Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Fotografia com história dentro (141)

Leão Zargo, em 31.03.19

 

Malcolm Allison Taça Portugal 1981-82.jpg

 

“Big Mal”

 

O Sporting teve uma temporada desastrosa em 1980-81. Praticamente, o pior aconteceu em todas as provas em que participou. Para a época seguinte, o presidente João Rocha considerou que para o cargo de treinador teria de haver uma decisão inesperada e ousada. Tendo falhado a intenção de contratar José Maria Pedroto, seguiu uma sugestão de John Mortimore e foi buscar Malcolm Allison. O plantel era forte. A Manuel Fernandes, Jordão, Eurico, Carlos Xavier, Bastos, Inácio, Mário Jorge, Ademar e Nogueira, entre outros, acrescentou António Oliveira e Ferenc Mészáros.

 

“Big Mal” foi o mais heterodoxo de todos os treinadores do Sporting das últimas décadas, talvez mesmo incomparável em toda a história do Clube. Jogadores e adeptos contam inúmeras histórias a propósito dele, fascinantes, umas, e inverosímeis, outras. Com os seus métodos de treino, filosofia de jogo e cultura desportiva formou com Oliveira, Manuel Fernandes e Jordão um triângulo ofensivo inesquecível, um meio campo operário e uma defesa de betão. Houve sempre uma história de conflitos de egos entre as três estrelas da equipa, mas o Sporting conquistou o Campeonato e a Taça de Portugal.

 

Em Alvalade os jogos começavam vinte minutos antes da hora marcada quando Malcolm Allison ascendia ao nível do relvado junto da Bancada Superior Sul. O efeito era poderoso. Carlos Xavier contou mais tarde que “quando íamos a caminho do relvado já estávamos em pele de galinha, porque o Allison entrava em campo antes de nós e era um espectáculo dentro do próprio espectáculo. Dava a volta ao campo com o braço no ar a segurar o inconfundível chapéu. Os adeptos deliravam e nós também. Houve uma altura em que até havia música ao vivo e se tocava o Comanchero. O Estádio ia abaixo”.

 

Na pré-época de 1982-83, João Rocha cometeu talvez o maior erro da sua gestão ao despedir “Big Mal” durante o estágio na Bulgária. Uma história nunca esclarecida que terá gerado grande instabilidade e indisciplina na equipa de futebol. O presidente suspendeu o técnico, despedindo-o pouco depois, e António Oliveira foi nomeado jogador-treinador. Depois de ter conquistado a sua quinta “dobradinha”, o Sporting terá iniciado a fase que o conduziu à secundarização desportiva no futebol nacional.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


7 comentários

Sem imagem de perfil

De aracaçu a 31.03.2019 às 15:34

Bom dia caro Leão Zargo.

Há pouco tempo adquiri o Livro "Big Mal e Companhia" da autoria do jornalista Gonçalo Ferreira Rosa, que conta e explica bem todos esses acontecimentos naquela saudosa temporada de 81/82, que só voltaríamos a repetir 20 anos depois, curiosamente, com a conquista da Liga e da Taça de Portugal.

Tem lá histórias muito engraçadas e relatos de vários jogadores, treinadores, elementos directivos, e jornalistas que acompanharam esses tempos. Na verdade, ainda hoje não há uma explicação clara acerca da saída de um dos nossos mais carismáticos treinadores, e só voltaríamos a ter uma personalidade assim 10 anos depois, com Bobby Robson, que nos poderia ter levado ao céu outra vez, mas a imbecilidade de alguns elementos não deixou que assim fosse. Nem preciso de falar no FC Porto... 3 anos depois estava no Barcelona a ganhar a Copa del Rey, Taça das Taças, e não ganhou o campeonato espanhol por uma unha negra...

Cumprimentos.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 31.03.2019 às 16:17

Caro Aracaçu

Trata-se de um belíssimo livro com muita informação inédita. Sobre o próprio “Big Mal”, os jogadores, João Rocha e os contactos com Pedroto…
Não conheço outro livro sobre Allison e o Sporting naquela época de 1981-82 com tanta informação fidedigna e que era desconhecida do grande público. Notável!

Cumprimentos
Sem imagem de perfil

De RCL a 31.03.2019 às 19:06

Foi a melhor época de sempre que assisti. Allison construiu uma verdadeira equipa ,alem do triângulo que referiu a defesa era de betão. Allison tinha grande consideração por Nogueira, autentico "varredor"
Dizia-se à "boca pequena" que João Rocha não gostava muito das voltas ao campo do "Big Mal", entre outras coisas.
Leão Zarco é bom trazer aqui estes posts do passado vitorioso do Sporting.Dos 9 campeonatos ganhos pelo Sporting a que assisti houve sempre um traço comum : A união entre adeptos.
SL
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 31.03.2019 às 21:53

Caro RCL

É muito justa a referência a Nogueira. Malcolm Allison chegou a afirmar que havia dois génios no plantel leonino: Oliveira e Nogueira. Na realidade, o treinador não prescindia dele, esteve em vinte e quatro jogos para o Campeonato e em todos para a Taça de Portugal. Era um autentico "varredor", um verdadeiro jogador de equipa.

A união dos adeptos contribui (e muito!) para a solidez da estrutura do futebol. É meio caminho para o sucesso!

SL
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 31.03.2019 às 22:13

Caro Leão Zargo,

Um das grandes fragilidades dos presidentes, à parte a sua maior ou menor competência, é terem a mão leve para o despedimento ao primeiro desaire. João Rocha não foge à regra. Um bom presidente tem de saber resistir à voz da rua.
Sem imagem de perfil

De chakraindigo a 31.03.2019 às 23:36

Caro Nação Valente,

João Rocha foi um dos melhores presidentes que o futebol português já teve.

A sua visão do Sporting tornou o clube o mais ecléctico, e o mais titulado nas modalidades.

Duvido muito que tivesse abdicado de Malcolm Alisson por precipitação ou inveja da sua popularidade, como já li por aí.

in "Big Mal&Companhia"

Como o presidente confidenciou ao jornalista Vítor Serpa de A Bola, o Sporting não teria vantagem em comparar-se ao rival da mesma cidade se apostasse todas as fichas na discussão futebolística.

Para Rocha, o desígnio é outro. O Sporting tem de ser uma cidade desportiva. Tem de reunir milhares de associados e praticantes de modalidades.

Da força dos números virá a força das receitas económicas, o poder reivindicativo e a capacidade de aglutinação dos genuínos desportistas.

O Sporting de Rocha será sempre o Sporting do eclectismo, dos 15 mil praticantes e dos 100 mil sócios, tão cativado por uma medalha de Carlos Lopes, um remate de António Livramento ou uma pedalada de Joaquim Agostinho como por um golo da equipa de futebol."

Presidentes e líderes há muitos, mas com visão estratégica, existem muito poucos, e João Rocha, provou por actos e obra feita, merecer um destaque especial no desporto português.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 01.04.2019 às 00:02

Caro Chakraindigo,


Obrigado pelo contributo. Não pretendo com o meu comentário fazer uma abordagem da presidência de João Rocha. Quanto a isso concordo genericamente com o que diz, até porque na época seguia muito mais de perto a vida do Clube.

O que digo é que João Rocha como todos os humanos não era imune ao erro e também os cometeu. Não conheço razões específicas sobre o despedimento do referido treinador, embora também me custe acreditar que se relacionasse com inveja fosse do que fosse. Será mais credível estar relacionado com resultados ou choque de temperamentos. O que não pode significar que fosse bom para a estabilização da equipa de futebol, como se veio a verificar.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo