Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




gettyimages-1232253775-612x612.jpg

Obviamente não estou a defender este modelo de negócio (50%) como um padrão para o Sporting. Eu próprio já aqui escrevi que não quero ver o Sporting como "barriga de aluguer" para negócios de outros.O que defendo é uma avaliação caso a caso e se o valor desportivo do jogador o justificar tentar a sua contratação, mesmo que implique, como recurso, a partilha dos direitos económicos do jogador. Não é o cenário ideal, mas sacrifica-se a vertente económica em detrimento da vertente desportiva.O Pote tem de ser mencionado como um bom exemplo de gestão desportiva. Conseguimos, através de uma habilidade negocial, um deveras extraordinário activo desportivo, ao mesmo tempo que impedimos o fortalecimento de um adversário directo. É este sucesso que eu prevejo para o Ugarte.

Texto da autoria de Leão do Norte

NOTA: Segundo Record, Ugarte é esperado em Alvalade para assinar contrato e a SAD "garantiu mais 30% por 6 milhões caso o médio cumpra 90 jogos". Ou seja, a cada 30 jogos oficiais, o Sporting poderá adquirir mais 10% do passe com custo fixo de 2 milhões de euros.

publicado às 05:33

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


10 comentários

Sem imagem de perfil

De João Gil a 05.08.2021 às 09:35

A partilha de passes é vulgar nas transações. Mitiga o risco, distribui o custo e permite que o negócio se faça. Só acontece assim porque os custos das transferências passaram a ser astronómicos. É a única maneira de clubes com menos capacidade financeira poderem adquirir bons jogadores. O sistema está feito para agentes e intermediários encherem os bolsos e vão e por acaso que clubes como o Famalicão, Portimonense e outros são na realidade e de forma encapotada detidos por agentes desportivos e financeiros de legitimidade duvidosa. Veja-se o que fez agora a liga espanhola e percebe-se que este sistema não vai mudar.Pelo contrário, vai ser cada vez mais o negócio financeiro o verdadeiro jogo. O futebol no campo é o acessório indispensável ao negócio, mas é um acessório. Ser campeão é muito bom para o negócio, mas o verdadeiro negócio do futebol é fazer dinheiro, não é ser campeão de coisa nenhuma. SL
Imagem de perfil

De Julius Coelho a 05.08.2021 às 11:05

Eu ontem neste espaço dei um exemplo das consequências que trazem compras de 50% do passe de jogadores sem valor acordado com os restantes 50%.
Na revenda do activo a outra parte vai "mamar" mais a metade do bolo , neste caso específico se o Ugarte viesse a ser vendido a um valor já de si extraordinário por 40M o Famalicão iria receber 18M dessa venda mais os 6 que recebeu do Sporting, total 24M enquanto o Sporting iria receber 12M, o que seria um negócio ruinoso.

Vejam bem e esperteza do Famalicão, teria feito a venda do Ugarte por 24M. A Direção do Sporting não se pode deixar cair nestas bizarras situações por muito valiosos desportivamente que sejam os jogadores que queira comprar.
Sem imagem de perfil

De João Gil a 05.08.2021 às 11:34

Não se pode ver as coisas desse prisma, que é enviesado. A questão que tem de colocar é a do lado do Sporting, ie: o Sporting quer um jogador, investe X na compra do respectivo passe, um dia vende o mesmo por Y e faz uma mais valia de Z. O bem, neste caso, é do Famalicão, não é do Sporting. Não é o comprador que fica com a mais valia. Essa realiza-se no momento da venda. Se o comprador quer ficar com a mais valia potencial (futura) então tem de aceitar a ideia de ter de pagar mais pelo bem, na compra. Essa coisa de galinha gorda por pouco dinheiro…
Se o Sporting não quer, pode ir comprar outro e deixar que o Famalicão faça o negócio com quem bem entender e pague melhor. Tal como aconteceu com João Mário, que fez negócio com quem o valorizou mais. E pelos vistos o Sporting quer tanto o jogador que até vai pagar ao Famalicão 6,5M€ por 50% e até vai mais longe, pagando 2M€ adicionais por cada 10% do passe a cada 30 jogos realizados com a camisola do Sporting. Portanto, ao que se diz, o Sporting prepara-se para pagar não 6,5 mas 12,5 (potencialmente) por 80% do passe para ter a totalidade dos direitos que hoje pertencem ao Famalicão, já que ainda há 20% nas mãos de outro clube. Portanto, é tudo uma questão de quanto há para gastar agora e de quanto se acredita que vai valer o produto no mercado, no futuro. Só se saberá se foi bom negócio quando o Sporting vender o jogador e em função do desempenho desportivo. Mama quem é dono do produto e não quem quer comprar o,produto. Em lado nenhum do mundo dos negócios é ao contrário. O Sporting mamará quando tiver o produto para vender. O Famalicão entretanto mama à conta do Sporting porque foi o Famalicão que investiu no jogador e não o Sporting. Parte desse investimento inicial não pode agora reverter para o Sporting. Era bom, mas não é assim. SL
Imagem de perfil

De Julius Coelho a 05.08.2021 às 11:45

Convenhamos a quem iria o Famalicão vender 50% do passe do jogador sem valor fixado para os outros 50%? Não acredito que Porto e Benfica entrem nesse tipo de negócio ruinoso. Porto e Benfica têm que encontrar todos os anos 100 a 130 milhôes para fazer face aos gastos de cada época, todos os anos têm que vender jogadores a valores altíssimos e não será de certeza a comprar 50% de passes de jogadores que depois na sua venda conseguem encaixar valor suficiente para o que necessitam para pagar as suas contas.

No mercado estuda-se e analisa-se também a concorrência, como procede e quais as suas necessidade e só depois se decide já com todos os elementos na balança.
Um ou outro negócio com níveis extraordinários pode acontecer nesses moldes mas nunca como norma, seria ruinoso.

Neste caso o Sporting prefere e muito bem arriscar pagar 12M por 80% do passe para não ter que vir a pagar depois muito mais pelo jogador á sua origem é claro e muito mais justo e correcto.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 05.08.2021 às 12:32

Na realidade, é mera conjectura do Julius. Não sabe o que o Benfica ou o FC Porto fariam!!!
Imagem de perfil

De Julius Coelho a 05.08.2021 às 12:33

Escrevi: "não acredito", não disse o que fariam.
Imagem de perfil

De Rui Gomes a 05.08.2021 às 12:36

É pura conjectura... NÂO SABE!!!
Sem imagem de perfil

De MAV a 05.08.2021 às 15:04

O Julius e muito bem já explicou o que se pode tornar uma venda de 40M em que só se têm 50% do passe, e ainda acrescento aos 6.5+ 6 os salários pagos pelo Sporting e mais, não sabemos se há alguma cláusula em que o Sporting será obrigado a vender mediante uma proposta de x valor
Volto a frisar o Sporting têm dois tipos de LETAIS os depois de 2013 e os de 2018 em diante.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 05.08.2021 às 16:35

MAV,

Discussão completamente enviesada. A compra de um atleta, tem como primeiro objectivo a rentabilidade desportiva, e o reforço do colectivo. Se gerar mais valias, sejam grandes ou pequenas, é positivo. O Sporting, tanto quanto sei, é um clube desportivo, e não uma empresa de import/export. O problema é quando o investimento económico, é deficitário, desportivamente. Sobre a questão dos LETAIS, sou, completamente, analfabeto.
Imagem de perfil

De Julius Coelho a 05.08.2021 às 17:36

Aí discordo completamente caro amigo, não sejamos ingénuos, isso é a parte emocional que nos leva a acreditar que funciona dessa forma, não podemos confundir o objectivo prioritário que é de facto desportivo com a necessidade de manter o barco em velocidade de cruzeiro para conseguir obter outras conquistas. Não esqueçamos que se trata de um grande clube mesmo já numa escala mundial. Nenhum clube grande sobrevive sem aquilo com que se compra os melões.

Atingir o topo desportivamente uma época não é a mesma coisa que manter-se no topo a esgremir com as mesmas armas os títulos nos anos seguintes, é fácil vender uma equipa ao desbarato mas depois vêm as consequências, os desertos a percorrer.

O equilíbrio financeiro consegue-se com resultados minimamente aceitáveis desportivamente, mantendo os ativos em alta, mas também com a arte de saber comprar para depois na venda conseguir o máximo de margem, as instituições vivem das margens das vendas e têm que ser logo defendidas no acto da compra para não se entrar num ciclo de suicídio financeiro anunciado.

Que resulta depois? Menos capacidade para a compra e com isso a obrigatoriedade de procurar ativos menos valorizados, depois chegam os insucessos desportivos por arrasto, como pescadinha de rabo na boca ás voltas.
É um voltar ao passado.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D




Cristiano Ronaldo


subscrever feeds