Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




BL_Teaser_BL-Logo_Pitch_HD.jpg

O campeonato alemão de futebol vai regressar com público, a título experimental, depois de os governos regionais terem chegado a acordo que estipula um limite de 20 por cento de espectadores relativamente à capacidade dos estádios.

O modelo acordado pelas Landers alemãs vale por seis semanas, após o que haverá lugar a reavaliação.

"Será uma espécie de experiência, um balão de ensaio", disse o ministro-presidente da Baviera, Markus Söder, à saída de uma reunião que juntou representantes dos Landers, as regiões do país.

Haverá desde já algumas limitações, a começar pela incidência local de Covid-19, que não pode ultrapassar os 35 por 100 mil pessoas em média semanal.

Os espectadores terão de estar bem espaçados no estádio, os bilhetes são nominativos e os adeptos dos clubes visitantes não são autorizados a assistir.

O acordo deixa pouco tempo aos clubes para se organizarem, já que a Bundesliga regressa na sexta-feira.

A Alemanha é o país europeu com maior afluência de público nos seus escalões principais de futebol: os números mais recentes apontavam para 44.000 espectadores em média na primeira liga.

O regresso do público já foi devidamente ensaiado no último fim de semana, nos jogos da Taça da Alemanha. Em Magdeburgo estiveram cinco mil nas bancadas e em Dresden 10 mil.

Reportagem da Lusa

publicado às 03:04

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


7 comentários

Sem imagem de perfil

De Paulo Salcedas a 16.09.2020 às 08:02

Assim como na Polónia já na época passada foi permitida uma lotação de 15% e não me consta que fosse por isso que aumentaram os casos de covid.
Em Portugal, a continuar assim, receio bem que hajam clubes em imensas dificuldades.
Imagem de perfil

De Fernando Albuquerque a 16.09.2020 às 09:08

Rui Gomes

Por muito que custe a muitas pessoas esta epidemia é horrível . Na minha idade já acompanhei outras, que mataram milhões de pessoas, mas nada comparada com esta que se transmite, com muita facilidade, pois o vírus está em todo lado. No que diz respeito ao futebol, acho uma teimosia da parte da DGS, não querer pessoas nos estádios. Aceitam todas as manifestações, com as pessoas a não cumprirem as regras impostas, e por isso não consigo perceber qual a dificuldade em haver público nos campos de futebol cuja localização é ao ar livre, com bastante espaço para se cumprir o tal distanciamento exigido.
Compreendo, que não possam ter a lotação esgotada e certamente que esta imposição vai durar, enquanto não se conseguir parar este vírus.
Acho caricato dizerem que as pessoas do futebol se manifestam com os golos e se abraçam e beijam etc. e eu que vejo futebol desde 1949, nunca me abracei a ninguém, que estivesse sentado a meu lado e que não fosse meu familiar.
São birras incompreensíveis que o "povo sereno" suporta nas calmas e que quem paga são os clubes que são os suportes de muita coisa que existe neste País. Fernando Albuquerque (SCP)
Sem imagem de perfil

De MAV a 16.09.2020 às 13:52

Se diz que acompanhou outras epidemias e vê futebol a tanto tempo acha que a um jogo de futebol só vão familiares?? Muitos são amigos ora cada um tem a sua família o seu trabalho que implica colegas de trabalho mais contactos etc.. a isso se chama cadeias de transmissão
Sem imagem de perfil

De Fernando Albuquerque a 16.09.2020 às 17:20

MAV

Agradeço a sua tentativa de me dizer o que são cadeias de transmissão, mas isso acontece em todos os lados e muito menos nos campos de futebol se estes tiverem uma reduzida assistência, que pode perfeitamente cumprir o distanciamento previsto. Quanto aos festejos nunca abracei ou beijei as pessoas que estão ao meu lado a não ser os meus familiares., que são o filho ou 2 netos. , porque os outros 5 gostam de outra cor. Fernando Albuquerque (SCP)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.09.2020 às 13:12

RUKA ANDARAM UNS KAGÕES A KAGAREM-TE A SALA TODA, JÁ LIMPASTE A MERDA KE TE FIZERAM AKI??? FODASSE OS KAGÕES PENSAM QUE TU ÉS MULHER A DIAS PRA ANDARES DE ESFREGONA NA MÃO A LIMPAR O KÓKÓ KE OUTROS FAZEM NA TUA KASA?

ATÉ UMA GAJA TE DISSE KE SÓ FAZIA KÓKÓ, KÓKÓ E MERDA NÃO É A MESMA COISA RUKA?


AMANDA OS KU KARALHO, OU CHAMA O TEU AMIGO CITY LION KIÉ DOS MAUS
Sem imagem de perfil

De Geraldes CB a 17.09.2020 às 00:37

Creio que por cá estamos perto dos 40 por 1000 habitantes.

O exemplo que se viu, há dias, em França é demolidor: todos aos montes, aos pulos e abraços como se estivéssemos em 2019.

Creio, porém, que é um problema essencialmente de determinados setores, como os referentes às claques, cujos elementos estão frequentemente alcoolizados e/ou drogados.

A título de curiosidade, para se perceber como muitas pessoas funcionam, hoje a minha esposa teve uma reunião com a diretora de turma da minha filha. Pois bem, dentro da sala, todos os pais tinham as máscaras postas. Ao fim de 10 minutos, a professora tirou a máscara, dizendo que não conseguia aguentá-la e passou o resto da reunião sem ela.

No final da reunião, a minha esposa dirigiu-se ao seu automóvel e cruzou-se com as restantes mães, que estavam em grupo a falar descontraidamente, sem máscara posta.
Sem imagem de perfil

De Abrenúncio da Costa a 17.09.2020 às 01:11

Acho muito bem. As máscaras não servem para nada, são inúteis e perigosas, é criminoso o que andam a fazer às crianças. Na Suécia nunca foram utilizadas máscaras e o próprio Anders Tegnell já afirmou mais do que uma vez que as máscaras são perigosas.

Ciência sobre máscaras, feita por especialistas:

Aumento do CO2 ventilatório provocado por uso de máscara de elásticos.
Com detetor no ar livre interior temos uma concentracao de 430 p.p.m.
Aos 10s na máscara temos 1.900 p.p.m.
Aos 20s temos 4.000 p.p.m.
A partir de 60s o detetor atinge o valor máximo de 10.000 p.p.m.
O limite legal máximo de CO2 nos submarinos é de 9.000 p.p.m.
Nos locais de trabalho normais é de 1.200 p.p.m.
Em exercicio, como caminhar, causa "hipercapnia". Doença grave.

Como se pode obrigar não profissionais e crianças a usar isto durante horas?
A "hipercapnia" provoca redução da atividade cerebral e sonolência.
Nos doentes com doença pulmonar obstrutiva ou obstrução da via aérea superior pode ter consequências muito graves.
O argumento de que o volume dentro da máscara é pequeno é irrelevante e falso, porque depois de se atingirem as 10.000 p.p.m. esse valor mantém-se estável, não oscilando com os ciclos respiratórios.

Bom senso é preciso. A máscara é um símbolo de submissão. Será por isso que os ignorantes políticos...?

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo