Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

20022142_gWbU2.jpg

 

Agora que toda a pressão gerada para o exterior se voltou contra o próprio Sporting, aí estamos nós a analisar a performance do primeiro ciclo vital para as aspirações imediatas do Clube. Nos últimos 10 jogos obtiveram-se 3 vitórias, 3 empates e 4 derrotas. Entre aqueles que recorrem ao passado em busca de estatísticas de esperança, ou os que já perceberam que este rácio de investimento/resultados não é realista, sobram o Clube e os seus adeptos. A estratégia que nos fazia acreditar que este Sporting era um colosso competitivo, pela contratação de nomes sonantes e vendas astronómicas, afinal não passa de uma tentativa pífia de encobrimento do óbvio. O problema não está em perder jogos. O problema está na pressão colocada por Bruno de Carvalho aos atletas cada vez mais solitários, cuja mente provavelmente já cedeu perante as exigências irrealistas de quem quer fazer esquecer problemas com mais de 30 anos.

 

Sempre considerei que uma das maiores causas de infortúnio do Sporting se prendia com traumas passados de projectos inacabados ou mal-sucedidos – nos últimos 30 anos, entre as boas intenções e o grotesco, todas as planificações directivas foram delineadas e estruturadas no mais frágil dos alicerces: a inquietação entre ser aquilo que fomos um dia, ser aquilo que é possível ser no presente, ou vir a ser o que se deseja na mente mais ou menos criativa de cada um de nós. E o maior problema destes 30 anos de dirigismo no Sporting, vulgo raras excepções, foi pretender-se ser passado, presente e futuro num só momento. E isso nunca será possível.

 

Para entendermos o presente, temos de aceitar algo que correu mal no passado: a direcção que mais títulos deu ao Sporting foi a mesma que deixou o pior legado para o futuro – a interrupção abrupta de um projecto que mais ninguém conseguia terminar. João Rocha teve o sonho de materializar aquele sonho imaterializável, porque nunca foi possível em Portugal (e provavelmente nunca será) consubstanciar ecletismo com sucesso desportivo na Modalidade que mais coloca e retira presidentes da cadeira do poder: o Futebol. Portugal não tem adeptos nem meios de financiamento para que apenas um emblema atinja sucesso em modelos desportivos tão abrangentes quanto aqueles que se deseja num emblema ecléctico.

 

O modo como o projecto Rocha terminou, vulnerabilizou a estrutura do Clube e partiu o Sporting em dois. E em dois o Sporting foi caminhando ao longo de 30 anos, contra-vontade de parte a parte, porque nenhuma das partes quis ceder. Os presidentes-Adeptos nunca aceitaram os projectos dos tais presidentes-Barões, nem os presidentes-Barões pretendiam o escrutínio dos presidentes-Adeptos. A falta de consenso apenas teve um período unificador, talvez a liderança mais forte que o Sporting teve na era moderna: o “roquettismo” personificava um projecto empresarial para o séc. XXI, onde Jovic e Boloni detinham uma intelectualidade técnica e um compromisso para com as nossas raízes de formação, enquanto Manolo, Damas e Bastos asseguravam a tal mística do emblema. Contratações “na mouche” de nomes como Acosta, André Cruz, João Pinto e Jardel faziam o resto. Os últimos dois campeonatos ganhos assentaram numa estratégia que tinha mais de futuro do que de presente. E era estável, sem excessivas pressões. Com dinheiro bem gasto.

 

Sempre existiram parasitas no Sporting – o nosso querido Rui Gomes de certeza que sabe a quem me refiro – mas existia igualmente muita força verdadeiramente sportinguista no Clube. Homens fortes no Sporting mantinham o Sporting activo, tornaram-no campeão, e acima de tudo resolviam com celeridade problemas quando estes surgiam. O plantel não respeitava Inácio, mas respeitava Vitorino Bastos. Acosta um dia pegou no carro e foi sozinho buscar o “refractário” Edmilson a um dos mais badalados estabelecimentos de diversão nocturna de Lisboa, numa noite que antecedia um Derby. Hoje, proíbem-se os atletas de conduzirem viaturas “encarnadas”! Dão-se raspanetes aos jogadores das Modalidades, porque foram avistados a adquirir artigos desportivos numa loja Adidas. Hoje, figuras como Albuquerque ou Saraiva, que nada de sportinguismo nos têm para ensinar ou nos orgulhar, por “ali” passeam… Achará o leitor normal que o responsável pelo Futsal tenha mencionado no seu currículum vitae a “Responsabilidade pelo projecto de criação do Twitter e Facebook Oficial do Sporting”!? Isto não é o Sporting, porque o nosso Sporting não serve para “encher chouriços”!

 

Quando as coisas correm mal, não basta pedir aos jogadores que dêem mais. Tem de haver quem os ajude. Tem de haver quem os acarinhe. Tem de haver quem lhes “puxe as orelhas”. Mas tem de ser alguém em quem estes confiem. Alguém da estrutura. Este Sporting está lotado de personagens que se defendem a si próprios, mas nunca o mérito alheio. O que podem Bruno de Carvalho ou Jorge Jesus exigir, quando não são nem nunca foram unificadores, mas sim magnânimos na sua sapiência?  Presidente e Treinador são peças de uma engrenagem? Não. São o motor e o volante. Quando o carro não pega por falta de combustível, a culpa é do fabricante. A solução? Coloca-se os jogadores subjugados a justificarem-se perante uma plateia de adeptos insatisfeitos. Deplorável.

 

Jorge Jesus, um dia disse ao ex-jogador Simões, cheio de soberba e arrogância, que a "estrutura" nada mais é do que vitórias. Pois bem que se vê que, na ausência destas, não existe mesmo estrutura profissionalizada no nosso Clube. A sua instrução é exemplificativa do amadorismo que dominava a gestão do comércio tradicional na década de 2000. Para o Sporting não serve!

 

Não podem existir modelos “presidencialistas” no Sporting – e o que mais desejo, é que Bruno de Carvalho seja o último exemplo deste “género” que na cadeira verde do poder se acomode. Bruno de Carvalho quer resolver com dinheiro problemas de 4 gerações, não com conciliação ou rodeado de pessoas competentes ou comprometidas com futuro do que com o próprio ordenado. Bruno de Carvalho, mal assessorado como tem sido seu apanágio, foi incapaz de planear e estruturar uma acusação decente ao Benfica, antecipando os timings certos para formalizar uma acusação minimamente decente no caso “vouchers”. Foi incapaz de perceber o que significou a vinda de Markovic, Elias e o “sr. 6 Milhões de Euros”. Foi incapaz de evitar a escalada de custos nestes últimos exercícios – em relação a esta matéria, será em Janeiro/Fevereiro que todos teremos uma surpresa, daquelas que geralmente “sobravam para mim” por parte de alguns leitores, quando sobre elas escrevia.

 

A minha preocupação ultrapassa o presente. O que será o Sporting depois de Carvalho e Jesus?

 

publicado às 10:30

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


49 comentários

Imagem de perfil

De Drake Wilson a 04.11.2016 às 02:43

Boa noite José Nunes.

A sua observação fez-me ponderar igualmente sobre o porquê de se ter corrido com Roquette do Sporting, cedendo sempre os adeptos à ansiedade do imediatismo...

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D




Cristiano Ronaldo