Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

“Para existir, não basta ter história. Mas quem não conhece a história dos grandes clubes portugueses dificilmente poderá respeitar o que estes clubes representam na história do nosso desporto, na história do nosso país. De símbolos é feita a história! De símbolos são feitos os clubes desportivos !”  (Manuel Sérgio)

 

18811240_FgPlN.jpg

Jogadores como Manuel Vasques obrigam-nos a reviver o passado, um passado já difuso, e que se não for recordado e partilhado corre o risco de se perder irremediavelmente. Vasques foi um dos “Cinco Violinos” e, apesar de ser o mais novo, talvez pela sua invulgar capacidade técnica entendia-se de olhos fechados com os companheiros. “Tinha bola dos pés à cabeça (…) dentro do campo era ele quem jogava ao meu lado e fazíamos umas combinações fantásticas”, recordou Jesus Correia.

 

Por outro lado, a memória de jogadores como Vasques mostra que num jogo de futebol, e a propósito dos seus grandes praticantes, é possível reflectir sobre as virtudes e as imperfeições da condição humana. De igual modo, sobre o génio e a persistência ou o efémero e o circunstancial como quando vemos um atacante a serpentear por entre a defesa adversária ou o vigor do defesa que se bate com avançados velozes e audazes.

 

Recordo-me de Pedro Barbosa e ocorre-me Carrillo quando imagino Manuel Vasques. Como eles, Vasques era virtuoso e genial e maravilhou os adeptos pela componente artística, tanto quanto os desesperou pela inconstância que era capaz de revelar num jogo. Ocupava várias posições no campo, mas nunca se notabilizou por grandes correrias, choques ou esforços que considerasse desnecessários.

 

sporting 1950 azevedo octavio barrosa passos vasqu

“Malhoa”, o nome que lhe foi dado pelo jornalista e treinador Tavares da Silva. Tal como o pintor impressionista encarava o quadro como a obra em si mesma captando as múltiplas cores da natureza, o jogador leonino revelava o seu lirismo no rectângulo de jogo e na corrida em direcção à baliza através da magia com a bola nos pés ou da insuperável trajectória da bola. Um campo de futebol era como que uma folha A4 em branco onde ele iria pintar jogadas carregadas de génio e de epopeia.

 

Manuel Vasques possuía a consciência mítica do destino que encontramos em grandes atletas. Em entrevista ao jornal Norte Desportivo, em 1963, proferiu uma reflexão lapidar: "Como futebolista, senti que cumpri um destino ao qual não podia fugir, uma espécie de fado... não triste como é hábito ser cantado ou pintado, mas ao jeito corrido, alegre. Este foi o meu fado."

 

untitled.png

Tendo integrado o célebre quinteto dos Violinos, Vasques nunca foi consensual como os restantes companheiros da linha avançada, pois, dizia-se, não demonstrava o mesmo vigor regular e bélico. Ele, o artista, preferia esperar pela bola para executar uma jogada excepcional ou marcar o golo que ficaria na memória. Sublinhe-se que é o terceiro maior goleador da história do Sporting, com 225 golos em 349 jogos, tendo jogado de 1946 até 1959 de leão ao peito. Afinal, a excepcionalidade do quinteto também decorria da complementaridade entre todos. 

 

No futebol tudo é paixão e drama, sorte e azar, vitória e derrota. Quando me recordo do percurso de Manuel Vasques no Sporting ocorre-me com frequência a frase lapidar de Ottmar Hitzfiel no rescaldo da viragem conseguida pelo Manchester United na final da Liga dos Campeões, em 1999: “Futebol é isto mesmo. A sorte premeia o génio de alguns.” Vasques e o “fado” que lhe foi destinado!

 

 

P.S.: Vasques tem página de Facebook.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:04

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


6 comentários

Sem imagem de perfil

De MaxMartinsm a 12.09.2015 às 13:58

"Sou desse tempo"...

Era o tempo em que embora aqui ou ali pudesse acontecer algo inusitado...
Os melhores eram os campeões...!!

SL
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 12.09.2015 às 15:01

Sem dúvida, MaxMartinsm, também por essa razão devem ser recordados!...
Sem imagem de perfil

De LeãoIndefectível10A a 12.09.2015 às 19:32

Fica-lhe muito bem a grata recordação do nosso querido e saudoso Manuel Vasques.


Só lhe aponto a citação inicial do inefavelmente estúpido Manuel Sérgio.


Abraço,

Leão Indefectível 10-A.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 12.09.2015 às 19:45

Leão Indefectível
Sim, o nosso Manuel Vasques estará sempre na memória dos sportinguistas.

Não sei se o Manuel Sérgio é "inefavelmente estúpido". Não me parece, no entanto a citação vem a propósito dos símbolos dos grandes clubes portugueses e a sua importância na construção da identidade clubística. É o caso do Vasques e dos seus dos companheiros de equipa.

Um abraço leonino
Sem imagem de perfil

De LeãoIndefectível10A a 12.09.2015 às 20:03

Sim, sim, eu entendi o espírito da citação! Simplesmente, não suporto o homem, é mais uma implicação pessoal! ;)

Abraço!
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 12.09.2015 às 21:22

Leão Indefectível
...

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D




Cristiano Ronaldo