Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

 

Como sempre, visto da bancada pelos "treinadores" que ali ocupam lugar, é fácil opinar sobre o estado da equipa e até adiantar sugestões. Muitíssimo mais complicado é o tomar de decisões por quem assume essa responsabilidade como parte integral da sua função, nomeadamente o real treinador, neste caso concreto, Marco Silva.

 

Mesmo sob esta incontornável consideração, creio que é evidente algo não vai bem com a equipa do Sporting nesta fase inicial da nova campanha e, indica o bom senso, que compete a esse treinador efectuar as modificações necessárias, partindo do princípio que são possíveis, para assegurar um maior e sobretudo melhor desempenho da equipa.

 

Não me vou dar à repetição da minha usual tese sobre a formação táctica - embora creia que pode aí residir parte da solução - mas é claro que esta equipa necessita de reaprender a ser mais eficaz em todos os seus sectores e, acima de tudo, a acreditar no golo. Mesmo acreditando - como eu acredito - que outra fatia do problema recai sobre  a (falta de) qualidade das contratações - porventura até a mais acentuada - temos o plantel que temos e este terá forçosamente de dar mais rendimento, especialmente diante equipas perfeitamente ao alcance, como foram os primeiros jogos da Liga frente à Académica, Arouca e Belenenses.

 

Indicam as estatísticas que o Sporting fez 72 remates nas primeiras quatro jornadas do campeonato, uma média de 18 por jogo, o que havendo qualidade nesses remates daria para marcar muito mais do que os 4 golos de registo: Académica (11) - Arouca (18) - Benfica (15) - Belenenses (28). O problema é precisamente que desse número, apenas 24, um terço portanto, é que foram à baliza e com alguma medida de perigo para o guarda-redes adversário.

 

Surgiu um leitor em comentário ao post pós-Belenenses, a indicar que, entre outras coisas, não há "confiança na hora de meter a bola lá dentro". Até poderá ter alguma razão, mas não creio que explica tudo. Dando o caso de Slimani como exemplo, duvido que apenas mais confiança seja suficiente para ele executar melhor com os pés, longe de ser a sua característica mais forte. Não temos rematadores de qualidade no meio-campo: William Carvalho, Adrien Silva e André Martins. Salvo os rasgos em diagonal por Carrillo e Nani, não temos criatividade e penetração pelo corredor central que permita não só os indispensáveis desequilíbrios como também a muito desejada finalização. E, como sempre, abusamos da condução do jogo pelos flancos, especialmente se considerarmos a ineficácia do mesmo, como ficou bem ilustrado neste último jogo contra o Belenenses.

 

Se Marco Silva não tem intenções algumas de modificar o sistema de jogo - muito improvável - terá de mexer no seu até aqui preferido onze. O regresso de Cédric Soares dará uma outra dimensão às manobras ofensivas - isto, sem querer criticar o bom desempenho de Ricardo Esgaio. Algo terá de ser decidido sobre André Martins: como disse o acima referido leitor, e bem, "esconde-se do jogo e não brilha". A alternativa aparente é Carlos Mané. Ainda não foi possível determinar, esclarecidamente, a qualidade de Slavchev e Ryan Gauld simplesmente não é opção para o treinador.

 

Ninguém anda sob a ilusão que a solução absoluta recai sobre Junya Tanaka, mas o que se torna bem claro é que não podemos contar com Fredy Montero, pelo menos como ponta de lança. Seja qual for o seu problema, não há razão alguma para optimismo, pelo andar das coisas. 

 

Veremos o que vai acontecer na Eslovénia, mais uma vez diante uma equipa perfeitamente ao nosso alcance. Não pretendo de forma alguma exercer qualquer tipo de pressão sobre Marco Silva, além da que ele já sentirá, por natureza, mas sei de fonte interna cem por cento fidedigna - repito, cem por cento fidedigna - que após o jogo do Belenenses Bruno de Carvalho afirmou (palavras para o efeito) "ou as coisas mudam ou não vai cá estar muito tempo". Se fez esta afirmação com convicção ou pela frustração sentida no momento, não posso garantir, mas foi essa a sua expressão.

 

publicado às 19:50

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds