Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




TEORIAS DO CAOS - Imaginem que se acabam as ligas até Dezembro e até Maio se joga uma prova milionária para cobrir os prejuízos.

André Villas-Boas propôs que os campeonatos de futebol se estendam até Dezembro e que, a partir daí, se joguem em cada ano civil (ou seja, entre Janeiro ou Fevereiro e o Natal) até 2022.

image.png

Nesse ano, tudo encaixaria com perfeição, porque o Mundial do Catar está agendado para uns estrambólicos finais de Novembro. Depois, suponho, logo se veria como atalhar o necessário regresso ao calendário normal. Na minha ingenuidade, tive uma visão alternativa, na improbabilidade de que FIFA, UEFA e as Ligas saibam o que refundação e solidariedade querem dizer.

Imaginem esta alucinação, com o devido desconto por vir de um maníaco furioso e talvez com o modesto impulso de cinco ou seis cafés, não havendo nada menos legal à mão. Os campeonatos locais, a Liga dos Campeões e a Liga Europa prolongam-se até Dezembro, há campeões, apurados, subidas e descidas de divisão. As edições seguintes são marcadas para Agosto.

Entretanto, o mundo tem um desvario. FIFA e UEFA juntam-se para criar uma tremenda competição mundial conjunta, entre Fevereiro e Maio. Os operadores televisivos de cada liga aceitam interromper os contratos a troco de um prolongamento aos mesmos preços.

Os países participam todos com idêntico número de equipas, começando por apuramentos nacionais e continentais por grupos, seguidos então por uma etapa de "poule" sem divisões geográficas (para potenciar as receitas, paciência), seguida de eliminatórias até à final, sempre em duas mãos.

A partir do momento em que a competição atinja a sua fase continental, as regras são algo (agora é que precisam mesmo de ter paciência com este meu delírio) revolucionárias. Cada clube tem direito a manter 25 jogadores com um valor máximo do plantel estabelecido por algum critério a encontrar, e todos os excedentários entrarão numa poule que os atribuirá por sorteio ou, no formato da NBA, à equipa mais fraca que os escolher (só até encerrar a prova), com partilha de despesas - solidariedade é solidariedade.

Os prémios são iguais para todos, mas dois terços da receita total são distribuídos pelas competições nacionais, mediante um cálculo dos orçamentos. Não faz sentido que uma liga com uma média de gastos, por clube, de um milhão, receba quarenta, por exemplo.

O planeta não resiste a algumas lágrimas por este vincado esforço comum, a economia do futebol conserta-se, existe a microscópica possibilidade de se ter aprendido alguma coisa sobre equilíbrio, Infantino e Ceferin tornam-se os primeiros dirigentes do futebol a ganhar o prémio Nobel da Paz e, graças a um tratamento profilático com metadona, resistem heroicamente à ganância de estoirar com as ligas nacionais e repetir a coisa logo no ano seguinte.

José Manuel Ribeiro, Director de O Jogo

publicado às 05:02

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Geraldes CB a 30.03.2020 às 05:41

Entretanto, as ligas secundárias fazem o quê?

Entretanto, começamos com um plantel e acabamos com outro completamente diferente.

Entretanto, esta situação vai-se arrastando por meses e os clubes vão - TODOS - ter de diminuir drasticamente o que pagam aos jogadores, sob risco de entrarem em falência.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 30.03.2020 às 11:46

De qualquer modo, cada vez mais fica-se com a ideia que medidas drásticas terão de ser tomadas precisamente para evitar que um grande número de clubes fique sem meios para evitar a falência.
Sem imagem de perfil

De João Paulo Gonçalves a 30.03.2020 às 11:12

Bom dia, Sportinguistas!
O homem bebeu mesmo demasiados cafés...
Concordo com a ideia do Vilas Boas. Se esta situação não se voltar a repetir, é uma solução que resolve praticamente todas as questões, embora faça com que não haja competições europeias entre Outubro e Dezembro...
Não vai ser fácil o retomo do futebol à normalidade.
Vai ser ainda mais difícil no resto...
Saúde!
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 30.03.2020 às 11:43

Mais do que nunca, as provas europeias vão ser prioridade... pelas receitas.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo