Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Gestão do plantel

Rui Gomes, em 11.01.15

 

223902_med_fc_porto_v_sporting_taca_de_portugal_3e

 

A análise à utilização dos jogadores (23) por Marco Silva, em jogos exclusivamente da I Liga, não apresenta surpresas algumas e, assente na mesma premissa, também é duvidoso que sugira muitas alternativas. Verifica-se o que bem sabemos: o onze mais titular, aqueles que mais têm sido alternativas preferenciais e os restantes suplentes de muito pouca utilização. Tudo isto, tendo em conta que houve ausências por lesão e castigos.

 

a) Rui Patrício (15 jogos/1421 minutos) - Cédric Soares (10 jogos/902 minutos) - Maurício (13 jogos/1216 minutos) - Jefferson (8 jogos/757 minutos) - William Carvalho (14 jogos/1179 minutos) - Adrien Silva (15 jogos/1215 minutos) - João Mário (11 jogos/737 minutos) - Nani (12 jogos/1052 minutos) - André Carrillo (15 jogos/1023 minutos) - Islam Slimani (12 jogos/1011 minutos).

 

b) Nany Sarr (8 jogos/759 minutos) - Jonathan Silva (7 jogos/636 minutos) - Ricardo Esgaio (7 jogos/593 minutos) - Carlos Mané (11 jogos/531 minutos) - André Martins (7 jogos/374 minutos) - Diego Capel (11 jogos/370 minutos) - Fredy Montero (13 jogos/767 minutos) - Oriol Rosell (7 jogos/169 minutos).

 

c) Marcelo Boeck (zero) - Miguel Lopes (1 jogo/94 minutos) - Heldon (2 jogos/67 minutos) - Junya Tanaka (3 jogos/45 minutos).

 

O único totalista é Rui Patrício e temos apenas mais dois jogadores que participaram em todos os jogos até agora: Adrien Silva e André Carrillo. Em termos de utilização/jogo, seguem William Carvalho, Maurício, Nani e Fredy Montero.

 

No que aos menos utilizados diz respeito, o único que na minha opinião justificaria maior utilização é Tanaka. Sem ser um fora-de-série, é muito melhor jogador do que os seus 45 minutos de registo indicam.

 

É igualmente discutível se Rosell devia ter rendido William Carvalho em mais jogos e com mais minutos de jogo. Parece-me que apenas 169 minutos em 7 jogos (menos de dois jogos completos) é muito pouco.

 

Como sempre, os resultados ditam muito do sucesso ou insucesso da gestão levada a cabo pelo treinador, embora a fase do campeonato em pleno Inverno, já seja uma indicação muito significativa. No caso particular do Sporting, há que contabilizar também as quatro frentes em que compete e o respectivo impacte no plantel.

 

publicado às 04:06

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds