Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

20022142_gWbU2.jpg

 

Agora que toda a pressão gerada para o exterior se voltou contra o próprio Sporting, aí estamos nós a analisar a performance do primeiro ciclo vital para as aspirações imediatas do Clube. Nos últimos 10 jogos obtiveram-se 3 vitórias, 3 empates e 4 derrotas. Entre aqueles que recorrem ao passado em busca de estatísticas de esperança, ou os que já perceberam que este rácio de investimento/resultados não é realista, sobram o Clube e os seus adeptos. A estratégia que nos fazia acreditar que este Sporting era um colosso competitivo, pela contratação de nomes sonantes e vendas astronómicas, afinal não passa de uma tentativa pífia de encobrimento do óbvio. O problema não está em perder jogos. O problema está na pressão colocada por Bruno de Carvalho aos atletas cada vez mais solitários, cuja mente provavelmente já cedeu perante as exigências irrealistas de quem quer fazer esquecer problemas com mais de 30 anos.

 

Sempre considerei que uma das maiores causas de infortúnio do Sporting se prendia com traumas passados de projectos inacabados ou mal-sucedidos – nos últimos 30 anos, entre as boas intenções e o grotesco, todas as planificações directivas foram delineadas e estruturadas no mais frágil dos alicerces: a inquietação entre ser aquilo que fomos um dia, ser aquilo que é possível ser no presente, ou vir a ser o que se deseja na mente mais ou menos criativa de cada um de nós. E o maior problema destes 30 anos de dirigismo no Sporting, vulgo raras excepções, foi pretender-se ser passado, presente e futuro num só momento. E isso nunca será possível.

 

Para entendermos o presente, temos de aceitar algo que correu mal no passado: a direcção que mais títulos deu ao Sporting foi a mesma que deixou o pior legado para o futuro – a interrupção abrupta de um projecto que mais ninguém conseguia terminar. João Rocha teve o sonho de materializar aquele sonho imaterializável, porque nunca foi possível em Portugal (e provavelmente nunca será) consubstanciar ecletismo com sucesso desportivo na Modalidade que mais coloca e retira presidentes da cadeira do poder: o Futebol. Portugal não tem adeptos nem meios de financiamento para que apenas um emblema atinja sucesso em modelos desportivos tão abrangentes quanto aqueles que se deseja num emblema ecléctico.

 

O modo como o projecto Rocha terminou, vulnerabilizou a estrutura do Clube e partiu o Sporting em dois. E em dois o Sporting foi caminhando ao longo de 30 anos, contra-vontade de parte a parte, porque nenhuma das partes quis ceder. Os presidentes-Adeptos nunca aceitaram os projectos dos tais presidentes-Barões, nem os presidentes-Barões pretendiam o escrutínio dos presidentes-Adeptos. A falta de consenso apenas teve um período unificador, talvez a liderança mais forte que o Sporting teve na era moderna: o “roquettismo” personificava um projecto empresarial para o séc. XXI, onde Jovic e Boloni detinham uma intelectualidade técnica e um compromisso para com as nossas raízes de formação, enquanto Manolo, Damas e Bastos asseguravam a tal mística do emblema. Contratações “na mouche” de nomes como Acosta, André Cruz, João Pinto e Jardel faziam o resto. Os últimos dois campeonatos ganhos assentaram numa estratégia que tinha mais de futuro do que de presente. E era estável, sem excessivas pressões. Com dinheiro bem gasto.

 

Sempre existiram parasitas no Sporting – o nosso querido Rui Gomes de certeza que sabe a quem me refiro – mas existia igualmente muita força verdadeiramente sportinguista no Clube. Homens fortes no Sporting mantinham o Sporting activo, tornaram-no campeão, e acima de tudo resolviam com celeridade problemas quando estes surgiam. O plantel não respeitava Inácio, mas respeitava Vitorino Bastos. Acosta um dia pegou no carro e foi sozinho buscar o “refractário” Edmilson a um dos mais badalados estabelecimentos de diversão nocturna de Lisboa, numa noite que antecedia um Derby. Hoje, proíbem-se os atletas de conduzirem viaturas “encarnadas”! Dão-se raspanetes aos jogadores das Modalidades, porque foram avistados a adquirir artigos desportivos numa loja Adidas. Hoje, figuras como Albuquerque ou Saraiva, que nada de sportinguismo nos têm para ensinar ou nos orgulhar, por “ali” passeam… Achará o leitor normal que o responsável pelo Futsal tenha mencionado no seu currículum vitae a “Responsabilidade pelo projecto de criação do Twitter e Facebook Oficial do Sporting”!? Isto não é o Sporting, porque o nosso Sporting não serve para “encher chouriços”!

 

Quando as coisas correm mal, não basta pedir aos jogadores que dêem mais. Tem de haver quem os ajude. Tem de haver quem os acarinhe. Tem de haver quem lhes “puxe as orelhas”. Mas tem de ser alguém em quem estes confiem. Alguém da estrutura. Este Sporting está lotado de personagens que se defendem a si próprios, mas nunca o mérito alheio. O que podem Bruno de Carvalho ou Jorge Jesus exigir, quando não são nem nunca foram unificadores, mas sim magnânimos na sua sapiência?  Presidente e Treinador são peças de uma engrenagem? Não. São o motor e o volante. Quando o carro não pega por falta de combustível, a culpa é do fabricante. A solução? Coloca-se os jogadores subjugados a justificarem-se perante uma plateia de adeptos insatisfeitos. Deplorável.

 

Jorge Jesus, um dia disse ao ex-jogador Simões, cheio de soberba e arrogância, que a "estrutura" nada mais é do que vitórias. Pois bem que se vê que, na ausência destas, não existe mesmo estrutura profissionalizada no nosso Clube. A sua instrução é exemplificativa do amadorismo que dominava a gestão do comércio tradicional na década de 2000. Para o Sporting não serve!

 

Não podem existir modelos “presidencialistas” no Sporting – e o que mais desejo, é que Bruno de Carvalho seja o último exemplo deste “género” que na cadeira verde do poder se acomode. Bruno de Carvalho quer resolver com dinheiro problemas de 4 gerações, não com conciliação ou rodeado de pessoas competentes ou comprometidas com futuro do que com o próprio ordenado. Bruno de Carvalho, mal assessorado como tem sido seu apanágio, foi incapaz de planear e estruturar uma acusação decente ao Benfica, antecipando os timings certos para formalizar uma acusação minimamente decente no caso “vouchers”. Foi incapaz de perceber o que significou a vinda de Markovic, Elias e o “sr. 6 Milhões de Euros”. Foi incapaz de evitar a escalada de custos nestes últimos exercícios – em relação a esta matéria, será em Janeiro/Fevereiro que todos teremos uma surpresa, daquelas que geralmente “sobravam para mim” por parte de alguns leitores, quando sobre elas escrevia.

 

A minha preocupação ultrapassa o presente. O que será o Sporting depois de Carvalho e Jesus?

 

publicado às 10:30

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


49 comentários

Sem imagem de perfil

De Schmeichel a 03.11.2016 às 13:51

Em resposta à sua pergunta "O que será o Sporting depois de Carvalho e Jesus?" Eu acho que é bem melhor do que o Sporting depois do Godinho Lopes e do Vercauteren...
Ao contrário do que escreve, eu acho que a solução para o Sporting estava bem definida no 1º ano de mandato de BdC.... corte com os fundos e empresários; aposta na formação; aposta nas modalidades; construção do Pavilhão; aumento de sócios e de receitas. Espero que BdC não se desvie do que é o seu programa!

Outra coisa bem diferente da definição da estratégia, é de facto ganhar títulos.... a estratégia pode ser muito boa, mas tens de ganhar! Mas para se ganhar em Portugal, é preciso controlar o poder....
Portanto a minha questão é o seguinte: Qual deveria ser então a estratégia para que o Sporting não seja tão prejudicado ao nível das instâncias desportivas e comunicação social? é que já exprimentámos de tudo.... desde blackout, fizemos luto às arbitragens, mas nada mudou.... e atenção estou a falar do tempo do Roquette, não do BdC...
Imagem de perfil

De Drake Wilson a 03.11.2016 às 14:14

Boa tarde Schmeichel.

A importante questão do "poder" que colocou, merece no meu entender uma abordagem mais analítica do que superficial, ao contrário do que tem sido feito em Portugal, nomeadamente nas posições oficiais do Sporting respeitantes a este assunto.

O Sporting tem de criar um novo poder. E com capacidade para tal, existem pessoas em Portugal, uma das quais gostaria de abordar num futuro texto, conforme referi ao leitor Mike1906.

Penso que Bruno de Carvalho cometeu um erro de principiante no que respeita a "poder" – desconsiderou cedo demais os empresários e os fundos. Deveria tê-los usado em benefício o Sporting, pois são estes que ainda hoje controlam as instâncias e comunicação social que você tão bem referiu.

Bruno de Carvalho nunca pensou como gestor nem como "homem de negócios". Tal acabou por não ser benéfico para o Sporting.
Sem imagem de perfil

De Schmeichel a 03.11.2016 às 15:19

Caro Drake,

É verdade que BdC e consequentemente o Sporting sofreu as consequências de se meter contra os fundos e empresários... mas eu considero esta ser a sua maior obra! Discordo de si completamente neste ponto!

Eu há muito tempo que digo que é um mito, os clubes dependerem dos empresários e fundos tanto para investir, como para vender... provou-se isso com este mandato de BdC. As maiores vendas de sempre deste ano, são o exemplo de que isso é um mito!

A ausência de fundos, obrigou-nos a virar para o essencial.... aposta na formação, e contratações criteriosas.

O exemplo do Porto e a sua relação com Jorge Mendes demonstram pela enésima vez que estas relações são muito positivas quando serve para vender por muitos Milhões.... mas existe o outro lado da moeda, que fica representado com as dezenas de contratações não prioritárias e respectivas comissões..... tudo somado, o porto perdeu muito com a relação privilegiada com Jorge Mendes.... ele conseguiu transformar uma equipa que lutava pela Champions por uma equipa que nem lutar pelo titulo consegue fazer.

Eu ainda acredito num futebol sem empresários.... devo ser um puritano!

SL
Sem imagem de perfil

De Implacável a 03.11.2016 às 14:15

Caro Schmeichel, poderia começar este comentário dizendo-lhe "bem vindo ao mundo real do futebol" mas sei que anda de olhos bem abertos há muito.
Pena que alguns insistam em continuar a dormitar...
Concordo, obviamente com o seu comentário lúcido e perfeitamente consciente da realidade do futebol mas esqueceu-se de um dado absolutamente crucial: todo o projecto que BdC pudesse ter - não sei se o tinha, não sou um devoto seguidor dele nem de ninguém, apenas amo o SCP e louvo quem ganha, quem conquista - ficou comprometido com a tresloucada contratação de JJ.
SL
Sem imagem de perfil

De Schmeichel a 03.11.2016 às 15:24

Implacável,

A contratação de JJ não tem nada de tresloucada.... foi um acto estratégico consciente!

Goste-se ou não de JJ, ele valorizou e muito o valor do plantel do Sporting. Acha 5M/ano muito pelo JJ?! pois eu vejo as coisas de outra forma, Slimani vendido por 30M€ e João Mário 45M€.

Lembra-se por quanto estavam valorizados estes jogadores um ano antes? pelo Slimani as propostas nem aos 15M chegavam....

Admito que o caminho poderia ter sido feito da mesma forma por outro treinador, mas é uma prova que ninguém me consegue provar...

SL
Sem imagem de perfil

De PSG a 03.11.2016 às 16:19

Desculpe, mas a contratação de JJ foi tresloucada sim.
Não pela qualidade de JJ ou pela mais valia que este representa para o clube, mas sim pelo facto de se ter ido buscar um treinador ao rival e de se achar que para o conseguir era necessário despejar um camião de €s, tendo ainda sido dada carta branca.
Ora JJ nunca seria um treinador barato, mas acredito que por bem menos do que assinou o negócio teria sido alcançado, não me parece que JJ estivesse disposto a ceder às exigências de LFV. Por outro lado, e independentemente do valor, não se pode pagar um vencimento ao nivel dos mais elevados no Mundo e depois não se algo em troca e na mesma dimensão. Não é o que acontece, o JJ está à parte de tudo o que acontece e todos têm responsabilidade menos ele.
O SCP com tudo isto está refem de JJ.
Sem imagem de perfil

De Implacável a 03.11.2016 às 16:22

Sinceramente, não é o salário de JJ que me leva a considerar a sua contratação como um acto tresloucado, é o que ele (não) ganha em campo - os constantes 2013 que ele vai acumulando! Para os 2013 desta vida já lá tivemos um camião deles com José Peseiro á cabeça!
O SCP existe para VENCER COMPETIÇÕES! O resto é secundário!
Nada me diz o valor pelo qual transaccionamos os passes dos jogadores se continuarmos a ter um museu com troféus todos oxidados!
Sem imagem de perfil

De Schmeichel a 03.11.2016 às 16:34

Implacável,

O JJ não tem culpa que nós em 35 anos, só termos sido campeões 2 vezes.... acho que estamos mais próximos de ser campeões com JJ, do que sem ele.
O ano passado fizemos uma época espectacular, e sem ajudas... ao contrário de alguns!
Eu não faço parte daqueles que transformam o JJ, no responsável pelo nosso campeonato ser um campeonato completamente viciado.
Ele tem as suas responsabilidades.... aceito isso.... mas não façamos do Jorge Jesus o responsável por historicamente não sermos campeões!
Sem imagem de perfil

De Implacável a 03.11.2016 às 16:49

Eu também queria ver o Bryan Ruiz fora do SCP... LOOOOOOOOOL!!!
Sinceramente, não vejo em JJ um vencedor. Eu olho para o pecúlio dele no seu anterior clube e vejo 2 campeonatos perdidos - dou de barato o do ano do AVB no fcp - quando tinha um plantel claramente superior ao de qualquer um dos oponentes e umas quantas Taças de Portugal também perdidas. Dispôs de orçamentos e investimento perfeitamente pornográficos para a realidade portuguesa.
Eu, NUNCA teria contratado JJ. Se a ideia era contratar um treinador top e pagar-lhe bem, a opção teria de ser outra.
pessoalmente - e desconhecendo totalmente quanto pediria e se estaria disposto a vir - tentaria a contratação de Rui Faria.
As escolhas mais simples e "inteligentes" seriam Paulo Fonseca ou Vitor Pereira.

Na minha opinião, claro!
Sem imagem de perfil

De Schmeichel a 03.11.2016 às 17:02

Implacável,

Relembro algumas coisas sobre JJ:
- foi ele que quebrou a hegemonia do porto;
- foi ele que finalmente acalmou os críticos de LFV com títulos e bom futebol;
- foi ele que levou o benfica a 2 finais europeias;

Este histórico de JJ deveria ser primeiramente respeitado pelos benfiquistas.... só não o fazem, porque veio para o Sporting. A isto chamo puro ódio dos benfiquistas à nossa instituição....

A minha opinião sobre a contratação de JJ é igual à do Ricardo Araujo Pereira.... que sentido tem um clube que é bicampeão, que normalmente é campeão com mais de 7 pontos de avanço sobre os rivais, dar o treinador ao rival, permitindo ao rival subir competitivamente?! porque foi isto que aconteceu....
Sem imagem de perfil

De Implacável a 03.11.2016 às 18:00

Hum... discordo!

- foi ele que quebrou a hegemonia do porto;
para mim foi o PdC que perdeu a mão ao futebol actual e se deixou ultrapassar pelo seu aprendiz.

- foi ele que finalmente acalmou os críticos de LFV com títulos e bom futebol;
com bom futebol, aceito, mas com títulos, nem por isso! Veja o que sucedeu em 2013. Foi o presidente a acalmar os críticos do treinador.

- foi ele que levou o benfica a 2 finais europeias;
Não! Foram orçamentos e investimento perfeitamente pornográficos e por tratar-se de finais europeias numa competição em que os de orçamentos superiores e ligas mais competitivas, desvalorizam.

JJ é "jeitoso", ganha muitos jogos mas, para um clube como o SCP em que é preciso ganhar TODOS os jogos, não serve. No clube que anteriormente representava, gastavam-se por época entre 25 a 35 milhões em contratações.
Impensável!

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Cristiano Ronaldo