Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




2020-04-24 (3).png

O treinador de futebol português “não é mágico algum”, mas tem uma capacidade de “adaptação” a novas realidades que lhe abre as portas do “grande mercado”, considerou hoje o técnico Leonardo Jardim.

Num recém-debate 'online' promovido pela União dos Treinadores de Futebol de Países Lusófonos, o técnico português justificou o sucesso de muitos compatriotas no comando de equipas estrangeiras com essa característica que, diz ele, “vem da nossa cultura”, e também com a formação através dos vários cursos de treinador que, em Portugal, estão “muito desenvolvidos”.

O treinador português tem um ADN muito especial, é capaz de se adaptar aos vários campeonatos e países. A adaptação é uma coisa que muitos treinadores dos outros países não são capazes de fazer e isso dá-nos uma grande vantagem e mercado”, assumiu o antigo treinador do Sporting, na época de 2013/14.

O técnico que deixou o AS Mónaco no final de 2019 reconheceu que procura conhecer a cultura do país e dos funcionários sempre que chega a um novo clube e recorreu mesmo a exemplos da sua primeira passagem pelos monegascos, em 2014, assumindo que teve “dificuldades” para implementar a sua metodologia de "treino integrado”, com presença constante da bola nos exercícios.

 “Em França, o treino analítico e de ginásio estão muito presentes e muitas vezes tive de abdicar de alguns dos meus princípios para que os jogadores se sentissem bem. Mas, a partir do segundo ano, já era muito raro aquele que me pedia trabalho complementar de corrida e intervalados”, revelou o campeão da 'Ligue 1' em 2017, explicando que não se pode alterar todo esse processo “de um momento para o outro”.

Outro factor que pesa muito no surgimento de muitos jovens treinadores portugueses, no entender de Leonardo Jardim, é o facto de acreditarem que podem ter sucesso com uma aquisição de maior conhecimento e uma formação “mais académica” sem ter um passado de atleta de alto nível.

 “Em França, para ser treinador na I Liga, quase é obrigatório ter currículo de jogador de I Liga. Em Portugal, isso não acontece, o que leva muitos jovens a acreditarem que podem chegar lá através da experiência e da formação”, analisou Jardim na ‘discussão’ onde participaram também os treinadores José Gomes, do Marítimo, e Lito Vidigal.

publicado às 02:31

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D




Cristiano Ronaldo