempo de mais.


A equipa está com boas dinâmicas ofensivas, do meio-campo para a frente, mas muito vulnerável no processo defensivo.


Começar uma época com a sensação de que a questão do guarda-redes e dos centrais não está resolvida – outra vez – parece ser ‘coisa de amadores’.


Gedson é promessa, e jogador a seguir, mas o último jogo colocou algumas reticências. Talvez não esteja no ponto de ser ‘certeza’ e aposta segura no ‘onze’…


E o caso Jonas conhece ainda muitas sombras: como é que principal ‘solução’ passa a principal ‘problema’? A questão clínica ‘das costas’ serve para justificar um não acordo? A pouca utilização de Jonas na pré-época foi uma questão clínica ou um ‘duplo cartão amarelo’ do Benfica? Ficar com Jonas contrariado nunca seria boa ideia. Contudo, com esta venda, o (novo) ataque do Benfica e de quem o escolheu ficam sob pressão e Rui Vitória com via aberta para o 4x3x3. Interrogações a mais, a poucos dias do início da operação Champions!

No Sporting, são várias e de diferentes dimensões as questões em aberto.


Desde logo, o campeonato vai começar sem se saber quem vai ser o próximo presidente do Sporting.


Os leões debatem-se com uma questão directiva e, enquanto a não resolver, em regime de maior estabilidade, terá poucas possibilidades de alcançar êxitos no futebol.


No plano desportivo, posso estar enganado mas acho que a nova aposta em Jefferson tem tudo para correr mal. Não parece concentrado. Um defesa-esquerdo consistente daria possibilidade de Acuña poder ser uma boa solução para '8': é agressivo, tem os dois 'tempos de jogo' (defensivo e ofensivo), chuta e serve bem… Libertaria Bruno Fernandes para ser o principal apoio a Bas Dost, embora ainda haja Nani para essas funções… Badelj - grande perda!


Battaglia chega para '6'? Não parece. E é óbvio que falta mais um ponta-de-lança…

Vamos ver se todas estas dúvidas, interrogações e fragilidades não vão aumentar o ruído em 2018/19. A coisa promete… como sempre, ainda por cima com o sector da arbitragem mergulhado outras vez num regime de opacidade.

 

Rui Santos, jornal Record

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:32

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


10 comentários

Perfil Facebook

De Indiana Julio a 05.08.2018 às 11:03

Quando nao se tem cao caça-se com gato.
Ja imaginei o Peseiro experimentar um 4231
com 2 jogadores na posiçao 6 ,Battaglia e...... Acuna.
Pelo menos nos treinos eu experimentaria.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 05.08.2018 às 13:02

Acuña, em termos de luta por bola e espaço, até se poderia adaptar, o problema é que ele não temperamento para a posição "6". Se o Battaglia já se excede com faltas, dá para imaginar Acuña, além dos constantes protestos com a arbitragem.
Sem imagem de perfil

De antonio a 05.08.2018 às 13:16

Se vestisse azul com patrocínio Altice tenho a certeza que isso não seria um problema!
Perfil Facebook

De Indiana Julio a 05.08.2018 às 19:29

mas se nao vier mais ninguem nao deixa de ser uma possibilidade valida
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 05.08.2018 às 20:07

Na minha opinião, não.
Sem imagem de perfil

De Cris Dileo a 05.08.2018 às 17:18

Falta um DE titular (não sei se Coentrão é hipotese)
Falta um "6" para alternativa a Bataglia (Palhinha poderia ser opção)
Falta um avançado mais movel - acho que Gelson Dala podia ser interessante

Ontem o Porto estreou um puto de 19 anos - nós andamos com medo de os lançar aos 23.

A regra tem sido - quando há dinheiro esquece-se a formação e quando não há é que se aposta.

Agora não há dinheiro nem aposta na formação.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 05.08.2018 às 17:34

Bem... o Gelson Dala não comento porque não faço a mínima ideia como ele está neste momento, mas o João Palhinha é uma faca de duas gumes.

Ou seja, podia ser alternativa a Battaglia mas está na fase da sua carreira em que precisa de jogar com regularidade. É uma situação complexa!
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 05.08.2018 às 17:45

Perdão... "dois gumes".
Sem imagem de perfil

De Cris Dileo a 05.08.2018 às 18:02

Se fosse a segunda opção, creio que ia jogar com alguma regularidade.

De qualquer forma e isto é apenas uma opinião propria - podiamos partir para esta epoca com 2 prespectivas:

1. Assumir que depois do que aconteceu, não eramos candidatos ao titulo e apostar na prata da casa - Domingos Duarte, Dala, Palhinha, Mané, Geraldes etc

2. Tentar remediar ao maximo o que aconteceu e apresentar a melhor equipa possivel para sermos candidatos ao titulo (que é o que SC está a fazer)

As duas têm os seus pros e contras, mas a medio prazo creio que a primeira poderia dar mais frutos, não só porque em termos financeiros nos dava mais alguma folga e depois poderia tambem significar um crescimento efectivo desses jogadores, tal como aconteceu com Gelson, Ruben, João Mario e até Podence e Rafael Leão.

Imagem de perfil

De Rui Gomes a 05.08.2018 às 20:08

Não se deve apostar em tantos jovens em simultâneo, tanto pela equipa como por eles próprios.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo