Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Estatutos para o futuro

Esfinge, em 13.05.19

 

21448370_De557.jpeg

 

Na noite das últimas eleições, e após conhecimento dos resultados, houve uma questão que, de imediato, saltou à vista de todos - a questão da legitimidade democrática quanto a órgãos eleitos por uma maioria relativa de Sportinguistas - ou seja: os actuais corpos sociais foram eleitos pela maior minoria dos sócios, mas ainda assim, uma minoria. 

 

Que fique claro, não contesto os resultados nem a legitimidade de quem lá está. As regras do jogo eram e são simples: é eleito quem for mais votado do que todos os outros. Os eleitos foram-no com 42,33% dos votos, mais do que o segundo colocado, 36,88%.

 

21448371_oUAbB.jpeg

 

Ora, prosseguindo. Este tipo de apuramento eleitoral faz sentido quando se está perante órgãos em que é possível exercer-se a representatividade, tal como é o caso da Assembleia da República.  Uns elegem mais do que outros, mas todos elegem. Mas o Sporting não tem este tipo de órgãos (nem faria sentido).

 

Assim, esta lógica torna-se inaplicável no contexto Sporting; 42,32 por cento não é uma maioria absoluta, nem sequer representa a maioria de Sportinguistas que se pronunciaram eleitoralmente. E, na minha opinião, isso é prejudicial para a legitimidade democrática de quem exerce os cargos, e também para a coesão e união da comunidade Sportinguista - dizer que se foi eleito pela maioria é diferente de dizer que se foi eleito apenas pelo maior número.

 

A solução é simples: uma segunda volta entre as duas candidaturas mais votadas - sendo o eleito aquele que obtivesse mais votos de forma absoluta. O eleito era-o pela maioria dos Sportinguistas e não apenas por uma facção menos pequena.

 

Os órgãos eleitos saíriam reforçados, poderiam dizer que foram eleitos pela maioria e não haveria qualquer dúvida quanto à sua representatividade do universo e do sentir - haveria um muito maior compromisso recíproco entre eleitos e eleitores, e a responsabilização era também maior para quem vota.

 

Mas, até ao momento, discute-se muita coisa, sobretudo o passado. Mas fala-se pouco do que se pode melhorar no futuro.

 

publicado às 03:46

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds