Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Contextos, atitudes e resultados

Naçao Valente, em 11.10.22

O nosso redactor Leão Zargo, com uma grande capacidade de síntese,  faz a comparação entre a equipa actual e a que ganhou o campeonato, escrevendo num comentário, que esta não mostra a mesma capacidade mental e emocional, para sofrer em campo, e interroga-se, se não haverá também falta de disponibilidade. Tenho vindo a interrogar-me sobre essa diferença relativamente à atitude competitiva e chego à mesma conclusão. No entanto, e sem querer menosprezar essa evidência, penso que há outras diferenças que vou procurar especificar, para servir de base a uma reflexão mais desenvolvida.

Screenshot (1385).png

A equipa que conquistou o título, de forma imprevisível, começou esse campeonato com expectativas muito baixas. Apenas alguns adeptos, dos mais optimistas, apostariam nessa conquista, com base mais na fé clubística do que em dados objectivos. Era uma equipa nova que contava com João Palhinha e João Mário, e onde entraram  jogadores como Pedro Porro (desconhecido), o veterano Antonio Adán (suplente de onde veio), duas promessas Pote e Nuno Santos, e vindos da formação,  Nuno Mendes e Salomão, além de Matheus Nunes.

Esta equipa começou bem o campeonato ao mostrar personalidade, enfrentado sem medo o poderoso clube das Antas, e que chegou ao primeiro lugar, com uma atitude altamente competitiva, e que surpreendeu. Contudo, sempre manteve um comportamento humilde, acompanhado da estratégia definida como jogo a jogo. O que chamamos de estrelinha também a acompanhou.

Lembro-me, como exemplo, da vitória contra o FC das Antas, na Taça da Liga, dando a volta ao marcador mesmo ao cair do pano. Também em Braga, com dez jogadores em campo, desde muito cedo, conseguiu-se triunfar. Em consequência, a equipa começou a ganhar confiança e motivação, jogo após jogo. Por outro lado, os nossos adversários directos, com um início algo mais irregular, e certamente desvalorizando a nossa equipa, permitiram que se conseguisse um avanço considerável. Quando se aperceberam já era tarde, o que até permitiu, na recta final, desperdiçar alguns pontos.

A equipa da época seguinte, sem grandes alterações, manteve o mesmo ritmo competitivo, jogando até com mais proficiência, e assumindo-se claramente como candidata a todos os títulos, acabando por fazer os mesmos pontos. Perdemos esse campeonato pela maior  regularidade do nosso adversário, e por dois deslizes, que podem acontecer a qualquer equipa. Em suma, na minha perspectiva, uma equipa com mais qualidade, e com a mesma atitude de “fato macaco”.

Nesta época, partimos de um patamar mais elevado, mas com contratempos inesperados. Lesões de jogadores importantes, saída do plantel, do médio Matheus Nunes, com o qual o treinador contava. Pode parecer de somenos mas não foi. Implicou adaptações que não estavam previstas, com reflexo no jogo colectivo. Ao mesmo tempo tivemos, por caprichos do calendário um início muito exigente. Essa situação que gerou perda significativa de pontos, não pôde deixar de ter reflexos no comportamento anímico dos jogadores, sendo ainda agravado com derrotas não esperadas e injustas.

De acordo com o historial que tracei penso que a diferença na estrutura da equipa, e nos resultados negativos, conduziram do ponto de vista psicológico a alguma descrença. Ao contrário do que se verificou no ano do título, essa descrença levou, possivelmente, a uma menor disponibilidade física e mental. Contextos diferentes geram situações diferentes. Vitórias com regularidade, justas ou injustas, melhorarão os níveis mentais e emocionais, com reflexos na atitude.

publicado às 03:04

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


43 comentários

Imagem de perfil

De Naçao Valente a 11.10.2022 às 15:42

Elitista,

Cada cabeça sua sentença. O que aconteceu nas últimas quatro décadas é bastante complexo para ser reduzido a duas varáveis internas. Há muitas mais, e algumas são externas, embora teime em as ignorar.

Na prática reconheço que a formulação FCAntas, não tem qualquer resultado prático. Faz parte das picardias da rivalidade. Não fui eu que a criei, depois de nesse clube nos terem designado com SCL, isto é Sporting Clube de Lisboa. Nós podemos orgulharmo-nos dos nossos valores éticos, mas também não somos anjinhos. Aliás esta é uma polémica que não merece uma linha. Mas já continua a ser regra, da sua parte, no que me parece ser a defesa do clube do Norte, (para não descer o nível) o que não deixa de ser estranho.
Sem imagem de perfil

De Elitista a 11.10.2022 às 17:39

Eu só acho essa do fc antas inconsequente.
A mim não me faz espécie designarem-nos de Sporting de Lisboa, chateia-me mais os zbording e afins. Fucupuérto, fc vigo ou outras são bem mais "picsntes"!

Quanto ao resto, eu não sou acéfalo ao ponto de acreditar e afirmar que o fc porto alicerçou 40 anos de títulos nacionais e internacionais na batota. Que o verdadeiro caruncho do futebol português é o porto?
Caríssimo, ainda ontem (salvo erro) alguém aqui postou um comentário a relembrar o que era o fcp até 1983. Não era o porto que conspurcava o futebol nacional.
Tenho alguns amigos portistas já muito madurinhos que me dizem sempre "quando o porto era descaradamente roubado a favor dos clubes de Lisboa, principalmente o beifica, ainda se riam na nossa cara!"

O que acha que aconteceu em 2005 quando Luisão atropelou Ricardo? Recebi bocas e sms a gozar! Acha que se um dia lhes ganharmos um campeonato, num jogo entre ambos, com um lance semelhante, vou ficar chateado?!

Sem imagem de perfil

De Elitista a 11.10.2022 às 17:41

No segundo parágrafo queria dizer:
"... alicerçou 40 anos de títulos nacionais e internacionais apenas (faltou o apenas) na batota..."
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 11.10.2022 às 19:08

Com mais ou menos acefalia não direi que todos os títulos do "Fucupuérto" foram ganhos na batota. Tiveram muitas boas equipas, mas para que lá chegarem , e até para se manterem, usaram-na sem remorsos. Se os da Luz também o fizeram, não desculpa esse facto
Sem imagem de perfil

De Elitista a 11.10.2022 às 20:27

Muito ou pouco todoso tentam fazer e de diversas maneiras! Até clubes de menor dimensão.
Não sejamos ingénuos!
Mas, acredite que esse assunto me causa náuseas não é por não acreditar que não exista, ou (que disparate!) Queira branquear ou defender quem quer que seja mas mesmo porque acho deprimente e redutor do que é a grandeza do Sporting.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D




Cristiano Ronaldo