Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O basquetebol no Sporting

Leão Zargo, em 25.05.16

 

19640694_ZtG3o.jpg 

 

Através de um breve comunicado, a direcção do Sporting informou que será criada uma secção de Basquetebol no Clube, denunciando o protocolo existente com a “Associação Basquetebol SCP”. Isto é, comunica-se que “numa primeira fase a Secção de Basquetebol vai ter apenas equipas dos escalões de formação (até sub-14)”, terminando assim com uma equipa feminina que participa no escalão principal.

 

No comunicado da direcção não há uma palavra de reconhecimento ou de crítica a quem dedicou o seu esforço e saber a um sonho acalentado por inúmeros sportinguistas. Iniciando-se em 2012-13 no 3º escalão da modalidade, em 2015-16 alcançou a divisão principal. Extingue-se um projecto no Clube sem avaliar o que foi construído, sem uma referência, sem a integração da equipa que já existe numa secção oficial do Sporting. Desbaratam-se vontades, experiência, conhecimento. Recomeça-se tudo, mas com outras pessoas.

 

Há uma triste ironia nesta decisão pomposamente anunciada como o regresso da modalidade ao Sporting. Tirando a incoerência do título do comunicado, percebe-se que se acaba com o que já existe na suposição optimista de que num futuro relativamente longínquo se alcance aquilo que temos agora. Isto é, a formação no Clube já existia, como também havia uma equipa feminina na 1ª divisão. Agora, os atletas terão de iniciar um percurso competitivo desde as divisões inferiores. O custo financeiro dificilmente será inferior ao que decorre do que agora foi extinto (90 mil euros por ano).

 

As atletas da equipa principal de Basquetebol tornaram pública uma carta que dirigiram a Bruno de Carvalho, bem reveladora do empenho que sempre demonstraram e da frustração que sentem. “Larga assim o forte Leão a sua cria?”, perguntam temendo pelo futuro da modalidade no Sporting. E é uma bofetada de luva branca em quem nos estádios de futebol, perante os sportinguistas, bate com o punho fechado no peito enquanto grita pelo nome do Clube.

 

 

P.S.: Para um melhor conhecimento do que se passou, que se perceba o carácter e a vontade das atletas e de como acreditaram no interesse e no apoio de Bruno de Carvalho, transcreve-se na íntegra a referida carta ao presidente do Sporting.

 

Carta ao presidente do Sporting:


Esforço, Dedicação, Devoção e Glória, eis o Sporting.

 

Num país com uma veia marcadamente futebolística e afirmando-se o Sporting Clube de Portugal como um clube eclético, com mais de 35 modalidades, recebemos a lamentável notícia de que a equipa sénior feminina de basquetebol será extinta, na sua estreia na Liga Portuguesa Feminina.

 

Temos consciência que num clube como o Sporting Clube de Portugal, ganhar será sempre a égide. Para não desiludir a instituição, a massa associativa, nem a nós mesmas, que como atletas, sempre dignificámos a camisola com esforço, dedicação e devoção, gostaríamos de deixar aqui um breve desabafo.

 

É de conhecimento geral que nenhum projeto, seja ele qual for, sem tempo, e bases sustentáveis, nunca passará de um esboço ou se tornará vencedor. Em 8 meses em que se juntaram profissionais, atletas nacionais e internacionais, jogadoras que representam a nossa Selecção Nacional, parece-nos precipitado a extinção de uma equipa que após tantos contratempos conseguiu alcançar seu o objetivo: a manutenção.

 

Em Portugal, o basquetebol tem ganho ao longo dos anos uma maior visibilidade, isto deve-se, sem qualquer dúvida, aos feitos históricos alcançados por muitas das equipas femininas quer sejam elas da 2ª divisão, 1ª divisão ou Liga. Será que após tanto investimento de ambas as partes esta extinção será benéfica para o desporto nacional? E qual o papel desta instituição na evolução do basquetebol feminino em Portugal?

 

“Nunca se esqueçam que eu serei sempre uma parte de vocês e por isso sinto-me culpado a cada derrota e orgulhoso em cada vitória. Queremos todos dominar pavilhões com mestria, garra e devoção extrema, eu acredito em vocês, eu sou parte de vocês, e nós somos todos Sporting Clube de Portugal”, palavras do presidente Bruno de Carvalho, a nós dirigidas.

 

Aceitamos a responsabilidade de uma possível desilusão, não ganhámos. No entanto, concluímos que não acreditaram em nós, que não somos parte, e que apesar de sermos todos Sporting Clube de Portugal, nem todos fomos tratados com tal dignidade.

 

Esta modalidade não é uma modalidade amadora, há mulheres profissionais e como em qualquer profissão, vivem e organizam a sua vida de acordo com as propostas e acordos realizados atempadamente. Terá sido este o melhor timming? Quem vive do desporto sabe da necessidade da brevidade de todas estas decisões… E agora?

 

Após 17 anos de ausência, retomadas as esperanças neste novo projeto, encerra-se assim, mais uma vez, a tentativa de reerguer o basquetebol no Sporting Clube de Portugal ao fim de 8 meses. Larga assim o forte Leão a sua cria?

 

“Esqueceste do que é honrar uma história, que para ganhar é preciso lutar, ou preferes desistir? Esquecer que há uma honra a defender? (…) Porque esta é a nossa hora, de descobrir quem é leal, de lembrar que só o Sporting tem no seu nome Portugal. (...) O rugido que vem de longe recordar, que se és leão, não choras quando estás a perder, mas lutas até morrer”

 

Esperamos que reconsiderem assim a decisão de nos afastar deste Clube que orgulhosamente representamos e acreditamos que possa fazer parte da história do basquetebol em Portugal.

 

Aguardamos resposta e agradecemos a cuidadosa atenção da vossa parte.

 

Saudações Leoninas,

 

A Equipa Sénior de Basquetebol Feminino do Sporting Clube de Portugal

 

Arantxa Mallou, Bárbara Bilro, Bineta Ndoye, Catarina Caldeira, Catarina Vasconcelos, Cheila Rodrigues, Dora Duarte, Inês Faustino, Márcia Carvalho, Maria Ferreira, Marta Valente, Raquel Jamanca, Sara Tavares e Telma Fernandes

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:11

Comentar

Para comentar, o leitor necessita de se identificar através do seu nome ou de um pseudónimo.


18 comentários

Sem imagem de perfil

De Vasco a 25.05.2016 às 14:35

lol... não há mais nada para esmiuçar. Oh que pena senhores engenheiros Godinhices é o que dá

Abraço e até Agosto
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 25.05.2016 às 15:03

Até Agosto, Vasco. Cumprimentos ao Grão Vasco!
Sem imagem de perfil

De Pedro51 a 25.05.2016 às 14:40

Em 2012/13, um grupo de sócios e ex-jogadores* criou a Associação Basquetebol SCP e fez um protocolo com a direção na altura presidida por Godinho Lopes. Ao fim de 3 anos e depois de conseguir atingir a Liga acabam com o escalão principal !!! Porque será ? Purificação ?

*Edgar Vital, Jaime Brito da Torre, Juvenal Carvalho e Carlos Sousa.

Imagem de perfil

De Leão Zargo a 25.05.2016 às 15:01

Pedro51
Há um tremendo absurdo nesta decisão. Na próxima época (2016-17) teríamos a competir na 1ª divisão uma equipa feminina e na formação haveria equipas masculinas e femininas (até sub16). Num ápice, acaba-se com tudo, um trabalho de quatro anos é deitado fora e anuncia-se vagamente que um dia estaremos a competir nos escalões mais elevados.

Não quero considerar a possibilidade que se acabou com um projecto por ter sido assinado Godinho Lopes. Seria mesquinho!
Sem imagem de perfil

De Pedro51 a 25.05.2016 às 15:16

Nao estarei assim tão certo.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 25.05.2016 às 15:34

É uma decisão invulgar, de facto. Li há pouco as declarações infelizes de Vicente de Moura referindo-se à ausência de “retorno desportivo” no basquetebol, seja lá isso o que for.
Sendo assim, o andebol está em perigo no Sporting? E o râguebi? E outras?
Sem imagem de perfil

De Carlinha MR a 25.05.2016 às 15:39

Estou consigo Leão Zargo!!
Tudo o que acontece agora, é culpa do antes??
JE SUIS FARTA de desculpas da treta!

Abraços
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 25.05.2016 às 15:53

O Sporting está um Clube estranho. Com a extinção da equipa feminina de basquete surgiram informações em catadupa de mudanças na área da comunicação. Saem Graça Dias, Bruno Roseiro, Rita Matos, Diogo André, Diogo Bernardo. Antes já tinham sido José Quintela, João Morgado Fernandes, Luís Bernardo, Mário Carneiro…

Quando não existe um plano, um modelo, os “outros” é que se tramam. Há qualquer coisa de autofágico em tudo isto!

Saudações, Carlinha!
Sem imagem de perfil

De Carlinha MR a 25.05.2016 às 17:52

Sem imagem de perfil

De Carlinha MR a 25.05.2016 às 15:40

Como ex basquetebolista, tomo esta 'dor' e estou com estas senhoras!
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 25.05.2016 às 16:13

Carlinha
...
Sem imagem de perfil

De PSousa a 25.05.2016 às 15:43

Tenho pena!
Uma das razões de ser sócio do SCP é pelo seu todo e não só pelo futebol.
E agora com o pavilhão perto do estádio fiquei com a ideia de que podia passar o dia na minha "outra casa" a ver tudo "in live" em vez de ser pela TV.

Não sei se vai haver "marcha atrás" mas que pelo menos se dê oportunidades para que as nossas modalidades sobrevivam e sejam uma forma de estar no desporto.

Quanto às guerras de "de quem é a culpa" se de agora se de antes... estou fora....
SL
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 25.05.2016 às 16:16

PSousa
O ecletismo do Sporting é anterior a todos nós. Por alguma razão o anterior Estádio de Alvalade ostentava os anéis olímpicos na bancada central.
Sem imagem de perfil

De Leão 1906 a 25.05.2016 às 21:32

Também não concordo com esta decisão e acho incrível que depois de todo o progresso feito e de se alcançar a manutenção na 1ª divisão no ano de estreia...se extinga a equipa.

Não compreendo esta decisão e essa do retorno desportivo é muito fraca explicação.

Quem veste e defende as nossas cores não pode ser despedido desta forma.
Isto NÃO é o Sporting.

Espero que reconsiderem.

Em qualquer caso parabéns a estas valorosas atletas que tão galhardamente defenderam as nossas camisolas e muita felicidade para o futuro.

Foram alvo de uma grande e incompreensível injustiça.
Imagem de perfil

De Leão Zargo a 25.05.2016 às 21:47

Leão 1906
Só faltava esse conceito nebuloso do “retorno desportivo”. Por exemplo, a equipa de hóquei em patins na época passada ficou no 12º lugar com 16 equipas. Felizmente ninguém se lembrou de invocar o “retorno desportivo” dessa equipa.

Por curiosidade, consultei a tabela classificativa da Liga Feminina de Basquetebol. O Sporting ficou em 9º lugar com 12 equipas, a um lugar da entrada no play-off, com os mesmos pontos que o 8º e o 7º e a 2 pontos do 6º classificado.

Se a razão da extinção é de ordem política compete à direcção assumir isso mesmo.

Sem imagem de perfil

De sloct a 26.05.2016 às 11:36

É chocante o desprezo com que o clube, independentemente de quem está à sua frente, por vezes trata as suas modalidades.

Este é apenas mais um caso, a juntar à extinção do basquetebol em 82 e em 95, à do voleibol em 95, à do hóquei em patins por duas vezes, e como não estou para ir pesquisar, o melhor é meter etc....

O conceito que se instalou desde o início do chamado "projecto Roquete" relativamente às modalidades colectivas é, no mínimo, questionável. As modalidades têm que ser auto-sustentáveis? Num mundo ideal sim, no mundo real está fora de questão.

Aos investimentos não correspondem resultados? Por vezes não, mas isso tem uma solução simples, desinveste-se e ajustam-se as coisas à realidade.

Reconheço no entanto que existe um obstáculo inultrapassável a essa solução, que passa pela falta de cultura desportiva da esmagadora maioria dos sócios / adeptos, para os quais uma modalidade apenas se justifica se lutar para ganhar. Infelizmente desde há vinte anos a esta parte, os nossos presidentes / directores não apenas têm essa mentalidade, como a amplificam exponencialmente.

Também ajudava ter critério nos investimentos efectuados. Cito alguns exemplos, o futsal, o hóquei em patins, o ténis de mesa e o bilhar são modalidades bem dirigidas e com retorno desportivo. O atletismo e (principalmente) o andebol são modalidades em que os investimentos são feitos um pouco ao sabor do vento. E qual o critério para o regresso do ciclismo? É sabido que é uma modalidade com custos gigantescos, mesmo neste sistema de parceria uma época de ciclismo dificilmente fica em menos de meio milhão de euros. Qual o retorno que o clube vai ter? Pois.....

Para finalizar, não nos podemos esquecer que o custo anual de todas as modalidades colectivas do Sporting é inferior ao custo de aquisição dum "perna de pau" qualquer da equipa profissional.
Sem imagem de perfil

De Cantona a 26.05.2016 às 12:04

BdC no seu melhor. Das modalidades ditas amadoras só fica futsal e andebol até ver.
Força BdC estas no bom caminho.

Bem haja.
Sem imagem de perfil

De Cantona a 26.05.2016 às 12:10

É sempre a somar BdC levaste uma chapada de luva branca. Só pelo teor da carta a chama lo á razão é como diz o outro já foste. Se o tivessem bajulado ou até mesmo chamado grande líder ou até Deus podia ser que...
Agora assim BdC não admite este tipo de coisas é muito ele para ligar a quem não lhe dá €€€€.
Bem haja.

Comentar post





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Taça das Taças 1963-64



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D




Cristiano Ronaldo