Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fotografia com história dentro (101)

Leão Zargo, em 17.06.18

 

thumbnail_Museu Sporting Rui Patrício.jpg

 

Uma história de espanto e de revolta

 

Rui Patrício era o jogador mais importante do Sporting. Depois dele, William de Carvalho e Bruno Fernandes eram os melhores jogadores da equipa. Gelson Martins era o jogador mais promissor. Bas Dost era o goleador. Podence e Rafael Leão eram duas das maiores esperanças leoninas. Battaglia era sempre de grande utilidade. Ruben Ribeiro era de outro “campeonato”. Agora já não são jogadores do Sporting e o sentimento dominante é de espanto e de revolta.

 

De espanto pela forma como o assédio moral praticado sobre os jogadores pôde avançar até um ponto tal que estes apresentaram a rescisão laboral com justa causa. Na verdade, verificou-se no Sporting o que na lei é tipificado como assédio moral. Essa conduta decorreu publicamente, perante o aplauso de uns e o repúdio de outros. Agora, é evidente para quase todos os sportinguistas que se tratou de gestão danosa.

 

De revolta porque não voltarão a jogar com a camisola leonina. Isso é quase certo. Mas, a revolta é ainda maior porque alguns deles “cresceram” na Academia leonina. Não aceito a razão para a rescisão afectiva, apesar de compreender o motivo para a rescisão laboral. Não aceito que tenham quebrado o sentimento de “pertença”, um sentimento que implica formas de sociabilidade e de solidariedade específicas.

 

O futebol, como grande fenómeno social, cultural e desportivo, possui a qualidade de fazer guardar na memória dos seus adeptos um núcleo de sinais de glória e de afirmação clubística. No Sporting, que possui uma fortíssima identidade, esses sinais integram a sua própria História. Ainda que tenham razão jurídica, os jogadores que rescindiram com o Clube, renunciaram à possibilidade de integrar a restrita plêiade dos grandes ídolos dos sportinguistas. Entre todos eles, o nome de Rui Patrício é o que ocorre em primeiro lugar.

 

publicado às 14:30

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


3 comentários

Sem imagem de perfil

De CPS a 17.06.2018 às 16:04

Não voltarão a jogar no Sporting porquê?!
Então o problema não e BdC?!
O Damas abandonou a baliza num jogo Sporting/Académica quando estava a ser assobiado e o Sporting a perder 3-0 e voltou a jogar no Sporting!!!!
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 17.06.2018 às 16:24

CPS
O caso de Vítor Damas é muito especial, e provavelmente irrepetível. Ele chegou em 1961 para o juvenis e saiu no final de 1976. Mas, não foi para o FC Porto, ao contrário de Dinis e Alhinho. Fez o percurso dele, manteve sempre mesmo que à distância a ligação ao Sporting e voltou em 1984.
Mas...
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 17.06.2018 às 17:20

Caro Leão Zargo,

Sabemos como é a natureza humana. Exceptuando os que fazem voto de pobreza, todos os outros, com cambiantes, Têm como objectivo acumular a máxima riqueza. Nada contra, no actual contexto, desde que o façam de forma lícita.
Na minha perspectiva, não me parece, ser esta, em sentido estricto a razão das rescisões. A maior parte dos atletas sabe, que tendo mercado, acabariam por sair, com base no justo objectivo de adquirirem maiores rendimentos.
A razão das rescisões tem, neste caso, muito de afectivo, ou seja cortaram qual quer tipo de relação, nesta área, com o actual presidente. e não conseguem ver-se a continuar, sob a sua alçada.
Na minha opinião, não houve corte afectivo com o clube, mas com uma pessoa. Penso até que para alguns, tenha sido uma decisão dolorosa. Por isso, acredito que se a situação mudar a tempo, poderão recuar. E mesmo que não mude, nada invalida que não possam voltar ao clube, precisamente pelo lado da afectividade.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds