Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

mw-860 (2).jpg

  

Exmo. Senhor

 

Bruno de Carvalho, Presidente

 

Estádio José Alvalade
Rua Professor Fernando da Fonseca Apartado 4120,
1501-806 Lisboa

 

“I wonder if you're lonesome tonight
You know someone said that the world's a stage
And each must play a part...”

 

maxresdefault.jpg

 

Parabéns, Presidente.

 

Espero que esta o encontre bem, mas a fazer fé em tudo o que se diz a coisa não está famosa, pois não? Ele há semanas levadas da breca e parece-me que o Presidente está a atravessar uma dessas semanas.

 

Eu cá vou andando, meio baralhado com toda esta situação relacionada com o Sporting Clube de Portugal. Confesso que não percebo nada de assembleias-gerais, acho qualquer conversa sobre estatutos tão aborrecida como uma assembleia-geral e o futebol, digamos, já me ocupou mais tempo. Mas há algo a que não sou indiferente: aos sonhos de uma criança. São esses sonhos que fazem o mundo avançar — ainda que não seja exactamente claro para onde e em que circunstâncias.

 

Vejamos o que se passou na segunda-feira à noite. Sentei-me diante da televisão após um dia de trabalho e mais uma hora dentro do carro, sozinho, a ouvir na rádio os lamentos dos jornalistas que estavam nas instalações do clube a que preside ansiosos por conhecerem a sua decisão relativamente ao futuro. E ali estava o Presidente, o menino feito homem. O sonho feito realidade. A realidade feita pesadelo.

 

Achei-o péssimo. Cansado, zangado. É sempre assim quando estamos prestes a acordar de um sonho bom. A televisão é terrível e, como bem sabe, muitas vezes quanto pior, melhor. Fiquei a ouvi-lo, incapaz de mudar de canal. As frases sucediam-se. Veio o “tinham VAR é no raio que vos parta”, depois o “tem sido um forrobodó no telemóvel da minha mulher”, mais o “não abram a pestana, não”, e ainda o “se quisesse era o gajo mais popular de Portugal”.

 

Senti-o agastado, mas eu estava apenas hipnotizado – a tal ponto que, ao fim de cinco minutos, roguei a um familiar que me esbofeteasse com força apenas para saber que não estava a sonhar. E foi precisamente aí que proferiu as palavras que mais me tocaram:

 

“O meu sonho aos seis anos foi ser presidente deste clube.”

 

É assim que se vê a fibra das pessoas. Eu, por exemplo, aos seis anos sonhava ser jogador de futebol, um daqueles avançados que levantam o estádio com golos incríveis. Aos doze ainda sonhava com o mesmo. Mas depois, aos 14, num daqueles jogos no intervalo da escola, um colega meu, o Alfredo, que jogava nas horas, disse-me algo que nunca mais esqueci: “Tu sabes como é que se faz. Não sabes é fazer”. Foi o fim. Na altura não tinha carro, nem carta, mas se tivesse imagino que me ia sentar ao volante, sozinho, longe da família e a acelerar pela autoestrada em direção a lugar nenhum.

 

Imagine agora a minha surpresa quando, na quarta-feira à noite, leio no seu ressuscitado Facebook — talvez o mais revolucionário da era moderna do futebol português, antes e depois de o abandonar — que estava a caminho de Lisboa como se fosse um miúdo de 14 anos a quem tinham acabado de roubar o sonho mais importante no campo pelado da escola. “Dentro de 45m farei 46 anos, sozinho, na autoestrada, triste pelo resultado e longe da minha família. Isto é demais...”, escreveu o Presidente, antes, espero, de arrancar.

 

Sabe, Presidente, somos quase da mesma idade, e é uma idade dada a estas coisas. Do nada, começamos a pensar em tudo. Uns mais do que outros, é certo. Ao Presidente, por exemplo, na segunda-feira à noite passaram-lhe várias coisas pela cabeça. Veio o “vou explicar devagarinho”, depois o “está mortinho para deixar de andar na sombra e pedir aos peões de brega”, mais o “falha, saímos” e ainda o “da próxima vez que olhe para trás e veja uma parede é a vez que saio em definitivo”. O Presidente está forte nas imagens. Lembra-me o Alfredo a jogar à bola.

 

Sei que gosta de música e foi por isso que lhe dediquei aquelas pequenas palavras do Rei ao início. Não é o rei dos benfiquistas. É o Rei. Todos temos o nosso papel no curto período de tempo que passamos no berlinde azul. Veja o meu caso: podia ter sido um ponta-de-lança extraordinário e acabei a escrever cartas a pessoas que não as vão ler. Não há de acontecer consigo, ainda que as suas enigmáticas condições democráticas não me deixem muito descansado. Há três condições para tudo ficar como está depois de dia 17, duas têm a ver com alterações aos estatutos e a última é uma espécie de sim ou sopas. Agora imagine que ganha a primeira, imagine que ganha a segunda e imagine que perde a terceira. Sai? E se perder a primeira? Ainda se votam as outras duas? Ou sai logo da sala?

 

Presidente, não complique. Bem sei que o céu está cinzento, que chove e ainda está frio. Mas não é por ser o tempo ideal para o fim que o fim tem de acontecer. Por outro lado, se chegar a hora, lembre-se das palavras (emprestadas) que o Rei cantou, naquele fato branco cheio de efeitos dourados.

 

“And now, the end is near / And so I face the final curtain / My friend, I'll say it clear / I'll state my case, of which I'm certain / I've lived a life that's full /
I've traveled each and every highway / But more, much more than this
I did it my way”

 

o_elvis-presley-my-way-vol-1-4-master-session-807f

 

Faça sempre à sua maneira. O Presidente sabe como se faz.

 

Cumprimentos

 

PS: Fiquei sem saber se a festa de aniversário que a Joana estava a organizar para domingo, depois do jogo em Alvalade, sempre avança ou não... De qualquer modo, vou aparecer. Oito e meia, no Café In. É 25 euros, não é?

 

wm.jpg

 

 

 

Artigo da autoria de Ricardo Marques, jornalista, jornal Expresso

 

***Ainda agradecemos a referência ao leitor LEÃO DA GUIA.

 

publicado às 15:32

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


22 comentários

Imagem de perfil

De PSousa a 10.02.2018 às 15:58

Fixe! Gostei!
Não gosta do que eu também não gosto.
Quanto às decisões dos pontos em AG, espero que BdC seja homem de palavra!

Mas eu não vou à festa! LOL
Sem imagem de perfil

De Cris Dileo a 10.02.2018 às 16:10

Eu tambem não - mas gostava

Eu acho que BC errou tambem na data - devia ser na terça-feira de Carnaval.

Bastava uns irem mascarados de soldadinhos e outros de croquetes e era tudo mais facil
Sem imagem de perfil

De antonio a 10.02.2018 às 17:25

A classe jornalista está mais podre que nunca.

Não é que não concorde, mas a um jornalista pede-se um trabalho isento e de investigação. Se é para a prosa, mais valia trabalhar por conta própria.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 10.02.2018 às 17:39

O caro é muito exigente. Um jornalista apresenta diversos tipos de escritos, nem todos são reportagens de investigação.

Pode não gostar, mas está muito bom.
Sem imagem de perfil

De antonio a 10.02.2018 às 21:27

Talvez tenha razão. Mas olhe que ultimamente à tendência parece que é esta.

Concordo que está bom, só acho que não traz nada de útil.
Sem imagem de perfil

De Soneca a 10.02.2018 às 17:39

Provavelmente nunca ouviu falar de “artigo de opinião”
Sem imagem de perfil

De antonio a 10.02.2018 às 21:27

Sei perfeitamente o que é. Obrigado.
Sem imagem de perfil

De Soneca a 10.02.2018 às 17:41

Texto muito bem escrito, irónico, bem humorado...
E que acaba por dizer a realidade... que alguns, menos que há uns meses atrás, continuam a NÃO querer ver!
Com o tempo... vai lá.
Sem imagem de perfil

De José Sousa a 10.02.2018 às 17:46

"Eu, por exemplo, aos seis anos sonhava ser jogador de futebol, um daqueles avançados que levantam o estádio com golos incríveis. Aos doze ainda sonhava com o mesmo. Mas depois, aos 14, num daqueles jogos no intervalo da escola, um colega meu, o Alfredo, que jogava nas horas, disse-me algo que nunca mais esqueci: “Tu sabes como é que se faz. Não sabes é fazer”. "
Então o colega Alfredo não foi capaz de lhe dizer o mesmo quanto à profissão de jornalista?
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 10.02.2018 às 17:55

Está de muito mau humor José Sousa. Claro... compreende-se porque tem a ver com o "seu" Bruno.
Sem imagem de perfil

De José Sousa a 10.02.2018 às 18:10

Pouca coisa me tira o humor, sou optimista e bem humorado por natureza.
Confesso que uma derrota com o vizinho da 2a circular deixa-me um ou dois dias mal humorado.
E não tenho nada na vida como meu sem ser o amor pelas minhas filhas que levarei comigo quando morrer.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 10.02.2018 às 17:48

Um bom texto literário, alicerçado num fino humor. Quanto ao conteúdo, à matéria-prima que foi usada, só fica dever-se ao homem espectáculo, chamado Bruno de Carvalho. Mas precisa de um nome artístico mais sonante. Aceitam-se sugestões.
Sem imagem de perfil

De CFB a 10.02.2018 às 17:51

Menos mal, quando eu tinha 6 anos queria ser guarda-freio da Carris. Um sonho bem mais modesto mas, ao contrário do Dr. Bruno de Carvalho, não realizado. :)

Há uma frase muito esclarecedora neste texto: “Tu sabes como é que se faz. Não sabes é fazer”. É a chamada "chapada de realidade" que todos nós levamos ( ou deveríamos levar ) umas quantas vezes na vida. Creio que falta isso ao Dr. Bruno de Carvalho.

Admiro-lhe a paixão pelo clube. Digo-o sem qualquer sarcasmo, pois eu gosto muito do meu clube mas na minha lista de prioridades nem sequer alcança o top 10. Mas não creio que seja a pessoa indicada para o cargo. Poderia, sem dúvida nenhuma, estar num cargo até de grande importância, a defender o clube e os seus interesses, mas não nessa cadeira tão desejada que sonha desde criança. Falta-lhe a calma, os nervos de aço e a temperança, que não se compram: ou se tem ou não se tem. Falta-lhe a experiência e sabedoria, que usualmente vem com muitos anos ou com muito trabalho. Falta-lhe, sobretudo, tolerância à contrariedade ( por isso muitas vezes as suas atitudes são comparadas a birras de criança ), falta-lhe retórica e flexibilidade.

Em suma, creio que aquilo que mais o incapacita é o que de maior ele tem: a paixão. Um presidente de um clube quer-se clubista, mas, sobretudo, racional. Não nos podemos esquecer que, de um ponto de vista pragmático, não é apenas um clube, é uma empresa. Uma empresa da qual dependem muitos funcionários, atletas, contratos a honrar, patrocinadores a conquistar ou manter. E a paixão, na hora de negociar, não serve de nada. Seja com sócios, patrocinadores, atletas ou com o fornecedor de relva.

O ideal seria o Presidente pousar a camisola da claque enquanto está na cadeira que sonhou, e optar por uma via "mais gestor, menos adepto". Se não conseguir, se não aguentar, se realmente achar que não lhe dão as condições que precisa, tem bom remédio: ninguém gosta de desistir, mas também ninguém o aparafusou à cadeira.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 10.02.2018 às 17:58

O que mais o incapacita é a falta de carácter e egocentrismo, já para não dizer incompetência em algumas áreas. Mas até acredito que esteja acompanhado por algumas pessoas capazes.
Sem imagem de perfil

De CFB a 11.02.2018 às 02:30

Caro Rui,
não duvido que o Dr. Bruno de Carvalho esteja rodeado de gente competente; quanto à falta de carácter não a apontei porque, infelizmente, é intrínseco e transversal ao clubes. Aliás, eu vou ficar admirada é no dia que aparecer um dirigente que seja sério e honesto!
Sem imagem de perfil

De Fidalgo a 10.02.2018 às 18:02

Um excelente comentário.
Ninguém o aparafusou à cadeira...mas é isso mesmo que ele quer. A próxima AG é para isso mesmo. Todos a rodar o Bruno (no sentido do relógio) para ver se ele fica mesmo preso à cadeira.
Sem imagem de perfil

De CFB a 11.02.2018 às 02:26

Caro Fidalgo,

grata pelo reconhecimento. Quanto ao parafuso, de tanto o apertarem qualquer dia só salta do lugar com WD40, uma marreta e um maçarico.
Sem imagem de perfil

De joao a 10.02.2018 às 18:12

Caros CL,
Bruno Azevedo esqueceu de mencionar v. exs. no convite para a armadilha, quer dizer, sessão de esclarecimentos para a AG?
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 10.02.2018 às 19:19

Dispensamos convites para eventos inúteis!!!
Sem imagem de perfil

De joao a 10.02.2018 às 19:21

Agora mais a serio, grave foi a pagina Sporting Independente ser suspensa por denuncia do bruno... sempre vai calando alguns.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 10.02.2018 às 21:35

Desconhecia e, na realidade, não me preocupa minimamente. Não nos vai silenciar enquanto entendermos que temos algo de útil para apresentar aos leitores

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo