Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Contratos com a NOS e MEO em perigo

Rui Gomes, em 13.02.16

 

CbDevSpWIAEfgGv (2).jpg

 

A edição deste sábado do jornal 'Sol' avança que os contratos milionários para a compra dos direitos televisivos dos clubes de futebol vão ser anulados. De acordo com este semanário, a Autoridade da Concorrência vai chumbar os acordos da NOS com Benfica e Sporting e da MEO com o FC Porto, por considerar que violam as regras do mercado.

 

Os contratos são todos de longa duração, com Benfica a receber 400 milhões de euros por 10 anos, enquanto o FC Porto terá direito a 457 milhões pelo mesmo período. O Sporting foi o último dos três emblemas a fechar a venda dos direitos dos jogos de campeonato em casa, garantindo um bolo total de 515 milhões, embora este valor seja referente a um total de 12 temporadas.

 

O futebol tem sido uma arma de arremesso entre plataformas de televisão, que ofereceram aos clubes valores nunca antes praticados no futebol português.

 

A Autoridade da Concorrência já tinha manifestado algumas dúvidas sobre o tema e agora, de acordo com o jornal Sol, prepara-se mesmo para chumbar os contratos e obrigar a uma renegociação.

 

publicado às 12:32

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


9 comentários

Sem imagem de perfil

De juliuscoelho a 13.02.2016 às 17:01

Não creio que será com toda essa facilidade conforme descrito na manchete do SOL.
E haverá certamente formas de controlar , tudo passará pelas " engenharias " será eventualmente proibido ir pela direita , pois vira-se á esquerda e mais á frente recupera-se a direção ....!!
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 13.02.2016 às 17:21

Ainda não li as regras, mas acho que a preocupação da autoridade relaciona-se mais com os valores, que, em abono da verdade, são quase surreais para a realidade portuguesa.

Na altura, algo foi noticiado neste sentido, mas nada mais até agora. E é óbvio que nada tem a ver com simpatias clubistas porque afecta todos por igual.
Sem imagem de perfil

De HY a 13.02.2016 às 23:19

Rui, percebo pouco só assunto, mas creio que a concorrência tem pouco que ver com o elevado nível dos valores. Seria relevante se os valores fossem alvo de entendimento entre as empresas em questão para eliminar potenciais concorrentes. Será mais uma
questão de situação de monopólio, práticas concertadas anti-concorrência...
Há que aguardar, até porque o jornal em questão nao é um exemplo de credibilidade...
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 13.02.2016 às 23:35

Para ser sincero, desconheço as competências da Autoridade em questão, mas fiquei com a ideia que os elevadíssimos valores, para Portugal, fazem parte da equação. Compreendo, no entanto, outras questões relacionadas com monopólios, ética, etc.
Sem imagem de perfil

De Diogo Martins a 14.02.2016 às 20:27

Os valores não são pouco elevados ou elevadíssimos , estão directamente relacionados com os respectivos mercados. São o que são. Para a NOS e a MEO, os valores pagos são quase residuais face ao seu volume de negócio.

Posto isto, a questão está conexa à duração / monopólio, nunca aos valores.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 14.02.2016 às 20:35

Acha mesmo que os valores estão em linha com o mercado português, especialmente no curto prazo ?... Deve estar a brincar !

Em que país é que reside ?
Sem imagem de perfil

De Diogo Martins a 15.02.2016 às 08:52

Refere-se a que mercado? Futebol ou telecomunicações? É porque o mercado relevante é o das telecomunicações, que tem um volume de negócios de aproximadamente 5,2 mil milhões de euros. Ora, 120M (os direitos dos 3 grandes) é cerca de 2.5%, um valor perfeitamente residual para este mercado. Este é o país onde vivo.

Reforço, porém, que para a Autoridade da Concorrência, o valor dos contratos é completamente indiferente.
Sem imagem de perfil

De João Gonçalves a 13.02.2016 às 18:11

Um assunto a seguir com interesse.
Surge num dia mau pois perde-se no meio da importância dos jogos de ontem e de hoje.
Para mim, para haver clareza nos negócios feitos, estes deviam ser esclarecidos e decompostos nos valores atribuídos a cada item.
Contratos tácitos de 10 anos são um exagero. Por um lado ninguém sabe como vai evoluir o audiovisual neste espaço de tempo e que novas formas vão surgir de rentabilizar transmissões. Por outro, prolongar isto por tantos anos é deixar futuras direcções sem hipótese de terem qualquer alternativa nesta área. A não ser que os actuais presidentes pensem lá ficar mais 10 anos...

Agora que role a bola. São quase 18:30...
Sem imagem de perfil

De jcp a 14.02.2016 às 14:38

Acredito num cenário que seja algum esquema do SLB para anular o contrato e posteriormente tentar um outro.

O LFV falava que em janeiro estariam novamente em negociações e que saiba, até agora nada...

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo