Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Feudos modernos

Naçao Valente, em 26.03.19

 

Benfica-1-3-FC-Porto-__AU1I4159-e1548257436421.jpg

 

No tempo da ditadura Salazarista, o poder do estado impunha-se aos diversos interesses privados. Mas a centralização do poder político, subordinando ao interesse geral o poder privado da nobreza, aconteceu muito antes. O fim do poder feudal e dos seus privilégios vivia apenas nas páginas da história no mundo ocidental quando o futebol se instalou como um desporto de massas.

 

O desenvolvimento da modalidade desportiva mais popular foi bem recebido pelo poder político instalado, e em Portugal, usado, discretamente, pelo Estado Novo, como forma de reforço do nacionalismo. Durante esse período, as instituições desportivas possuíam já a sua autonomia, no entanto, estava integrada na orgânica institucional do Estado.

 

Os presidentes dos clubes, por sua vez, eram recrutados entre as elites, pelo sua maior competência, relacionada com o acesso ao conhecimento, vedado à maioria da população. Exerciam de um modo geral as funções por amor à causa e agiam estritamente de acordo com as leis da República.

 

 O advento da democracia, pelo qual me bati, trouxe mudanças profundas na sociedade, e consequentemente também no futebol. A democracia significa liberdade, mais igualdade em termos políticos e sociais, mas como todos os regimes não está isenta de defeitos. Se por um lado abriu a hipótese de acesso ao poder de cidadãos, independentemente da sua origem social, aumentou as possibilidades de práticas de corrupção, pela emergência do "chico-espertismo".

 

No que aqui interessa abordar, as mudanças no futebol, constata-se que este acompanhou a evolução social, profissionalizou-se, democratizou-se e abriu portas a pessoas oriundas de extractos sociais populares, que  conseguiram, à pala de valores democráticos, ascender a altos cargos no futebol.

 

Ao contrário dos antigos dirigentes há gente sem cultura, sem princípios, que aplicam a ideia de que os fins justificam os meios. O poder que lhes advém de milhões de adeptos, e do poder do dinheiro que movimentam,  dá azo a corrupção,  alimentada como forma de se perpetuarem, conseguindo satisfação dos adeptos a qualquer preço.

 

Foi neste contexto que o futebol português se cristalizou como um "feudo" moderno, um autêntico poder dentro do Estado, desde as mais altas instâncias até à sua base, os clubes. Os dirigentes escudados pelas massas que os defendem, começaram a agir à margem das leis, como senhores que se consideram impunes.

 

O primeiro exemplo veio do Norte, de um clube com abrangência, sobretudo regional. O senhor presidente Pinto da Costa, é o dirigente que vem dos meios populares e que faz do dirigismo carreira profissional. Como "bom político", percebeu prontamente que como noutras áreas da sociedade, para prevalecer, precisava de montar uma rede de fidelidades "feudais" que, subtilmente, controlasse os órgãos federativos, e disso tirar as vantagens desportivas. Dias da Cunha, dirigente com sentido ético, chamou-lhe o "sistema".

 

No Sul, mais tarde, e depois de se ter percebido que a corrupção não era punida, surgiu um seguidor. Vieira é uma espécie de aprendiz de feiticeiro, mas que para sermos justos, nem sequer lhe chega aos calcanhares na arte de bem corromper. É oriundo também dos meios populares, fez-se à vida, e entrou no dirigismo já mais tarde. 

 

Chegou a presidente Benfica, apenas porque foi o clube que em função de circunstâncias diversas , lhe abriu as portas. Podia ter sido outro. Como os neo-democratas profissionais da política, agarrou-se aos meios que permitiam chegar ao poder. 

 

Seguindo as pisadas do mestre, foi tecendo a sua teia. Desde influência nas instituições desportivas,  até às instâncias judiciais, rodeou-se de pessoas pouco recomendáveis, e que não têm pudor de "chafurdar" em lamaçais. A novidade é que a responsabilidade começa e acaba aí. Nunca chega ao topo.

 

Este feudo é muito poderoso e como feudo que é, julga-se acima da Lei e do Estado, onde proliferam políticos e juízes que estão disponíveis para colocar interesses clubísticos acima dos interesses da Nação. 

 

O futebol português está num pântano. A Norte, depois do Apito Dourado, sacudiu-se a água do capote, como se nada tivesse acontecido. A Sul assobia-se para o lado,  como se nada de nada estivesse a acontecer. Pouco importa se o futebol deve ser um desporto onde a verdade e a igualdade competitiva existam. O que interessa é contentar as massas com resultados. A forma como são conseguidos é secundário e irrelevante.

 

O meu Clube, é com orgulho que o digo, tem um caminho limpo, pelo menos até à última Direcção. E mesmo em relação a esta, não há evidencia de qualquer esquema do que aqui estamos a abordar. Pelo contrário, a sua acção altamente desabrida apenas prejudicou o Clube. Podemos até somar menos títulos na corrupção que é o futebol, mas conseguimos andar de cabeça erguida. Os títulos que conquistámos são, como dizia alguém: "limpinhos, limpinhos".

 

O futebol em Portugal precisa de mão firme para se regenerar. E não acredito que essa regeneração parta dos órgãos desportivos. Estão corrompidos e dominados por dentro pelas forças dominantes.  São a real cúpula dos "feudos". Cabe ao poder político intervir e acabar com este feudalismo. Mas falta-lhe coragem e determinação. Tem medo de perder apoio de adeptos/eleitores.

 

P.S.: Comparações, como já é habitual, com os casos PPC ou Cashball,  que mesmo sendo reprováveis, é  como comparar a beira da estrada, com a estrada da Beira.

 

publicado às 04:54

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds