Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Pobre Miguel Cardoso... O jogador do Belenenses SAD fez uma boa exibição, marcou um golo, mas falhou um penálti. Poucos minutos depois, o Sporting beneficiou de uma grande penalidade e João Mário não a desperdiçou. Maior terá sido o sofrimento do jogador azul. Uma noite em branco, quase de certeza. Refazer o remate na cabeça até acertar. Bola nas redes. E, a cada tentativa, o pesadelo redivivo. Os braços tentaculares de Antonio Adán a segurarem a bola. Que noite de insónia.

1041d42a-043e-417e-a1e3-4677319d88e4.jpeg

Venha de lá o consolo... Não foi o avançado que falhou, o guarda-redes é que defendeu. Pois, pois. Vão lá dizer isso ao avançado para ver se ele adormece mais depressa. E eu, por afinidade e temperamento, até sou pelos guarda-redes, tão poucas vezes heróis e tantas vezes os vilões mais predilectos da frustração colectiva, os bodes expiatórios das falhas da equipa. Então é deixar que os levem em ombros quando à força de ombros, braços e mãos aguentam o edifício precário da vitória.

Não há coisa mais linda, garanto-vos, quando o quase sempre esquecido, o sacrificado, o periférico guarda-redes é trazido das distantes margens do jogo para o centro solar da festa e reconhecido pelos companheiros e recebe os louvores habitualmente destinados aos craques, aos artífices do golo, aos geniozinhos em ponta de chuteira. A glória não tem de vir em jogos a sério, com equipamentos a rigor e transmissão televisiva.

Perguntem a qualquer miúdo, mesmo qualquer um, se não teve uma manhã ou uma tarde de glória no recreio da escola primária ou no campo de futebol de cinco à porta de casa, num baldio por detrás dos prédios ou num quadrado de relva com árvores a fazerem de postes, e ele responder-vos-á e decerto não terá de fazer grande esforço de memória para recuperar do passado esses momentos intactos em que foi rei.

Pode ler o artigo completo de Bruno Vieira Amaral, em Tribuna Expresso, aqui.

_____________________________________________

Nota: Antonio Adán, guarda-redes contratado pelo Sporting ao Atlético de Madrid, teve no domingo, frente ao Belenenses SAD, um momento raro na sua carreira, ao defender um penálti e negando assim o golo a Miguel Cardoso.

O guarda-redes espanhol defendeu apenas o sexto penálti da carreira, no entanto, a lista de nomes travados em grandes penalidades tem dois ilustres pelo meio: Messi (Barcelona, 2014) e Neymar (Barcelona, 2015).

publicado às 05:00

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds